aboutsummaryrefslogtreecommitdiff
path: root/pt_BR.ISO8859-1/books/faq
diff options
context:
space:
mode:
Diffstat (limited to 'pt_BR.ISO8859-1/books/faq')
-rw-r--r--pt_BR.ISO8859-1/books/faq/book.xml14965
-rw-r--r--pt_BR.ISO8859-1/books/faq/pt_BR.po12772
2 files changed, 14726 insertions, 13011 deletions
diff --git a/pt_BR.ISO8859-1/books/faq/book.xml b/pt_BR.ISO8859-1/books/faq/book.xml
index fd4e9100a1..f9723d8e19 100644
--- a/pt_BR.ISO8859-1/books/faq/book.xml
+++ b/pt_BR.ISO8859-1/books/faq/book.xml
@@ -1,599 +1,292 @@
-<?xml version="1.0" encoding="iso-8859-1"?>
-<!DOCTYPE book PUBLIC "-//FreeBSD//DTD DocBook XML V5.0-Based Extension//EN"
- "http://www.FreeBSD.org/XML/share/xml/freebsd50.dtd" [
-<!ENTITY bibliography SYSTEM "../../share/xml/bibliography.xml">
+<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
+<!DOCTYPE book PUBLIC "-//FreeBSD//DTD DocBook XML V5.0-Based Extension//EN" "http://www.FreeBSD.org/XML/share/xml/freebsd50.dtd" [
+<!ENTITY bibliography SYSTEM "../../../share/xml/bibliography.xml">
+<!ENTITY rel.numbranch "3">
+<!-- number of branches that follow in this list --><!ENTITY rel.head "<emphasis xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>12-CURRENT</emphasis>">
+<!ENTITY rel.head.relx "12.<replaceable xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>X</replaceable>">
+<!ENTITY rel.head.releng "<symbol xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>head/</symbol>">
+<!ENTITY rel.relx "11.<replaceable xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>X</replaceable>">
+<!ENTITY rel.stable "<emphasis xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>11-STABLE</emphasis>">
+<!ENTITY rel.releng "<symbol xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>stable/11/</symbol>">
+<!ENTITY rel.relengdate "April 2016">
+<!ENTITY rel2.relx "10.<replaceable xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>X</replaceable>">
+<!ENTITY rel2.stable "<emphasis xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>10-STABLE</emphasis>">
+<!ENTITY rel2.releng "<symbol xmlns='http://docbook.org/ns/docbook'>stable/10/</symbol>">
+<!ENTITY rel2.relengdate "August 2015">
]>
-<!--
- The FreeBSD Documentation Project
- The FreeBSD Brazilian Portuguese Documentation Project
+<book xmlns="http://docbook.org/ns/docbook" xmlns:xlink="http://www.w3.org/1999/xlink" xmlns:its="http://www.w3.org/2005/11/its" version="5.0" xml:lang="pt_BR">
+ <info>
+ <title>Perguntas freqüentes para o FreeBSD 10.<replaceable>X</replaceable> e 11.<replaceable>X</replaceable></title>
- Original revision: 1.456
+ <author><orgname>Projeto de Documentação do FreeBSD</orgname></author>
- $FreeBSD$
--->
-<book xmlns="http://docbook.org/ns/docbook" xmlns:xlink="http://www.w3.org/1999/xlink" version="5.0" xml:lang="pt_br">
- <info><title>Perguntas mais freq&uuml;entes sobre FreeBSD 2.X, 3.X e
- 4.X</title>
-
-
- <author><orgname>Projeto de Documentao do FreeBSD</orgname></author>
-
- <copyright>
- <year>1995</year>
- <year>1996</year>
- <year>1997</year>
- <year>1998</year>
- <year>1999</year>
- <year>2000</year>
- <year>2001</year>
- <year>2002</year>
- <holder>Projeto de Documentao do FreeBSD</holder>
- </copyright>
-
- &legalnotice;
+ <copyright><year>1995</year> <year>1996</year> <year>1997</year> <year>1998</year> <year>1999</year> <year>2000</year> <year>2001</year> <year>2002</year> <year>2003</year> <year>2004</year> <year>2005</year> <year>2006</year> <year>2007</year> <year>2008</year> <year>2009</year> <year>2010</year> <year>2011</year> <year>2012</year> <year>2013</year> <year>2014</year> <year>2015</year> <year>2016</year> <year>2017</year> <year>2018</year> <holder>Projeto de Documentação do FreeBSD</holder></copyright>
- <releaseinfo>$FreeBSD$</releaseinfo>
+
+<legalnotice xml:id="legalnotice">
+ <title>Copyright</title>
+
+ <para>Redistribution and use in source (XML DocBook) and 'compiled' forms (XML, HTML, PDF, PostScript, RTF and so forth) with or without modification, are permitted provided that the following conditions are met:</para>
+
+ <orderedlist>
+ <listitem>
+ <para>Redistributions of source code (XML DocBook) must retain the above copyright notice, this list of conditions and the following disclaimer as the first lines of this file unmodified.</para>
+ </listitem>
+
+ <listitem>
+ <para>Redistributions in compiled form (transformed to other DTDs, converted to PDF, PostScript, RTF and other formats) must reproduce the above copyright notice, this list of conditions and the following disclaimer in the documentation and/or other materials provided with the distribution.</para>
+ </listitem>
+ </orderedlist>
+
+ <important>
+ <para>THIS DOCUMENTATION IS PROVIDED BY THE FREEBSD DOCUMENTATION PROJECT "AS IS" AND ANY EXPRESS OR IMPLIED WARRANTIES, INCLUDING, BUT NOT LIMITED TO, THE IMPLIED WARRANTIES OF MERCHANTABILITY AND FITNESS FOR A PARTICULAR PURPOSE ARE DISCLAIMED. IN NO EVENT SHALL THE FREEBSD DOCUMENTATION PROJECT BE LIABLE FOR ANY DIRECT, INDIRECT, INCIDENTAL, SPECIAL, EXEMPLARY, OR CONSEQUENTIAL DAMAGES (INCLUDING, BUT NOT LIMITED TO, PROCUREMENT OF SUBSTITUTE GOODS OR SERVICES; LOSS OF USE, DATA, OR PROFITS; OR BUSINESS INTERRUPTION) HOWEVER CAUSED AND ON ANY THEORY OF LIABILITY, WHETHER IN CONTRACT, STRICT LIABILITY, OR TORT (INCLUDING NEGLIGENCE OR OTHERWISE) ARISING IN ANY WAY OUT OF THE USE OF THIS DOCUMENTATION, EVEN IF ADVISED OF THE POSSIBILITY OF SUCH DAMAGE.</para>
+ </important>
+</legalnotice>
+
+
+ <legalnotice xml:id="trademarks" role="trademarks">
+ <para>FreeBSD is a registered trademark of the FreeBSD Foundation.</para>
+ <para>Adobe, Acrobat, Acrobat Reader, Flash and PostScript are either registered trademarks or trademarks of Adobe Systems Incorporated in the United States and/or other countries.</para>
+ <para>IBM, AIX, OS/2, PowerPC, PS/2, S/390, and ThinkPad are trademarks of International Business Machines Corporation in the United States, other countries, or both.</para>
+ <para>IEEE, POSIX, and 802 are registered trademarks of Institute of Electrical and Electronics Engineers, Inc. in the United States.</para>
+ <para>Intel, Celeron, Centrino, Core, EtherExpress, i386, i486, Itanium, Pentium, and Xeon are trademarks or registered trademarks of Intel Corporation or its subsidiaries in the United States and other countries.</para>
+ <para>Linux is a registered trademark of Linus Torvalds.</para>
+ <para>Microsoft, IntelliMouse, MS-DOS, Outlook, Windows, Windows Media and Windows NT are either registered trademarks or trademarks of Microsoft Corporation in the United States and/or other countries.</para>
+ <para>NetBSD is a registered trademark of the NetBSD Foundation.</para>
+ <para>Motif, OSF/1, and UNIX are registered trademarks and IT DialTone and The Open Group are trademarks of The Open Group in the United States and other countries.</para>
+ <para>Silicon Graphics, SGI, and OpenGL are registered trademarks of Silicon Graphics, Inc., in the United States and/or other countries worldwide.</para>
+ <para>Sun, Sun Microsystems, Java, Java Virtual Machine, JDK, JRE, JSP, JVM, Netra, OpenJDK, Solaris, StarOffice, SunOS and VirtualBox are trademarks or registered trademarks of Sun Microsystems, Inc. in the United States and other countries.</para>
+ <para>Many of the designations used by manufacturers and sellers to distinguish their products are claimed as trademarks. Where those designations appear in this document, and the FreeBSD Project was aware of the trademark claim, the designations have been followed by the <quote>™</quote> or the <quote>®</quote> symbol.</para>
+ </legalnotice>
+
+ <releaseinfo xml:lang="en">$FreeBSD$</releaseinfo>
<abstract>
- <para>Estas so as Perguntas Mais Freq&uuml;entes
- (<literal>FAQ</literal>) para as verses 2.X, 3.X e 4.X
- do FreeBSD. Deve-se assumir que todos os assuntos aqui
- tratados so relevantes para FreeBSD 2.0.5 ou
- posterior, a no ser que o contrrio esteja
- explicitamente denotado. Todos os assuntos assinalados com
- &lt;XXX&gt; esto em processo de desenvolvimento. Se
- voc estiver interessado em ajudar este projeto, envie
- e-mail para &a.doc;. A verso mais atualizada deste
- documento est sempre disponvel no <link xlink:href="../../../../index.html">servidor WWW do
- FreeBSD</link>. Tambm pode ser obtida como um
- nico grande arquivo <link xlink:href="book.html">HTML</link> via HTTP; ou, como texto puro,
- ou nos formatos postscript, PDF, etc. no <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/doc/">servidor FTP do
- FreeBSD</link>. Voc tambm pode querer
- <link xlink:href="../../../../search/index.html">realizar uma busca
- nas Perguntas Mais Freq&uuml;entes
- (<literal>FAQ</literal>)</link>.</para>
+ <para>Estas são as Perguntas Mais Frequentes <acronym>(FAQ)</acronym> para as versões do FreeBSD 10.<replaceable>X</replaceable> e 11.<replaceable>X</replaceable>. Todos os esforços foram feitos para tornar este <acronym>FAQ</acronym> o mais informativo possível; Se você tiver alguma sugestão de como ele pode ser melhorado, envie-a para a <link xlink:href="http://lists.FreeBSD.org/mailman/listinfo/freebsd-doc">lista de discussão do projeto de documentação do FreeBSD</link>.</para>
+
+ <para>A versão mais recente deste documento está sempre disponível no <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/doc/en_US.ISO8859-1/books/faq/index.html">website do FreeBSD</link>. Ela também pode ser baixada como um grande arquivo <link xlink:href="book.html">HTML</link> por HTTP ou em uma grande variedade de outros formatos a partir do <link xlink:href="https://download.freebsd.org/ftp/doc/">servidor de FTP do projeto FreeBSD</link>.</para>
</abstract>
</info>
<chapter xml:id="introduction">
- <title>Introduo</title>
-
- <para>Bem vindo s Perguntas Mais Freq&uuml;entes
- (<literal>FAQ</literal>) para as verses 2.X 4.X
- do FreeBSD!</para>
-
- <para>Como de costume em Perguntas Mais Freq&uuml;entes
- (<literal>FAQ</literal>) da Usenet, este documento pretende
- cobrir as perguntas mais freq&uuml;entes relacionadas ao sistema
- operacional FreeBSD (e claro, respond-las todas!).
- Embora originalmente tais documentos tivessem apenas a
- finalidade de reduzir a utilizao da largura de
- banda da rede ao evitar que o mesmo tipo de pergunta antiga
- fosse sempre repetida, <literal>FAQs</literal> tornaram-se
- reconhecidamente uma fonte valiosa de
- informaes.</para>
-
- <para>Inmeros esforos foram feitos para tornar
- este <literal>FAQ</literal> o mais informativo possvel;
- se voc tiver alguma sugesto de como esse
- documento pode ser melhorado, sinta-se a vontade para enviar
- suas sugestes por e-mail para o &a.faq;.</para>
+ <title>Introdução</title>
<qandaset>
<qandaentry>
<question xml:id="what-is-FreeBSD">
- <para>O que FreeBSD?</para>
+ <para>O que é o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Em sntese, FreeBSD um sistema
- operacional <foreignphrase>UN*X-like</foreignphrase> para
- plataformas i386 e Alpha/AXP, baseado no
- <quote>4.4BSD-Lite</quote> da Universidade da
- Califrnia em Berkeley, com alguns aprimoramentos
- adotados do <quote>4.4BSD-Lite2</quote>. O FreeBSD
- tambm baseado, indiretamente, na
- converso de William Jolitz conhecida como
- <quote>386BSD</quote> para a plataforma i386 do
- <quote>Net/2</quote> da Universidade da Califrnia,
- em Berkeley; apesar que pouqussimo cdigo
- originado do 386BSD ainda exista no FreeBSD. Uma
- descrio mais abrangente do que
- FreeBSD e como o sistema funciona, pode ser encontrada na
- <link xlink:href="../../../../index.html">pgina
- principal do FreeBSD</link>.</para>
+ <para>O FreeBSD é um sistema operacional moderno para desktops, laptops, servidores e sistemas embarcados, com suporte para um grande número de <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/platforms/">plataformas</link>.</para>
- <para>O FreeBSD amplamente utilizado por empresas,
- Provedores de Servio Internet, pesquisadores,
- profissionais de informtica, estudantes e
- usurios domsticos no mundo todo, para
- trabalho, educao e
- recreao. Alguns destes exemplos podem ser
- observados na <link xlink:href="../../../../gallery/index.html">Galeria
- FreeBSD,</link>.</para>
+ <para>Ele é baseado no sistema <quote>4.4BSD-Lite</quote> da U.C. de Berkeley, com algumas melhorias oriundas do <quote>4.4BSD-Lite2</quote>. Ele também se baseia indiretamente no port para <trademark>i386</trademark> feito por William Jolitz do sistema <quote>Net/2</quote> da U.C. Berkeley, conhecido como <quote>386BSD</quote>, embora muito pouco do código original do 386BSD ainda esteja presente.</para>
- <para>Para informaes mais detalhadas sobre o
- FreeBSD, por favor, leia o <link xlink:href="../handbook/index.html">&a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para>O FreeBSD é usado por empresas, provedores de serviços de Internet, pesquisadores, profissionais da computação, estudantes e usuários domésticos em todo o mundo em seu trabalho, educação e recreação.</para>
+
+ <para>Para informações mais detalhadas sobre o FreeBSD, consulte o <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/index.html">Manual do FreeBSD</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="FreeBSD-goals">
- <para>Qual o objetivo do Projeto FreeBSD?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>O objetivo do Projeto FreeBSD oferecer
- <foreignphrase>software</foreignphrase> que possa ser
- utilizado para qualquer finalidade e sem
- obrigaes anexadas esse
- cdigo. Muitos de ns investimos
- significantemente no cdigo (e no projeto como um
- todo), e com certeza no nos importaramos
- em receber algum tipo de compensao
- financeira neste momento ou qualquer outro no futuro, mas
- ningum no projeto insistir nisso.
- Acreditamos que a nossa primeira e mais importante
- misso oferecer cdigo para toda e
- qualquer pessoa, que possa ser utilizado para qualquer
- propsito, de forma que esse cdigo
- oferea o maior nmero possvel de
- benefcios e formas de uso. Ns acreditamos
- que este um dos objetivos fundamentais do
- <foreignphrase>Software</foreignphrase> Livre, e
- um dos quais ns apoiamos com entusiasmo.</para>
-
- <para>O cdigo fonte em nossa rvore que
- distribudo sob a <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/copyright/COPYING">Licena
- Pblica Geral GNU (GPL)</link> ou sob a <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/copyright/COPYING.LIB">
- Licena Pblica Geral de Bibliotecas GNU
- (LGPL)</link> inclue, pode-se dizer, algumas
- obrigaes anexadas a ele; contudo tais
- restries visam garantir o acesso livre a
- esse cdigo, e no o contrrio.
- Devido complexidades adicionais que envolvem a
- utilizao comercial de software licenciado
- sob GPL, ns procuramos substituir tais softwares
- sob a mais relaxada <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/copyright/freebsd-license.html">licena
- de direito autoral FreeBSD</link> sempre que
- possvel;.</para>
+ <para>Qual é o objetivo do projeto FreeBSD?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>O objetivo do Projeto FreeBSD é fornecer um sistema operacional de propósito geral estável e rápido que possa ser usado para qualquer propósito sem restrições.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="bsd-license-restrictions">
- <para>A licena FreeBSD tem alguma
- restrio?</para>
+ <para>A licença do FreeBSD tem alguma restrição?</para>
</question>
<answer>
- <para>Sim. Entrentanto, essas restries
- no definem regras a respeito de como o
- cdigo deve ser utilizado, mas de como voc
- deve tratar o Projeto FreeBSD ao utilizar cdigo
- distribudo pelo mesmo. Se voc tem
- srias dvidas sobre o liceniamento,
- sinta-se a vontade para ler a <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/copyright/freebsd-license.html">
- licena</link>. Para os meramente curiosos, a
- licena pode ser resumida em:</para>
+ <para>Sim. Essas restrições não controlam como o código é usado, mas como tratar o próprio projeto FreeBSD. A licença em si está disponível em <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/copyright/freebsd-license.html">licença</link> e pode ser resumida da seguinte forma:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>No alegue que o cdigo foi escrito
- por voc.</para>
+ <para>Não reivindique que você escreveu o sistema.</para>
+ </listitem>
+
+ <listitem>
+ <para>Não nos processe se ele quebrar.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>No nos processe se o cdigo
- falhar.</para>
+ <para>Não remova ou modifique a licença.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
+
+ <para>Muitos de nós têm um investimento significativo no projeto e certamente não nos importaríamos com uma pequena compensação financeira de vez em quando, mas nós definitivamente não insistimos nisso. Acreditamos que a nossa primeira e principal <quote>missão</quote> é fornecer código a todos os participantes, e para qualquer finalidade, para que o código obtenha o maior uso possível e forneça o maior benefício possível. Este, acreditamos, é um dos objetivos mais fundamentais do Software Livre e um dos que apoiamos entusiasticamente.</para>
+
+ <para>O código em nosso repositório de código-fonte que se enquadra na <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/copyright/COPYING">Licença Pública Geral GNU (GPL)</link> ou na <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/copyright/COPYING.LIB">Licença Pública Geral da Biblioteca GNU (LGPL)</link> vem com algumas restrições adicionais, ainda que sejam no sentido de forçar o acesso, em vez do habitual oposto. Devido às complexidades adicionais que podem surgir no uso comercial de um software GPL, nós nos esforçamos para substituir tais softwares por outros sob a <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/copyright/freebsd-license.html">Licença FreeBSD</link> que é menos restritiva, sempre que possível.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="replace-current-OS">
- <para>O FreeBSD pode substituir meu sistema operacional
- atual?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Para maioria das pessoas, sim. Mas essa no
- uma pergunta to simples assim.</para>
-
- <para>A maioria das pessoas, na verdade, no utiliza
- um sistema operacional. As aplicaes
- utilizadas pelos usurios que realmente
- usam o sistema operacional. O FreeBSD projetado
- de forma a oferecer um ambiente robusto e completo para as
- aplicaes. Suporta uma enorme variedade de
- navegadores internet, de sutes de
- escritrio, clientes de e-mail, programas de
- manipulao grfica, ambientes de
- programao, servidores e servios de
- rede, e praticamente tudo mais que voc pode
- desejar. A maioria destas aplicaes podem
- ainda ser gerenciadas atravs da <link xlink:href="http://www.freebsd.org/ports/">Coleo
- de <literal>Ports</literal></link>.</para>
-
- <para>Em circunstncias nas quais precise usar uma
- aplicao disponvel apenas para um
- determinado sistema operacional, no
- possvel substituir aquele sistema operacional.
- Entretanto, h uma boa chance que alguma
- aplicao similar que voc
- precisa, exista para FreeBSD. Se voc quer ter,
- desde um slido conjunto de
- aplicaes para escritrio,
- at um robusto e altamente escalvel
- servidor Internet, ou simplesmente uma
- estao de trabalho confivel, onde
- voc possa realizar seu trabalho sem
- interrupes, FreeBSD provavelmente vai
- suprir todas as suas necessidades. Inmeras
- pessoas pelo mundo todo, desde usurios novatos
- administradores de sistemas UNIX experientes usam
- FreeBSD como seu nico sistema operacional para
- <foreignphrase>desktop</foreignphrase>.</para>
-
- <para>Se voc est migrando para FreeBSD a
- partir de algum outro ambiente UNIX, provavelmente
- j sabe quase tudo o que precisa pra comear
- a se envolver com o sistema. Entretanto, se o seu
- histrico em computao envolveu
- somente sistemas operacionais baseados em ambientes
- grficos como Windows e antigos Mac OS, ser
- necessrio investir algum tempo a mais aprendendo a
- maneira UNIX de fazer as coisas. Este
- <literal>FAQ</literal> e o <link xlink:href="../handbook/index.html">&a.ptbr.p.handbook;</link>
- so excelentes formas de comear sua
- jornada.</para>
+ <para>O FreeBSD pode substituir meu sistema operacional atual?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>Para a maioria das pessoas, sim. Mas esta questão não é assim tão simples.</para>
+
+ <para>A maioria das pessoas não usa um sistema operacional. Elas usam aplicativos. São os aplicativos que realmente usam o sistema operacional. O FreeBSD é projetado para fornecer um ambiente robusto e completo para aplicativos. Ele suporta uma grande variedade de navegadores da web, pacotes de escritório, leitores de e-mail, programas gráficos, ambientes de programação, servidores de rede e muito mais. A maioria destes aplicativos pode ser gerenciada através da <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/ports/">Coleção de Ports</link>.</para>
+
+ <para>Se um aplicativo estiver disponível apenas para um determinado sistema operacional, esse sistema operacional não poderá ser substituído. No entanto é provável que exista um aplicativo muito semelhante no FreeBSD. Seja como um sólido servidor corporativo, um servidor de Internet ou ainda uma confiável estação de trabalho, o FreeBSD quase certamente fará tudo o que você precisa. Muitos usuários de computador ao redor do mundo, incluindo novatos e experientes administradores <trademark class="registered">UNIX</trademark>, usam o FreeBSD como seu único sistema operacional de desktop.</para>
+
+ <para>Os usuários que migrarem para o FreeBSD vindos de outro ambiente <trademark class="registered">UNIX</trademark>-like irão achar o FreeBSD bastante similar. Os usuários de <trademark class="registered">Windows</trademark> e do <trademark class="registered">Mac OS</trademark> podem se interessar em usar o <link xlink:href="https://www.trueos.org">TrueOS</link>, uma distribuição de desktop baseada no FreeBSD. Os usuários que não estão habituados ao uso de sistemas <trademark class="registered">UNIX</trademark> devem investir algum tempo adicional aprendendo a maneira de fazer as coisas no <trademark class="registered">UNIX</trademark>. Este <acronym>FAQ</acronym> e o <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/index.html">Manual do FreeBSD </link> são excelentes lugares para iniciar.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="why-called-FreeBSD">
- <para>Por que o sistema se chama FreeBSD?</para>
+ <para>Por que ele é chamado de FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>Pode ser utilizado sem nenhum encargo
- monetrio, inclusive para uso comercial.</para>
+ <para>Pode ser usado gratuitamente, até mesmo por usuários comerciais.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>O cdigo fonte completo do sistema
- operacional livremente distribudo, e
- pode ser adquirido gratuitamente. O menor
- nmero possvel de
- restries foram colocadas sobre o uso
- do sistema, sua distribuio e sua
- incorporao outro projeto
- (comercial ou no).</para>
+ <para>O código fonte completo do sistema operacional está disponível gratuitamente, e foram colocadas restrições mínimas sobre seu uso, distribuição e incorporação em outro trabalho (comercial ou não comercial).</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Qualquer pessoa que tiver feito alguma
- correo ou aprimoramento do
- cdigo do sistema pode livremente enviar suas
- alteraes e ter seu cdigo
- adicionado rvore de cdigo
- fonte do sistema (obviamente sujeito a prvias
- anlises).</para>
+ <para>Qualquer pessoa que tenha uma melhoria ou correção de bug está livre para enviar seu código e para adicioná-lo ao repositório de código-fonte (sujeito a uma ou duas provisões óbvias).</para>
</listitem>
</itemizedlist>
- <para> importante ressaltar que a palavra de origem
- inglesa <quote>free</quote> em portugus pode ser
- traduzida como <quote>livre</quote> e
- <quote>gratuito</quote>. Alm disso, a palavra
- <quote>free</quote> est sendo usada aqui com dois
- significados: <quote>sem custo</quote> e <quote>voc
- pode fazer o que quiser</quote>. <quote>Free</quote> no
- nome do sistema operacional remete aos dois significados
- da palavra. O sistema pode ser utilizado <quote>sem
- nenhum custo</quote>, e pode ser utilizado <quote>da
- forma que voc quiser</quote>. Exceto por algumas
- poucas coisinhas que voc no pode fazer com
- o FreeBSD (por exemplo, fingir que foi voc quem o
- escreveu), voc pode realmente fazer o que bem
- entender com o sistema.</para>
+ <para>Vale ressaltar que a palavra <quote>free</quote> está sendo usada de duas formas aqui: uma que significa <quote>sem custo</quote> (grátis) e a outra que significa <quote>faça o que quiser</quote> (Livre). Fora uma ou duas coisas que você <emphasis>não pode</emphasis> fazer com o código do FreeBSD, por exemplo, fingir que você o escreveu, você pode realmente fazer o que quiser com ele.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
+
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="differences-to-other-bsds">
+ <para>Quais são as diferenças entre o FreeBSD, o NetBSD, o OpenBSD e os outros sistemas operacionais BSD de código aberto?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>O James Howard escreveu uma boa explicação da história e das diferenças entre os vários projetos BSD, chamada <link xlink:href="https://jameshoward.us/archive/the-bsd-family-tree/">A árvore genealógica do BSD</link>, a qual é uma boa forma de responder a esta pergunta. Algumas das informações estão desatualizadas, mas a parte da história em particular permanece precisa.</para>
+
+ <para>A maioria dos BSDs compartilha patches e códigos, até hoje. Todos os BSDs descendem dos mesmos ancestrais.</para>
+
+ <para>Os objetivos de design do FreeBSD estão descritos em <xref linkend="FreeBSD-goals"/>, acima. Os objetivos de design dos outros BSDs mais populares podem ser resumidos da seguinte forma:</para>
+
+ <itemizedlist>
+ <listitem>
+ <para>O OpenBSD visa a segurança do sistema operacional acima de tudo. A equipe do OpenBSD escreveu o <citerefentry><refentrytitle>ssh</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> e o <citerefentry><refentrytitle>pf</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>, os quais foram portados para o FreeBSD.</para>
+ </listitem>
+
+ <listitem>
+ <para>O NetBSD pretende ser facilmente portado para outras plataformas de hardware.</para>
+ </listitem>
+
+ <listitem>
+ <para>O DragonFly BSD é um fork do FreeBSD 4.8 o qual desenvolveu muitas características interessantes ao longo dos anos, incluindo o sistema de arquivos HAMMER e o suporte para <quote>vkernels</quote> no modo de usuário.</para>
+ </listitem>
+ </itemizedlist>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="latest-version">
- <para>Qual a verso mais recente do FreeBSD?</para>
+ <para>Qual é a última versão do FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>A verso <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/releases/i386/&rel.current;-RELEASE/">&rel.current;</link>
- a verso <emphasis>RELEASE</emphasis> mais
- recente; lanada em &rel.current.date;. Esta
- tambm a verso
- <emphasis>STABLE</emphasis> mais recente.</para>
+ <para>A qualquer momento no desenvolvimento do FreeBSD, podem existir vários branches paralelos. As releases 11.<replaceable>X</replaceable> são geradas a partir da branch <emphasis>11-STABLE</emphasis> e as releases 10.<replaceable>X</replaceable> são geradas a partir do branch <emphasis>10-STABLE</emphasis>.</para>
+
+ <para>Até o lançamento da versão 9.0, a série 10.<replaceable>X</replaceable> era a conhecida como <emphasis>-STABLE</emphasis>. No entanto, a partir da 12.<replaceable>X</replaceable>, a branch 10.<replaceable>X</replaceable> será designada para um status de <quote>suporte estendido</quote> e passará a receber apenas correções para problemas maiores, como as correções relacionadas à segurança.</para>
- <para>Resumidamente, <emphasis>-STABLE</emphasis> a
- srie voltada para Provedores de Servio de
- Internet, usurios corporativos, ou qualquer
- usurio que deseje estabilidade e um nmero
- mnimo de alteraes e novas
- caractersticas adotadas do
- <foreignphrase>snapshot</foreignphrase>
- <emphasis>-CURRENT</emphasis>. Lanamentos podem
- vir de qualquer um dos ramos de desenvolvimento; a
- srie <emphasis>-CURRENT</emphasis>, todavia,
- deveria ser utilizada apenas por usurios
- preparados para um ambiente em constante
- modificao, instvel em muitas de
- suas caractersticas e extremamente sem garantias
- (ao menos, quando comparado ao
- <emphasis>-STABLE</emphasis>).</para>
+ <para>A versão <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/releases/i386/i386/11.2-RELEASE/">11.2</link> é a última release da branch <emphasis>11-STABLE</emphasis>; ela foi lançada em junho de 2018. A versão <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/releases/i386/10.4-RELEASE/">10.4</link> é a release mais recente da branch <emphasis>10-STABLE</emphasis>; e foi lançada em outubro de 2017.</para>
- <para>Lanamentos so realizados <link linkend="release-freq">de alguns em alguns meses</link>.
- Muitos usurios mantm o cdigo fonte
- de seus sistemas em mais sincronia com a rvore de
- desenvolvimento do FreeBSD (veja as perguntas sobre <link linkend="current">FreeBSD-CURRENT</link> e <link linkend="stable">FreeBSD-STABLE</link>) que isto, fazer
- isto uma demonstrao de interesse
- e compromisso visto que o cdigo fonte sofre
- constantes modificaes.</para>
+ <para>As releases são liberadas a <link linkend="release-freq">cada poucos meses</link>. Embora muitas pessoas se mantenham mais que isso por meio do código fonte do FreeBSD (veja as perguntas em <link linkend="current">FreeBSD-CURRENT</link> e <link linkend="stable">FreeBSD-STABLE</link> ), esta periodicidade está mais para um compromisso, já que o código fonte é um alvo em movimento.</para>
+
+ <para>Mais informações sobre as releases do FreeBSD podem ser encontradas na <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/releng/index.html#release-build">página de Engenharia de Releases</link> e em <citerefentry><refentrytitle>release</refentrytitle><manvolnum>7</manvolnum></citerefentry>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="current">
- <para>O que FreeBSD-CURRENT?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para><link xlink:href="../handbook/cutting-edge.html#CURRENT">FreeBSD-CURRENT</link>
- a verso de desenvolvimento do sistema
- operacional, que brevemente se tornar a
- srie 5.0-<literal>RELEASE</literal>. Exatamente
- por ser uma srie de desenvolvimento, e portanto
- sem garantias de estabilidade, o uso desse sistema
- operacional de interesse exclusivo de
- desenvolvedores que trabalham no sistema, usurios
- extremamente experientes que acompanham e analisam
- (testam) o novo sistema ou daqueles que o fazem por
- <foreignphrase>hobby</foreignphrase>. Veja a <link xlink:href="../handbook/cutting-edge.html#CURRENT">seo
- relevante</link> no <link xlink:href="../handbook/index.html">&a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
-
- <para>Se voc no tem familiaridade com o
- sistema operacional, no um usurio
- experiente ou no consegue distinguir a
- diferena entre um problema de verdade e um
- problema temporrio, ento
- desaconselhvel que voc use o
- FreeBSD-CURRENT. Essa srie, as vezes, evolui de
- forma extremamente rpida, e pode se tornar
- extremamente instvel e subutilizvel por
- vrios dias seguidos. Usurios do
- FreeBSD-CURRENT devem ser capazes de analisar qualquer
- problema no sistema, e apenas relatar a falha se o
- problema tratar-se de um erro ou um engano no
- desenvolvimento do mesmo ao invs de
- <quote>pequenos problemas temporrios de
- instabilidade
- (<foreignphrase>glitches</foreignphrase>)</quote>.
- Perguntas sobre o porqu de <quote>make world
- produzir erros a respeito de grupos</quote> so
- devidamente ignoradas ou escrachadas na lista de
- discusso da srie -CURRENT.</para>
-
- <para>Diariamente, <link xlink:href="../../../../releases/snapshots.html"><foreignphrase>snapshots</foreignphrase></link>
- so lanados baseados no estado atual de
- desenvolvimento dos ramos -CURRENT e -STABLE. Atualmente,
- distribuies ocasionais de
- <foreignphrase>snapshots</foreignphrase> esto
- sendo disponibilizadas. Os objetivos por trs do
- lanamento de cada
- <foreignphrase>snapshot</foreignphrase> so:</para>
+ <para>O que é o <emphasis>FreeBSD-CURRENT</emphasis>?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>O <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/current-stable.html#current">FreeBSD-CURRENT</link> é a versão de desenvolvimento do sistema operacional, que no devido tempo se tornará o novo branch FreeBSD-STABLE. Como tal, ele é recomendado apenas para os desenvolvedores que trabalham no sistema e usuários amadores obstinados. Consulte a <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/current-stable.html#current">seção relevante</link> no <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/index.html">Handbook</link> para detalhes sobre como executar o <emphasis>-CURRENT</emphasis>.</para>
+
+ <para>Usuários não familiarizados com o FreeBSD não devem usar o FreeBSD-CURRENT. Este branch às vezes evolui muito rapidamente e, devido a um erro, pode ser difícil de compilá-lo às vezes. Espera-se que as pessoas que usam o FreeBSD-CURRENT possam analisar, depurar e reportar problemas.</para>
+
+ <para>As <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/snapshots/">snapshot</link> releases do FreeBSD são disponibilizadas com base no estado atual das branchs <emphasis>-CURRENT</emphasis> e <emphasis>-STABLE</emphasis>. Os objetivos por trás de cada release de snapshot são:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>Testar a verso mais recente do programa de
- instalao.</para>
+ <para>Testar a versão mais recente do software de instalação.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Dar a oportunidade para aqueles que querem usar o
- -CURRENT ou o -STABLE - mas no tem tempo ou
- no tem uma conexo Internet
- rpida o suficiente para estarem diariamente
- sincronizados com a verso mais atualizada do
- cdigo no projeto.</para>
+ <para>Para que as pessoas que gostariam de executar o <emphasis>-CURRENT</emphasis> ou o <emphasis>-STABLE</emphasis> mas que não têm tempo ou largura de banda para acompanhá-lo no dia-a-dia tenham uma maneira fácil de instalá-las em seus sistemas.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Manter um ponto de referncia fixo, em
- relao ao cdigo em
- desenvolvimento e o cdigo disponvel
- at ento, para o caso de ns
- seriamente <quote>quebrarmos</quote> alguma coisa.
- (Embora CVS normalmente previna que desastres
- horrveis como este aconteam :)</para>
+ <para>Para preservar um ponto de referência fixo para o código em questão, apenas no caso de quebrarmos algo de forma muito seria depois. (Embora o Subversion normalmente previna que uma coisa horrível como esta ocorra).</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Garantir que todas as novas caractersticas
- e funes do sistema que precisem ser
- testadas, tenham o maior nmero possvel
- de pessoas potencialmente testando-as.</para>
+ <para>Para garantir que todos os novos recursos e correções que precisam de testes tenham contato o maior número possível de testadores em potencial.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
- <para>Sob nenhuma circunstncia, nenhum
- <foreignphrase>snapshot</foreignphrase> -CURRENT pode ser
- considerado software de <quote>qualidade de
- produo</quote> para qualquer que seja o
- propsito, e por mais maduro que o cdigo
- -CURRENT atual possa parecer. Se a inteno
- usar um sistema estvel e completamente
- testado, voc dever usar apenas
- lanamentos, ou
- <foreignphrase>snapshots</foreignphrase> do ramo
- -STABLE.</para>
+ <para>Não temos a pretensão de que qualquer snapshot <emphasis>-CURRENT</emphasis> possa ser considerado com <quote>qualidade de produção</quote> para qualquer finalidade. Se você necessita de um sistema estável e totalmente testado, limite-se ao uso das releases completas.</para>
- <para>Os <foreignphrase>snapshots</foreignphrase>
- lanados podem ser diretamente acessados em <link xlink:href="ftp://current.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/">
- ftp://current.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/</link> para a
- srie 5.0-CURRENT e em <link xlink:href="ftp://releng4.FreeBSD.org/pub/FreeBSD">
- releng4.FreeBSD.org</link> para
- <foreignphrase>snapshots</foreignphrase> da srie
- 4-STABLE. <foreignphrase>Snapshots</foreignphrase> para a
- srie 3-STABLE no esto sendo
- produzidos na data em que este documento foi escrito (Maio
- de 2000).</para>
+ <para>As snapshots releases estão disponíveis em <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/snapshots/">snapshot</link>.</para>
- <para>Normalmente, os snapshots so gerados uma vez
- ao dia, para todas as sries em desenvolvimento
- ativo.</para>
+ <para>Os snapshots oficiais são gerados regularmente para todas as branchs ativamente desenvolvidas.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="stable">
- <para>Qual o conceito por trs do
- FreeBSD-STABLE?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Nos primrdios do projeto quando o FreeBSD
- 2.0.5 foi lanado, a rvore de
- desenvolvimento do sistema foi dividida em dois ramos. Um
- ramo foi chamado <link xlink:href="../handbook/current-stable.html#STABLE">-STABLE</link>
- e o outro <link xlink:href="../handbook/current-stable.html#CURRENT">-CURRENT</link>.
- O FreeBSD-STABLE direcionado para Provedores de
- Servios de Internet e para outros empreendimentos
- comerciais que no pretendem conviver com
- mudanas bruscas ou testar novas
- caractersticas experimentais do sistema. Ele
- recebe apenas cdigo que tenha sido totalmente
- testado, correes de problemas e outras
- pequenas inovaes incrementais. O
- FreeBSD-CURRENT, por outro lado, tem sido uma linha sem
- interrupes visando ao 5.0-RELEASE (e
- alm) desde o lanamento 2.0. Se uma
- pequena ilustrao em arte ASCII ajudasse,
- isto seria o que pareceria:</para>
-
-
- <programlisting> 2.0
- |
- |
- | [2.1-STABLE]
- *BRANCH* 2.0.5 -&gt; 2.1 -&gt; 2.1.5 -&gt; 2.1.6 -&gt; 2.1.7.1 [2.1-STABLE termina]
- | (Mar 1997)
- |
- |
- | [2.2-STABLE]
- *BRANCH* 2.2.1 -&gt; 2.2.2-RELEASE -&gt; 2.2.5 -&gt; 2.2.6 -&gt; 2.2.7 -&gt; 2.2.8 [fim]
- | (Mar 1997) (Out 97) (Abr 98) (Jul 98) (Dez 98)
- |
- |
- 3.0-SNAPs (inicio Q1 1997)
- |
- |
- 3.0-RELEASE (Out 1998)
- |
- | [3.0-STABLE]
- *BRANCH* 3.1-RELEASE (Fev 1999) -&gt; 3.2 -&gt; 3.3 -&gt; 3.4 -&gt; 3.5 -&gt; 3.5.1
- | (Mai 1999) (Set 1999) (Dez 1999) (Jun 2000) (Jul 2000)
- |
- | [4.0-STABLE]
- *BRANCH* 4.0 (Mar 2000) -&gt; 4.1 -&gt; 4.1.1 -&gt; 4.2 -&gt; 4.3 -&gt; 4.4 -&gt; ... Lanamentos 4.x futuro ...
- |
- | (Jul 2000) (Set 2000) (Nov 2000)
- \|/
- +
- [5.0-CURRENT continua]</programlisting>
-
-
- <para>O ramo 2.2-STABLE saiu de produo com o
- lanamento 2.2.8. O ramo 3-STABLE saiu de
- produo com o lanamento 3.5.1, que
- foi tambm o ltimo -RELEASE 3.X. As
- nicas modificaes ainda realizadas
- em quaisquer destes ramos so praticamente
- relacionados apenas correes de
- segurana.</para>
-
- <para>O 4-STABLE o ramo -STABLE em desenvolvimento
- ativo. A verso mais recente da srie
- 4-STABLE &rel.current;-RELEASE, lanada em
- &rel.current.date;.</para>
-
- <para>O ramo 5-CURRENT est lentamente progredindo
- para o que se tornar o FreeBSD 5.0-RELEASE e
- alm. Veja <link linkend="current">O que
- FreeBSD-CURRENT?</link> para obter mais
- informaes sobre este ramo.</para>
+ <para>Qual é o conceito do <emphasis>FreeBSD-STABLE</emphasis>?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>De volta quando o FreeBSD 2.0.5 foi lançado, o desenvolvimento do FreeBSD se ramificou em dois. Um ramo (branch) foi nomeado <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/current-stable.html#stable">-STABLE</link>, um <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/current-stable.html#current">-CURRENT</link>. O <emphasis>FreeBSD-STABLE</emphasis> é o branch de desenvolvimento a partir do qual os releases principais são feitos. Mudanças entram nesta branch em um ritmo mais lento e com a suposição geral de que eles foram testados primeiro no FreeBSD-CURRENT. No entanto, a qualquer momento, o código fonte para o FreeBSD-STABLE pode ou não ser adequado para uso geral, devido a descoberta de bugs e/ou outros casos específicos que ainda não foram encontrados no FreeBSD-CURRENT. Usuários que não possuem recursos para realizar testes devem, ao invés disso, executar a release mais recente do FreeBSD. O <emphasis>FreeBSD-CURRENT</emphasis>, por outro lado, tem sido uma linha continua desde que o 2.0 foi lançado, levando em direção ao 11.2-RELEASE e além. Para obter informações mais detalhadas sobre branchs, consulte <quote><link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/articles/releng/release-proc.html#rel-branch">Engenharia de Releases do FreeBSD: Criando uma Release Branch</link></quote>, o status dos branches e o cronograma para releases futuros podem ser encontrados na página de informações da <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/releng">Engenharia de Release</link>.</para>
+
+ <para>A 11.2-STABLE é a branch <emphasis>-STABLE</emphasis> desenvolvida ativamente. O último release na branch 11.2-STABLE é a 11.2-RELEASE, lançado em junho de 2018.</para>
+
+ <para>O <emphasis>12-CURRENT</emphasis> é a branch <emphasis>-CURRENT</emphasis> desenvolvida ativamente para a próxima geração do FreeBSD. Veja <link linkend="current">O que é o FreeBSD-CURRENT?</link> para mais informações sobre esta branch.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="release-freq">
- <para>Quando so realizados lanamentos
- FreeBSD?</para>
+ <para>Quando são realizados os lançamentos de novas versões do FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>O &a.re; lana uma nova verso do
- FreeBSD, em mdia, a cada 4 meses. As datas de
- lanamento so anunciadas com uma certa
- antecedncia, de forma que os desenvolvedores
- trabalhando no sistema saibam quando seus projetos
- precisam estar terminados e testados. Um perodo
- de testes antecede cada novo lanamento, de forma a
- garantir que a adio de novas
- caractersticas no comprometa a
- estabilidade do lanamento. Muitos usurios
- consideram tais precaues uma das
- principais vantagens do projeto FreeBSD, mesmo admitindo
- que, as vezes, esperar que as novidades sejam adotadas
- pelo ramo -STABLE possa ser um pouco frustante.</para>
+ <para>A Equipe de Engenharia de Releases (Release Engineering Team) <email>re@FreeBSD.org</email> lança uma nova versão principal do FreeBSD a cada 18 meses e uma nova versão secundária a cada 8 meses, em média. As datas de lançamento são anunciadas com bastante antecedência, para que as pessoas que trabalham no sistema saibam quando seus projetos precisam ser finalizados e testados. Um período de teste precede cada lançamento, para garantir que a adição de novos recursos não comprometa a estabilidade do lançamento. Muitos usuários consideram este cuidado como uma das melhores coisas do FreeBSD, apesar de que a espera para que todas as novidades mais recentes sejam disponibilizadas no <emphasis>-STABLE</emphasis> possa ser um pouco frustrante.</para>
- <para>Mais informaes sobre o processo de
- engenharia de lanamento (incluindo a
- programao de novos lanamentos)
- podem ser obtidas nas pginas de <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/releng/index.html">engenharia
- de lanamento</link> no stio WWW do
- FreeBSD.</para>
+ <para>Maiores informações sobre o processo de engenharia de releases (incluindo a programação das releases futuros) podem ser encontradas na página <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/releng/index.html">engenharia de release</link> no site do FreeBSD.</para>
- <para>Para as pessoas que precisam, ou desejam um pouco mais
- de emoo,
- <foreignphrase>snapshots</foreignphrase> binrios
- so feitos diariamente como discutido acima.</para>
+ <para>Para aquelas pessoas que precisam ou querem um pouco mais de emoção, os snapshots binários são disponibilizados semanalmente, como discutido acima.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="responsible">
- <para>Quem responsvel pelo FreeBSD?</para>
+ <para>Quem é responsável pelo FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>As principais decises relacionadas ao Projeto
- FreeBSD, como os objetivos e direo geral
- do projeto, e quem tem permisso para adicionar
- cdigo rvore de cdigo,
- so tomadas por um <link xlink:href="../../articles/contributors/article.html#STAFF-CORE">grupo
- central (<literal>core team</literal>)</link> composto
- de 9 pessoas. Existe um grupo muito maior, composto de
- mais de 200 desenvolvedores, denominados <link xlink:href="../../articles/contributors/article.html#STAFF-COMMITTERS"><foreignphrase>committers</foreignphrase></link>,
- que tem autorizao para fazer
- alteraes diretamente na rvore de
- cdigo do FreeBSD.</para>
+ <para>As principais decisões relativas ao projeto FreeBSD, tais como a direção geral do projeto e quem tem permissão para adicionar código ao repositório de código fonte, são feitas por meio de um <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/administration.html#t-core">core team</link> de 9 pessoas. Existe uma equipe muito maior, com mais de 350 <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/articles/contributors/article.html#staff-committers">committers</link> que estão autorizados a fazer alterações diretamente na árvore de fontes do FreeBSD.</para>
- <para>Entretanto, a maioria das alteraes
- no triviais so previamente discutidas nas
- <link linkend="mailing"> listas de
- discusses</link>, e no existe
- restrio quanto a quem pode participar das
- discusses.</para>
+ <para>No entanto, a maioria das alterações não-triviais é discutida com antecedência nas <link linkend="mailing">listas de discussão</link>, e não há restrições sobre quem pode participar da discussão.</para>
</answer>
</qandaentry>
@@ -603,176 +296,77 @@
</question>
<answer>
- <para>Todo lanamento significativo do FreeBSD
- est disponvel via FTP annimo no
- <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/">stio
- FTP do Projeto FreeBSD</link>:</para>
+ <para xml:lang="en">Every significant release of FreeBSD is available via
+ anonymous FTP from the <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/">FreeBSD
+ FTP site</link>:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>Para obter o lanamento 3.X-STABLE
- corrente, 3.5.1-RELEASE, veja <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/releases/i386/3.5.1-RELEASE/">diretrio
- 3.5.1-RELEASE</link>.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>O lanamento 4-STABLE corrente,
- &rel.current;-RELEASE pode ser encontrado no <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/releases/i386/&rel.current;-RELEASE/">diretrio
- &rel.current;-RELEASE</link>.</para>
+ <para>O último release da série <emphasis>11-STABLE</emphasis>, o 11.2-RELEASE, pode ser encontrado no <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/releases/i386/i386/11.2-RELEASE/">diretório 11.2-RELEASE</link>.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para><link xlink:href="ftp://releng4.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/"><foreignphrase>Snapshots</foreignphrase>
- 4.X</link> so normalmente criados uma vez
- ao dia.</para>
+ <para>Mensalmente são produzidos <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/snapshots/">snapshot</link> releases para as branchs <link linkend="current">-CURRENT</link> e <link linkend="stable">-STABLE</link>, as quais destinam-se primariamente ao uso por parte dos desenvolvedores e testadores.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Lanamentos <link xlink:href="ftp://current.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/"><foreignphrase>Snapshot</foreignphrase>
- 5.0</link> so feitos uma vez ao dia no ramo
- <link linkend="current">-CURRENT</link>, til
- apenas tanto para aqueles que gostam de viver no
- limite quanto para aqueles que precisam usar a
- verso mais recente possvel com todas
- as ltimas caractersticas; sejam pessoas
- conduzindo testes ou desenvolvedores.</para>
+ <para>O último release da série <emphasis>10-STABLE</emphasis>, o 10.4-RELEASE, pode ser encontrado no <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/releases/i386/10.4-RELEASE/">diretório 10.4-RELEASE</link>.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
- <para>Informao sobre como obter o FreeBSD em
- CD, DVD, e outras mdias, pode ser encontrada no
- <link xlink:href="../handbook/mirrors.html">&a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para>Informações sobre como obter o FreeBSD em CD, DVD e outras mídias podem ser encontradas no <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/mirrors.html">Handbook</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="access-pr">
- <para>Como eu acesso o banco de dados de Relatrios
- de Problemas?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A base de dados de Relatrios de Problemas
- um banco de pedidos de alteraes
- realizados pelos usurios. Todos os pedidos de
- alterao j realizados podem ser
- consultados (ou novos submetidos) atravs de
- nossas interfaces PR WWW para <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/send-pr.html">submeter
- (novos pedidos)</link> e <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/cgi/query-pr-summary.cgi?query">consultar
- (j submetidos)</link>.
- O comando &man.send-pr.1; tambm pode ser usado
- para submeter relatrios de problema e pedidos
- de alterao por meio de correio
- eletrnico.</para>
-
- <para>Antes de enviar um relatrio de problema, por
- favor, leia o artigo <link xlink:href="../../articles/problem-reports/article.html">Escrevendo
- Relatrios de Problemas para o FreeBSD</link>,
- que d boas dicas de como escrever um bom
- relatrio de problema.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="become-web-mirror">
- <para>Como eu me torno um espelho do stio WWW
- FreeBSD?</para>
+ <para>Como acesso o banco de dados dos Relatórios de Problemas?</para>
</question>
<answer>
- <para>Existam vrias formas de espelhar o
- stio WWW do FreeBSD.</para>
+ <para>O banco de dados com os Relatórios de Problemas contendo todas as solicitações de mudança enviadas pelos nossos usuários pode ser consultado usando nossa interface web de <link xlink:href="https://bugs.FreeBSD.org/search/">consulta</link> de PRs.</para>
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Voc pode obter os arquivos j
- formatados a partir de um servidor CVSup FreeBSD
- usando o aplicativo <package>net/cvsup</package>. O arquivo
- <filename>/usr/share/examples/cvsup/www-supfile</filename>
- oferece um exemplo de configurao do
- CVSup para espelhar o servidor WWW do projeto
- FreeBSD.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Voc pode obter o cdigo fonte do
- stio WWW do projeto FreeBSD a partir de
- qualquer servidor FTP do projeto usando sua ferramento
- de espelhamento ftp favorita. Considere que estes
- fontes devem ser processados para public-los
- em formato WWW tradicional. Voc pode
- comear a espelhar o projeto a partir de <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/FreeBSD-current/www">ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/FreeBSD-current/www</link>.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="other-info-sources">
- <para>Que outras fontes de informaes sobre o
- FreeBSD existem?</para>
- </question>
+ <para>A <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/support/bugreports.html">interface web de envio de relatórios de problemas</link> pode ser usada para enviar relatórios de problemas através de um navegador.</para>
- <answer>
- <para>Por gentileza, queira verificar a lista de <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/docs.html">Documentao</link>
- no stio WWW principal <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org">FreeBSD</link>.</para>
+ <para>Antes de enviar um relatório de problema, leia <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/articles/problem-reports/article.html">Escrevendo Relatórios de Problemas do FreeBSD</link>, um artigo sobre como escrever bons relatórios de problemas.</para>
</answer>
</qandaentry>
</qandaset>
</chapter>
<chapter xml:id="support">
- <title>Documentao e Suporte</title>
+ <title>Documentação e Suporte</title>
<qandaset>
<qandaentry>
<question xml:id="books">
- <para>Quais bons livros existem sobre FreeBSD?</para>
+ <para>Quais os livros existentes sobre o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>O projeto FreeBSD produz um grande nmero de
- documentos disponveis em <link xlink:href="http://www.freebsd.org/docs.html">http://www.FreeBSD.org/docs.html</link>.
- Alm destes, outros livros recomendados so
- referenciados nas Bibliografias disponveis ao
- final deste <literal>FAQ</literal> e do
- &a.ptbr.p.handbook;.</para>
+ <para>O projeto produz uma ampla gama de documentação, disponível on-line a partir deste link: <uri xlink:href="https://www.FreeBSD.org/docs.html">https://www.FreeBSD.org/docs.html</uri>. Além disso, a <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/bibliography.html">referência bibliográfica no Handbook</link> referencia outros livros recomendados.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="doc-formats">
- <para>A documentao est
- disponvel em outros formatos, como texto puro
- (ASCII) ou Postscript?</para>
+ <para>A documentação está disponível em outros formatos, tais como texto simples (ASCII) ou <trademark class="registered">PostScript</trademark>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Claro. A documentao pode ser obtida
- em uma variedade de formatos e opes de
- compresso no servidor FTP do FreeBSD, sob o
- diretrio <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/doc/">/pub/FreeBSD/doc/</link>.</para>
+ <para>Sim. A documentação está disponível em vários formatos diferentes e esquemas de compressão no site FTP do FreeBSD, no diretório <link xlink:href="https://download.freebsd.org/ftp/doc/">/pub/FreeBSD/doc/</link>.</para>
- <para>A documentao organizada em
- diversas categorias, como:</para>
+ <para>A documentação é categorizada de várias maneiras diferentes. Que incluem:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>O nome do documento, como <literal>faq</literal>
- ou <literal>&a.ptbr.p.handbook;</literal>.</para>
+ <para>O nome do documento, tais como como <literal>faq</literal> ou <literal>handbook</literal>.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>A codificao e lngua do
- contedo do documento. Tal
- categorizao baseada nos nomes
- de localizao, que podem ser
- encontrados sob <filename>/usr/share/locale</filename>
- no seu FreeBSD. Atualmente existem documentos nas
- seguintes lnguas e
- codificaes:</para>
-
- <informaltable frame="none">
+ <para>A linguagem e codificação do documento. Estes são baseados nos nomes de local encontrados sob o diretório <filename>/usr/share/locale</filename> em um sistema FreeBSD. Os idiomas e codificações atuais são os seguintes:</para>
+
+ <informaltable frame="none" pgwide="1">
<tgroup cols="2">
<thead>
<row>
@@ -783,77 +377,132 @@
</thead>
<tbody>
-
<row>
<entry><literal>en_US.ISO8859-1</literal></entry>
- <entry>Ingls Americano</entry>
+ <entry>Inglês (Estados Unidos)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>bn_BD.ISO10646-1</literal></entry>
+
+ <entry>Bengali ou Bangla (Bangladesh)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>da_DK.ISO8859-1</literal></entry>
+
+ <entry>Dinamarquês (Dinamarca)</entry>
</row>
<row>
<entry><literal>de_DE.ISO8859-1</literal></entry>
- <entry>Alemo</entry>
+ <entry>Alemão (Alemanha)</entry>
</row>
<row>
- <entry><literal>es_ES.ISO8859-1</literal></entry>
+ <entry><literal>el_GR.ISO8859-7</literal></entry>
- <entry>Espanhol</entry>
+ <entry>Grego (Grécia)</entry>
</row>
+ <row>
+ <entry><literal>es_ES.ISO8859-1</literal></entry>
+
+ <entry>Espanhol (Espanha)</entry>
+ </row>
<row>
<entry><literal>fr_FR.ISO8859-1</literal></entry>
- <entry>Francs</entry>
+ <entry>Francês (França)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>hu_HU.ISO8859-2</literal></entry>
+
+ <entry>Húngaro (Hungria)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>it_IT.ISO8859-15</literal></entry>
+
+ <entry>Italiano (Itália)</entry>
</row>
<row>
<entry><literal>ja_JP.eucJP</literal></entry>
- <entry>Japons (codificao
- EUC)</entry>
+ <entry>Japonês (Japão, codificação EUC)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>ko_KR.UTF-8</literal></entry>
+
+ <entry>Coreano (Coreia, codificação UTF-8)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>mn_MN.UTF-8</literal></entry>
+
+ <entry>Mongol (Mongólia, codificação UTF-8)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>nl_NL.ISO8859-1</literal></entry>
+
+ <entry>Holandês (Holanda)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>pl_PL.ISO8859-2</literal></entry>
+
+ <entry>Polonês (Polônia)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>pt_BR.ISO8859-1</literal></entry>
+
+ <entry>Português (Brasil)</entry>
</row>
<row>
<entry><literal>ru_RU.KOI8-R</literal></entry>
- <entry>Russo (codificao
- KOI8-R)</entry>
+ <entry>Russo (Rússia, codificação KOI8-R)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>tr_TR.ISO8859-9</literal></entry>
+
+ <entry>Turco (Turquia)</entry>
+ </row>
+
+ <row>
+ <entry><literal>zh_CN.UTF-8</literal></entry>
+
+ <entry>Chinês Simplificado (China, codificação UTF-8)</entry>
</row>
+
<row>
- <entry><literal>zh_TW.Big5</literal></entry>
+ <entry><literal>zh_TW.UTF-8</literal></entry>
- <entry>Chins (codificao
- Big5)</entry>
+ <entry>Chinês Tradicional (Taiwan, codificação UTF-8)</entry>
</row>
</tbody>
</tgroup>
</informaltable>
<note>
- <para>Alguns documentos podem no estar
- disponveis em todas as
- lnguas.</para>
+ <para>Alguns documentos podem não estar disponíveis em todos os idiomas.</para>
</note>
</listitem>
<listitem>
- <para>Formato da documentao. A
- documentao produzida em
- vrios formatos. Cada qual com suas vantagens
- e desvantagens. Alguns formatos so mais
- apropriados para leitura on-line, enquanto outros
- so mais agradveis estticamente
- em formato impresso. Disponibilizar a
- documentao em todos estes formatos,
- garante que os leitores podero sempre ler os
- trechos de seu interesse, tanto no monitor do seu
- computador quanto em papel impresso. Atualmente os
- formatos disponveis so:</para>
-
- <informaltable frame="none">
+ <para>O formato do documento. Produzimos a documentação em vários formatos de saída diferentes. Cada formato tem suas próprias vantagens e desvantagens. Alguns formatos são mais adequados para leitura on-line, enquanto outros estão formatados para serem,esteticamente agradáveis ​​quando impressos em papel. A disponibilização da documentação em diversos formatos garante que os nossos leitores possam ler as partes nas quais estão interessados, seja em seu monitor ou em papel após imprimi-los documentos. Os formatos disponíveis atualmente são:</para>
+
+ <informaltable frame="none" pgwide="1">
<tgroup cols="2">
<thead>
<row>
@@ -867,1825 +516,360 @@
<row>
<entry><literal>html-split</literal></entry>
- <entry>Uma srie de pequenos documentos
- HTML, devidamente ligados.</entry>
+ <entry>Uma coleção de pequenos arquivos HTML vinculados.</entry>
</row>
<row>
<entry><literal>html</literal></entry>
- <entry>Um nico grande arquivo HTML
- contendo todo o documento.</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry><literal>pdb</literal></entry>
-
- <entry>Formato de banco de dados pra Palm Pilot,
- para ser usado com o visualizador <link xlink:href="http://www.iSilo.com/">iSilo</link>.</entry>
+ <entry>Um grande arquivo HTML contendo o documento inteiro</entry>
</row>
<row>
<entry><literal>pdf</literal></entry>
- <entry>PDF (Formato de Documento
- Portvel) da Adobe</entry>
+ <entry>Formato de documento portátil da Adobe</entry>
</row>
<row>
<entry><literal>ps</literal></entry>
- <entry>Postscript</entry>
+ <entry><trademark class="registered">PostScript</trademark></entry>
</row>
<row>
<entry><literal>rtf</literal></entry>
- <entry>RTF (Formato de Texto Enriquecido) da
- Microsoft<footnote>
- <para>A nmerao de
- pgina no
- automaticamente atualizada quando este
- tipo de arquivo aberto no Word.
- Digite <keycombo action="simul"><keycap>CTRL</keycap><keycap>A</keycap></keycombo>,
- <keycombo action="simul"><keycap>CTRL</keycap><keycap>END</keycap></keycombo>,
- <keycap>F9</keycap> depois de abrir o
- documento no Word, para atualizar a
- numerao das
- pginas.</para>
- </footnote>
- </entry>
+ <entry><trademark class="registered">Rich Text Format da Microsoft</trademark></entry>
</row>
<row>
<entry><literal>txt</literal></entry>
- <entry>Texto puro</entry>
+ <entry>Texto simples</entry>
</row>
</tbody>
</tgroup>
</informaltable>
+
+ <note>
+ <para>Números de página não são atualizados automaticamente ao carregar o formato Rich Text no Word. Pressione <keycombo action="simul"> <keycap>Ctrl</keycap><keycap>A</keycap></keycombo>, <keycombo action="simul"><keycap>Ctrl</keycap><keycap>End</keycap> </keycombo>, <keycap>F9</keycap> após carregar o documento, para atualizar os números das páginas.</para>
+ </note>
</listitem>
<listitem>
- <para>As tcnicas de compresso e
- empacotamento dos arquivos. Atualmente, 3 destes
- formatos esto em uso:</para>
+ <para>O esquema de compactação e empacotamento.</para>
<orderedlist>
<listitem>
- <para>Para o formato <literal>html-split</literal>,
- os arquivos so todos empacotados com
- &man.tar.1;. O resultado um arquivo
- <literal>.tar</literal> que
- posteriormente comprimido usando as
- tcnicas de compresso detalhadas a
- seguir.</para>
+ <para xml:lang="en">Where the format is
+ <literal>html-split</literal>, the files are
+ bundled up using <citerefentry><refentrytitle>tar</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>. The resulting
+ <filename>.tar</filename> is then compressed
+ using the compression schemes detailed in the next
+ point.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Todos os outros formatos geram apenas um
- arquivo, nomeado
- <filename>book.formato</filename>
- (por exemplo, <filename>book.pdb</filename>,
- <filename>book.html</filename>, e outros).</para>
-
- <para>Estes arquivos so, ento
- comprimidos utilizando trs tcnicas
- de compresso:</para>
-
- <informaltable frame="none">
- <tgroup cols="2">
- <thead>
- <row>
- <entry>Tipo</entry>
-
- <entry>Descrio</entry>
- </row>
- </thead>
-
- <tbody>
- <row>
- <entry><literal>zip</literal></entry>
-
- <entry>Formato Zip. Se voc quiser
- descomprimir este formato no FreeBSD,
- ser necessrio instalar o
- <literal>port</literal> <package>archivers/unzip</package>
- antes.</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry><literal>gz</literal></entry>
-
- <entry>Formato GNU Zip. Para descomprimir
- estes arquivos, use o comando
- &man.gunzip.1; que faz parte do
- FreeBSD.</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry><literal>bz2</literal></entry>
-
- <entry>Formato BZip2. Esse formato
- menos popular que os outros, mas
- geralmente produz arquivos menores.
- Instale o <literal>port</literal>
- <package>archivers/bzip2</package>
- para descomprimir arquivos deste
- formato.</entry>
- </row>
- </tbody>
- </tgroup>
- </informaltable>
-
- <para>Portanto, o &a.ptbr.p.handbook; em formato
- Postscript comprimido com o BZip2 ser
- armazenado como <filename>book.ps.bz2</filename>
- sob o diretrio
- <filename>handbook/</filename>.</para>
- </listitem>
+ <para>Todos os outros formatos geram um único arquivo. Por exemplo, <filename>article.pdf</filename>, <filename>book.html</filename> e assim por diante.</para>
- <listitem>
- <para>A documentao formatada
- est disponvel ainda como um pacote
- FreeBSD.</para>
+ <para>Esses arquivos são então compactados usando os esquemas de compactação <literal>zip</literal> ou <literal>bz2</literal>. O comando <citerefentry> <refentrytitle>tar</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum> </citerefentry> pode ser usado para descompactar esses arquivos.</para>
+
+ <para>Portanto, a versão <trademark class="registered">PostScript</trademark> do Handbook, compactada usando <literal>bzip2</literal> será armazenada em um arquivo chamado <filename>book.ps.bz2</filename> no diretório <filename>handbook/</filename>.</para>
</listitem>
</orderedlist>
</listitem>
</itemizedlist>
- <para>Aps escolher o formato e o mecanismo de
- compresso, voc deve decidir se vai ou
- no pegar o documento em formato de
- <emphasis>pacote</emphasis> FreeBSD.</para>
-
- <para>A vantagem de baixar e instalar os pacotes
- que a documentao pode ento ser
- gerenciada usando os comandos de gerenciamento de pacotes
- FreeBSD, como &man.pkg.add.1; e &man.pkg.delete.1;.</para>
-
- <para>Se decidir baixar e instalar o pacote, ento
- voc deve conhecer o nome do arquivo antes de
- comear. Os arquivos de
- documentao-como-pacotes esto
- estocados em um diretrio chamado
- <filename>packages</filename>. Cada arquivo de pacote
- segue o padro de nome
- <filename>document-name.lang.encoding.format.tgz</filename>.</para>
-
- <para>Por exemplo, o <literal>FAQ</literal>, em
- lngua Inglesa e formato PDF, estar no
- pacote de nome
- <filename>faq.en_US.ISO8859-1.pdf.tgz</filename>.</para>
-
- <para>Sabendo isto, voc pode usar o seguinte comando
- pra instalar o pacote contendo o <literal>FAQ</literal> na
- lngua Inglesa e formato PDF:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>pkg_add
- ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/doc/packages/faq.en_US.ISO8859-1.pdf.tgz</userinput></screen>
-
- <para>Depois disso, voc pode usar o &man.pkg.info.1;
- pra determinar onde o documento foi instalado.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>pkg_info -f faq.en_US.ISO8859-1.pdf</userinput>
-Information for faq.en_US.ISO8859-1.pdf:
-
-Packing list:
- Package name: faq.en_US.ISO8859-1.pdf
- CWD to /usr/share/doc/en_US.ISO8859-1/books/faq
-File: book.pdf
- CWD to .
-File: +COMMENT (ignored)
-File: +DESC (ignored)</screen>
-
- <para>Como pode ver, <filename>book.pdf</filename>
- ter sido instalado sob
- <filename>/usr/share/doc/en_US.ISO8859-1/books/faq</filename>.</para>
-
- <para>Se voc preferir no usar pacotes,
- ser necessrio baixar os arquivos
- comprimidos, depois descomprim-los e copiar os
- documentos apropriados para os lugares corretos.</para>
-
- <para>Por exemplo, a verso do <literal>FAQ</literal>
- dividido em vrios arquivos HTML, comprimido usando
- &man.gzip.1;, pode ser encontrado no arquivo
- <filename>doc/en_US.ISO8859-1/books/faq/book.html-split.tar.gz</filename>.
- Para baixar e descomprimir aquele arquivo, voc
- deveria fazer o seguinte.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>fetch ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/doc/en_US.ISO8859-1/books/faq/book.html-split.tar.gz</userinput>
-&prompt.root; <userinput>gzip -d book.html-split.tar.gz</userinput>
-&prompt.root; <userinput>tar xvf book.html-split.tar</userinput></screen>
-
- <para>Ser criada, ento, uma srie de
- arquivos <filename>.html</filename>. O principal arquivo
- chamado <filename>index.html</filename> contendo
- o ndice, material introdutrio e links para
- outras partes do documento. Posteriormente, voc
- pode copiar ou mover esses arquivos pra onde voc
- quiser.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Depois de escolher o formato e o mecanismo de compactação, baixe os arquivos compactados, descompacte-os e copie os documentos para um lugar apropriado.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="mailing">
- <para>Onde posso obter informaes sobre as
- listas de discusso FreeBSD?</para>
- </question>
+ <para>Por exemplo, a versão split HTML do <acronym>FAQ</acronym>, compactada usando <citerefentry><refentrytitle>bzip2</refentrytitle> <manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>, pode ser encontrada em <filename>doc/en_US.ISO8859-1/books/faq/book.html-split.tar.bz2</filename> Para baixar e descompactar esse arquivo, digite:</para>
- <answer>
- <para>Voc pode encontrar uma vasta gama de
- informaes na <link xlink:href="../handbook/eresources.html#ERESOURCES-MAIL">seo
- do &a.ptbr.p.handbook; sobre listas de
- discusso</link>.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>fetch https://download.freebsd.org/ftp/doc/en_US.ISO8859-1/books/faq/book.html-split.tar.bz2</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>tar xvf book.html-split.tar.bz2</userinput></screen>
+
+ <para>Se o arquivo estiver compactado, o <application>tar</application> detectará automaticamente o formato apropriado e o descompactará corretamente, resultando em uma coleção de arquivos <filename>.html</filename>. O principal deles é chamado <filename>index.html</filename>, que conterá o sumário, o material introdutório e os links para as outras partes do documento.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="newsgroups">
- <para>Que grupos de notcias (<foreignphrase>news
- groups</foreignphrase>) existem sobre o FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="mailing">
+ <para>Onde encontro informações sobre as listas de discussão do FreeBSD? Quais grupos de notícias do FreeBSD estão disponíveis?</para>
</question>
<answer>
- <para>Informaes completas podem ser
- encontradas na <link xlink:href="../handbook/eresources-news.html">seo
- do &a.ptbr.p.handbook; sobre grupos de notcias
- (<foreignphrase>newsgroups</foreignphrase>)</link>.</para>
+ <para>Consulte as seções do Handbook sobre as <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/eresources.html#eresources-mail">listas de discussão</link> e sobre os <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/eresources-news.html">grupos de notícias</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="irc">
- <para>Existem canais de bate-papo retransmitido via Internet
- (<acronym>IRC</acronym>) FreeBSD?</para>
+ <para>Existem canais de IRC (Internet Relay Chat) sobre o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Sim, a maioria das grandes redes de bate-papo
- retransmitido via Internet (<acronym>IRC</acronym>) tem um
- canal de bate-papo sobre FreeBSD:</para>
+ <para>Sim, a maioria das redes de IRC hospedam um canal de chat do FreeBSD:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>O canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://www.efnet.org/index.php">EFNet</link>
- essencialmente um frum sobre FreeBSD,
- mas no entre no canal se voc procura
- suporte tcnico, nem se voc est
- procurando uma maneira de evitar a leitura de
- pginas de manual ou fazer suas prprias
- pesquisas. Este essencialmente um canal de
- bate-papo geral. Assuntos como sexo, esportes ou
- armas nucleares so to comuns quanto
- FreeBSD no canal. Lembre-se, Voc Foi Avisado!
- Para conectar-se, use o servidor
- <systemitem>irc.chat.org</systemitem>.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>O canal <literal>#FreeBSDhelp</literal> na <link xlink:href="http://www.efnet.org/index.php">EFNet</link>
- dedicado a suporte e auxilio de
- usurios de FreeBSD. Os participantes neste
- canal so bem mais receptivos a perguntas que
- os do canal <literal>#FreeBSD</literal>.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>O canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://www.dal.net/">DALNET</link> pode ser
- acessado em <systemitem>irc.dal.net</systemitem> nos Estados
- Unidos, e <systemitem>irc.eu.dal.net</systemitem> na
- Europa.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>O canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://www.undernet.org/">UNDERNET</link> pode
- ser acessado em <literal>us.undernet.org</literal> nos
- Estados Unidos, e <literal>eu.undernet.org</literal>
- na Europa. Partindo do princpio que esse
- um canal de ajuda, esteja preparado para ler
- todos os documentos a que for referido.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>O canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://www.hybnet.net/">HybNet</link>
- <emphasis></emphasis> um canal de ajuda. Uma
- lista de servidores pode ser encontrada no <link xlink:href="http://www.hybnet.net/">stio WWW da
- HybNet</link>.</para>
+ <para>Canal <literal>#FreeBSDhelp</literal> na <link xlink:href="http://www.efnet.org/index.php">EFNet</link> é um canal dedicado a ajudar usuários do FreeBSD.</para>
</listitem>
- </itemizedlist>
-
- <para>Cada um destes canais independente, e
- exatamente por estarem em redes distintas, no
- conectada ou relacionada entre si. Os estilos de
- bate-papo em cada um dos canais so bastante
- distintos, pode ser necessrio testar cada um para
- descobrir qual mais adequado ao seu estilo
- pessoal de bate-papo. Como em toda rede de bate-papo
- retransmitido via Internet (<acronym>IRC</acronym>), nem
- considere acessar os canais se voc ofende-se
- facilmente ou se voc no se d bem
- com muita gente jovem (e alguns bem velhos) que usam as
- mais irregulares formas de escrita e
- conversao possvel, quase sempre
- assassinando sem o menor pudor todos os princpios
- verbais - de qualquer lngua que seja.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="training">
- <para>Onde eu consigo treinamento em e suporte comercial ao
- FreeBSD?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>DaemonNews oferece treinamento em e suporte comercial
- ao FreeBSD. Mais informaes podem ser
- obtidas no stio WWW <link xlink:href="http://www.bsdmall.com/">BSD Mall</link>.</para>
-
- <para>FreeBSD Services oferece suporte comercial ao FreeBSD
- no Reino Unido (alm de vender o FreeBSD em
- mdia DVD). Veja o <link xlink:href="http://www.freebsd-services.com">stio
- WWW</link> deles para maiores
- informaes.</para>
-
- <para>A FreeBSD Mall oferece suporte comercial ao FreeBSD.
- Maiores informaes podem ser obtidas no
- <link xlink:href="http://www.freebsdmall.com/">stio
- WWW deles</link>.</para>
-
- <para>Qualquer outra organizao que
- oferea treinamento em ou suporte ao FreeBSD deve
- entrar em contato com o projeto para serem listadas
- aqui.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
- </qandaset>
- </chapter>
-
- <chapter xml:id="install">
- <info><title>Instalao</title>
- <author><personname><firstname>Nik</firstname><surname>Clayton</surname></personname><affiliation>
- <address><email>nik@FreeBSD.org</email></address>
- </affiliation></author>
- </info>
-
-
-
- <qandaset>
- <qandaentry>
- <question xml:id="floppy-download">
- <para>De qual arquivo eu devo baixar o FreeBSD da
- rede?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>At a verso 3.1 era necessrio
- apenas um disquete para instalao do
- FreeBSD, o disco era o
- <filename>floppies/boot.flp</filename>. Contudo, depois
- que o 3.1 foi lanado, o Projeto adicionou ao
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> genrico o
- suporte a uma grande variedade de dispositivos, de forma
- que ele passou a consumir mais espao. Por este
- motivo, desde a srie 3.X so
- necessrios dois disquetes, o
- <filename>floppies/kernel.flp</filename> e o
- <filename>floppies/mfsroot.flp</filename>. Essas imagens
- precisam ser copiadas para disquetes, usando ferramentas
- como o <command>fdimage</command> ou o &man.dd.1;.</para>
-
- <para>Caso seja necessrio baixar da rede a
- distribuio do sistema (por exemplo, para
- uma instalao por meio de um sistema de
- arquivos DOS), voc ter que obter as
- seguintes estruturas da distribuio
- padro:</para>
- <itemizedlist>
<listitem>
- <para>bin/</para>
+ <para>Canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://freenode.net/">Freenode</link> é um canal de ajuda geral com muitos usuários a qualquer horário. É de conhecimento que conversas off-topic acontecem em alguns momentos, mas a prioridade é dada aos usuários com perguntas sobre o FreeBSD. Outros usuários podem ajudar com o básico, consultando o Handbook sempre que possível e fornecendo links para ajudá-lo a aprender mais sobre um determinado tópico. Este é um canal em que a comunicação ocorre primariamente em inglês, embora seja frequentado por usuários de todo o mundo. As pessoas que não são falantes nativas do inglês devem tentar fazer as suas perguntas primeiro em inglês e, em seguida, tentar nos canais <literal>## freebsd-lang</literal> conforme apropriado.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>manpages/</para>
+ <para>Canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://www.dal.net/">DALNET</link> está disponível em <systemitem>irc.dal.net</systemitem> nos EUA e <systemitem>irc.eu.dal.net</systemitem> na Europa.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>compat*/</para>
+ <para>O canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://www.undernet.org/">UNDERNET</link> está disponível em <systemitem>us.undernet.org</systemitem> nos EUA e <systemitem>eu.undernet.org</systemitem> na Europa. Como é um canal de ajuda, prepare-se para ler os documentos aos quais você for direcionado.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>doc/</para>
+ <para>O canal <literal>#FreeBSD</literal> na <link xlink:href="http://www.rusnet.org.ru/">RUSNET</link> é um canal de língua russa dedicado a ajudar os usuários do FreeBSD. Este também é um bom lugar para discussões não técnicas.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>src/ssys.*</para>
+ <para>O canal <literal>#bsdchat</literal> na <link xlink:href="http://freenode.net/">Freenode</link> é um canal de idioma chinês tradicional (codificação UTF-8) dedicado a ajudar os usuários do FreeBSD. Este também é um bom lugar para discussões não técnicas.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
- <para>Para obter instrues completas sobre o
- procedimento de instalao do FreeBSD e
- maiores detalhes sobre os meios de
- instalao, por gentileza, consulte a <link xlink:href="../handbook/install.html">seo de
- instalao</link> no
- &a.ptbr.p.handbook;.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="floppy-image-too-large">
- <para>O que eu devo fazer se as imagens de disquete
- no couberem em um nico disco?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Um disquete de 3.5 polegadas (1,44 MB) armazena
- at 1474560 bytes de dados. O tamanho da imagem de
- inicializao de exatamente 1474560
- bytes.</para>
-
- <para>Erros comuns, cometidos na
- preparao dos discos de
- inicializao, so:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Baixar a imagem de disco via
- <acronym>FTP</acronym> sem utilizar o modo de
- transferncia
- <emphasis>binrio</emphasis>.</para>
-
- <para>Alguns clientes de FTP - especialmente navegadores
- de Internet - costumam usar por padro o modo
- de transferncia <emphasis>ascii</emphasis> nas
- sesses FTP, e para normalizar o arquivo de
- acordo com o sistema, eles tentam alterar os
- caracteres finais de cada linha do arquivo.
- Invariavelmente esse comportamento resulta em baixar
- uma imagem de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) corrompida.
- Verifique o tamanho da imagem que voc tem em
- mos, se exatamente do mesmo tamanho
- da imagem no servidor. Caso o tamanho no seja
- <emphasis>exatamente</emphasis> o mesmo, voc
- pode suspeitar do arquivo que voc
- baixou.</para>
-
- <para>Para garantir que esse problema no ocorra,
- digite <emphasis>binary</emphasis> na prompt de
- comando do seu cliente FTP, ou defina as
- preferncias do programa para utilizar o modo
- binrio. A sim, faa baixe da
- rede a imagem de inicializao.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Usar o comando <command>copy</command> do DOS (ou
- simplesmente copiar, por meio da Interface
- Grfica do sistema) para transferir a imagem de
- inicializao para o disquete.</para>
-
- <para>Programas como o <command>copy</command>
- no vo funcionar para copiar a imagem
- de inicializao direto para o disquete,
- exatamente porque a imagem foi criada de forma que ela
- seja carregada diretamente. A imagem tem o
- contedo completo que o disquete deve ter, com
- seus dados alocados trilha-a-trilha, e portanto
- no pode ser copiado para o disquete como um
- simples arquivo. Voc tem que copiar a imagem
- para o disquete usando alguma ferramenta de
- <quote>cpia crua</quote> (raw copy, como o
- <command>fdimage</command> ou o
- <command>rawrite</command>) como descrito no <link xlink:href="../handbook/install.html">guia de
- instalao do FreeBSD</link>.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="install-instructions-location">
- <para>Onde esto as instrues para
- instalar o FreeBSD?</para>
- </question>
+ <para>A wiki do FreeBSD tem uma <link xlink:href="https://wiki.freebsd.org/IRC/Channels">boa lista</link> dos canais de IRC.</para>
- <answer>
- <para>As instrues de
- instalao do FreeBSD podem ser encontradas
- na <link xlink:href="../handbook/install.html">seo de
- instalao do FreeBSD no
- &a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para>Cada um destes canais são distintos e não estão conectados entre si. Como os estilos de bate-papo diferem, experimente cada um deles para encontrar um adequado ao seu estilo de bate-papo.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="need-to-run">
- <para>O que preciso para usar o FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="forums">
+ <para>Existem fóruns na web para discutir o FreeBSD?</para>
</question>
-
<answer>
- <para>Voc vai precisar, no mnimo de um PC 386
- com 5MB de memria RAM e no mnimo 60 MB em
- disco. Essa configurao permite o uso de
- uma placa de vdeo MDA simples, mas para usar o
- X11R6 necessrio uma placa de vdeo
- VGA ou mais avanada.</para>
-
- <para>Para mais informaes consulte <xref linkend="hardware"/></para>
+ <para>Os fóruns oficiais do FreeBSD estão localizados em <link xlink:href="https://forums.FreeBSD.org/">https://forums.FreeBSD.org/</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="four-meg-ram-install">
- <para>Eu tenho apenas 4 MB de memria RAM. Posso
- usar o FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="training">
+ <para>Onde posso obter treinamento e suporte comercial para o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>O FreeBSD 2.1.7 foi a ltima verso do
- sistema que rodava com apenas 4MB de memria. A
- partir do FreeBSD 2.2, necessrio no
- mnimo 5MB de memria para usar o
- sistema.</para>
+ <para>A <link xlink:href="http://www.ixsystems.com"> iXsystems, Inc. </link>, empresa controladora do <link xlink:href="http://www.freebsdmall.com/">FreeBSD Mall</link>, fornece <link xlink:href="http://www.ixsystems.com/support">supporte</link> comercial para o FreeBSD e TrueOS, e também soluções de desenvolvimento e customização para o FreeBSD.</para>
- <para>Praticamente todas as verses do FreeBSD podem
- <emphasis>rodar</emphasis> com 4MB de memria RAM,
- contudo, a instalao do sistema operacional
- no pode ser feita com apenas 4MB. Voc pode
- colocar mais memria para o processo de
- instalao do sistema, e depois de
- instalado, voltar a mquina para apenas 4MB de
- memria, ou como alternativa, instale o seu disco
- rgido em uma mquina com mais de 4MB,
- efetue a instalao do sistema, e depois
- instale o seu disco de volta na mquina com apenas
- 4MB.</para>
+ <para>A BSD Certification Group, Inc. fornece certificações de administração do sistema para o DragonFly BSD, FreeBSD, NetBSD e OpenBSD. Consulte <link xlink:href="http://www.BSDCertification.org">seu site</link> para maiores informações.</para>
- <para>O FreeBSD 2.1.7 no ir instalar em
- sistemas que usam 640 Kb de memria base + 3 MB de
- memria extendida. Se sua placa me pode
- fazer o remapeamento da memria
- <quote>subutilizada</quote> que vai sobrar dos 640kB da
- regio de 1MB, ai sim, voc vai conseguir
- usar o FreeBSD 2.1.7. Entre no Setup da sua BIOS, procure
- a opo ``remap'' e habilite-a. Talvez
- voc tenha que desabilitar a opo de
- ROM shadowing. Com certeza mais fcil
- voc conseguir mais 4MB apenas para a
- instalao, compilar um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> customizado e
- portanto menor, e ai sim, tirar esses 4MB sobresalentes e
- usar o sistema com apenas os 4MB originais. Tambm
- possvel instalar o FreeBSD 2.0.5 e depois
- <quote>atualiz-lo</quote> para o 2.1.7 com a
- opo ``upgrade'' disponvel no
- programa de instalao do FreeBSD
- 2.1.7.</para>
-
- <para>Depois de instalado o sistema, voc pode
- compilar um <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- personalizado, que provavelmente ir permitir que o
- sistema seja usado com 4MB de memria apenas.
- Existem relatos de sucesso na utilizao do
- sistema com apenas 2MB de memria, contudo, nesse
- caso praticamente impossvel usar alguma
- outra aplicao junto ao sistema
- operacional.</para>
+ <para>Quaisquer outras organizações que forneçam treinamento e suporte devem entrar em contato com o Projeto FreeBSD para serem listadas aqui.</para>
</answer>
</qandaentry>
+ </qandaset>
+ </chapter>
- <qandaentry>
- <question xml:id="custom-boot-floppy">
- <para>Como eu crio meu prprio disquete de
- instalao?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Atualmente no existe uma forma de
- <emphasis>simplesmente criar</emphasis> um disco de
- instalao personalizado. Para criar um
- disquete personalizado voc ter que preparar
- todo um novo <literal>release</literal>, o qual, a
- sim, teria instrues de
- instalao.</para>
-
- <para>Para montar um <literal>release</literal>
- personalizado siga as instrues do artigo
- de <link xlink:href="../../articles/releng/article.html">Engenharia de
- <literal>Release</literal></link> article.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <chapter xml:id="install">
+ <info>
+ <title>Instalação</title>
- <qandaentry>
- <question xml:id="windows-coexist">
- <para>O Windows 95/98 pode co-existir com o FreeBSD?</para>
- </question>
+ <author><personname> <firstname>Nik</firstname> <surname>Clayton</surname> </personname> <affiliation> <address>
+ <email>nik@FreeBSD.org</email>
+ </address> </affiliation></author>
+ </info>
- <answer>
- <para>Sim. Primeiro voc deve instalar o seu Windows,
- e depois instalar o FreeBSD. O gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do FreeBSD vai ser
- instalado na MBR do seu disco, e vai conseguir controlar o
- inicializao entre o FreeBSD e seu Windows.
- Se voc instalar o Windows depois do FreeBSD, a
- instalao dele ir sobrescrever o
- setor de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do seu disco, e
- conseq&uuml;entemente seu gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>), sem avisar ou pedir
- qualquer confirmao. Se esse for o caso,
- leia a prxima seo.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="win95-damaged-boot-manager">
- <para>O Windows 95/98 sobrescreveu meu gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>)! Como eu instalo ele
- de volta?</para>
+ <question xml:id="which-architecture">
+ <para>Qual plataforma devo baixar? Eu tenho uma CPU compatível com 64 bits <trademark class="registered">Intel</trademark>, mas eu só encontro <literal>amd64</literal>.</para>
</question>
<answer>
- <para>Voc pode reinstalar o gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do FreeBSD de uma
- das 3 maneiras:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Sob o DOS, entre no diretrio tools/ da sua
- distribuio do FreeBSD (seu CDROM por
- exemplo) e procure o programa
- <filename>bootinst.exe</filename>. Depois, execute-o
- da seguinte forma:</para>
-
- <screen><prompt>...\TOOLS&gt;</prompt> <userinput>bootinst.exe boot.bin</userinput></screen>
-
- <para>e o gerenciador de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) ser
- reinstalado.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Faa a inicializao do
- FreeBSD pelos disquetes de instalao ou
- pelo CDROM novamente. Entre na opo
- &quot;Custom&quot; do menu de
- instalao, escolha a o tem de
- parties (Partition), selecione o drive
- do disco que continha o seu gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) (normalmente, se
- trata do primeiro disco) e ento voc
- entra no editor de parties. No
- faa nenhuma alterao, apenas
- aperte a tecla W (Write). O programa de
- instalao ir pedir a
- confirmao, se voc quer gravar
- suas informaes mesmo sem ter feito
- nenhuma alterao. Escolha Sim. O
- programa ir perguntar se voc deseja
- instalar o gerenciador de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do FreeBSD ou se
- voc deseja deixar o setor de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) intacto (ou
- instalar um setor de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) padro)
- exatamente como no instante da primeira
- instalao do FreeBSD. Escolha
- <quote>Boot Manager</quote>. Agora o gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) ser
- reinstalado no disco. Saia do programa de
- instalao e reinicie o processo de
- inicializao pelo HD
- normalmente.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Inicie o FreeBSD com o disquete (ou CD) de
- inicializao tradicional, escolha a
- opo <quote>Fixit</quote> no menu do
- sysinstall. Escolha entre o disquete de
- correo ou o segundo CDROM (a
- opo <quote>live</quote> na
- distribuio padro do FreeBSD)
- no menu a seguir, e entre na shell de
- correo do sistema. Em seguida execute
- o comando:</para>
-
- <screen><prompt>Fixit#</prompt> <userinput>fdisk -B -b /boot/boot0 bootdevice</userinput></screen>
-
- <para>substituindo <replaceable>bootdevice</replaceable>
- pela device controladora do seu disco, como por
- exemplo, <filename>ad0</filename> (para o primeiro
- disco IDE),<filename>ad4</filename> (para o
- primeiro disco IDE na controladora secundria),
- <filename>da0</filename> (para o primeiro disco
- SCSI), etc.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <para>amd64 é o termo que o FreeBSD usa para arquiteturas x86 compatíveis com 64 bits (também conhecidas como "x86-64" ou "x64"). Para a maioria dos computadores modernos você deve usar a opção amd64. Para hardware mais antigo você deve usar o i386. Ao instalar em uma arquitetura não compatível com x86, selecione a plataforma que melhor corresponda ao hardware.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="boot-on-thinkpad">
- <para>O meu IBM Thinkpad srie A, T ou X trava
- sempre, quando eu tento inicializar
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) o FreeBSD. Como eu
- resolvo isso?</para>
+ <question xml:id="floppy-download">
+ <para>Qual arquivo eu baixo para ter o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Um bug nas primeiras verses da BIOS da IBM
- nessas mquinas, erroneamente identifica as
- parties FreeBSD como
- parties FAT especiais. Quando a BIOS
- tenta reconhecer a partio FreeBSD, o
- sistema trava.</para>
+ <para>Na página <link xlink:href="https://www.freebsd.org/where.html">Como obter o FreeBSD</link>, selecione <literal>[iso]</literal> ao lado da arquitetura que corresponde ao seu hardware.</para>
- <para>De acordo com a IBM<footnote><para>Em um e-mail
- enviado por Keith Frechettei
- <email>kfrechet@us.ibm.com</email>.</para></footnote>,
- os seguintes modelos/BIOS tem esse problema
- corrigido:</para>
+ <para>Qualquer um dos itens a seguir pode ser usado:</para>
- <informaltable frame="none">
+ <informaltable frame="none" pgwide="1">
<tgroup cols="2">
<thead>
<row>
- <entry>Modelo</entry>
-
- <entry>Reviso da BIOS</entry>
+ <entry>arquivo</entry>
+ <entry>descrição</entry>
</row>
</thead>
<tbody>
<row>
- <entry>T20</entry>
-
- <entry>IYET49WW ou posterior</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>T21</entry>
-
- <entry>KZET22WW ou posterior</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>A20p</entry>
-
- <entry>IVET62WW ou posterior</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>A20m</entry>
-
- <entry>IWET54WW ou posterior</entry>
+ <entry><filename>disc1.iso</filename></entry>
+ <entry>Contém o suficiente para instalar o FreeBSD e um conjunto mínimo de pacotes.</entry>
</row>
<row>
- <entry>A21p</entry>
-
- <entry>KYET27WW ou posterior</entry>
+ <entry><filename>dvd1.iso</filename></entry>
+ <entry>Semelhante ao <filename>disc1.iso</filename>, mas com pacotes adicionais.</entry>
</row>
<row>
- <entry>A21m</entry>
-
- <entry>KXET24WW ou posterior</entry>
+ <entry><filename>memstick.img</filename></entry>
+ <entry>Uma imagem inicializável para se gravar em um pendrive.</entry>
</row>
<row>
- <entry>A21e</entry>
-
- <entry>KUET30WW</entry>
+ <entry><filename>bootonly.iso</filename></entry>
+ <entry>Uma imagem mínima e que requer acesso à rede durante a instalação para que possa instalar completamente o FreeBSD.</entry>
</row>
</tbody>
</tgroup>
</informaltable>
- <para>Existem relatos de que as revises posteriores
- das BIOS IBM re-introduziram esse bug. <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/cgi/getmsg.cgi?fetch=200565+208320+/usr/local/www/db/text/2001/freebsd-mobile/20010429.freebsd-mobile">Essa
- mensagem</link> enviada por Jacques Vidrine para a
- &a.mobile; descreve uma srie de procedimentos que
- podem funcionar no seu laptop IBM, caso seja uma
- verso um pouco mais nova, e que no consiga
- inicializar (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) o
- FreeBSD corretamente. Voc pode ainda fazer uma
- atualizao ou desatualizao
- (upgrade ou downgrade) da BIOS.</para>
-
- <para>Se a BIOS mais antiga, e voc
- no considera sua atualizao, existe
- uma opo que pode sanar seu problema. A
- instalao do FreeBSD pode ser feita
- alterando-se a identificao da
- partio (partition ID) do sistema, e depois
- instalar novos setores de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) que podem controlar
- uma partition ID diferente.</para>
-
- <para>O primeiro passo restaurar o seu laptop ao
- ponto onde ele pode fazer os auto-testes, ou seja, os
- testes bsicos de I/O da BIOS. Para fazer isso,
- basta ligar o computador de forma que ele no
- consiga encontrar a partio primria
- do FreeBSD. A maneira mais simples de faze-lo,
- retirando o disco rgido do seu laptop, e
- temporariamente ligando-o em um ThinkPad mais antigo (como
- oThinkPad 600) ou em um PC comum, com um cabo de
- converso apropriado. Uma vez feito isso, basta
- apagar a partio FreeBSD e colocar o disco
- de volta no laptop. Agora sim, o ThinkPad deve estar de
- volta ao estado onde ele pode reconhecer o disco.</para>
-
- <para>Com a mquina funcionando, basta seguir as
- prximas instrues para fazer o seu
- FreeBSD instalar:</para>
-
- <procedure>
- <step>
- <para>Baixe da rede os arquivos
- <filename>boot1</filename> e
- <filename>boot2</filename> no site <link xlink:href="http://people.FreeBSD.org/~bmah/ThinkPad/">http://people.FreeBSD.org/~bmah/ThinkPad/</link>.
- Coloque esses arquivos em algum lugar onde voc
- possa acess-los posteriormente.</para>
- </step>
-
- <step>
- <para>Instale o FreeBSD normalmente no ThinkPad.
- <emphasis>No</emphasis> use o modo
- <literal>Dangerously Dedicated</literal>.
- <emphasis>No</emphasis> reinicie o sistema
- quando o processo de instalao for
- concludo.</para>
- </step>
-
- <step>
- <para>V para a <quote>Shell Hologrfica
- de Emergncia</quote> (<keycombo action="simul"><keycap>ALT</keycap>
- <keycap>F4</keycap></keycombo>) ou inicie uma shell
- de recuperao -
- <quote>fixit</quote></para>
- </step>
-
- <step>
- <para>Use o &man.fdisk.8; para alterar a partition ID de
- <literal>165</literal> para <literal>166</literal>
- (166 o ID usado pelo OpenBSD).</para>
- </step>
-
- <step>
- <para>Coloque os arquivos <filename>boot1</filename> e
- <filename>boot2</filename> no sistema de arquivos
- local.</para>
- </step>
-
- <step>
- <para>Use o &man.disklabel.8; para escrever o
- <filename>boot1</filename> e o
- <filename>boot2</filename> na sua
- partio FreeBSD.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>disklabel -B -b boot1 -s boot2 ad0sn</userinput></screen>
-
- <para><replaceable>n</replaceable> o
- nmero da partio onde o FreeBSD
- est instalado.</para>
- </step>
-
- <step>
- <para>Reinicie o sistema. O gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>)
- oferecer a opo de iniciar o
- <literal>OpenBSD</literal>, mas na verdade essa
- opo estar iniciando o
- FreeBSD.</para>
- </step>
- </procedure>
-
- <para>Agora, se voc quer manter os sistemas
- operacionais OpenBSD e FreeBSD no mesmo laptop ThinkPad,
- pode considerar isso um exerccio prtico
- que fica a critrio do leitor.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="install-bad-blocks">
- <para>Posso instalar o FreeBSD em um disco com bad
- blocks?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>At a verso 3.0, o FreeBSD tinha um
- utilitrio chamado <command>bad144</command>, que
- automaticamente remapeava os bad blocks. Atualmente, os
- discos IDE modernos so capazes de fazer isso
- sozinhos, portanto o <command>bad144</command> foi
- retirado da rvore do FreeBSD. Se sua
- inteno instalar o FreeBSD 3.0 ou
- alguma verso mais recente, ns sinceramente
- aconselhamos que voc compre um novo disco. Se
- voc no quer comprar um disco novo,
- ento use o FreeBSD 2.X.</para>
-
- <para>Se voc esta tendo problemas de bad block com
- algum disco IDE moderno, provavelmente o disco ser
- perdido em breve, j que ele est to
- corrompido que a controladora interna no
- est conseguindo corrigir e remapear os bad blocks.
- Sugerimos que voc compre um disco novo logo, e
- realize cpia de segurana
- (<foreignphrase>backup</foreignphrase>) dos dados,
- enquanto o disco ainda funciona.</para>
-
- <para>Se o drive de disco SCSI e est
- apresentando bad blocks, leia <link linkend="awre">essa
- resposta</link>.</para>
+ <para>Instruções completas sobre este procedimento e um pouco mais sobre problemas de instalação em geral podem ser encontradas na seção do Handbook <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/bsdinstall.html">sobre instalação do FreeBSD</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="bad144-3x-4x">
- <para>Eu acabei de atualizar o sistema da srie 3.X
- para 4.X, e a minha primeira inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) falhou com a
- mensagem <errorname>bad sector table not
- supported</errorname></para>
+ <question xml:id="floppy-image-too-large">
+ <para>O que eu faço se a imagem de instalação não inicializar?</para>
</question>
<answer>
- <para>O FreeBSD 3.X e anteriores suportavam o programa
- <command>bad144</command>, que automaticamente remapeava
- bad blocks. O FreeBSD 4.X e posteriores no
- suportam mais esse programa, devido ao fato que os
- controladores de discos IDE atuais conseguem remapear bad
- blocks automaticamente. Leia <link linkend="install-bad-blocks">essa pergunta</link> para
- mais informaes.</para>
-
- <para>Para corrigir esse problema depois de uma
- atualizao, necessrio
- mover fisicamente o disco com problemas para um outro
- sistema FreeBSD funcional e usar o &man.disklabel.8; da
- forma discutida a seguir.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Isso pode ocorrer caso você não tenha baixado a imagem no modo <emphasis>binário</emphasis> ao usar o <acronym>FTP</acronym>.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="find-bad144">
- <para>Como eu fao se um disco tem
- informaes criadas pelo
- <command>bad144</command> antes de atualizar o sistema, e
- depois de atualizado para o FreeBSD 4.0 ou posterior, a
- inicializao falha?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Use o &man.disklabel.8; para identificar esse ambiente.
- <command>disklabel -r drive
- device</command> vai te mostrar o
- contedo do disco. Procure o campo
- <literal>flags</literal>. Se encontrar a
- informao <literal>flags: badsect</literal>
- porque esse disco est usando o bad144.
- Por exemplo, o disco a seguir tem o
- <command>bad144</command> habilitado:</para>
+ <para>Alguns clientes FTP padronizam seu modo de transferência para <emphasis>ascii</emphasis> e tentam alterar quaisquer caracteres de end-of-line recebidos para corresponder às convenções usadas pelo sistema do cliente. Isso quase invariavelmente corromperá a imagem de inicialização. Verifique checksum SHA-256 da imagem de inicialização baixada: se não estiver<emphasis>exatamente</emphasis> como no servidor, o processo de download pode ter corrompido o arquivo.</para>
- <screen>&prompt.root; disklabel -r wd0
-# /dev/rwd0c:
-type: ESDI
-disk: wd0s1
-label:
-flags: badsect
-bytes/sector: 512
-sectors/track: 63</screen>
+ <para>Ao usar um cliente FTP de linha de comando, digite <emphasis>binary</emphasis> no prompt de comando FTP depois de se conectar ao servidor e antes de iniciar o download da imagem.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="disable-bad144">
- <para>Como eu removo o <command>bad144</command> do meu
- sistema anterior ao 4.X de forma que eu possa
- atualiz-lo com segurana?</para>
+ <question xml:id="install-instructions-location">
+ <para>Onde estão as instruções para instalar o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Use o comando <command>disklabel -e -rwd0</command>
- para editar as informaes do seu disco.
- Basta retirar a palavra <literal>badsect</literal> do seu
- campo flags, salvar a alterao e sair do
- programa. O bad144 ainda estar ocupando algum
- espao no seu disco, mas ele estar
- funcional para srie 4.X e posteriores.</para>
-
- <para>Caso seu disco tenha um nmero muito alto de
- bad blocks, recomendado a troca do disco.</para>
+ <para>As instruções para instalação podem ser encontradas na seção do Handbook <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/bsdinstall.html">sobre instalação do FreeBSD</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="boot-floppy-strangeness">
- <para>Coisas estranhas acontecem quando inicio o sistema com
- o disco de instalao! O que est
- acontecendo?</para>
+ <question xml:id="need-to-run">
+ <para>Quais são os requisitos mínimos para executar o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se sua mquina est desligando ou
- espontneamente reiniciando sempre que voc
- tenta iniciar o sistema com o disco de
- instalao, aqui vo algumas
- perguntas que voc deveria fazer a si mesmo:</para>
-
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>O disco de instalao foi feito a
- partir de um disquete novo, recm formatado e
- completamente livre de erros (de preferncia
- algum disco que acabou de sair da caixa, ao
- contrrio desse seu disco que estava perdido
- h quase 3 anos debaixo da cama)?</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Voc baixou da rede a imagem em modo
- binrio? (no se envergonhe, at
- o melhor de ns j baixou um arquivo
- binrio em modo ASCII ao menos uma vez na
- vida!)</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>No Windows 95 ou 98, voc usou o
- <command>fdimage</command> ou o
- <command>rawrite</command> em modo DOS? Esses sistemas
- operacionais as vezes interferem na forma com que os
- programas escrevem dados diretamente no hardware,
- exatamente o que o processo de criao
- da imagem de disco faz, mesmo que voc execute
- um prompt do DOS no ambiente grfico o problema
- pode ocorrer.</para>
- </listitem>
- </orderedlist>
-
- <para>Ainda existem notcias de arquivos de imagens
- sendo corrompidos pelo Netscape, durante o
- <foreignphrase>download</foreignphrase>, por isso
- mais seguro utilizar um cliente de FTP diferente.</para>
+ <para>O FreeBSD requer um PC 486 ou melhor, 64 MB ou mais de RAM e pelo menos 1.1 GB de espaço em disco.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="no-install-cdrom">
- <para>Eu inicializei o FreeBSD a partir do meu CDROM ATAPI,
- mas o programa de instalao diz que o CDROM
- no foi encontrado. Para onde ele foi?</para>
+ <question xml:id="custom-boot-floppy">
+ <para>Como posso criar minha própria versão personalizada ou disco de instalação?</para>
</question>
<answer>
- <para>A causa desse problema curioso a
- configurao errada do seu drive de CDROM.
- Hoje em dia muitos PCs vem com o CDROM instalado como
- escravo na segunda controladora IDE, sem nenhum disco ou
- drive ptico do tipo mestre na mesma controladora.
- De acordo com as especificaes ATAPI esse
- tipo de configurao incorreta e
- ilegal. Alguns sistemas, como o Windows, simplesmente
- ignoram uma srie de especificaes
- legais na arquitetura de computadores pessoais, e acabam
- oferecendo suporte a essa configurao
- errnea - o que mais tarde pode causar outros
- conflitos. Depois que o sistema inicia, a BIOS passa a
- ignorar esse drive, e por isso o FreeBSD no
- consegue encontr-lo, para completar a
- instalao.</para>
-
- <para>Reconfigure o seu computador de forma que o CDROM
- esteja como mestre na sua controladora IDE, ou que exista
- um outro perifrico como mestre na controladora
- onde o CD estiver como escravo.</para>
+ <para>Uma mídia customizada de instalação do FreeBSD pode ser criada através da construção de uma release personalizada. Siga as instruções do artigo <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/articles/releng/article.html">Release Engineering</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="install-PLIP">
- <para>Posso instalar o FreeBSD no meu laptop via PLIP (IP em
- Linha Paralela)?</para>
+ <question xml:id="windows-coexist">
+ <para>O <trademark class="registered">Windows</trademark> pode coexistir com o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Claro. Use o cabo laplink padro. Caso
- necessrio, verifique a <link xlink:href="../handbook/plip.html">seo de
- PLIP</link> do &a.ptbr.p.handbook; para obter detalhes
- sobre a instalao do FreeBSD via rede em
- porta paralela.</para>
-
- <para>Se voc est usando o FreeBSD 3.X ou
- anterior, d uma olhada na pgina de <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/docs.html#PAO">Computao
- Mvel</link>.</para>
+ <para>Se <trademark class="registered">o Windows</trademark> for instalado primeiro, então sim. O gerenciador de boot do FreeBSD irá então inicializar o <trademark class="registered">Windows</trademark> e o FreeBSD. Se o <trademark class="registered">Windows</trademark> for instalado posteriormente, ela sobrescreverá o gerenciador de inicialização. Se isso acontecer, veja a próxima seção.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="geometry">
- <para>Qual geometria eu devo utilizar para um disco?</para>
+ <question xml:id="bootmanager-restore">
+ <para>Outro sistema operacional destruiu meu gerenciador de inicialização. Como faço para recuperá-lo?</para>
</question>
<answer>
- <note>
- <para>Por <quote>geometria</quote>, ns entendemos
- o nmero de cilindros, cabeas e
- setores/trilhas de um disco. Por convenincia,
- vamos nos referir esses dados como C/H/S
- (Cylinders/Heads/Sectores). a partir dessa
- informao que a BIOS dos PCs definem
- quais reas de um disco podem ser usadas para
- leitura/escrita.</para>
- </note>
+ <para>Isso depende do gerenciador de inicialização. O menu de seleção de inicialização do FreeBSD pode ser reinstalado usando <citerefentry> <refentrytitle>boot0cfg</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum> </citerefentry>. Por exemplo, para restaurar o menu de inicialização no disco <replaceable>ada0</replaceable>:</para>
- <para>A geometria de disco costuma causar uma srie
- de confuses entre administradores de sistemas
- menos experientes. Para comear, a geometria
- <emphasis>fsica</emphasis> de um disco SCSI
- totalmente irrelevante, pois o FreeBSD trabalha
- com blocos de discos. Na verdade, no existe
- exatamente <quote>a</quote> geometria fsica de um
- disco, visto que a densidade de um setor varia de acordo
- com os discos. Os fabricantes chamam de <quote>geometria
- fsica</quote> as especificaes
- que eles definem para que o menor espao
- possvel em disco seja desperdiado. Em
- discos IDE, o FreeBSD trabalha com as
- informaes de C/H/S, mas todos os
- dispositivos modernos, internamente convertem essa
- informaes em referncias a blocos de
- disco.</para>
-
- <para>O que importa, portanto, a geometria
- <emphasis>lgica</emphasis>. O valor lgico
- a resposta que a BIOS obtm quando
- pergunto <quote>qual sua geometria?</quote> ao disco.
- esse valor, ento, que usado para
- definir a forma de acesso ao dispositivo de armazenamento.
- O FreeBSD usa as informaes da BIOS quando
- inicializa (<foreignphrase>boot</foreignphrase>), e por
- isso extremamente importante obter essa
- informao de maneira correta. No geral, se
- voc tem mais de um sistema operacional no mesmo
- disco, eles devem concordar no valor lgico da
- geometria do disco, caso contrrio voc
- ter srios problemas ao iniciar o
- sistema.</para>
-
- <para>Em discos SCSI, a geometria ser utilizada
- depende do suporte traduo
- extendida definido na sua controladora de disco
- (normalmente esse suporte chamado de
- <quote>support for DOS disks &gt;1GB</quote>, que
- identifica o suporte discos DOS cuja capacidade
- de armazenamento maior que 1GB - ou alguma
- identificao similar.). Se essa
- opo est desabilitada, ento
- o C/H/S do disco ser de
- <replaceable>N</replaceable> cilindros, 64 cabeas
- e 32 setores/trilhas, onde o valor
- <replaceable>N</replaceable> equivale a capacidade (em MB)
- do disco. Por exemplo, um disco de 2GB teria 2048
- cilindros, 64 cabeas e 32 setores/trilhas.</para>
-
- <para>Se a opo <emphasis>estiver</emphasis>
- habilitada (normalmente ela habilitada por
- padro, para sanar algumas limitaes
- de sistemas baseados em MSDOS), e a capacidade do disco
- forma maior que 1GB, os valores C/H/S do disco
- sero M cilindros, 63 setores por trilha
- (<emphasis>no</emphasis> 64) e 255 cabeas,
- sendo 'M' a capacidade do disco, em MB, dividido por
- 7.844238 (!). Ento, por exemplo, o mesmo disco de
- 2GB nessa situao teria 261 cilindros, 63
- setores por trilha e 255 cabeas.</para>
-
- <para>Se voc no entendeu o porque disso, ou
- se o seu FreeBSD falha no momento de reconhecer a
- geometria correta do seu disco durante a
- instalao, existe uma forma de tentar
- resolver esse problema. Crie uma pequena
- partio do tipo DOS no seu disco, e
- verifique se a BIOS consegue identificar corretamente a
- geometria do mesmo. Caso consiga, a
- instalao vai se completar com
- tranq&uuml;ilidade, e a pequena partio DOS
- pode sempre ser deletada, com o editor de
- parties do FreeBSD.</para>
-
- <para>Como alternativa, existe uma aplicao
- gratuitamente disponvel com a
- distribuio do FreeBSD, chamada de
- <filename>pfdisk.exe</filename>. Ela pode ser encontrada
- sob o diretrio <filename>tools</filename> no CDROM
- do FreeBSD ou nos servidores FTP do projeto. Esse
- programa serve para descobrir qual a geometria usada por
- outros sistemas operacionais no disco local. Nesse caso,
- esse valor pode ser definido no editor de
- parties do FreeBSD.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="disk-divide-restrictions">
- <para>Existem restries quanto ao
- particionamento de discos?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Sim, existem. A principal delas, que a
- partio <quote>root</quote> no pode
- ter mais de 1024 cilindros, seno a BIOS no
- consegue iniciar o <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- do sistema a partir dessa partio. (Note
- que essa uma limitao das BIOS dos
- computadores pessoais, e no do FreeBSD).</para>
-
- <para>Em um disco SCSI, essa limitao implica
- que a partio raiz (root) deve estar
- alocada nos primeiros 1024MB do disco (ou nos primeiros
- 4096MB, caso o suporte a traduo extendida
- esteja habilitada - veja pergunta anterior). Em discos
- IDE, o valor correspondente equivale a 504MB para
- partio raiz (root).</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="disk-manager">
- <para>O FreeBSD suporta programas gerenciadores de
- discos?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>O FreeBSD reconhece apenas o <quote>Ontrack Disk
- Manager</quote>. Outros gerenciadores de discos
- no so suportados.</para>
-
- <para>Se sua inteno usar o disco
- com FreeBSD, voc no precisa de um
- gerenciador de discos. Basta configurar o disco para o
- total de espao que a BIOS reconhece (normalmente
- 504MB) e o FreeBSD vai conseguir identificar o tamanho
- real do disco. Se voc estiver usando um disco
- antigo com uma controladora MFM, ser
- necessrio avisar ao FreeBSD quantos cilindros o
- disco tem.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>boot0cfg -B ada0</userinput></screen>
- <para>Caso queira usar o disco com FreeBSD e algum outro
- sistema operacional, provavelmente tambm
- no ser necessrio um gerenciador de
- discos. Certifique-se apenas que a partio
- de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do FreeBSD e a
- partio do outro sistema operacional
- estejam nos primeiros 1024 cilindros do disco.
- Normalmente, para administradores de sistemas que tomam
- decises racionais, 20MB de espao em uma
- partio de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) mais que o
- suficiente.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>O gerenciador de inicialização MBR não interativo pode ser instalado usando <citerefentry><refentrytitle>gpart</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>:</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="missing-os">
- <para>Quando eu inicio o FreeBSD, eu obtenho a mensagem
- <errorname>Missing Operating System</errorname>. O que
- est acontecendo?</para>
- </question>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>gpart bootcode -b /boot/mbr ada0</userinput></screen>
- <answer>
- <para>Esse um caso tpico do FreeBSD e o DOS
- ou qualquer outro sistema operacional discordando de suas
- definies em relao a <link linkend="geometry">geometria</link> do disco.
- Provavelmente voc ter que reinstalar o
- FreeBSD, mas se seguir as instrues citadas
- nas perguntas anteriores, raramente esse problema vai
- acontecer.</para>
+ <para>Para situações mais complexas, incluindo discos GPT, consulte <citerefentry><refentrytitle>gpart</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="stop-at-boot-manager">
- <para>Porque eu no consigo passar da tela
- <prompt>F?</prompt> do gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>)?</para>
+ <question xml:id="need-complete-sources">
+ <para>Preciso instalar o código fonte?</para>
</question>
<answer>
- <para>Esse mais um sintoma do problema descrito na
- pergunta anterior. A geometria que a sua BIOS reconhece
- no equivale ao valor definido no FreeBSD! Se a sua
- controladora de disco ou sua BIOS suportam o modo de
- traduo de cilindros (normalmente chamado
- de <quote>&gt;1GB drive support</quote>), tente alterar
- essa opo e reinstalar o FreeBSD.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="need-complete-sources">
- <para>Eu preciso instalar todos os fontes do sistema
- operacional?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Geralmente no, mas altamente
- recomendvel que voc instale ao menos os
- fontes <literal>base</literal>, que incluem
- inmeros arquivos mencionados ao longo desse
- documento, como as fontes do sistema,
- <literal>sys</literal> que inclui as fontes do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD, sem os
- quais no se pode criar um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> personalizado.
- No existe qualquer dependncia do sistema
- operacional em relao aos seus fontes; com
- a nica exceo do programa
- &man.config.8;, o resto do sistema operacional no
- precisa dos fontes para funcionar. Os outros fontes do
- sistema operacional - exceto os fontes do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> - podem ser montados
- remotamente (via NFS, por exemplo) em qualquer lugar, e
- ainda assim novos binrios podem ser compilados a
- partir dos mesmos. Devido a restrio
- nica dos fontes do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>,
- recomendvel que os outros fontes no sejam
- diretamente montados sob <filename>/usr/src</filename> mas
- sim, que sejam montados separadamente e depois
- interligados com links simblicos
- apropriados.</para>
-
- <para>Tendo todos os fontes disponveis, e sabendo
- reconstruir o sistema a partir dos mesmos, ser
- muito mais fcil manter o FreeBSD sincronizado e
- atualizado com futuros releases.</para>
-
- <para>Para escolher um subconjunto dos fontes do sistema,
- escolha a opo <literal>Custom</literal>
- quando estiver na opo
- <literal>Distributions</literal> do programa de
- instalao do sistema.</para>
+ <para>Em geral, não. Não há nada no sistema base que exija a presença do código fonte para operar. Alguns ports, como o <package>sysutils/lsof</package>, não serão compilados a menos que o código fonte esteja instalado. Em particular, se o port compila um módulo de kernel ou opera diretamente em estruturas de kernel, o código fonte deve ser instalado.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="need-kernel">
- <para>Eu preciso criar um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- personalizado?</para>
+ <para>Eu preciso compilar um kernel?</para>
</question>
<answer>
- <para>Construir um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> costumava ser uma
- obrigao na instalao do
- FreeBSD, mas hoje em dia existe uma interface de
- configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> muito mais
- amigvel, que permite a redefinio
- de recursos do sistema. Para acessar essa ferramenta,
- basta inicializar (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) o
- sistema com a opo <option>-c</option> no
- prompt de (<literal>boot:</literal>). Em especial, os
- principais perifricos ISA - normalmente os mais
- problemticos - podem ser facilmente configurados
- com essa opo.</para>
-
- <para>Ainda recomendvel que se construa um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> personalizado,
- apenas com suporte aos equipamentos e
- caractersticas do sistema que voc precisa,
- de forma a economizar recursos no sistema (especialmente
- memria RAM), mas essa recompilao
- no mais uma obrigao na
- maioria dos sistemas - mas sem dvida um
- hbito saudvel.</para>
+ <para>Geralmente não. O kernel <literal>GENERIC</literal> fornecido contém todos os drivers que um computador comum precisará. O <citerefentry><refentrytitle>freebsd-update</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, a ferramenta de atualização binária do FreeBSD, não pode atualizar kernels customizados, o que é uma outra razão para se manter com o kernel <literal>GENERIC</literal> sempre que possível. Para computadores com uma quantidade de memória RAM muito limitada, como sistemas embarcados, pode valer a pena compilar um kernel customizado menor contendo apenas os drivers necessários.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="password-encryption">
- <para>Eu devo usar criptografia DES, Blowfish, ou MD5 para
- senhas do sistema? Como eu defino qual delas o
- usurio deve usar?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>O formato padro para senhas no FreeBSD
- a criptografia <emphasis>MD5</emphasis>. Esse
- padro considerado mais seguro do que os
- formatos tradicionais de senhas Unix, que normalmente eram
- baseados no algortimo <emphasis>DES</emphasis>. O
- FreeBSD ainda pode trabalhar com senhas em formato DES
- caso voc precise compartilh-las com
- sistemas que ainda armazenam suas senhas no formato antigo
- - e menos seguro - dos sistemas Unix originais (para isso
- voc ter que instalar a
- distribuio <quote>crypto</quote> via
- sysinstall ou apartir do cdigo fonte). Instalando
- as bibliotecas crypto ser possivel utilizar outros
- tipos de criptografia, como o formato Blowfish, que
- ainda mais seguro do que o MD5. A
- definio de qual codificao
- utilizar definida no campo
- <quote>passwd_format</quote> do arquivo de
- configuraes de login, o
- <filename>/etc/login.conf</filename>. Esse campo deve ter
- o valor <quote>des</quote>, <quote>blf</quote> (caso suas
- bibliotecas estejam disponveis) ou
- <quote>md5</quote>. Veja a pgina de manuais do
- &man.login.conf.5; para maiores
- informaes.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="boot-floppy-hangs">
- <para>Por que o disco de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) inicia, mas trava na
- tela <literal>Probing Devices...</literal>?</para>
- </question>
-
- <answer>
-
- <para>Se voc tem um drive Zip IDE ou um Jaz conectado
- ao seu computador, remova-o e tente de novo. A
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) de
- instalao do sistema se confunde as vezes
- quando esses dispositivos esto disponveis
- no computador. Depois da instalao os
- drives so reconhecidos e controlados normalmente.
- Provavelmente - esperamos - esse problema ser
- corrigido nas prximas verses.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="panic-on-install-reboot">
- <para>Por que ocorre o erro <errorname>panic: can't mount
- root</errorname>, quando eu reinicio o sistema, depois
- de t-lo instalado.</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Esse problema costuma ocorrer por conta de uma pequena
- confuso entre os blocos do setor de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do disco, e as
- definies de disco no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>. um erro
- tpico apenas de sistemas com dois discos IDE,
- quando os mesmos esto definidos como disco mestre
- e escravo, mas em controladoras distintas, e com o FreeBSD
- instalado na controladora secundria. Os blocos de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) acham que o sistema
- est instalado no segundo disco IDE (o segundo
- disco reconhecido pela BIOS) enquanto o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> assume o primeiro
- disco na segunda controladora IDE. Depois do
- reconhecimento dos equipamentos do sistema o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> tenta montar a
- partio raiz no disco que o bloco de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) acredita ser o disco
- de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>), wd1, ao
- invs do disco correto na segunda controladora,
- wd2, e por isso o processo de inicializao
- falha.</para>
-
- <para>Para corrigir esse problema, voc tem trs
- opes:</para>
-
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>No FreeBSD 3.3 e posteriores, reincie o sistema e
- aperte <keycap>Enter</keycap> na tela <literal>Booting
- kernel in 10 seconds; hit [Enter] to
- interrupt</literal>. Voc ser
- direcionado ao <literal>boot loader</literal>.</para>
-
- <para>Depois, digite <literal> set
- root_disk_unit="disk_number"</literal>.
- <replaceable>disk_number</replaceable> dever
- ser <literal>0</literal> se o FreeBSD estiver
- instalado como mestre na primeira controladora IDE,
- <literal>1</literal> se for o escravo na primeira
- controladora, <literal>2</literal> se for o mestre da
- segunda controladora IDE, e <literal>3</literal> se
- for o escravo na segunda controladora.</para>
-
- <para>Depois digite <literal>boot</literal>, e seu sistema deve ser iniciado corretamente.</para>
-
- <para>Para tornar essa alterao
- permanente, (para que voc no tenha que
- digitar isso na mo toda vez que seu FreeBSD
- tiver que reiniciar) basta colocar a linha <literal>
- root_disk_unit="disk_number"</literal>
- no arquivo
- <filename>/boot/loader.conf.local</filename>.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Se voc estiver usando o FreeBSD 3.2 ou
- alguma verso anterior, digite
- <literal>1:wd(2,a)kernel</literal> na prompt de
- inicializao do sistema e aperte
- <keycap>Enter</keycap>. Se o sistema iniciar
- normalmente, execute o comando <command>echo
- "1:wd(2,a)kernel" &gt; /boot.config</command> para
- tornar essa alterao permanente.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Mude o disco com o FreeBSD para primeira
- controladora IDE.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para><link xlink:href="../handbook/kernelconfig.html">Recompile o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase></link>,
- altere as linhas de configurao wd
- para: </para>
-
- <programlisting>controller wdc0 at isa? port "IO_WD1" bio irq 14 vector wdintr
-disk wd0 at wdc0 drive 0
-# disk wd1 at wdc0 drive 1 # comment out this line
-
-controller wdc1 at isa? port "IO_WD2" bio irq 15 vector wdintr
-disk wd1 at wdc1 drive 0 # change from wd2 to wd1
-disk wd2 at wdc1 drive 1 # change from wd3 to wd2</programlisting>
-
- <para>E instale o novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>. Se voc
- mudou seu disco e quer voltar ele para
- configurao original, mude a ordem
- deles no PC e reinicie o sistema. Seu sistema deve
- iniciar com sucesso.</para>
- </listitem>
- </orderedlist>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="memory-limits">
- <para>Quais so as limitaes de
- memria?</para>
+ <para>Devo usar senhas DES, Blowfish ou MD5 e como eu específico qual tipo meus usuários irão receber?</para>
</question>
<answer>
- <para>A limitao de memria
- de 4 gigabytes. Essa definio foi testada,
- veja a <link xlink:href="ftp://ftp.cdrom.com/archive-info/configuration">configurao
- do wcarchive</link> para obter mais detalhes. Se
- voc pretende instalar essa quantidade de
- memria no FreeBSD, seja cuidadoso. D
- preferncia para memrias ECC e reduza a
- capacidade de carga usando modules de memria de 9
- chips, ai invs dos mdulos de 18
- chips.</para>
+ <para>O FreeBSD usa <emphasis>SHA512</emphasis> por padrão. Senhas DES ainda estão disponíveis para compatibilidade com sistemas operacionais que ainda usam um formato de senha menos seguro. O FreeBSD também suporta os formatos de senha Blowfish e MD5. O formato de senha que será usado para novas senhas é controlado pelo recurso de login <literal>passwd_format</literal> no arquivo <filename>/etc/login.conf</filename>, que recebe valores de <literal>des</literal>, <literal>blf</literal> (se estiverem disponíveis) ou <literal>md5</literal>. Veja a página de manual <citerefentry><refentrytitle>login.conf</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> para maiores informações sobre as capacidades de login.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ffs-limits">
- <para>Qual a limitao para o sistema de
- arquivos FFS?</para>
+ <para>Quais são os limites para sistemas de arquivos FFS?</para>
</question>
<answer>
- <para>Para o sistema de arquivos FFS, o limite
- mximo, na teoria de 8 terabytes (para
- blocos de 2K), ou 16TB para o tamanho padro dos
- blocos, que de 8K. Na prtica os limites
- variam de 1TB a 4TB de acordo com algumas
- modificaes no sistema de arquivos.</para>
-
- <para>O tamanho mximo para um arquivo no sistema FFS
- de 1G de blocos (4TB) caso os blocos sejam de
- 4K.</para>
-
- <table>
- <title>Tamanho mximo dos arquivos.</title>
-
- <tgroup cols="5">
- <thead>
- <row>
- <entry>Tamanho do bloco</entry>
-
- <entry>2.2.7-stable</entry>
-
- <entry>3.0-current</entry>
-
- <entry>Funciona com</entry>
-
- <entry>Deve funcionar</entry>
- </row>
- </thead>
-
- <tbody>
- <row>
- <entry>4K</entry>
-
- <entry>4T-1</entry>
-
- <entry>4T-1</entry>
-
- <entry>4T-1</entry>
-
- <entry>&gt;4T</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>8K</entry>
-
- <entry>&gt;32G</entry>
-
- <entry>8T-1</entry>
-
- <entry>&gt;32G</entry>
-
- <entry>32T-1</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>16K</entry>
-
- <entry>&gt;128G</entry>
-
- <entry>16T-1</entry>
-
- <entry>&gt;128G</entry>
-
- <entry>32T-1</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>32K</entry>
-
- <entry>&gt;512G</entry>
-
- <entry>32T-1</entry>
-
- <entry>&gt;512G</entry>
-
- <entry>64T-1</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>64K</entry>
-
- <entry>&gt;2048G</entry>
+ <para>Para os sistemas de arquivos FFS, o tamanho máximo é praticamente limitado pela quantidade de memória necessária para executar o <citerefentry><refentrytitle>fsck</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> no sistema de arquivo. O <citerefentry><refentrytitle>fsck</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> requer um bit por fragmento, que com o tamanho de fragmento padrão de 4 KB equivale a 32 MB de memória por TB de disco. Isso significa que nas arquiteturas que limitam os processos userland a 2 GB (por exemplo, <trademark>i386</trademark>), o tamanho máximo do sistema de arquivos que o <citerefentry><refentrytitle> fsck</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> permite operar é de ~ 60 TB.</para>
- <entry>64T-1</entry>
+ <para>Se não houvesse um limite de memória para o <citerefentry><refentrytitle>fsck</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, o tamanho máximo do sistema de arquivos seria 2 ^ 64 (blocks) * 32 KB =&gt; 16 Exa * 32 KB =&gt; 512 ZettaBytes.</para>
- <entry>&gt;2048G</entry>
-
- <entry>128T-1</entry>
- </row>
- </tbody>
- </tgroup>
- </table>
-
- <para>Quando o sistema de arquivos possui blocos de 4K, o
- triplo de blocos indiretores funcionam, e o limite
- mximo do sistema de arquivos deveria ser atingido,
- mas a triplicao dos blocos indiretores
- (representados aproximadamente pelo resultado de 1K^3 +
- 1K^2 + 1K) se limita ao valor (errneo) de 1G-1 no
- nmero de blocos do sistema de arquivos. O limite
- do nmero de blocos deveria ser 2G-1. Mas por
- causa de alguns problemas com o nmero dos blocos
- no sistema de arquivos, esse valor no pode ser
- alcanado quando o tamanho dos blocos no sistema de
- arquivos 4K.</para>
-
- <para>Em blocos com tamanho de 8K ou maiores, o limite geral
- de 2G-1 no nmero de blocos do sistema de
- arquivos, exceto no FreeBSD -STABLE onde o triplo indireto
- do nmero de blocos pode ser alcanado, de
- forma que o limite mximo do sistema de arquivos
- seja representado pela equao
- ((blocksize/4)^2 + (blocksize/4)), e sob o -CURRENT onde a
- exceo desse limite pode causar
- problemas.</para>
+ <para>O tamanho máximo de um único arquivo FFS é de aproximadamente 2 PB com o tamanho de bloco padrão de 32 KB. Cada bloco de 32 KB pode apontar para 4096 blocos. Com blocos triplo indiretos, o cálculo é 32 KB * 12 + 32 KB * 4096 + 32 KB * 4096 ^ 2 + 32 KB * 4096 ^ 3. Aumentar o tamanho do bloco para 64 KB aumentará o tamanho máximo do arquivo por um fator de 16.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="archsw-readin-failed-error">
- <para>Por que a mensagem de erro
- <errorname>archsw.readin.failed</errorname> me perturba
- sempre, depois que eu recompilo e carrego um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> novo?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Voc pode carregar um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> ao especifica-lo
- diretamente no segundo estgio do processo de
- inicializao, simplesmente apertando
- qualquer tecla quando o pipe ( | ) aparecer, antes que o
- loader seja carregado. Provavelmente voc atualizou
- todo o sistema operacional, mas recompilou apenas o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, <emphasis>sem dar
- um make world</emphasis>. Essa ao
- arriscada e no suportada.
- Faa um Make World!!!!</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="upgrade-3x-4x">
- <para>Como eu atualizo meu sistema da srie 3.X para 4.X?</para>
+ <para>Por que recebo uma mensagem de erro, <errorname>readin failed</errorname> depois de compilar e inicializar um novo kernel?</para>
</question>
<answer>
- <para> <emphasis>altamente</emphasis>
- recomendvel que voc use
- <foreignphrase>snapshots</foreignphrase> binrios
- para fazer isso. <foreignphrase>Snapshots</foreignphrase>
- binrio do 4-STABLE podem ser encontrados em <link xlink:href="ftp://releng4.FreeBSD.org/">ftp://releng4.FreeBSD.org/</link>.</para>
-
- <para>Devido s inmeras
- alteraes da srie 3.X para
- srie 4-STABLE, uma atualizao
- direta, a partir dos fontes, corre grande riscos de
- falhar. A atualizao dos fontes pode ser
- feita, inclusive desde as primrdias verses
- 2.X at as mais recentes 4-STABLE ou at
- mesmo 5-CURRENT, mas essa atualizao deve
- ser realizada em vrios estgios. Primeiro,
- atualize a sua srie 3.X pra verso mais
- recente, a 3-STABLE (<literal>RELENG_3</literal>). Depois
- atualize para o 4.1.1-RELEASE
- (<literal>RELENG_4_1_1_RELEASE</literal>). Finalmente,
- tente atualizar para o 4-STABLE
- (<literal>RELENG_4</literal>).</para>
+ <para>O world (aplicativos e bicliotecas do userland)e o kernel estão fora de sincronia. Isso não é suportado. Certifique-se de usar <command>make buildworld</command> e <command>make build-kernel</command> para atualizar o kernel.</para>
- <para>Se voc pretende atualizar seu sistema a partir
- dos fontes, por gentileza, refira-se ao <link xlink:href="../handbook/cutting-edge.html">&a.ptbr.p.handbook;</link>
- para maiores informaes.</para>
-
- <caution>
- <para>A atualizao direta por meio dos
- fontes nunca aconselhvel para
- usurios inexperientes, a
- atualizao da srie 3.X para 4.X
- portanto menos aconselhvel ainda,
- portanto, caso voc no tenha
- experincias com esse processo de
- atualizao, leia todas as
- instrues disponveis no
- &a.ptbr.p.handbook; com cuidado.</para>
- </caution>
+ <para>Inicialize o sistema especificando o kernel diretamente no segundo estágio, pressionando qualquer tecla quando o <literal>|</literal> aparecer antes que o utilitário de carga (loader) seja iniciado.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="security-profiles">
- <para>Onde esto essas
- <quote>especificaes de
- segurana</quote>?</para>
+ <question xml:id="general-configuration-tool">
+ <para>Existe uma ferramenta para realizar tarefas de configuração pós-instalação?</para>
</question>
<answer>
- <para>Uma <quote>especificao de
- segurana</quote> se refere a um conjunto de
- configuraes e de opes no
- sistema, que tendem a garantir um nvel
- desejvel de segurana, por meio de definir
- ou desabilitar algumas opes e programas no
- FreeBSD. Para maiores detalhes, veja a
- seo de <link xlink:href="../handbook/install-post.html#SECURITYPROFILE">
- Especificao de Segurana</link>
- no <link xlink:href="../handbook/install-post.html">captulo de
- ps-instalao</link> do
- &a.ptbr.p.handbook;.</para>
+ <para>Sim. O <application>bsdconfig</application> fornece uma boa interface para configurar o FreeBSD na pós-instalação.</para>
</answer>
</qandaentry>
</qandaset>
@@ -2694,5250 +878,1385 @@ disk wd2 at wdc1 drive 1 # change from wd3 to wd2</programlisting
<chapter xml:id="hardware">
<title>Compatibilidade de Hardware</title>
- <qandaset>
- <qandaentry>
- <question xml:id="architectures">
- <para>O FreeBSD suporta outras arquiteturas alm da
- x86?</para>
- </question>
+ <sect1 xml:id="compatibility-general">
+ <title>Geral</title>
- <answer>
- <para>Sim. Atualmente o FreeBSD tem suporte para
- arquiteturas Intel x86 e DEC (agora Compaq) Alpha.
- Tambm existe um interesse conhecido no
- <literal>port</literal> FreeBSD para plataforma SPARC.
- Caso exista interesse em participar desse projeto ou saber
- mais informaes sobre
- <literal>port</literal> para esta arquitetura, queira
- juntar-se lista de discusso do &a.sparc;.
- As plataformas IA-64 e Power-PC foram recentemente
- adicionadas lista de arquiteturas que
- sero futuramente suportadas; entre na lista do
- &a.ia64; e/ou &a.ppc; para mais informaes
- sobre tais arquiteturas. Para discusses gerais
- sobre outras arquiteturas, entre na lista de
- discusso &a.platforms;.</para>
+ <qandaset>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="which-hardware-to-get">
+ <para>Eu quero obter um componente de hardware para o meu sistema FreeBSD. Qual modelo/marca/tipo é o melhor?</para>
+ </question>
- <para>Caso seu computador seja de uma arquitetura no
- suportada pelo FreeBSD e precise de uma
- soluo imediata, ns sugerimos uma
- olhada no <link xlink:href="http://www.netbsd.org/">NetBSD</link> ou <link xlink:href="http://www.openbsd.org/">OpenBSD</link>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <answer>
+ <para>Isso é discutido continuamente nas listas de discussão do FreeBSD, mas isto é de se esperar, já que o hardware muda tão rapidamente. Leia as Notas de Hardware do FreeBSD <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/releases/11.2R/hardware.html">11.2</link> ou <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/releases/10.4R/hardware.html">10.4</link> e pesquise os <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/search/#mailinglists">arquivos</link> da lista de discussão antes de perguntar sobre o hardware mais recente e melhor. As chances são de que uma discussão sobre esse tipo de hardware tenha acontecido na semana passada.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="which-hardware-to-get">
- <para>Preciso adquirir um novo hardware para um sistema com
- FreeBSD. Qual o melhor modelo/marca/tipo?</para>
- </question>
+ <para>Antes de comprar um laptop, verifique os arquivos da <link xlink:href="http://lists.FreeBSD.org/mailman/listinfo/freebsd-mobile">lista de discussão sobre computadores portáteis FreeBSD</link> e da <link xlink:href="http://lists.FreeBSD.org/mailman/listinfo/freebsd-questions">lista de discussão de questões gerais do FreeBSD</link>, ou possivelmente uma lista de discussão específica para um tipo específico de hardware.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <answer>
- <para>Essa uma discusso tradicional nas
- listas do FreeBSD. Partindo do princpio que os
- tipos de equipamentos e suas caractersticas
- alteram-se de forma muita rpida, e que ns
- tentamos suportar essas mudanas e torn-las
- suportadas, <emphasis>fortemente
- recomendado</emphasis> que voc sempre leia as
- <link xlink:href="&rel.current.hardware;">Notas de
- Hardware</link> e faa uma busca nos <link xlink:href="http://www.freebsd.org/search/#mailinglists">histrico
- das listas de discusso</link> antes de
- perguntar sobre os melhores e mais novos equipamentos
- disponveis. muito provvel que as
- informaes que voc quer sobre
- determinado equipamento tenham sido discutidas h
- menos de uma semana.</para>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="memory-upper-limitation">
+ <para>Quais são os limites para a memória? O FreeBSD suporta mais de 4 GB de memória (RAM)? Mais de 16 GB? Mais de 48 GB?</para>
+ </question>
- <para>Caso voc esteja procurando
- informaes sobre
- <foreignphrase>laptops</foreignphrase>, verifique o
- histrico da lista FreeBSD-mobile. Do
- contrrio, o histrico da FreeBSD-questions
- ser o mais indicado, ou de alguma lista
- especfica sobre o tipo de hardware em
- questo.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <answer>
+ <para>O FreeBSD como sistema operacional geralmente suporta tanta memória física (RAM) quanto a disponível na plataforma em que está rodando. Tenha em mente que plataformas diferentes têm limites diferentes para a memória; por exemplo <trademark>i386</trademark> sem <acronym>PAE</acronym> suporta no máximo 4 GB de memória (e geralmente menos que isso por causa do espaço de endereçamento PCI) e <trademark>i386</trademark> com PAE suporta no máximo 64 GB de memória. A partir do FreeBSD 10, as plataformas AMD64 suportam até 4 TB de memória física.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <qandaentry>
- <question xml:id="supported-hard-drives">
- <para>Que tipos de discos rgido o FreeBSD
- suporta?</para>
- </question>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="memory-i386-over-4gb">
+ <para>Por que o FreeBSD reporta menos de 4 GB de memória quando instalado em uma máquina <trademark>i386</trademark>?</para>
+ </question>
- <answer>
- <para>O FreeBSD suporta discos EIDE e SCSI (com alguma
- controladora compatvel; veja a prxima
- pergunta) e todos os outros discos que usam a interface de
- controle original da <quote>Western Digital</quote> (MFM,
- RLL, ESDI, e claro IDE). Algumas controladoras
- ESDI que usam interfaces de controle proprietria
- no funcionaro no FreeBSD: mude para
- controladoras do tipo WD1002/3/6/7 ou algum clone dessa
- interface.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <answer>
+ <para>O espaço total de endereços nas máquinas <trademark>i386</trademark> é de 32 bits, o que significa que no máximo 4 GB de memória são endereçáveis ​​(podem ser acessados). Além disso, alguns endereços nesse intervalo são reservados por hardware para diferentes finalidades, por exemplo, para usar e controlar dispositivos PCI, para acessar a memória de vídeo e assim por diante. Portanto, a quantidade total de memória utilizável pelo sistema operacional para o seu kernel e aplicativos é limitada a significativamente menos de 4 GB. Normalmente, temos de 3,2 GB a 3,7 GB de memória física máxima utilizável nessa configuração.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="supported-scsi-controllers">
- <para>Quais controladoras SCSI so suportadas pelo
- FreeBSD?</para>
- </question>
+ <para>Para acessar mais de 3,2 GB a 3,7 GB de memória instalada (ou seja, até 4 GB, mas também mais de 4 GB), um ajuste especial chamado <acronym>PAE</acronym> deve ser usado. PAE significa Physical Address Extension e é uma maneira das CPUs x86 de 32 bits endereçarem mais de 4 GB de memória. Ele remapeia a memória que de outra forma seria sobreposta pelas reservas de endereço para dispositivos de hardware acima do intervalo de 4 GB e a usa como memória física adicional (veja <citerefentry><refentrytitle>pae</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>). Usar o PAE tem alguns inconvenientes; este modo de acesso à memória é um pouco mais lento que o modo normal (sem PAE) e módulos carregáveis ​​(veja <citerefentry><refentrytitle>kld</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum> </citerefentry>) não são suportados. Isso significa que todos os drivers devem ser compilados estaticamente no kernel.</para>
- <answer>
- <para>Veja a lista completa de equipamentos suportados nas
- <link xlink:href="&rel.current.hardware;">Notas de
- Hardware</link> atuais.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>A maneira mais comum de ativar o PAE é compilar um novo kernel com o arquivo especial de configuração do kernel, chamado <filename>PAE</filename>, que já está configurado para compilar um kernel seguro. Observe que algumas entradas neste arquivo de configuração do kernel são muito conservadoras e alguns drivers marcados como não prontos para serem usados ​​com o PAE na verdade são possíveis de serem utilizados. Uma regra básica é que, se o driver for utilizável em arquiteturas de 64 bits (como o AMD64), ele também poderá ser usado com o PAE. Ao criar um arquivo de configuração de kernel personalizado, o suporte ao PAE pode ser ativada adicionando a seguinte linha:</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="supported-cdrom-drives">
- <para>Quais drives de CDROM so suportados pelo
- FreeBSD?</para>
- </question>
+ <programlisting>options PAE</programlisting>
- <answer>
- <para>Quaisquer drives SCSI ligados controladoras
- suportadas so controladas pelo FreeBSD.</para>
+ <para>O PAE não é muito usado atualmente porque a maioria dos novos hardwares x86 também suporta a execução no modo de 64 bits, conhecido como AMD64 ou <trademark class="registered">Intel</trademark>64. Ele tem um espaço de endereçamento muito maior e não precisa tais ajustes. O FreeBSD suporta o AMD64 e é recomendado que esta versão do FreeBSD seja usada no lugar da versão <trademark>i386</trademark> se forem necessários 4 GB ou mais de memória.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
+ </qandaset>
+ </sect1>
- <para>As seguintes interfaces proprietrias de CDROM
- tambm so suportadas:</para>
+ <sect1 xml:id="compatibility-processors">
+ <title>Arquiteturas e Processadores</title>
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Mitsumi LU002 (8bits), LU005 (16bits) e FX001D
- (16bits velocidade 2x (2x Speed)).</para>
- </listitem>
+ <qandaset>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="architectures">
+ <para>O FreeBSD suporta arquiteturas diferentes do x86?</para>
+ </question>
- <listitem>
- <para>Sony CDU 31/33A.</para>
- </listitem>
+ <answer>
+ <para>Sim. O FreeBSD divide o suporte em vários níveis. Arquiteturas de Tier 1, como i386 ou amd64; são totalmente suportados. Tiers 2 e 3 são suportados com base no melhor esforço. Uma explicação completa do sistema de tiers está disponível no <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/articles/committers-guide/archs.html">Guia dos Committers.</link></para>
- <listitem>
- <para>CDROM Sound Blaster no-SCSI.</para>
- </listitem>
+ <para>Uma lista completa de arquiteturas suportadas pode ser encontrada na <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/platforms/">páginas de plataformas.</link></para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <listitem>
- <para>CDROM Matsushita/Panasonic.</para>
- </listitem>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="smp-support">
+ <para>O FreeBSD suporta o Multiprocessamento Simétrico (SMP)?</para>
+ </question>
- <listitem>
- <para>CDROMs IDE compatveis com o padro
- ATAPI.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <answer>
+ <para>O FreeBSD suporta multiprocessadores simétricos (SMP) em todas as plataformas não-embarcadas (por exemplo, i386, amd64, etc.). O SMP também é suportado em kernels arm e MIPS, embora algumas CPUs possam não suportar isso. A implementação do SMP do FreeBSD usa o bloqueio refinado, e o desempenho escala quase linearmente com o número de CPUs.</para>
- <para>Todo equipamento no-SCSI
- reconhecidamente mais lento do que os SCSI, e alguns
- drives de CDROM ATAPI podem no funcionar
- corretamente.</para>
+ <para>A página de manual do <citerefentry><refentrytitle>smp</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> tem maiores detalhes.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <para>A partir da verso 2.2, todos os CDROM do
- FreeBSD distribudos pela FreeBSD Mall podem ser
- iniciados (booting) diretamente pela unidade de CD.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="microcode">
+ <para>O que é microcódigo? Como eu instalo as atualizações de microcódigo da <trademark class="registered">Intel</trademark>?</para>
+ </question>
- <qandaentry>
- <question xml:id="supported-cdrw-drives">
- <para>Quais drives de CD-RW so suportados pelo
- FreeBSD?</para>
- </question>
+ <answer>
+ <para>Microcódigo é um método de implementar programaticamente instruções de nível de hardware. Isso permite que os bugs da CPU sejam corrigidos sem a necessidade de substituir fisicamente o chip.</para>
- <answer>
- <para>O FreeBSD suporta qualquer tipo de unidade CD-RW ou
- CD-R IDE compatveis com o padro ATAPI. No
- FreeBSD 4.0 e posteriores, leia a pgina de manual
- do &man.burncd.8;.Em verses anteriores, veja os
- exemplos de utilizao desses equipamentos
- em <filename>/usr/share/examples/atapi</filename>.</para>
+ <para>Instale o <package>sysutils/devcpu-data</package> e adicione:</para>
- <para>O FreeBSD tambm suporta qualquer drive de CD-R
- ou CD-RW do tipo SCSI. Instale o aplicativo
- <command>cdrecord</command> a partir da
- coleo de <literal>ports</literal> ou como
- pacote, e tenha certeza de ter o device
- <filename>pass</filename> compilado no seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <programlisting>microcode_update_enable="YES"</programlisting>
- <qandaentry>
- <question xml:id="zip-support">
- <para>O FreeBSD suporta ZIP Drives?</para>
- </question>
+ <para>no <filename>/etc/rc.conf</filename></para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
+ </qandaset>
+ </sect1>
- <answer>
- <para>O FreeBSD suporta ZIP Drives do tipo SCSI,
- claro. Essa unidade deve ser configurada apenas nos SCSI
- ID nmeros 5 ou 6, mas se a sua BIOS tem suporte
- inicializo(boot) pela unidade
- SCSI, essa caracterstica pode ser usada sem
- problemas. No est claro exatamente quais
- adaptadores SCSI suportam a caracterstica de
- inicializo(boot) em IDs diferentes de 0 ou
- 1, portanto ser necessrio consultar o
- manual do seu equipamento para obter
- informaes mais precisas sobre esse
- recurso.</para>
+ <sect1 xml:id="compatibility-drives">
+ <title>Discos, Unidades de Fita e Unidades de CD e DVD</title>
- <para>Os ZIP Drives padro ATAPI (IDE) so
- suportados pelo FreeBSD desde a verso 2.2.6 e em
- todas as posteriores.</para>
+ <qandaset>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="supported-hard-drives">
+ <para>Que tipo de disco o FreeBSD suporta?</para>
+ </question>
- <para>O FreeBSD tem suporte ainda a ZIP Drives de Porta
- Paralela desde a verso 3.0. Caso seu sistema seja
- dessa verso ou superior, verifique o suporte a
- <filename>scbus0</filename>,
- <filename>da0</filename>,
- <filename>ppbus0</filename>,
- <filename>vp0</filename> no seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> (o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> GENERIC tem todos
- esses suportes, exceto device
- <filename>vp0</filename>). Com esses suportes
- presentes no <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, o
- drive de Porta Paralela deve estar disponvel em
- <filename>/dev/da0s4</filename>. Os discos ZIP podem
- ser montados usando o comando <command>mount /dev/da0s4
- /mnt</command> OU (discos formatados como DOS)
- <command>mount_msdos /dev/da0s4 /mnt</command>, como
- de costume.</para>
+ <answer>
+ <para>O FreeBSD suporta unidades EIDE, SATA, SCSI e SAS (com um controlador compatível; veja a próxima seção), e todas as unidades usando a interface original da <quote>Western Digital</quote> (MFM, RLL, ESDI e, é claro, IDE). Alguns controladores ESDI que usam interfaces proprietárias podem não funcionar: use interfaces e clones WD1002/3/6/7.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <para>Verifique tambm o <link linkend="jaz"><literal>FAQ</literal> sobre discos
- removveis</link> disponvel ainda nesse
- captulo, e <link linkend="disklabel">as notas
- sobre <quote>formatao</quote></link> no
- captulo de Administrao.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="supported-scsi-controllers">
+ <para>Quais controladores SCSI ou SAS são suportados?</para>
+ </question>
- <qandaentry>
- <question xml:id="jaz-zip-removable-support">
- <para>O FreeBSD suporta discos JAZ, EZ ou outras unidades
- removveis?</para>
- </question>
+ <answer>
+ <para>Veja a lista completa em Notas de Hardware para o FreeBSD <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/releases/11.2R/hardware.html">11.2</link> ou <link xlink:href="https://www.FreeBSD.org/releases/10.4R/hardware.html">10.4</link>.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <answer>
- <para>Fora a verso IDE dos discos EZ, os outros
- discos so todos do tipo SCSI, e portanto devem
- todos ser reconhecidos como discos SCSI no FreeBSD. O
- drive EZ tipo IDE deve ser reconhecido como disco
- IDE.</para>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="tape-support">
+ <para>Quais tipos de unidades de fita são suportados?</para>
+ </question>
- <para><anchor xml:id="jaz"/>No h uma certeza
- quanto forma que o FreeBSD trata uma
- alterao de mdia enquanto o sistema
- est em pleno uso, ento
- necessrio desmontar a unidade antes de trocar de
- disco e garantir que qualquer unidade externa esteja
- ligada quando o sistema for bootado, de forma que o
- FreeBSD possa reconhec-las.</para>
+ <answer>
+ <para>O FreeBSD suporta todas as interfaces de fita SCSI padrão.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <para>Veja essa <link linkend="disklabel">nota sobre
- <quote>formatao</quote></link>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="tape-changer-support">
+ <para>O FreeBSD suporta trocadores de fita (tape changers)?</para>
+ </question>
- <qandaentry>
- <question xml:id="multiport-serial-support">
- <para>Que dispositivos seriais de mltiplas portas
- so suportados pelo FreeBSD?</para>
- </question>
+ <answer>
+ <para>O FreeBSD suporta trocadores SCSI usando o dispositivo <citerefentry><refentrytitle>ch</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> e o comando <citerefentry><refentrytitle>chio</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>. Os detalhes de como controlar o trocador podem ser encontrados em <citerefentry><refentrytitle>chio</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <answer>
- <para>Existe uma lista dessas unidades na
- seo de <link xlink:href="../handbook/install.html#INSTALL-MISC">Dispositivos
- Diversos</link> do &a.ptbr.p.handbook;.</para>
+ <para>Embora o <application>AMANDA</application> e alguns outros produtos já entendam os trocadores, outros aplicativos só sabem como mover uma fita de um ponto para outro. Nesse caso, rastreie em qual slot uma fita está e para qual slot a fita que está atualmente na unidade precisa voltar.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <para>Alguns dispositivos clones parecem tambm
- funcionar normalmente no sistema, em especial equipamentos
- que se dizem ser AST compatveis.</para>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="supported-cdrom-drives">
+ <para>Quais drives de CD-ROM e CD-RW são suportados pelo FreeBSD?</para>
+ </question>
- <para>Verifique a pgina de manual do &man.sio.4; para
- obter mais informaes quanto
- configurao desses dispositivos.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <answer>
+ <para>Qualquer unidade SCSI conectada a um controlador suportado é suportada. A maioria dos CD-ROMs IDE compatíveis com ATAPI é suportada.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="usbkbd">
- <para>O FreeBSD suporta meu teclado USB?</para>
- </question>
+ <para>O FreeBSD suporta qualquer drive IDE CD-R ou CD-RW compatível com ATAPI.</para>
- <answer>
- <para>O suporte a dispositivos USB foi adicionado no FreeBSD
- desde a verso 3.1. Contudo, na verso 3.1,
- o suporte ainda muito preliminar, e alguns
- equipamentos podem no funcionar antes da
- verso 3.2. Caso voc queira usar o suporte
- a teclados USB, tente o seguinte.</para>
+ <para>O FreeBSD também suporta qualquer unidade de CD-R ou CD-RW SCSI. Instale o port ou pacote do <package> sysutils/cdrtools</package> e, em seguida, use o <command> cdrecord </command>.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
+ </qandaset>
+ </sect1>
- <procedure>
- <step>
- <para>No FreeBSD 3.2 ou posterior.</para>
- </step>
+ <sect1 xml:id="compatibility-kbd-mice">
+ <title>Teclados e Mouses</title>
- <step>
- <para>Adicione as seguintes linhas no arquivo de
- configurao do seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, e
- recompile-o.</para>
-
- <programlisting>device uhci
-device ohci
-device usb
-device ukbd
-options KBD_INSTALL_CDEV</programlisting>
-
- <para>Em verses anteriores 4.0,
- use:</para>
-
- <programlisting>controller uhci0
-controller ohci0
-controller usb0
-controller ukbd0
-options KBD_INSTALL_CDEV</programlisting>
- </step>
+ <qandaset>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="moused">
+ <para>É possível usar um mouse fora do sistema X Window?</para>
+ </question>
- <step>
- <para>No diretrio <filename>/dev</filename>,
- crie os seguintes devices:</para>
+ <answer>
+ <para>O driver de console padrão, <citerefentry><refentrytitle>syscons</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>, fornece a capacidade de usar um ponteiro de mouse em consoles de texto para cortar &amp; colar o texto. Execute o daemon do mouse, <citerefentry><refentrytitle>moused</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum> </citerefentry> e ative o ponteiro do mouse no console virtual:</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>./MAKEDEV kbd0 kbd1</userinput></screen>
- </step>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>moused -p /dev/xxxx -t yyyy</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>vidcontrol -m on</userinput></screen>
- <step>
- <para>Edite o <filename>/etc/rc.conf</filename> e
- adicione as seguintes linhas:</para>
+ <para>No qual <replaceable>xxxx</replaceable> é o nome do dispositivo de mouse e <replaceable>yyyy</replaceable> é o tipo de protocolo para o mouse. O daemon do mouse pode determinar automaticamente o tipo de protocolo da maioria dos mouses, exceto antigos mouses seriais. Especifique o protocolo <literal>auto</literal> para invocar a detecção automática. Se a detecção automática não funcionar, consulte a página de manual <citerefentry><refentrytitle>moused</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para obter uma lista dos tipos de protocolos suportados.</para>
- <programlisting>usbd_enable="YES"
-usbd_flags=""</programlisting>
- </step>
- </procedure>
+ <para>Para um mouse PS/2, adicione <literal>moused_enable="YES"</literal> ao arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename> para iniciar o daemon do mouse no momento da inicialização. Além disso, para usar o daemon do mouse em todos os terminais virtuais em vez de apenas no console, adicione <literal>allscreens_flags="-m on"</literal> ao arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
- <para>Depois de reiniciado(rebooting) o sistema, o teclado
- AT aparece como <filename>/dev/kbd0i</filename> e o
- teclado USB aparece como
- <filename>/dev/kbd1</filename> , se ambos estiverem
- conectados ao sistema. Se estiver somente o teclado USB,
- ele estar como
- <filename>/dev/ukbd0</filename>.</para>
+ <para>Quando o daemon do mouse está em execução, o acesso ao mouse deve ser coordenado entre o daemon do mouse e outros programas, tais como o X Windows. Consulte o <acronym>FAQ</acronym> <link linkend="x-and-moused"> Por que meu mouse não funciona com o X?</link> para obter mais detalhes sobre esse problema.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <para>Caso queira usar o teclado USB no console,
- necessrio informar explicitamente ao driver do
- console que ele deve usar esse teclado. Isso pode ser
- feito com o seguinte comando em tempo de
- inicializao do sistema:</para>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="text-mode-cut-paste">
+ <para>Como faço para cortar e colar texto com um mouse no console de texto?</para>
+ </question>
- <screen>&prompt.root; <userinput>kbdcontrol -k /dev/kbd1 &lt; /dev/ttyv0 &gt; /dev/null</userinput></screen>
+ <answer>
+ <para>Não é possível remover (cortar) dados usando o mouse. No entanto, é possível copiar e colar. Quando o daemon do mouse estiver em execução, conforme descrito na <link linkend="moused">pergunta anterior</link>, mantenha pressionado o botão 1 (botão esquerdo) e mova o mouse para selecionar uma região do texto. Em seguida, pressione o botão 2 (botão do meio) para colar no cursor de texto. Pressionar o botão 3 (botão direito) irá <quote> estender </quote> a região selecionada do texto.</para>
- <para>Note que se o teclado USB for o nico teclado
- disponvel, ele ser acessado via
- <filename>/dev/kbd0</filename>, portanto a linha de
- comando deve-se parecer com:</para>
+ <para>Se o mouse não tiver um botão do meio, é possível emular um ou remapear os botões usando as opções do daemon do mouse. Consulte a página de manual <citerefentry><refentrytitle>moused</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para obter detalhes.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <screen>&prompt.root; <userinput>kbdcontrol -k /dev/kbd0 &lt; /dev/ttyv0 &gt; /dev/null</userinput></screen>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="mouse-wheel-buttons">
+ <para>Meu mouse tem uma roda e botões extravagantes. Posso usá-los no FreeBSD?</para>
+ </question>
- <para>O arquivo <filename>/etc/rc.i386</filename>
- um bom lugar para colocar o comando acima.</para>
+ <answer>
+ <para>A resposta é, infelizmente, <quote>Depende</quote>. Esses mouses com recursos adicionais exigem um driver especializado na maioria dos casos. A menos que o driver do dispositivo do mouse ou o programa do usuário tenha suporte específico para o mouse, ele funcionará exatamente como um mouse padrão de dois ou três botões.</para>
- <para>Depois de configurado, o teclado USB deve funcionar
- tambm no ambiente X, sem nenhuma outra
- configurao especial.</para>
+ <para>Para o possível uso de rodas do mouse no ambiente X Window, consulte <link linkend="x-and-wheel">essa seção</link>.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <para>Conectar e desconectar o teclado USB com o sistema
- ligado ainda no um comportamento
- completamente suportado, portando
- aconselhvel ligar o teclado antes de iniciar o
- sistema e apenas deslig-lo depois que o computador
- estiver desligado, para evitar possveis
- problemas.</para>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="keyboard-delete-key">
+ <para>Como eu uso a minha tecla de delete no <command>sh</command> e <command>csh</command>?</para>
+ </question>
- <para>Veja a pgina de manual do &man.ukbd.4; para
- maiores informaes.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <answer>
+ <para>Para o <application>Bourne Shell</application>, inclua as seguintes linhas no arquivo <filename>~/.shrc</filename>. Veja <citerefentry><refentrytitle>sh</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> e <citerefentry> <refentrytitle>editrc</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="busmouse">
- <para>Eu tenho um mouse de barramento no tradicional.
- Como o configuro?</para>
- </question>
+ <programlisting>bind ^? ed-delete-next-char # para o console
+bind ^[[3~ ed-delete-next-char # para o xterm</programlisting>
- <answer>
- <para>O FreeBSD suporta o barramento de mouse tradicional do
- tipo InPort fabricados pela Microsoft, Logitech e ATI. O
- suporte a esse perifrico compilado por
- padro no <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- GENERIC do FreeBSD na verso 2.X, mas no
- suportado por padro na verso 3.0
- e posteriores. Se voc quer recompilar um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> com suporte ao
- barramento de mouse, adicionando a linha ao seu arquivo de
- configurao:</para>
+ <para>Para o <application>C Shell</application>, adicione as seguintes linhas ao <filename>~/.cshrc</filename>. Veja <citerefentry><refentrytitle>csh</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <para>No FreeBSD 3.0 e anteriores, adicione:</para>
+ <programlisting>bindkey ^? delete-char # para o console
+bindkey ^[[3~ delete-char # para o xterm</programlisting>
- <programlisting>device mse0 at isa? port 0x23c tty irq5 vector mseintr</programlisting>
+ <para>Para maiores informações, consulte <link xlink:href="http://www.ibb.net/~anne/keyboard.html"> esta página </link>.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
+ </qandaset>
+ </sect1>
- <para>Na srie 3.X do FreeBSD, a linha deve
- ser:</para>
+ <sect1 xml:id="compatibility-other">
+ <title>Outro hardware</title>
- <programlisting>device mse0 at isa? port 0x23c tty irq5</programlisting>
+ <qandaset>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="es1370-silent-pcm">
+ <para>Algum workaround para o problema de não sair nenhum som da minha placa de som <citerefentry><refentrytitle>pcm</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>?</para>
+ </question>
- <para>E na srie 4.X e posteriores, a linha deve
- ser:</para>
+ <answer>
+ <para>Algumas placas de som definem seu volume de saída como 0 em cada inicialização. Execute o seguinte comando toda vez que a máquina inicializar:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>mixer pcm 100 vol 100 cd 100</userinput></screen>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <programlisting>device mse0 at isa? port 0x23c irq5</programlisting>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="power-management-support">
+ <para>O FreeBSD suporta o gerenciamento de energia no meu laptop?</para>
+ </question>
- <para>Barramentos de mouse costumam ter uma interface
- dedicada que permite definir o endereo de
- memria e a IRQ que a placa vai funcionar. Nesse
- caso, refira-se ao manual do seu equipamento e
- pgina de manual do &man.mse.4; para maiores
- informaes.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <answer>
+ <para>O FreeBSD suporta os recursos <acronym>ACPI</acronym> encontrados em componentes modernos de hardware. Maiores informações podem ser encontradas em <citerefentry><refentrytitle>acpi</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
+ </qandaset>
+ </sect1>
+ </chapter>
+
+ <chapter xml:id="troubleshoot">
+ <title>Solução de problemas</title>
+ <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="ps2mouse">
- <para>Como eu uso o meu mouse (<quote>mouse port</quote> ou
- <quote>keyboard</quote>) PS/2?</para>
+ <question xml:id="pae">
+ <para>Por que o FreeBSD está encontrando a quantidade errada de memória no hardware <trademark>i386</trademark>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Em verses posteriores ao 2.2.5, o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD inclui
- por padro o suporte ao device
- <filename>psm</filename>, que controlar seu
- mouse PS/2 desde o momento de inicializao
- do sistema.</para>
-
- <para>Caso seu FreeBSD seja 2.1.X ou similar, o suporte a
- PS/2 pode ser includo no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, no momento da
- instalao, ou mesmo depois desse processo,
- com a opo <option>-c</option> na tela de
- <command>boot:</command> do sistema. O suporte nesse caso
- desabilitado por padro e por isso deve
- ser explicitamente habilitado.</para>
-
- <para>Caso sua verso de FreeBSD seja antiga,
- adicione a seguinte linha ao seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> e
- recompile-o:</para>
-
- <para>No FreeBSD 3.0 e anteriores, a linha :</para>
+ <para>O motivo mais provável é a diferença entre endereços de memória física e endereços virtuais.</para>
- <programlisting>device psm0 at isa? port "IO_KBD" conflicts tty irq 12 vector psmintr</programlisting>
+ <para>A convenção para a maioria dos hardwares de PC é usar a área de memória entre 3,5 GB e 4 GB para uma finalidade especial (geralmente para PCI). Este espaço de endereço é usado para acessar o hardware PCI. Como resultado real, a memória física não pode ser acessada por esse espaço de endereço.</para>
- <para>No FreeBSD 3.1 e posteriores da mesma srie, a
- linha deve ser:</para>
+ <para>O que acontece com a memória que deveria aparecer nesse local depende do hardware. Infelizmente, alguns hardwares não fazem nada e a capacidade de usar estes últimos 500 MB de RAM é totalmente perdida.</para>
- <programlisting>device psm0 at isa? tty irq 12</programlisting>
+ <para>Felizmente, a maioria dos hardwares faz o remapeamento da memória para um local mais alto, para que ela ainda possa ser usada. No entanto, isso pode causar alguma confusão ao observar as mensagens de inicialização.</para>
- <para>No FreeBSD 4.0 e posteriores, a linha :</para>
+ <para>Em uma versão de 32 bits do FreeBSD, a memória parece perdida, uma vez que ela será remapeada acima de 4 GB, uma área a qual um kernel de 32 bits não consegue acessar. Neste caso, a solução é construir um kernel habilitado para PAE. Veja a seção sobre os limites de memória para mais informações.</para>
- <programlisting>device psm0 at atkbdc? irq 12</programlisting>
-
- <para>Veja a seo de <link xlink:href="../handbook/kernelconfig.html">configurao
- do <foreignphrase>kernel</foreignphrase></link> no
- &a.ptbr.p.handbook; caso voc no tenha
- experincia com a compilao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.</para>
-
- <para>Uma vez detectado o <filename>psm0</filename>
- durante a inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do seu sistema,
- tenha certeza de que existe uma entrada
- <filename>psm0</filename> no
- <filename>/dev</filename>. Faa o seguinte:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev; sh MAKEDEV psm0</userinput></screen>
-
- <para>logado como usurio
- <systemitem class="username">root</systemitem>.</para>
+ <para>Em uma versão de 64 bits do FreeBSD, ou quando o kernel estiver habilitado para PAE, o FreeBSD irá corretamente detectar e remapear a memória para que ela seja utilizável. Durante a inicialização, no entanto, pode parecer que o FreeBSD está detectando mais memória do que o sistema realmente possui, devido ao remapeamento descrito. Isso é normal e a memória disponível será corrigida conforme o processo de inicialização for concluído.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="moused">
- <para> possvel usar mouse de alguma forma,
- fora do sistema X Windows?</para>
+ <question xml:id="signal11">
+ <para>Por que meus programas morrem ocasionalmente com erros <errorname> Signal 11 </errorname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se estiver utilizando o driver padro de
- console, o syscons, pode-se usar o mouse para copiar &amp;
- colar texto. Execute o mouse daemon,
- <command>moused</command>, para habilitar o mouse nos
- consoles virtuais da seguinte forma:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>moused -p /dev/xxxx -t yyyy</userinput>
-&prompt.root; <userinput>vidcontrol -m on</userinput></screen>
-
- <para>Onde <replaceable>xxxx</replaceable> deve ser
- substitudo pelo nome de device do seu mouse e
- <replaceable>yyyy</replaceable> pelo tipo de protocolo do
- mesmo. Veja a pgina de manual do &man.moused.8;
- para maiores informaes quanto aos tipos de
- protocolos suportados.</para>
-
- <para> provvel que voc queira usar o
- mouse daemon automaticamente, sempre que o FreeBSD for
- iniciado. Na verso 2.2.1, defina as seguintes
- variveis, no arquivo
- <filename>/etc/sysconfig</filename>.</para>
+ <para>Os erros de sinal 11 são causados ​​quando um processo tentou acessar a memória à qual o sistema operacional não concedeu acesso. Se algo assim está acontecendo em intervalos aparentemente aleatórios, comece a investigar a causa.</para>
- <programlisting>mousedtype="yyyy"
-mousedport="xxxx"
-mousedflags=""</programlisting>
+ <para>Esses problemas geralmente podem ser atribuídos a:</para>
- <para>Da verso 2.2.2 at a 3.0, defina as
- seguintes variveis no
- <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
-
- <programlisting>moused_type="yyyy"
-moused_port="xxxx"
-moused_flags=""</programlisting>
-
- <para>Da verso 3.1 em diante, caso voc tenha
- um mouse PS/2 necessrio apenas adicionar
- a opo
- <literal>moused_enable=&quot;YES&quot;</literal> no
- arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
-
- <para>E se a inteno usar o mouse em
- todos os terminais virtuais ao invs de apenas no
- console, insira a seguinte linha no
- <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
-
- <programlisting>allscreens_flags="-m on"</programlisting>
-
- <para>Desde a verso 2.2.6 do FreeBSD, o mouse daemon
- capaz de detectar o tipo de protocolo do mouse
- automaticamente, a no ser que o dispositivo em
- questo seja um mouse serial muito velho. Defina
- <literal>auto</literal> para que o programa identifique o
- protocolo do mouse automaticamente.</para>
+ <orderedlist>
+ <listitem>
+ <para>Se o problema está ocorrendo apenas em um aplicativo customizado específico, é provavelmente um bug no código.</para>
+ </listitem>
- <para>Quando o daemon est rodando, o acesso ao
- dispositivo deve ser coordenado entre ele e qualquer outra
- aplicao, como o X-Windows, por exemplo.
- Leia uma <link linkend="x-and-moused">outra
- pergunta</link> sobre esse assunto.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <listitem>
+ <para>Se é um problema com parte do sistema base do FreeBSD, também pode ser resultado de um código com bugs, mas na maioria das vezes esses problemas são encontrados e corrigidos muito antes que o publico em geral e que normalmente lê o <acronym> FAQ </acronym> usem essas partes do código (é para isso que -CURRENT existe).</para>
+ </listitem>
+ </orderedlist>
- <qandaentry>
- <question xml:id="text-mode-cut-paste">
- <para>Como eu copio e colo com o mouse em um console modo
- texto?</para>
- </question>
+ <para>Provavelmente não é um erro do FreeBSD se o problema ocorrer na compilação de um programa, mas sim da atividade que o compilador está realizando e que muda a cada vez.</para>
- <answer>
- <para>Uma vez configurado o mouse (<link linkend="moused">veja a pergunta anterior</link>),
- aperte o boto 1 (boto esquerdo) do mouse e
- mova o cursor por toda a regio desejada,
- selecionando o texto em questo. Depois, basta
- apertar o boto 2 (do meio) ou o boto 3
- (direito) para colar o contedo selecionado
- anteriormente.</para>
+ <para>Por exemplo, se <command>make buildworld</command> falhar ao tentar compilar <filename>ls.c</filename> para <filename>ls.o</filename> e, quando executado novamente, ele falhar no mesmo lugar, significa que o código está quebrado. Tente atualizar o código fonte e tente compilar novamente. Se a compilação falhar em outro lugar, é quase certo que a causa é um problema de hardware.</para>
- <para>A partir da verso 2.2.6 o boto 2 cola
- o texto copiado, enquanto o boto 3 ``extende'' a
- regio selecionada. Caso seu mouse no
- tenha o boto do meio, possvel
- remapear (ou emular) os botes do perifrico
- usando algumas opes especficas do
- mouse daemon. Veja a pgina de manual do
- &man.moused.8; para maiores detalhes.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>No primeiro caso, use um depurador como o <citerefentry><refentrytitle>gdb</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> para localizar o ponto no programa que está tentando acessar um endereço falso e corrija-o.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="usbmouse">
- <para>O FreeBSD suporta mouse USB?</para>
- </question>
+ <para>No segundo caso, verifique qual peça de hardware está com defeito.</para>
- <answer>
- <para>No FreeBSD 3.1 existe um suporte preliminar
- recursos USB que no funciona muito bem dependendo
- da situao. A partir da verso 4.0
- o FreeBSD suporta dispositivos USB por padro. Caso
- queira usar um mouse USB no FreeBSD 3.X, siga as seguintes
- instrues.</para>
+ <para>As causas comuns disso incluem:</para>
- <procedure>
- <step>
- <para>Atualize seu sistema para FreeBSD 3.2 ou
- posterior.</para>
- </step>
+ <orderedlist>
+ <listitem>
+ <para>Os discos rígidos podem estar superaquecidos: Verifique se os ventiladores ainda estão funcionando, pois o disco e outros componentes de hardware podem estar superaquecendo.</para>
+ </listitem>
- <step>
- <para>Adicione o seguinte suporte ao seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, e
- recompile-o:</para>
-
- <programlisting>device uhci
-device ohci
-device usb
-device ums</programlisting>
-
- <para>Em verses anteriores 4.0 o
- suporte ser adicionado :</para>
-
- <programlisting>controller uhci0
-controller ohci0
-controller usb0
-device ums0</programlisting>
- </step>
+ <listitem>
+ <para>O processador está superaquecendo: pode ser porque o processador sofreu overclock ou o ventilador do processador pode ter parado de funcionar. Em ambos os casos, certifique-se de que o hardware esteja sendo utilizado de acordo com as condições especificadas pelo fabricante, pelo menos ao tentar resolver esse problema. Se não estiver, volte o clock para as configurações padrão.)</para>
- <step>
- <para>Entre no diretrio
- <filename>/dev</filename> e crie os devices
- necessrios:</para>
+ <para>Em relação ao overclocking, é muito mais barato ter um sistema lento do que um sistema frito que precisa ser substituído! Além disso, a comunidade não é simpática a problemas em sistemas com overclock.</para>
+ </listitem>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>./MAKEDEV ums0</userinput></screen>
- </step>
+ <listitem>
+ <para>Memória Errática: se vários módulos de memórias SIMMS/DIMMS estiverem instalados, retire-os e tente executar a máquina instalando cada SIMM ou DIMM individualmente para encontrar o modulo DIMM/SIMM problemático ou até mesmo encontrar uma combinação de módulos com problema.</para>
+ </listitem>
- <step>
- <para>Edite o <filename>/etc/rc.conf</filename> e
- adicione as linhas:</para>
-
- <programlisting>moused_enable="YES"
-moused_type="auto"
-moused_port="/dev/ums0"
-moused_flags=""
-usbd_enable="YES"
-usbd_flags=""</programlisting>
-
- <para>Veja a <link linkend="moused">seo
- anterior</link> para uma discusso mais
- detalhada sobre o moused.</para>
- </step>
+ <listitem>
+ <para>Configurações over-otimizadas da placa-mãe: as configurações da BIOS e alguns jumpers da placa-mãe oferecem opções para definir vários intervalos de tempo. Os valores padrões geralmente são suficientes, mas, às vezes, a configuração dos estados de espera na RAM para valores muito baixos, ou a configuração da opção <quote>RAM Speed: Turbo</quote> causará um comportamento estranho. Uma ideia válida é restaurar a configuração padrão da BIOS, depois é claro de anotar as configurações atuais.</para>
+ </listitem>
- <step>
- <para>Para configurar o mouse USB no X, edite o
- <filename>XF86Config</filename> e, caso esteja usando
- o XFree86 3.3.2 ou posterior, adicione as seguintes
- linhas na seo
- <emphasis>Pointer</emphasis>:</para>
-
- <programlisting>Device "/dev/sysmouse"
-Protocol "Auto"</programlisting>
-
- <para>Caso esteja usando uma verso anterior do
- Xfree86, adicione tambm na seo
- <emphasis>Pointer</emphasis> as seguintes
- linhas:</para>
-
- <programlisting>Device "/dev/sysmouse"
-Protocol "SysMouse"</programlisting>
- </step>
- </procedure>
+ <listitem>
+ <para>Fonte com potência insuficiente para energizar a placa-mãe: Remova qualquer placa de I/O não utilizada, discos rígidos ou CD-ROMs, desconectando o cabo de alimentação deles para ver se a fonte de alimentação pode gerenciar uma carga menor. Ou utilize outra fonte de alimentação, de preferência uma com um pouco mais de potência. Por exemplo, se a fonte de alimentação atual é recomendada para uma carga de 250 Watts, tente uma que seja recomendada para uma carga de 300 Watts.</para>
+ </listitem>
+ </orderedlist>
- <para>Leia tambm uma <link linkend="x-and-moused">outra pergunta</link> sobre o uso
- do mouse em ambiente X.</para>
+ <para>Leia a seção sobre o <link linkend="signal11">Signal 11</link> para obter maiores explicações e a discussão sobre como um software ou hardware de teste de memória ainda pode deixar passar uma memória defeituosa. Existe uma extensa <acronym>FAQ</acronym> sobre o problema do SIG11 disponível <link xlink:href="http://www.bitwizard.nl/sig11/">neste link</link>.</para>
- <para>Conectar e desconectar o teclado USB com o sistema
- ligado ainda no um comportamento
- completamente suportado, portando
- aconselhvel ligar o teclado antes de iniciar o
- sistema e apenas deslig-lo depois que o computador
- estiver desligado, para evitar possveis
- problemas.</para>
+ <para>Por fim, se nada disso ajudou, trata-se possivelmente de um bug no FreeBSD. Siga <link linkend="access-pr">estas instruções</link> para enviar um relatório de problemas.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="mouse-wheel-buttons">
- <para>Eu tenho um mouse do tipo Wheel com uma rodinha e
- botes adicionais. Posso us-lo no
- FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="trap-12-panic">
+ <para>Meu sistema trava com <errorname>Fatal trap 12: page fault in kernel mode</errorname> ou <errorname>panic:</errorname>, e mostra um monte de informações. O que devo fazer?</para>
</question>
<answer>
- <para>A resposta, infelizmente ,
- <quote>Depende</quote>. Esse tipo de mouse tem algumas
- caractersticas especiais que requerem o uso de
- <foreignphrase>drivers</foreignphrase> especiais na
- maioria dos casos. A no ser que o device do seu
- mouse tenha suporte especfico, ou se a
- aplicao em questo reconhecer esse
- tipo de equipamento, ele ir funcionar simplesmente
- como um mouse tradicional de dois ou trs
- botes.</para>
-
- <para>Mais informaes sobre o uso de mouse do
- tipo Wheel em ambiente X Windows, refira-se a essa <link linkend="x-and-wheel">seo</link>.</para>
+ <para>Os desenvolvedores do FreeBSD estão interessados ​​nesses erros, mas precisam de mais informações do que apenas a mensagem de erro. Copie a mensagem completa da falha. Em seguida, consulte a seção <acronym>FAQ</acronym> em <link linkend="kernel-panic-troubleshooting">kernel panics</link>, compile um kernel de depuração e obtenha um backtrace. Isso pode parecer difícil, mas não requer nenhuma habilidade de programação. Apenas siga as instruções.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="psmerr">
- <para>Por que meu mouse PS/2 do tipo Wheel fica louco,
- pulando pela tela?</para>
+ <question xml:id="proc-table-full">
+ <para>Qual é o significado do erro <errorname>maxproc limit exceeded by uid %i, please see tuning(7) and login.conf(5)</errorname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>O suporte ao mouse PS/2 no FreeBSD 3.2 e anteriores
- falho quanto a mouses do tipo Wheel, incluindo o
- modelo M-S48 da Logitech e seus similares OEM. Aplique o
- seguinte patch no arquivo
- <filename>/sys/i386/isa/psm.c</filename> e recompile seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>:</para>
+ <para>O kernel do FreeBSD permitirá que apenas um certo número de processos exista ao mesmo tempo. O número é baseado na variável <varname>kern.maxusers</varname> do <citerefentry><refentrytitle>sysctl</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. O valor da variável <varname>kern.maxusers</varname> também afeta vários outros limites dentro do kernel, como por exemplo os buffers de rede. Se a máquina estiver muito carregada, aumente o <varname>kern.maxusers</varname>. Isso aumentará esses outros limites do sistema além do número máximo de processos.</para>
- <programlisting>Index: psm.c
-===================================================================
-RCS file: /src/CVS/src/sys/i386/isa/Attic/psm.c,v
-retrieving revision 1.60.2.1
-retrieving revision 1.60.2.2
-diff -u -r1.60.2.1 -r1.60.2.2
---- psm.c 1999/06/03 12:41:13 1.60.2.1
-+++ psm.c 1999/07/12 13:40:52 1.60.2.2
-@@ -959,14 +959,28 @@
- sc-&gt;mode.packetsize = vendortype[i].packetsize;
+ <para>Para ajustar o valor da variável <varname>kern.maxusers </varname>, consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/configtuning-kernel-limits.html#kern-maxfiles">Limites de Arquivos / Processos</link> do Handbook. Apesar desta seção se referir a arquivos abertos, os mesmos limites se aplicam aos processos.</para>
- /* set mouse parameters */
-+#if 0
-+ /*
-+ * A version of Logitech FirstMouse+ won't report wheel movement,
-+ * if SET_DEFAULTS is sent... Don't use this command.
-+ * This fix was found by Takashi Nishida.
-+ */
- i = send_aux_command(sc-&gt;kbdc, PSMC_SET_DEFAULTS);
- if (verbose &gt;= 2)
- printf("psm%d: SET_DEFAULTS return code:%04x\n", unit, i);
-+#endif
- if (sc-&gt;config &amp; PSM_CONFIG_RESOLUTION) {
- sc-&gt;mode.resolution
- = set_mouse_resolution(sc-&gt;kbdc,
-- (sc-&gt;config &amp; PSM_CONFIG_RESOLUTION) - 1);
-+ (sc-&gt;config &amp; PSM_CONFIG_RESOLUTION) - 1);
-+ } else if (sc-&gt;mode.resolution &gt;= 0) {
-+ sc-&gt;mode.resolution
-+ = set_mouse_resolution(sc-&gt;kbdc, sc-&gt;dflt_mode.resolution);
-+ }
-+ if (sc-&gt;mode.rate &gt; 0) {
-+ sc-&gt;mode.rate = set_mouse_sampling_rate(sc-&gt;kbdc, sc-&gt;dflt_mode.rate);
- }
-+ set_mouse_scaling(sc-&gt;kbdc, 1);
-
- /* request a data packet and extract sync. bits */
- if (get_mouse_status(sc-&gt;kbdc, stat, 1, 3) &lt; 3) {</programlisting>
-
- <para>Em verses posteriores 3.2, o suporte
- deve funcionar.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="laptop-mouse-trackball">
- <para>Como eu uso o mouse/bolinha-de-rolagem/touchpad no meu
- laptop?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Por gentileza, <link linkend="ps2mouse">leia a
- pergunta anterior</link>. Verifique tambm a
- <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/docs.html#PAO">pgina
- de Computao Mvel</link> do
- Projeto.</para>
+ <para>Se a máquina estiver levemente carregada, mas executando um número muito grande de processos, ajuste o valor do <varname>kern.maxproc</varname> definindo-o no arquivo <filename>/boot/loader.conf</filename>. O ajuste não terá efeito até que o sistema seja reinicializado. Para mais informações sobre o tuning de variáveis, consulte o manual do <citerefentry><refentrytitle>loader.conf</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>. Se esses processos estiverem sendo executados por um único usuário, ajuste o <varname>kern.maxprocperuid</varname> para que fique menor em 1 unidade do novo valor do <varname>kern.maxproc</varname>. Ele deve ser pelo menos uma unidade menor porque o programa do sistema, <citerefentry><refentrytitle>init</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, deve estar sempre em execução.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="tape-support">
- <para>Que tipos de dispositivos de fitas so
- suportados pelo FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="remote-fullscreen">
+ <para>Por que aplicativos de tela cheia em máquinas remotas se comportam de forma errática?</para>
</question>
<answer>
- <para>O FreeBSD suporta dispositivos de fitas do tipo SCSI e
- QIC-36 (com interface QIC-02). Tal suporte inclui drives
- 8-mm (tambm conhecidos como Exabyte) e unidades de
- fita DAT.</para>
-
- <para>Alguns dispositivos 8-mm mais antigos no
- so compatveis com o padro SCSI-2 e
- por isso podem no funcionar bem no FreeBSD.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>A máquina remota pode estar configurando o tipo de terminal para algo diferente de <literal> xterm </literal>, que é o tipo requerido pelo console do FreeBSD. Alternativamente, o kernel pode ter valores errados para a largura e a altura do terminal.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="tape-changer-support">
- <para>O FreeBSD suporta bibliotecas de fitas?</para>
- </question>
+ <para>Verifique se o valor da variável de ambiente <envar>TERM</envar> é <literal>xterm</literal>. Se a máquina remota não suportar isso, tente<literal>vt100</literal>.</para>
- <answer>
- <para>O FreeBSD suporta alternadores (tambm
- conhecidos com carrossis) SCSI, usando o device
- &man.ch.4; e o comando &man.chio.1;. Os detalhes
- relativos a como controlar o alternador de fitas podem ser
- encontrados na pgina de manual do
- &man.chio.1;.</para>
+ <para>Execute o <command>stty -a</command> para verificar o que o kernel acha que são as dimensões do terminal. Se estiverem incorretos, eles podem ser alterados executando <command>stty rows<replaceable>RR</replaceable>cols<replaceable>CC</replaceable></command>.</para>
- <para>Caso voc no esteja usando o
- <application>AMANDA</application> ou qualquer outro
- produto que entenda o funcionamento dos alternadores,
- lembre-se que tal equipamento simplesmente alterna a
- posio da fita, de um compartimento para
- outro, e portanto deve-se saber em qual compartimento a
- fita est e para qual ela deve voltar.</para>
+ <para>Alternativamente, se a máquina do cliente tiver o <package>x11/xterm</package> instalado, a execução do <command>resize</command> consultará o terminal para as dimensões corretas e as definirá.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="sound-card-support">
- <para>Quais placas de som so suportadas pelo
- FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="connection-delay">
+ <para>Por que demora tanto para conectar ao meu computador via <command>ssh</command> ou <command>telnet</command>?</para>
</question>
<answer>
- <para>O FreeBSD suporta as placas SoundBlaster, SoundBlaster
- Pro, SoundBlaster 16, Pro Audio Spectrum 16, AdLib e
- Gravis UltraSound. Existe ainda um suporte - limitado,
- verdade - para as placas MPU-401 e placas MIDI
- compatveis. Placas de som que estiverem em
- conformidade com a especificao MSS
- (Microsoft Sound System) tambm so
- suportadas pela controladora pcm do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.</para>
-
- <note>
- <para>Esse suporte especfico para apenas
- som! Exceto no caso das placas SoundBlaster, o suporte
- no inclui controle de joysticks, CDROMs ou SCSI.
- A interface SCSI da SoundBlaster e alguns CDROMs
- no-SCSI so suportados, mas o sistema
- no pode iniciar(booting) a partir desses
- dispositivos.</para>
- </note>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>O sintoma: há um longo atraso entre o momento em que a conexão TCP é estabelecida e a hora em que o software cliente solicita uma senha (ou, no caso do <citerefentry><refentrytitle>telnet</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>, quando um prompt de login aparece).</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="es1370-silent-pcm">
- <para>Qual a soluo para falta de som da
- minha placa es1370 com o controlador pcm?</para>
- </question>
+ <para>O problema: mais provável do que não, o atraso é causado pelo software do servidor tentando resolver o endereço IP do cliente em um nome de host. Muitos servidores, incluindo os servidores <application>Telnet</application> e <application>SSH</application> que vêm com o FreeBSD, fazem isso para armazenar o nome do host em um arquivo de log para referência futura pelo administrador.</para>
- <answer>
- <para>Basta aumentar o volume do seu som ;-) Use os
- seguintes comandos, sempre que o sistema iniciar:</para>
+ <para>A solução: se o problema ocorrer sempre, independente do servidor ao que o computador cliente se conecta, o problema está no cliente. Se o problema ocorrer apenas quando o computador cliente se conecta a um determinado servidor, o problema está no servidor.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>mixer pcm 100 vol 100 cd 100</userinput></screen>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Se o problema for com o cliente, a única solução é corrigir o DNS para que o servidor possa resolvê-lo. Se isso estiver ocorrendo em uma rede local, considere um problema no servidor e continue lendo. Se isso estiver ocorrendo na Internet, entre em contato com seu ISP.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="network-cards">
- <para>Quais placas de rede o FreeBSD suporta?</para>
- </question>
+ <para>Se o problema for com um servidor em uma rede local, configure o servidor para resolver as consultas de endereço para nome de host para o intervalo de endereços da rede local. Veja as páginas de manual para o <citerefentry><refentrytitle>hosts</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> e o <citerefentry><refentrytitle>named</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para maiores informações. Se o problema for com um servidor na Internet, o problema pode ser que o resolver local do servidor não está funcionando corretamente. Para verificar se é isto, tente procurar outro host, como <systemitem>www.yahoo.com</systemitem>. Se isso não funcionar, este é o problema.</para>
- <answer>
- <para>Veja a seo de <link xlink:href="../handbook/install.html#INSTALL-NICS">Placas
- Ethernet</link> do &a.ptbr.p.handbook; para uma lista
- detalhada dos dispostivos suportados.</para>
+ <para>Após uma nova instalação do FreeBSD, também é possível que as informações do domínio e do servidor de nomes estejam faltando no <filename>/etc/resolv.conf</filename>. Isso geralmente causará um atraso no <application>SSH</application>, já que a opção <literal>UseDNS</literal> é definida como <literal>yes</literal> por padrão no <filename>/etc/ssh/sshd_config</filename>. Se isso estiver causando o problema, preencha as informações ausentes no arquivo <filename>/etc/resolv.conf</filename> ou configure a opção <literal>UseDNS</literal> para <literal>no</literal> no arquivo <filename>sshd_config</filename> como uma solução temporária.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="no-math-coprocessor">
- <para>Eu no tenho um co-processador
- matemtico. Isso ruim?</para>
+ <question xml:id="file-table-full">
+ <para>Por que a mensagem <errorname>file: table is full</errorname> aparece repetidamente no <citerefentry> <refentrytitle>dmesg</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>?</para>
</question>
<answer>
- <note>
- <para>Vale apenas para proprietrios de
- 386/486SX/486SLC - outras mquinas tero
- um co-processador integrado CPU.</para>
- </note>
-
- <para>No geral, a falta de um co-processador
- matemtico no traz nenhum problema, mas
- existem algumas circunstncias onde voc
- encontrar srias limitaes,
- seja no desempenho ou na preciso da
- emulao dos seus clculos (veja a
- seo de <link linkend="emul">emulao FP</link>). Por
- exemplo, a renderizao de crculos e
- arcos no ambiente grfico ser uma tarefa
- muito lenta. recomendvel comprar um
- co-processador matemtico; vale a pena.</para>
-
- <note>
- <para>Alguns co-processadores matemticos
- so melhores que outros. estranho ter
- que dizer isso, mas ningum nunca se deu mal ao
- comprar co-processadores Intel, portanto tenha certeza
- absoluta que o produto vai funcionar com o FreeBSD antes
- de comprar um clone.</para>
- </note>
+ <para>Essa mensagem de erro indica que o número de file descriptors disponíveis no sistema esgotaram. Consulte a informação sobre a variável <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/configtuning-kernel-limits.html#kern-maxfiles">kern.maxfiles</link> na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/configtuning-kernel-limits.html"> Ajustando os Limites do Kernel </link> do Handbook para uma discussão e solução.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="other-device-support">
- <para>Que outros dispositivos o FreeBSD suporta?</para>
+ <question xml:id="computer-clock-skew">
+ <para>Por que o relógio do meu computador mantém-se com o horário incorreto?</para>
</question>
<answer>
- <para>Veja o <link xlink:href="../handbook/install.html#INSTALL-MISC">&a.ptbr.p.handbook;</link>
- para obter uma listagem dos outros dispostivos
- suportados.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>O computador tem dois ou mais relógios e o FreeBSD escolheu usar o errado.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="power-management-support">
- <para>O FreeBSD suporta gerenciamento de energia no meu
- laptop?</para>
- </question>
+ <para>Execute o comando <citerefentry><refentrytitle>dmesg</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> e verifique as linhas que contêm a palavra <literal>Timecounter</literal>. Aquele com o maior valor de quality é o que o FreeBSD escolheu.</para>
- <answer>
- <para>O FreeBSD suporta <acronym>APM</acronym> em alguns
- computadores. Por gentileza, refira-se ao arquivo
- <filename>LINT</filename> de configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>; procure pela
- palavra <acronym>APM</acronym>. Mais
- informaes na pgina de manual do
- &man.apm.4;.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>dmesg | grep Timecounter</userinput>
+Timecounter "i8254" frequency 1193182 Hz quality 0
+Timecounter "ACPI-fast" frequency 3579545 Hz quality 1000
+Timecounter "TSC" frequency 2998570050 Hz quality 800
+Timecounters tick every 1.000 msec</screen>
- <qandaentry>
- <question xml:id="micron-hang-boot">
- <para>Por que placas Micron travam na
- inicializao(boot)?</para>
- </question>
+ <para>Confirme isso verificando o valor da variável <varname>kern.timecounter.hardware</varname> no <citerefentry><refentrytitle>sysctl</refentrytitle><manvolnum>3</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <answer>
- <para>Algumas placas-me Micron no tem
- conformidade na implementao de sua BIOS e
- por isso confundem o FreeBSD no momento da
- inicializao(boot), pois os equipamentos em
- questo no foram configurados nos
- endereos que a BIOS reportou.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl kern.timecounter.hardware</userinput>
+kern.timecounter.hardware: ACPI-fast</screen>
- <para>Procure a opo <quote>Plug and Play
- Operating System</quote> - ou algo parecido - na sua
- BIOS e desabilite-a para corrigir o problema. Mais
- informaes sobre esse problema podem ser
- encontradas em <link xlink:href="http://cesdis.gsfc.nasa.gov/linux/drivers/vortex.html#micron">http://cesdis.gsfc.nasa.gov/linux/drivers/vortex.html#micron</link>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Pode ser um timer ACPI quebrado. A solução mais simples é desabilitar o timer ACPI no arquivo <filename>/boot/loader.conf</filename>:</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="newer-adaptec-support">
- <para>Por que o FreeBSD no reconhece nenhuma
- controladora SCSI Adaptec?</para>
- </question>
+ <programlisting>debug.acpi.disabled="timer"</programlisting>
- <answer>
- <para>As sries mais novas (AIC789x) dos chips
- Adaptec tem suporte no modo CAM SCSI, que ser
- redefinido na verso 3.0 do FreeBSD. Na
- verso 2.2-STABLE, voc pode aplicar as
- correes disponveis em <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/development/cam/">ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/development/cam/</link>.
- Caso voc precise instalar um sistema com essas
- controladoras, existe um disquete de
- inicializao(boot) com suporta a CAM,
- disponvel em <link xlink:href="http://people.FreeBSD.org/~abial/cam-boot/">
- http://people.FreeBSD.org/~abial/cam-boot/</link>. Nos
- dois casos leia o arquivo README antes de tomar qualquer
- ao.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Ou a BIOS poderá modificar o relógio TSC - talvez para mudar a velocidade do processador quando estiver funcionando a partir de baterias, ou quando estiver entrando em modo de economia de energia, mas o FreeBSD não tem conhecimento desses ajustes e parece ganhar ou perder tempo.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="internal-plugnplay-modem">
- <para>Por que o FreeBSD no encontra o meu Modem Plug
- &amp; Play interno?</para>
- </question>
+ <para>Neste exemplo, o relógio <literal>i8254</literal> também está disponível e pode ser selecionado alterando-se a variável <varname>kern.timecounter.hardware</varname> do <citerefentry><refentrytitle>sysctl</refentrytitle><manvolnum>3</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <answer>
- <para>Ser necessrio adicionar o ID PnP do
- modem na lista de drivers seriais do sistema para que ele
- reconhea-o normalmente. Isso requer hackear um
- pouco o sistema. Pra habilitar o suporte Plug &amp; Play,
- compile um novo <foreignphrase>kernel</foreignphrase> com
- a opo <literal>controller pnp0</literal> e
- reinicie o seu FreeBSD. O
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> ir mostrar
- os IDs PnP de todos os dispositivos que ele encontrar, no
- momento da inicializao(boot). Copie o ID
- PnP do modem em questo para a tabela no arquivo
- <filename>/sys/i386/isa/sio.c</filename>, por volta da
- linha 2777. Procure a expresso
- <literal>SUP1310</literal> na estrutura
- <literal>siopnp_ids[]</literal> para encontrar essa
- tabela. Recompile o seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, instale-o e
- reinicie o sistema. Seu modem deve ser encontrado.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl kern.timecounter.hardware=i8254</userinput>
+kern.timecounter.hardware: TSC -&gt; i8254</screen>
- <para>Provavelmente ser necessrio configurar
- o dispositivo PnP manualmente, usando o comando
- <literal>pnp</literal> no momento do boot, como a
- seguir:</para>
+ <para>O computador agora deve começar a manter seu relógio mais preciso.</para>
- <programlisting>pnp 1 0 enable os irq0 3 drq0 0 port0 0x2f8</programlisting>
+ <para>Para que essa mudança seja executada automaticamente no momento da inicialização, adicione a seguinte linha ao arquivo <filename>/etc/sysctl.conf</filename>:</para>
- <para>para forar deteco do
- modem.</para>
+ <programlisting>kern.timecounter.hardware=i8254</programlisting>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="support-winmodem">
- <para>O FreeBSD suporta software modems, como os
- Winmodems?</para>
+ <question xml:id="indefinite-wait-buffer">
+ <para>O que significa o erro <errorname>swap_pager: indefinite wait buffer:</errorname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>O FreeBSD suporta alguns software modems por meio de
- programas adicionais. A aplicao <package>comms/ltmdm</package> disponvel
- na coleo de <literal>Ports</literal> do
- FreeBSD suporta os modems baseados no popular chipset
- Lucent LT. A aplicao <package>comms/mwavem</package> suporta o modem
- em laptops IBM Thinkpad 600 e 700.</para>
-
- <para>No possvel instalar o FreeBSD
- via software modem, visto que os programas adicionais para
- controlar esse equipamento s podem ser
- configurados depois que o sistema operacional j
- est instalado.</para>
+ <para>Isso significa que um processo está tentando armazenar em memória RAM a memória do disco (swap), e que o processo foi interrompido depois de tentar sem sucesso acessar o disco por mais de 20 segundos. Isso pode ser causado por blocos defeituosos na unidade de disco, fiação de disco defeituosa, cabos ou qualquer outro hardware relacionado a I/O de disco. Se a própria unidade estiver com problemas, erros de disco aparecerão em <filename>/var/log/messages</filename> e na saída do comando <command>dmesg</command>. Caso contrário, verifique os cabos e conexões.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="serial-console-prompt">
- <para>Como eu fao para o interpretador(prompt) de
- inicializao(boot): aparecer no console
- serial?</para>
+ <question xml:id="lock-order-reversal">
+ <para>O que é um <errorname>lock order reversal</errorname> (inversão de ordem de bloqueio)?</para>
</question>
<answer>
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>Construa um <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- com a opo <literal>options
- COMCONSOLE</literal>.</para>
- </listitem>
+ <para>O kernel do FreeBSD usa vários locks de recursos para arbitrar a contenção de certos recursos. Quando várias threads do kernel tentam obter vários locks de recursos, há sempre o potencial para um impasse (deadlock), em que duas threads obtiveram cada uma um dos locks e trava para sempre esperando que a outra thread libere um dos outros locks. Esse tipo de problema de locking pode ser evitado se todas as threads obtiverem os locks na mesma ordem.</para>
- <listitem>
- <para>Crie o arquivo /boot.config e coloque os
- caracteres <option>-P</option> como o nico
- texto no arquivo. </para>
- </listitem>
+ <para>Um sistema de diagnóstico lock em tempo de execução chamado <citerefentry><refentrytitle>witness</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>, ativado no FreeBSD-CURRENT e desabilitado por padrão para a branch stable e releases, detecta o potencial para deadlocks devido a erros de locking, incluindo erros causados ​​pela obtenção de vários locks de recursos com uma ordem diferente de partes diferentes do kernel. O framework <citerefentry><refentrytitle>witness</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> tenta detectar esse problema quando ele ocorre e relata isso imprimindo uma mensagem no console do sistema sobre um <errorname>lock order reversal</errorname> (geralmente também chamado de <acronym>LOR</acronym>).</para>
- <listitem>
- <para>Desligue o teclado do computador.</para>
- </listitem>
- </orderedlist>
+ <para>É possível obter falsos positivos, uma vez que o <citerefentry><refentrytitle>witness</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> é conservador. Um relatório positivo verdadeiro <emphasis>não</emphasis> significa que um sistema está travado; em vez disso, deve ser entendido como um aviso de que um deadlock poderia ter acontecido.</para>
- <para>Leia o arquivo
- <filename>/usr/src/sys/i386/boot/biosboot/README.serial</filename>
- para mais informaes.</para>
+ <note>
+ <para>Os problemas de <acronym>LOR</acronym> tendem a ser consertados rapidamente, então verifique a lista de discussão do <link xlink:href="http://lists.FreeBSD.org/mailman/listinfo/freebsd-current">FreeBSD-CURRENT</link> antes de postar sobre um.</para>
+ </note>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="micron-3comnic-failure">
- <para>Por que a placa de rede PCI da 3Com no
- funciona com motherboards Micron?</para>
+ <question xml:id="called-with-non-sleepable-locks-held">
+ <para>O que significa o erro <errorname>Called ... with the following non-sleepable locks held</errorname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Algumas placas-me Micron no tem
- conformidade na implementao de sua BIOS e
- por isso confundem o FreeBSD no momento do boot, pois os
- equipamentos em questo no foram
- configurados nos endereos que a BIOS
- reportou.</para>
+ <para>Isso significa que uma função que pode dormir foi chamada enquanto um lock mutex (ou outro unsleepable) era mantido.</para>
- <para>Procure a opo <quote>Plug and Play
- Operating System</quote> - ou algo parecido - na sua
- BIOS e desabilite-a para corrigir o problema.</para>
+ <para>A razão pela qual isso é um erro é porque os mutexes não devem ser mantidos por longos períodos de tempo; eles deveriam existir apenas para manter curtos períodos de sincronização. Este contrato de programação permite que os drivers de dispositivos usem mutexes para sincronizar com o resto do kernel durante as interrupções. As interrupções (no FreeBSD) podem não dormir. Por isso, é imperativo que nenhum subsistema bloqueie o kernel por um longo período mantendo um mutex ativo.</para>
- <para>Mais informaes sobre esse problema
- podem ser encontradas em <link xlink:href="http://cesdis.gsfc.nasa.gov/linux/drivers/vortex.html#micron">http://cesdis.gsfc.nasa.gov/linux/drivers/vortex.html#micron</link></para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Para capturar tais erros, asserções podem ser adicionadas ao kernel que interage com o subsistema <citerefentry><refentrytitle>witness</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> para emitir um aviso ou erro fatal (dependendo a configuração do sistema) quando uma chamada potencialmente de bloqueio é feita enquanto um mutex estiver sendo mantido.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="smp-support">
- <para>O FreeBSD suporta Multiprocessamento Simtrico
- (SMP)?</para>
- </question>
+ <para>Em resumo, tais avisos não são fatais, no entanto, com um timing infeliz, podem causar efeitos indesejáveis, desde um pequeno erro na capacidade de resposta do sistema até o seu travamento completo.</para>
- <answer>
- <para>SMP suportado a partir do FreeBSD 3.0-STABLE.
- O suporte ao SMP (multiprocessamento simtrico)
- no est disponvel por padro
- no <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- <emphasis>GENERIC</emphasis>, portanto
- necessrio compilar um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> para habilitar o
- suporte SMP. Veja o arquivo
- <filename>/sys/i386/conf/LINT</filename> para descobrir
- quais opes so necessrias
- adicionar ao seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.</para>
+ <para>Para obter informações adicionais sobre locking no FreeBSD, consulte <citerefentry><refentrytitle>locking</refentrytitle><manvolnum>9</manvolnum></citerefentry>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="asusk7v-boot-failure">
- <para>O disquete de inicializao(boot) trava
- em um computador cuja placa-me a ASUS
- K7V. O que eu fao?</para>
+ <question xml:id="touch-not-found">
+ <para>Por que o <buildtarget>buildworld</buildtarget> / <buildtarget>installworld</buildtarget> morre com a mensagem <errorname>touch: not found</errorname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Entre na configurao da BIOS da sua
- placa e desligue a opo <quote>boot virus
- protection</quote>.</para>
+ <para>Este erro não significa que o utilitário <citerefentry><refentrytitle>touch</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> esteja ausente. O erro é provavelmente devido às datas dos arquivos que estão sendo definidos em algum momento no futuro. Se o relógio do CMOS estiver configurado para a hora local, execute <command>adjkerntz -i</command> para ajustar o relógio do kernel ao inicializar no modo de usuário único.</para>
</answer>
</qandaentry>
</qandaset>
</chapter>
- <chapter xml:id="troubleshoot">
- <title>Resoluo de Problemas</title>
+ <chapter xml:id="applications">
+ <title>Aplicativos do Usuário</title>
<qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="awre">
- <para>O que fazer quando meu disco rgido tiver bad
- blocks?
- </para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Com controladoras SCSI, o drive (HD) deveria ser capaz
- de remapear blocos ruins e corrig-los
- automaticamente. Porm, muitos desses discos
- mantm essa funo desabilitada por
- alguma razo misteriosa...</para>
-
- <para>Para habilitar essa funo
- necessrio editar o primeiro modo de pgina
- do dispositivo, o qual pode ser feito com o comando abaixo
- (como <systemitem class="username">root</systemitem>)</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>scsi -f /dev/rsd0c -m 1 -e -P 3</userinput></screen>
-
- <para>E mudando os valores de AWRE e ARRE de 0 para
- 1:-</para>
-
- <programlisting>AWRE (Auto Write Reallocation Enbld): 1
-ARRE (Auto Read Reallocation Enbld): 1</programlisting>
-
- <para>Os pargrafos seguintes foram enviados por Ted
- Mittelstaedt <email>tedm@toybox.placo.com</email>:</para>
-
- <para>Para os discos IDE, qualquer bad block
- considerado um sinal de dificuldade em potencial. Todos
- os discos IDE modernos j vm com um
- remapeador interno que realoca bad blocks por outros
- blocos em bom estado, automaticamente. Todos os disco
- rgido IDE fabricados hoje em dia oferecem
- garantias extensas.</para>
-
- <para>Se ainda quiser tentar salvar um drive IDE com bad
- blocks, pode fazer um download do programa de
- diagnstico e correo do
- prprio fabricante do disco rgido.
- s vezes estes programas podem fixar e
- forar eletronicamente o disco a marcar estes
- blocos ruins e desativ-los.</para>
-
- <para>Em discos ESDI, RLL e MFM, a existncia de bad
- blocks normal e no representa nenhum
- sinal de dificuldade,geralmente. Em um PC, a placa
- controladora das unidades de disco e, a BIOS se encarregam
- da tarefa de re-mapear os bad blocks. Isso funciona em
- sistemas operacionais como DOS que usa cdigo da
- BIOS para acessar o disco. Porm, o driver
- (software controlador) do FreeBSD no trabalha ou
- acessa comandos da BIOS para para interagir com o drive
- (HD), ento um mecanismo chamado bad144, existente
- no FreeBSD, acaba substituindo esta funcionalidade. O
- bad144 s trabalha com o drive wd (portanto,
- no suportado no FreeBSD 4.0), e
- no pode ser usado com drive SCSI. O bad144
- trabalha marcando e organizando setores ruins encontrados
- no HD, em um arquivo especial no disco.</para>
-
- <para>Uma caracterstica do bad144 - o bloco
- danificado colocado em um arquivo especial
- situado na ltima trilha do disco. Como este
- arquivo contm uma lista de setores defeituosos que
- pode incluir valores perto do incio do disco, onde
- o /kernel pode estar alocado, esse arquivo dever
- ser acessvel ao bootstrap para que o programa -
- por meio da BIOS - leia o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>; isso significa que
- o disco usado com bad144 no deve exceder 1024
- cilindros, 16 cabeas, e 63 setores, logo, temos um
- limite efetivo de 500MB para discos mapeados com o
- bad144..</para>
-
- <para>Para ativar o uso do bad144, simplesmente defina a
- opo de procurar por <quote>Bad
- Block</quote> como ON na tela do fdisk do FreeBSD,
- durante a instalao. Essas
- instrues funcionam a partir do FreeBSD
- 2.2.7, e o disco deve ter menos que 1024 cilindros.
- Geralmente recomenda-se que a unidade de disco esteja em
- operao durante pelo menos 4 horas antes de
- executar o bad144, permitindo assim a expanso
- trmica do HD.</para>
-
- <para>Se o disco tem mais de 1024 cilindros (como um disco
- ESDI grande) a controladora ESDI usa um tipo de
- traduo especial em modo DOS. A device wd
- tambm entende esses mesmos modos de
- traduo e converso, isso se o
- <quote>tradutor</quote> de geometria for ativado como
- <quote>geometria fixa</quote>, quando particionado pelo
- fdisk. Voc tambm no deve usar o
- modo <quote>dangerously dedicated</quote> para criar
- parties do FreeBSD, pois isso ignora o
- tipo de geometria. Embora o fdisk use a geometria
- definida pelo usurio, ele continua reconhecendo o
- tamanho verdadeiro do disco, e tentar criar uma
- partio maior para o FreeBSD. Se a
- geometria de disco for alterada para geometria
- traduzida(translated geometry), a partio
- DEVE ser criada manualmente, informando os nmeros
- de blocos do HD.</para>
-
- <para>Um truque rpido usar um disco grande
- ESDI com uma controladora ESDI, iniciar(booting) o sistema
- com um disco DOS e formatar uma partio
- DOS. Depois reiniciar o sistema com um disco de
- instalao do FreeBSD, e anotar o
- nmero e tamanho dos blocos que sero
- apresentados na tela do fdisk para a
- partio DOS. Redefina a geometria do disco
- com os valores anotados, apague a partio
- DOS e crie uma partio FreeBSD
- <quote>cooperativa</quote>. Defina essa
- partio como bootvel e habilite o
- reconhecimento de bad blocks. Na
- instalao, o bad144 carregado
- antes que qualquer outro sistema de arquivos seja criado
- (voc pode ver isso com um
- <keycombo action="simul"><keycap>Alt</keycap><keycap>F2</keycap></keycombo>).
- Se houver problemas na criao do arquivo de
- definies de setor danificado (o arquivo de
- badsector) porque a geometria definida
- maior do que o seu valor real - reinicie o sistema e
- comece todos os procedimentos novamente, inclusive o
- particionamento e formatao da
- partio DOS.</para>
-
- <para>Se o remapeamento j estiver habilitado e os
- problemas com bad block continuarem, considere a
- substituio imediata do disco, pois os
- danos e os bad blocks aumentaro consideravelmente
- com o passar do tempo.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="bustek742a-eisa-scsi">
- <para>Por que o FreeBSD no reconhece a minha
- controladora SCSI EISA Bustek 742a?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>As informaes a seguir so para
- o modelo 742a, mas provavelmente tambm servem para
- as placas Buslogic. (Bustek = Buslogic).</para>
-
- <para>Existem duas <quote>verses</quote>
- tradicionais da placa 742a. So os equipamentos de
- reviso A-G e de reviso H; as letras de
- cada reviso so colocadas depois do
- nmero de fabricao, ao lado das
- placas. A placa 742a possui 2 chips ROM acoplados, o
- primeiro o chip da BIOS e o segundo o do
- Firmware. Para o FreeBSD a verso da BIOS
- irrelevante, mas a verso do Firmware uma
- informao fundamental.
- interessante dizer que, se voc fizer uma chamada ao
- departamento de suporte da Buslogic, eles iro te
- enviar um upgrade desses ROMs, e muito bom sempre
- manter a verso mais recente do ROM do seu Firmware
- para a verso de reviso do seu
- equipamento.</para>
-
- <para>As placas cuja letra de reviso A-G
- aceitam apenas atualizaes da BIOS/Firmware
- de verso 2.41/2.21 respectivamente. A
- reviso H (REV H) aceita as verses mais
- recentes da BIOS/Firmware at a verso
- 4.70/3.37. A principal diferena entre as
- verses do Firmware que a verso
- 3.37 tem suporte a<quote>round robin</quote>.</para>
-
- <para>As placas Buslogic tambm tem um nmero
- serial. Caso seu equipamento seja antigo, tente abrir uma
- chamada no departamento de RMA da Buslogic e informe-os o
- nmero de srie da sua placa. Se ela
- estiver entre os seriais de abrangncia, a Buslogic
- vai aceitar seu equipamento para reviso.</para>
-
- <para>O FreeBSD 2.1 aceita apenas as revises de
- Firmware at o 2.21. Caso o seu Firmware seja mais
- antigo do que o 2.21 sua placa no ser
- reconhecida como Buslogic. Contudo,
- possvel que o equipamento seja reconhecido como
- Adaptec 1540, j que os Firmware mais antigos da
- Buslogic possuem um modo de
- <quote>emulao</quote> da AHA1540, o que
- no uma boa coisa, para uma placa
- EISA.</para>
-
- <para>Caso seu Firmware seja antigo e voc conseguiu
- obter uma reviso para a verso 2.21,
- no se esquea que
- necessrio alterar o jumper W1 da
- posio A-B (padro) para
- posio B-C ao atualizar a placa.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="hpnetserver-scsi-failure">
- <para>Por que o FreeBSD no detecta a controladora
- SCSI do Netserver HP??</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Isso j um problema conhecido. A
- controladora SCSI on-board EISA dos servidores HP
- Netserver esto no slot EISA nmero 11,
- portanto todos os <quote>verdadeiros</quote> slots EISA
- esto na sua frente. O endereo definido
- para os slots EISA &gt;= 10 ocupa um endereo
- compartilhado com o barramento PCI, e portanto entra em
- conflito com seus recursos. Essa uma
- situao onde a configurao
- automtica do FreeBSD no se comporta muito
- bem.</para>
-
- <para>Portanto o que voc deve fazer, fingir
- que no existe limitao quanto ao
- intervalo de endereos, definindo a
- opo option <literal>EISA_SLOTS</literal>
- do <foreignphrase>kernel</foreignphrase> para o valor 12.
- Configure e compile um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, conforme descrito
- no <link xlink:href="../handbook/kernelconfig.html">captulo de
- configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> no
- &a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
-
- <para>Obviamente esse problema ainda maior quando
- se trata de uma nova instalao. Para
- corrigir esse problema necessrio uma
- pequena alterao no modo
- <emphasis>UserConfig</emphasis>. No use a
- interface de configurao
- <quote>visual</quote> do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, use a Interface de
- Linha de Comando (CLI), simplesmente digitando:</para>
-
- <programlisting>eisa 12
-quit</programlisting>
-
- <para>na tela do modo CLI, e continue a
- instalao do FreeBSD como de costume. De
- qualquer forma, recomendvel recompilar e
- instalar um novo <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- depois da instalao do sistema..</para>
-
- <para>Futuras verses do FreeBSD tero esse
- problema corrigido automaticamente.</para>
-
- <note>
- <para>No use discos em modo <literal>dangerously
- dedicated</literal> com um HP Netserver. Veja <link linkend="dedicate">essa nota</link> para maiores
- informaes.</para>
- </note>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="cmd640-ide">
- <para>O que est havendo com minha controladora IDE
- CMD640?</para>
+ <question xml:id="user-apps">
+ <para>Onde estão todas as aplicações de usuário?</para>
</question>
<answer>
- <para>Est com defeito! No suporta mais
- comandos nos dois canais de forma simultnea.</para>
+ <para>Consulte <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/ports/index.html"> a página de ports </link> para informações sobre os pacotes de software portados para o FreeBSD. A lista atualmente tem 24.000 aplicativos e está crescendo diariamente, então volte sempre para conferir ou assine a <link xlink:href="http://lists.FreeBSD.org/mailman/listinfo/freebsd-announce"> lista de discussão de anúncios do FreeBSD </link> para atualizações periódicas com as novidades.</para>
- <para>Existe uma correo disponvel e
- automaticamente habilitada, se voc usa uma
- controladora com esse chip. Para maiores detalhes,
- refira-se a pgina de manual da controladora de
- disco (&man.wd.4;).</para>
+ <para>A maioria dos ports deve funcionar em todas as versões suportadas do FreeBSD. Aqueles que não funcionam, estão especificamente sinalizados como tal. Cada vez que uma release do FreeBSD é construida, um snapshot da coleção de ports no momento da construção também é incluída no diretório <filename>ports/</filename>.</para>
- <para>Se o FreeBSD em questo o FreeBSD
- 2.2.1 ou 2.2.2 com essa controladora em questo, e
- voc quer usar o segundo canal, compile um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> com a
- opo <literal>options "CMD640"</literal>
- habilitada. Essa configurao
- padro para o FreeBSD 2.2.5 e posteriores.</para>
+ <para>O FreeBSD suporta pacotes binários compactados para facilitar a instalação e desinstalação dos ports. Use o comando <citerefentry><refentrytitle>pkg</refentrytitle><manvolnum>7</manvolnum></citerefentry> para controlar a instalação de pacotes.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ed1-timeout">
- <para>Eu sempre vejo mensagens como <errorname>ed1:
- timeout</errorname>. O que elas significam?</para>
+ <question xml:id="how-do-download-ports-tree">
+ <para>Como faço para baixar a coleção de ports? Eu deveria estar usando o Subversion?</para>
</question>
<answer>
- <para>Normalmente esse problema causado por um
- conflito de interrupes (por exemplo, duas
- placas usando a mesma IRQ). O FreeBSD at a
- verso 2.0.5R costumava ser tolerante quanto a esse
- problema e a placa de rede continuava funcionando mesmo
- com IRQ conflitantes. Contudo desde a verso
- 2.0.5R os conflitos de interrupes
- no so mais tolerados. Inicie o sistema
- com a opo de boot -c e mude as device
- ed0/de0/... para o valor correspondente ao da
- placa.</para>
-
- <para>Caso esteja usando um conector BNC na sua placa de
- rede, provvel que existam device timeout
- por causa de m terminao do
- barramento. Pra tirar isso a limpo coloque um terminador
- direto na placa (sem cabos) e veja se as mensagens de erro
- param.</para>
+ <para>Qualquer um dos métodos listados aqui funciona:</para>
- <para>Algumas placas compatveis NE2000
- apresentaro esse problema caso a porta UTP
- no receba sinal de link, ou se o cabo estiver
- desconectado.</para>
+ <itemizedlist>
+ <listitem>
+ <para>Use o portsnap para a maioria dos casos de uso. Consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/ports-using.html">Usando a coleção de ports</link> para obter instruções sobre como usar essa ferramenta .</para>
+ </listitem>
+ <listitem>
+ <para>Use o Subversion se for necessário a aplicação de patches customizados na árvore de ports. Consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/svn.html"> Usando o Subversion </link> para obter detalhes.</para>
+ </listitem>
+ </itemizedlist>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="bad-3c509">
- <para>Por que minha placa 3COM 3C509 parou de funcionar sem
- motivo aparente?</para>
+ <question xml:id="java">
+ <para>O FreeBSD suporta o <trademark>Java</trademark>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Esse carto tem um hbito
- horrvel de perder suas informaes
- de configurao. Redefina as
- informaes da placa usando o programa de
- DOS chamado <command>3c5x9.exe</command>.</para>
+ <para>Sim. Consulte a página web <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/java/index.html">https://www.FreeBSD.org/java/</link> para mais informações.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="printer-slow">
- <para>Minha impressora paralela est ridiculamente
- lenta. O que devo fazer?</para>
+ <question xml:id="ports-4x">
+ <para>Por que não posso compilar esse port na minha máquina 10.<replaceable>X</replaceable> - ou 11.<replaceable>X</replaceable> -STABLE?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se o nico problema a lerdeza
- terrvel da sua impressora, tente mudar seu <link xlink:href="../handbook/printing-intro-setup.html#PRINTING-PARALLEL-PORT-MODE">modo
- da porta de impresso</link> conforme discutido
- na seo de <link xlink:href="../handbook/printing-intro-setup.html">Configurao
- de Impressoras</link> no &a.ptbr.p.handbook;.</para>
+ <para>Se a versão do FreeBSD instalada estiver significativamente atrás do <emphasis>-CURRENT</emphasis> ou do <emphasis>-STABLE</emphasis>, atualize a coleção de ports usando as instruções disponíveis na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/ports-using.html">Usando a coleção de ports</link>. Se o sistema estiver atualizado, alguém pode ter feito uma alteração no port que funciona para <emphasis>-CURRENT</emphasis> mas que quebrou o port para o <emphasis>-STABLE</emphasis>. <link xlink:href="https://bugs.FreeBSD.org/submit/">Envie</link> um relatório de bug, já que a Coleção de Ports deve funcionar tanto para o branch <emphasis>-CURRENT</emphasis> e quanto o <emphasis>-STABLE</emphasis>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="signal11">
- <para>Por que alguns programas ocasionalmente morrem com
- erro de <errorname>Signal 11</errorname> ?</para>
+ <question xml:id="make-index">
+ <para>Acabei de tentar compilar o <filename>INDEX</filename> usando o comando <command>make index</command>, e ele falhou. Por quê?</para>
</question>
<answer>
- <para>Erros de sinal 11 so fruto de tentativas de
- acesso indevido a memria. Esse acesso normalmente
- controlado pelo sistema operacional, e quando o
- sistema no permite acessar determinados
- endereos, o processo morto com signal 11.
- Se isso estiver acontecendo em intervalos
- aleatrios de tempo, preciso investigar as
- causas com cuidado.</para>
-
- <para>Esse problema normalmente atribudo
- a:</para>
-
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>Se o problema ocorre apenas em um programa
- especfico que voc mesmo esta
- desenvolvendo, se trata de um bug no cdigo do
- seu programa.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Se o problema com algum programa que faz
- parte da base do FreeBSD, possvel que
- tambm seja um problema de bug no cdigo
- em questo. Contudo, esses problemas costumam
- ser corrigidos antes que os usurios
- tradicionais percebam sua existncia - e
- necessitem ler este <literal>FAQ</literal> - afinal,
- para isso que o -CURRENT existe.</para>
- </listitem>
- </orderedlist>
-
- <para>Em especial, uma indicao que esse
- problema <emphasis>no</emphasis> um bug
- do FreeBSD, um erro repetitivo no mesmo instante
- da compilao, mas o problema que o
- compilador apresenta muda de linha a cada nova
- compilao.</para>
-
- <para>Por exemplo, suponha que voc esteja executando
- um <quote>make buildworld</quote>, e a
- compilao falha na hora de compilar o
- <filename>ls.c</filename> em <filename>ls.o</filename>. Se
- voc rodar o <quote>make buildworld</quote> de novo
- e a compilao falha exatamente no mesmo
- trecho do cdigo, ento o problema realmente
- com o fonte da aplicao, nesse
- caso atualize os fontes do FreeBSD e tente novamente.
- Agora se a compilao falhar em um trecho
- diferente do cdigo, quase certo que o
- problema seja fsico, ou seja, com o seu
- equipamento.</para>
-
- <para>O que deve ser feito:</para>
-
- <para>Em primeiro lugar, deve-se usar um debugador, como o
- gdb, por exemplo, para encontrar o ponto exato do
- cdigo que est tentando acessar um
- endereo problemtico de memria, e
- corrigi-lo.</para>
-
- <para>Em segundo lugar, verifique se a culpa no
- do seu equipamento.</para>
-
- <para>As causas mais comuns para o problema incluem::</para>
-
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>Os seus discos rgidos podem estar
- superaquecidos: Verifique se o sistema de
- ventilao do seu PC est
- funcionando. Verifique coolers internos (da fonte) e
- externos, e verifique se no existe
- superaquecimento de outros componentes do
- computador.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>O processador est superaquecido: Pode ser
- porque foi feito um overclock no processador em
- questo, ou no caso mais tradicional, pode ser
- que o cooler tenha parado de funcionar ou que esteja
- sujo e portanto funcionando em rotao
- baixa. Em ambos os casos, o primeiro passo
- garantir que o processador esteja rodando sob as
- mesmas condies que ele foi
- construdo para funcionar - por exemplo, com a
- velocidade do clock original e com a
- ventilao adequada.</para>
-
- <para>Caso tenha sido feito overclock no processador,
- lembre-se que mais barato usar um computador
- um pouco mais lento, do que trocar o processador da
- mquina por causa de um chip fritado ;-)
- Alm do que a maioria das pessoas no
- so simpatizantes de overclock, mesmo que
- voc considere a ao segura ou
- no.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Caso tenha mltiplos pentes de
- memria SIMM/DIMM, tente deslig-los e
- experimente usar cada pente de uma vez,
- indiviualmente. Com isso possvel
- descobrir se o problema com algum chip
- DIMM/SIMM ou se o problema a
- combinao entre os pentes.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Configuraes super otimistas na
- BIOS da sua placa me so outra causa
- provvel. Algumas BIOS tem
- opes que permitem alterar a velocidade
- e frequncia de vrios recursos.
- Normalmente os valores padro na BIOS
- so os mais conservadores, e portanto devem ser
- o bastante para controlar corretamente o equipamento;
- contudo algumas opes como por exemplo
- <quote>RAM Speed: Turbo</quote> ou alguma
- opo parecida coloca o estado de espera
- para o acesso a memria em um valor muito
- baixo, e as vezes, por mais otimista que voc
- seja, sua memria pode no ser
- rpida o bastante. O ideal definir os
- valores padro da sua BIOS, mas
- interessante anotar os valores atuais primeiro!</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Alimentao insuficiente de energia
- na placa-me. Caso exista alguma placa que
- no esteja sendo utilizada, algum disco
- rgido ou CDROM, interessante
- desliga-los temporariamente do computador, ou
- simplesmente remover o cabo de energia desses
- equipamentos. Mesmo em sub utilizao,
- essas placas e discos esto sob constante
- alimentao e talvez sua fonte consiga
- suprir uma carga menor. Ou tente trocar a fonte do
- seu PC, de preferncia por uma com maior poder
- de alimentao (por exemplo, se a sua
- fonte de 250 Watts troque por uma de 300
- Watts).</para>
- </listitem>
-
- </orderedlist>
+ <para>Primeiro, certifique-se de que a Coleção de Ports esteja atualizada. Erros que afetam a compilação do <filename>INDEX</filename> a partir de uma cópia atualizada da coleção de ports são de alta visibilidade e, portanto, quase sempre são corrigidos imediatamente.</para>
- <para>Leia ainda o <literal>FAQ</literal> SIG11
- (disponvel a seguir) que tem outras boas
- explicaes sobre esses problemas. O
- <literal>FAQ</literal> tambm discute como alguns
- programas de teste de memria podem pensar que um
- pente problemtico est funcionando
- corretamente.</para>
-
- <para>Finalmente, se nenhum dos casos acima ajudou a
- solucionar seu problema, pode ser que exista um bug no
- FreeBSD. Voc deve seguir as
- intruoes para enviar um relatrio
- de problemas para o Projeto FreeBSD.</para>
-
- <para>Existe um <literal>FAQ</literal> extenso que cobre
- esse assunto, disponvel <link xlink:href="http://www.bitwizard.nl/sig11/"> no
- <literal>FAQ</literal> dos problemas com
- SIG11.</link></para>
+ <para>Existem casos raros em que o <filename>INDEX</filename> não será compilado devido a casos estranhos envolvendo a variável <varname>OPTIONS_SET</varname> sendo definida em <filename>make.conf</filename>. Se você suspeitar que este é o caso, tente fazer o <filename>INDEX</filename> com estas variáveis desativadas antes de reportar o erro para a <link xlink:href="http://lists.FreeBSD.org/mailman/listinfo/freebsd-ports">Lista de discussão de ports do FreeBSD</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="trap-12-panic">
- <para>O meu sistema trava com o erro <errorname>Fatal trap
- 12: page fault in kernel mode</errorname>, ou
- <errorname>panic:</errorname>, e sai mostrando uma
- quantidade enorme de informaes. O que eu
- fao?</para>
+ <question xml:id="ports-update">
+ <para>Eu atualizei os fontes, agora como faço para atualizar meus ports instalados?</para>
</question>
<answer>
- <para>A equipe de desenvolvimento do FreeBSD tem muito
- interesse nesse tipo de erro, mas
- necessrio obter algumas informaes
- suplementares, do que apenas o erro que voc
- est tendo. Copie sua mensagem de erro inteira,
- consulte o <literal>FAQ</literal> sobre <link linkend="kernel-panic-troubleshooting"><foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- panics</link>, compile um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> em modo de
- debugao e tente analisar o problema.
- Parece uma tarefa difcil, mas no
- necessrio conhecimento de
- programao; basta seguir as
- instrues.</para>
+ <para>O FreeBSD não inclui uma ferramenta de atualização de ports, mas possui algumas ferramentas para facilitar o processo de atualização. Ferramentas adicionais estão disponíveis para simplificar o manuseio dos ports e são descritas na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/ports-using.html">Atualizando Ports</link> no Handbook do FreeBSD .</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="screen-loses-sync">
- <para>Por que a tela fica preta e perde sincronia quando eu
- inicio o sistema?</para>
+ <question xml:id="ports-major-upgrade">
+ <para>Preciso recompilar todos os ports sempre que realizo uma atualização de versão principal?</para>
</question>
<answer>
- <para>Esse um problema conhecido da placa de
- vdeo ATI Mach 64. O problema que essa
- placa usa o endereo <literal>2e8</literal>, o
- mesmo utilizado pela quarta porta serial dos computadores
- pessoais. Devido a um bug (ou uma vantagem?) da
- &man.sio.4; ,essa porta ser sempre reconhecida,
- ainda que no exista a quarta porta serial no seu
- computador, ou <emphasis>mesmo</emphasis> se o sio3 (a
- quarta porta) estiver desabilitado.</para>
+ <para>Sim! Apesar de um sistema recente ser capaz de executar os softwares compilados em uma versão mais antiga, as coisas irão falhar aleatoriamente e deixar de funcionar quando outros ports forem instalados ou atualizados.</para>
- <para>At que o bug seja corrigido, voc pode
- usar essa soluo:</para>
+ <para>Quando o sistema é atualizado, várias bibliotecas compartilhadas, módulos carregáveis ​​e outras partes do sistema serão substituídas por versões mais recentes. Os aplicativos vinculados às versões mais antigas podem não iniciar ou, em outros casos, não funcionar corretamente.</para>
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>Entre no modo de configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> com
- opo <option>-c</option> na tela de
- inicializao(boot). (Isto colocara o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> no modo de
- configurao).</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Desabilite a <filename>sio0</filename>,
- <filename>sio1</filename>,
- <filename>sio2</filename> e
- <filename>sio3</filename> (todas elas). Dessa
- forma ser ativada, logo, voc no
- ter -&gt; problemas.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Digite exit para continuar o boot.</para>
- </listitem>
- </orderedlist>
-
- <para>Caso queira usar as portas seriais, ser
- necessrio construir um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> customizado, com as
- seguintes alteraes: no fonte
- <filename>/usr/src/sys/i386/isa/sio.c</filename> encontre
- a ocorrncia da expresso
- <literal>0x2e8</literal> e apague essa expresso e
- a vrgula que a antecede (mantenha a outra).
- Depois compile o novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> normalmente.</para>
-
- <para>Mesmo depois dessa correo,
- provvel que o X Windows ainda no funcione
- como esperado. Se for o caso, garanta que a verso
- do Xfree86 em questo seja ao menos o XFree86 3.3.3
- ou uma verso superior. Esse XFree86 e os
- posteriores tem suporte nativo s placas de
- vdeo Mach64, e tem inclusive um X Server dedicado
- para tal equipamento.</para>
+ <para>Para obter maiores informações, consulte a <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/updating-upgrading-freebsdupdate.html#freebsdupdate-upgrade">seção sobre atualizações</link> no Handbook do FreeBSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="reallybigram">
- <para>Por que o FreeBSD s detecta 64MB de
- memria RAM se eu tenho 128MB instalados?</para>
+ <question xml:id="ports-minor-upgrade">
+ <para>Preciso recompilar cada port toda vez que faço uma atualização de versão secundária?</para>
</question>
<answer>
- <para>Devido maneira que o FreeBSD obtm as
- informaes quanto ao tamanho da
- memria disponvel por intermdio da
- BIOS, pode acontecer de apenas 16 bits vlidos
- serem detectados (65535 Kbytes = 64MB) ou at
- menos, dependendo da BIOS (em alguns casos, apenas 16MB).
- Mesmo nessa situao o FreeBSD tenta
- detectar mais que 64MB de memria, mas esse
- reconhecimento pode falhar.</para>
-
- <para>Pra corrigir esse problema pode ser usada a
- opo do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> descrita a seguir.
- Existe uma forma de obter informaes
- completas quanto ao tamanho da memria, a partir da
- BIOS, mas devido a algumas limitaes isso
- nem sempre possvel hoje em dia.
- Futuramente ser. De qualquer forma, temos ainda a
- opo do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> para
- situaes onde toda a memria
- no puder ser reconhecida.</para>
-
- <para><literal>options
- "MAXMEM=n"</literal></para>
-
- <para>Onde <replaceable>n</replaceable> equivale
- memria (em Kilobytes) disponvel no
- sistema. Para 128 MB de memria, use o valor
- <literal>131072</literal>.</para>
+ <para>Em geral, não. Os desenvolvedores do FreeBSD fazem o máximo para garantir compatibilidade binária em todos os releases com o mesmo número de versão principal. Quaisquer exceções serão documentadas nas Release Notes, e os conselhos dados lá devem ser seguidos.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="panic-kmemmap-too-small">
- <para>Por que o FreeBSD 2.0 entre em pnico com a
- mensagem <errorname>kmem_map too
- small!</errorname>?</para>
+ <question xml:id="minimal-sh">
+ <para>Por que o <command>/bin/sh</command> é tão pequeno? Por que o FreeBSD não usa o <command>bash</command> ou outro shell?</para>
</question>
<answer>
- <note>
- <para>A mensagem em questo tambm pode ser
- <literal>mb_map too small!</literal></para>
- </note>
-
- <para>Essa mensagem de pnico indica que o sistema
- ficou sem memria suficiente pros buffers de rede
- (especificamente, os mbuf clusters). A quantidade de
- memria virtual disponvel para os clusters
- mbuf pode ser elevada com a opo::</para>
-
- <para><literal>options
- "NMBCLUSTERS=n"</literal></para>
+ <para>Muitas pessoas precisam escrever shell scripts que serão portados para muitos sistemas. É por isso que o <trademark class="registered">POSIX</trademark> especifica os comandos shell e utilitários em grande detalhe. A maioria dos scripts são escritos em Bourne shell (<citerefentry><refentrytitle>sh</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>) e porque várias interfaces de programação importantes (<citerefentry><refentrytitle>make</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>, <citerefentry><refentrytitle>system</refentrytitle><manvolnum>3</manvolnum></citerefentry>, <citerefentry><refentrytitle>popen</refentrytitle><manvolnum>3</manvolnum></citerefentry> e análogos em linguagens de script de alto nível como Perl e Tcl) são especificados para usar o Bourne shell para interpretar comandos. Como o Bourne shell é usado com tanta frequência e em larga escala, é importante que ele seja iniciado rapidamente, que seja determinístico em seu comportamento e que ocupe o menor espaço possível na memória.</para>
- <para>no arquivo de configurao do seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, onde
- <replaceable>n</replaceable> equivale ao valor entre
- 512-4096, dependendo do nmero de conexes
- TCP simultneas que voc espera poder
- suportar. O valor 2048 recomendvel, e
- provavelmente ser o bastante para sanar o problema
- que causa o pnico em questo O nmero
- de clusters mbuf em uso pode ser monitorado com o comando
- <command>netstat -m</command> (veja &man.netstat.1;). O
- valor padro para a varivel NMBCLUSTERS no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD
- <literal>512 + MAXUSERS * 16</literal>.</para>
+ <para>A implementação existente é resultado do nosso melhor esforço para atender simultaneamente o quanto pudermos desses requisitos. Para manter o <command>/bin/sh</command> pequeno, não fornecemos muitos dos recursos de conveniência que os outros shells possuem. É por isso que outras shells com mais recursos, como o <command>bash</command>, o <command>scsh</command>, o <citerefentry><refentrytitle>tcsh</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>, e o <command>zsh</command> estão disponíveis. Compare a utilização de memória desses shells observando as colunas <quote> VSZ </quote> e <quote> RSS </quote> em uma listagem gerada com o comando <command>ps -u</command>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="proc-table-full">
- <para>Por que o erro <errorname>/kernel: proc: table is
- full</errorname>ocorre?</para>
+ <question xml:id="midi-sound-files">
+ <para>Como faço para criar CDs de áudio dos meus arquivos MIDI?</para>
</question>
<answer>
- <para>O <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD
- limita o nmero mximo de processos
- simultneos existentes no sistema. O nmero
- em questo baseado na opo
- <literal>MAXUSERS</literal>. do sistema. A
- opo <literal>MAXUSERS</literal> afeta
- ainda inmeros outros limites do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD, como por
- exemplo os buffers disponveis para o stack de rede
- do sistema (veja <link linkend="panic-kmemmap-too-small">esta</link> resposta
- anterior). Se o computador estiver sob grande carga,
- provavelmente ser necessrio aumentar o
- <literal>MAXUSERS</literal>. Essa alterao
- aumentar os limites do sistema em
- adio ao nmero de processos
- permitido.</para>
-
- <para>Desde a verso 4.4 do FreeBSD, o valor para
- <literal>MAXUSERS</literal> se tornou configurvel,
- no sendo mais necessrio recompilar o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> para
- alter-lo, bastando definir a varivel
- <varname>kern.maxusers</varname> no arquivo
- <filename>/boot/loader.conf</filename>. Em
- versoes mais recentes do FreeBSD, deve-se ajustar
- o <literal>MAXUSERS</literal> em sua
- configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.</para>
+ <para>Para criar CDs de áudio a partir de arquivos MIDI, primeiro instale o <package> audio/timidity++</package> a partir dos ports e instale manualmente os patches GUS criados por Eric A. Welsh, disponíveis em <uri xlink:href="http://alleg.sourceforge.net/digmid.html">http://alleg.sourceforge.net/digmid.html</uri>. Depois que o <application>TiMidity++</application> estiver corretamente instalado, os arquivos MIDI poderão ser convertidos em arquivos WAV com a seguinte linha de comando:</para>
- <para>Caso seu sistema no esteja muito carregado,
- mas o nmero de processos simultneos ainda
- assim alto basta definir a varivel
- <varname>kern.maxproc</varname> com o sysctl. Em casos
- especiais, onde esses inmeros processos
- esto sendo executados por um nico
- usurio, ser preciso alterar ainda alterar
- o valor da varivel
- <varname>kern.maxprocperuid</varname> para um a menos do
- que o valor de <varname>kern.maxproc</varname>. (deve ser
- ao menos 1 processo a menos, visto que ao menos o
- &man.init.8; do sistema vai estar sempre em
- execuo.)</para>
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>timidity -Ow -s 44100 -o /tmp/juke/01.wav 01.mid</userinput></screen>
- <para>Para tornar uma alterao de
- varivel do sysctl permanente, defina-a no arquivo
- <filename>/etc/sysctl.conf</filename> nas verses
- mais recentes do FreeBSD, ou ento no arquivo
- <filename>/etc/rc.local</filename> em verses mais
- antigas do sistema.</para>
+ <para>Os arquivos WAV podem ser convertidos para outros formatos ou gravados em CDs de áudio, conforme descrito no <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/creating-cds.html"> Handbook do FreeBSD</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
+ </qandaset>
+ </chapter>
- <qandaentry>
- <question xml:id="cmap-busy-panic">
- <para>Por que acontece o erro <errorname>CMAP
- busy</errorname> quando eu reinicio com um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A lgica que tenta detectar uma data errada nos
- arquivos <filename>/var/db/kvm_*.db</filename> as vezes
- falha, o que leva o sistema a entrar em
- pnico.</para>
-
- <para>Se for o caso, reinicie seu sistema em modo
- monousurio e faa:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>rm /var/db/kvm_*.db</userinput></screen>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <chapter xml:id="kernelconfig">
+ <title>Configuração do Kernel</title>
+ <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="brkadrint-illegal-host-access">
- <para>O que a mensagem <errorname>ahc0: brkadrint, Illegal
- Host Access at seqaddr 0x0</errorname>
- significa??</para>
+ <question xml:id="make-kernel">
+ <para>Eu gostaria de customizar meu kernel. É difícil?</para>
</question>
<answer>
- <para>Trata-se de um conflito com o Ultrastor SCSI Host
- Adapter.</para>
-
- <para>Durante o processo de
- inicializao(boot), entre no menu de
- configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> e desabilite a
- <filename>uha0</filename>, que esta causando o
- problema.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="aci0-illegal-cable">
- <para>Quando eu inicio o sistema, encontro o erro
- <errorname>ahc0: illegal cable configuration</errorname>,
- mas o meu cabo est certo. O que est
- havendo?</para>
- </question>
+ <para>De modo nenhum! Confira a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/kernelconfig.html">configuração do kernel do Handbook</link>.</para>
- <answer>
- <para>A placa-me em questo no
- consegue se dar bem com o suporte a
- terminao automtica do barramento.
- Altere sua BIOS SCSI para a terminao
- correta, de acordo com a configurao do
- equipamento, ao invs de usar
- terminao automtica. O driver
- AIC7XXX no consegue descobrir se o reconhecimento
- externo dos cabos (e conseq&uuml;ente
- auto-terminao) est
- disponvel, e portanto ele simplesmente assume que
- o suporte existe, caso a configurao da
- EEPROM serial esteja definida como automatic termination.
- Sem o reconhecimento de cabo externo o driver ir
- sempre configurar a terminao de forma
- incorreta, o que compromete a confiabilidade do barramento
- SCSI.</para>
+ <note>
+ <para>O novo <filename>kernel</filename> será instalado no diretório <filename>/boot/kernel</filename> junto com os seus módulos, enquanto o kernel antigo e seus módulos serão movidos para o diretório <filename>/boot/kernel.old</filename>. Se um erro for cometido na configuração, basta inicializar utilizando a versão anterior do kernel.</para>
+ </note>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="mail-loopback">
- <para>Por que o Sendmail retorna um erro que diz
- <quote><errorname>mail loops back to
- myself</errorname></quote>?</para>
+ <question xml:id="why-kernel-big">
+ <para>Por que meu kernel é tão grande?</para>
</question>
<answer>
- <para>Essa pergunta respondida no
- <literal>FAQ</literal> do prprio Sendmail, e
- diz:-</para>
+ <para>Os kernels <literal>GENERIC</literal> enviados com o FreeBSD são compilados com o <emphasis>modo de depuração</emphasis> habilitado. Kernels compilados no modo de depuração contêm dados de depuração em arquivos separados que são usados ​​para depuração. Versões do FreeBSD anteriores a 11.0 armazenam esses arquivos de depuração no mesmo diretório que o próprio kernel, <filename>/boot/kernel/</filename>. No FreeBSD 11.0 e posterior, os arquivos de depuração são armazenados em <filename>/usr/lib/debug/boot/kernel/</filename>. Observe que haverá pouca ou nenhuma perda de desempenho ao executar um kernel com o modo de depuração habilitado, e é útil manter um por perto em caso de panic no sistema.</para>
-<literallayout> * Eu estou tendo problemas de configuraes local "Local configuration error" como essas:
+ <para>Quando estiver com pouco espaço em disco, existem diferentes opções para reduzir o tamanho de <filename>/boot/kernel/</filename> e <filename>/usr/lib/debug/</filename>.</para>
- 553 relay.domain.net config error: mail loops back to myself
- 554 &lt;user@domain.net&gt;... Local configuration error
+ <para>Para não instalar os arquivos de símbolos, certifique-se que a seguinte linha existe em <filename>/etc/src.conf</filename>:</para>
- Como posso resolver esse problema?
+ <programlisting>WITHOUT_KERNEL_SYMBOLS=yes</programlisting>
- Voc definiu que as mensagens enviadas para o domnio
- em questo (domain.net) devem ser repassadas para uma outra
- estao especfica (nesse caso para
- relay.domain.net) usando um registro MX, mas essa mquina de
- relay no se reconhece como a estao
- responsvel pelas mensagens do domnio domain.net.
- Adicione domain.net no arquivo /etc/mail/local-host-names
- (caso voc esteja usando FEATURE(use_cw_file)) ou ento
- adicione a linha "Cw domain.net" em /etc/mail/sendmail.cf.
- </literallayout>
+ <para>Para mais informações veja <citerefentry><refentrytitle>src.conf</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <para>Atualmente a verso mais recente do <link xlink:href="ftp://rtfm.mit.edu/pub/usenet/news.answers/mail/sendmail-faq"><literal>FAQ</literal>
- do sendmail</link> mantida em sincronia com as
- verses mais atuais do MTA, mas ela ainda
- enviada regularmente para os grupos de notcias
- <link xlink:href="news:comp.mail.sendmail">comp.mail.sendmail</link>,
- <link xlink:href="news:comp.mail.misc">comp.mail.misc</link>,
- <link xlink:href="news:comp.mail.smail">comp.mail.smail</link>,
- <link xlink:href="news:comp.answers">comp.answers</link>, e
- <link xlink:href="news:news.answers">news.answers</link>.
- Ainda possvel receber um cpia por
- e-mail do <literal>FAQ</literal>, enviando uma mensagem
- para <email>mail-server@rtfm.mit.edu</email> com o comando
- <literal>send
- usenet/news.answers/mail/sendmail-faq</literal> no corpo
- da mensagem.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="remote-fullscreen">
- <para>Porque algumas aplicaes que usam tela
- inteira no se comportam muito bem em
- estaes remotas?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A estao remota deve estar definindo o
- terminal como algum tipo diferente do
- <literal>cons25</literal> que o tipo de terminal
- usado pelo console do FreeBSD.</para>
-
- <para>Existem inmeras correes para
- esse problema:</para>
+ <para>Se você quiser evitar completamente a criação de arquivos de depuração, certifique-se de que ambos os itens a seguir sejam verdadeiros:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>Depois de logar-se na estao
- remota, defina a varivel de ambiente TERM como
- <literal>ansi</literal> ou <literal>sco</literal> caso
- a mquina em questo tenha
- informaes quanto a esse tipo de
- terminal.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Use um emulador VT100 como o
- <application>screen</application> no console do
- FreeBSD. O <application>screen</application> oferece
- a possibilidade de usar mltiplas
- sesses concorrentes em um mesmo terminal, e
- um grande programa. Cada janela do
- <application>screen</application> se comporta como um
- terminal VT100, portanto a varivel TERM deve
- ser definida como <literal>vt100</literal>.</para>
- </listitem>
+ <para>Esta linha não existe no arquivo de configuração do kernel:</para>
- <listitem>
- <para>Instale a base do <literal>cons25</literal> na
- estao remota. A maneira correta de
- faze-lo depende do sistema operacional em
- questo na estao remota.
- Consulte os manuais de administrao do
- sistema remoto em questo para descobrir como
- faze-lo.</para>
+ <programlisting>makeoptions DEBUG=-g</programlisting>
</listitem>
<listitem>
- <para>Levante um X server do lado FreeBSD da coisa e
- acesse a estao remota usando um
- terminal baseado no ambiente X, como o
- <command>xterm</command> ou o <command>rxvt</command>.
- A varivel TERM deve ser definida
- como<literal>xterm</literal> ou
- <literal>vt100</literal> no lado remoto.</para>
+ <para>Não execute o comando <citerefentry><refentrytitle>config</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> com a opção <option>-g</option>.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="calcru-negative">
- <para>Por que meu computador apresenta a mensagem
- <errorname>calcru: negative time...</errorname>?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Esse comportamento pode ser causado por diversos
- motivos relacionados a interrupes de
- <foreignphrase>hardware</foreignphrase> e/ou software.
- Pode ser devido a algum bug, mas tambm pode
- acontecer por causa da natureza de alguns devices. Por
- exemplo, usar TCP/IP via porta paralela com uma MTU muito
- grande uma boa forma de provocar esse
- comportamento. Aceleradores grficos tambm
- so eficientes para criar esse tipo de problema,
- nesse caso, sendo necessrio analisar as
- configuraes de interrupes
- do software.</para>
-
- <para>Um efeito colateral desse problema so
- processos que morrem<quote>SIGXCPU exceeded cpu time
- limit</quote>.</para>
- <para>No FreeBSD 3.0 e sistemas posteriores a 29 de Novembro
- de 1998, caso o problema no possa ser solucionado
- de outra forma, uma correo pode ser
- definir a seguinte varivel do sysctl:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl -w kern.timecounter.method=1</userinput></screen>
-
- <para>Isso causa um impacto de performance, mas dependendo
- do problema que causava esse comportamento,
- provvel que nem consiga-se notar a mudana
- nessa performance. Se o problema continuar, mantenha a
- varivel do sysctl habilitada e defina a
- opo <literal>NTIMECOUNTER</literal> no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> para valores
- crescentes. Se chegar a um ponto em que foi
- necessrio definir
- <literal>NTIMECOUNTER=20</literal> e o problema ainda
- no tiver sido resolvido, as
- interrupes so serias demais e seu
- comportamento no confivel.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Qualquer uma das configurações acima fará com que o kernel seja construído com suporte ao modo de depuração.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="pcm0-not-found">
- <para>Acontece da pcm no ser encontrada, com a
- mensagem <errorname>pcm0 not found</errorname> ou
- ento minha placa de som encontrada na
- <filename>pcm1</filename> mas no meu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> a entrada se refere
- a <literal>device pcm0</literal>. O que est
- havendo?</para>
- </question>
+ <para>Para construir e instalar somente os módulos desejados, liste-os em <filename>/etc/make.conf</filename>:</para>
- <answer>
- <para>Isso acontece no FreeBSD 3.X com placas de som PCI. A
- <filename>pcm0</filename> reservada
- exclusivamente para placas de som ISA e por isso se a
- placa em questo PCI, ela ser
- reconhecida como <filename>pcm1</filename> e a
- mensagem em questo pode acontecer.
- </para>
+ <programlisting>MODULES_OVERRIDE= <replaceable>accf_http ipfw</replaceable></programlisting>
- <note>
- <para>No possvel evitar a
- mensagem de advertncia simplesmente alterando o
- seu <foreignphrase>kernel</foreignphrase> e definindo
- <literal>device pcm1</literal> pois isso
- resultar na <filename>pcm1</filename> sendo
- reservada para placas ISA, e o seu equipamento PCI
- ser reconhecido na <filename>pcm2</filename>
- (e a mensagem de advertncia <errorname>pcm1 not
- found</errorname> continuar).</para>
- </note>
+ <para>Substitua <emphasis>accf_httpd ipfw</emphasis> com a lista dos módulos que precisa. Apenas os módulos listados serão compilados. Isso reduz o tamanho do diretório do kernel e diminui o tempo necessário para compilar o kernel. Para mais informações, leia <filename>/usr/share/examples/etc/make.conf</filename>.</para>
- <para>
- Caso sua placa de som seja PCI ainda ser preciso
- criar a device <filename>snd1</filename> ao
- invs da <filename>snd0</filename>:</para>
+ <para>Dispositivos desnecessários podem ser removidos do kernel para reduzir ainda mais o tamanho. Veja <xref linkend="make-kernel"/> para mais informações.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>./MAKEDEV snd1</userinput></screen>
+ <para>Para colocar qualquer uma dessas opções em vigor, siga as instruções para <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/kernelconfig-building.html">compilar e instalar</link> um novo kernel.</para>
- <para>Esse comportamento no ocorre na srie
- 4.X do FreeBSD, muito trabalho foi feito para tornar o
- sistema mais <emphasis>PnP-centric</emphasis> e a device
- <filename>pcm0</filename> no mais
- reservada exclusivamente para placas ISA.</para>
+ <para>Para referência, o kernel amd64 do FreeBSD 11 (<filename>/boot/kernel/kernel</filename>) é de aproximadamente 25 MB.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="pnp-not-found">
- <para>Porque a minha placa PnP no mais
- encontrada (ou encontrada como
- <literal>unknown</literal>) desde a
- atualizao para o FreeBSD 4.X?</para>
+ <question xml:id="generic-kernel-build-failure">
+ <para>Por que todo kernel que eu tento construir falha ao compilar, até mesmo o <filename>GENERIC</filename>?</para>
</question>
<answer>
- <para>O FreeBSD 4.X muito mais
- <emphasis>PnP-centric</emphasis> do que as verses
- anteriores, e isso causou alguns efeitos distintos em
- algumas placas PnP (como algumas placas de som e alguns
- modems interno por exemplo) que no funcionam mais
- da forma como funcionavam no FreeBSD 3.X.</para>
-
- <para>O motivo para esse comportamento explicado no
- seguinte e-mail, que foi enviada na lista
- freebsd-questions pelo Reter Wemm, respondendo uma
- pergunta sobre um modem interno que no era mais
- reconhecido no FreeBSD depois de atualizar o sistema para
- verso 4.X (os comentrios entre
- <literal>[]</literal>foram adicionados com a
- inteno de explicar melhor o contexto da
- mensagem).</para>
-
- <note>
- <para>Os ndices dessa citao foram
- atualizados de seu texto original</para>
- </note>
-
- <blockquote>
- <para>A bios PNP configurou ele [o modem] e o deixou
- conectado na porta em questo, por isso o estilo
- antigo [no 3.X] <quote>reconhece</quote> o equipamento
- ISA.</para>
-
- <para>No FreeBSD 4 o cdigo ISA bem mais
- PnP-centric. Era possvel [no 3.X] encontrar uma
- placa ISA que funcionava com <quote>determinada</quote>
- device e depois, o id PNP da mesma device encontrava a
- mesma placa novamente, como se fosse uma outra usando os
- mesmos recursos do sistema, e por isso ele falhava, como
- se fosse um conflito de recursos. Portanto, agora ele
- desabilita o suporta s placas
- programveis de forma que essa confuso e
- dupla deteco de
- <foreignphrase>hardware</foreignphrase> no
- ocorra. Essa mudana implica tambm na
- necessidade de se saber previamente os ids PnP para cada
- tipo de equipamento suportado, aumentando um pouco mais
- a lista de TODO do suporte PnP no sistema.</para>
- </blockquote>
-
- <para>Para fazer o equipamento voltar a funcionar,
- necessrio encontrar seu PnP id e
- adicion-lo a lista de devices ISA reconhecidas
- como PnP. Essa informao pode ser obtida
- usando &man.pnpinfo.8; que detecta a
- configurao dos equipamentos. Por exemplo,
- veja a sada do &man.pnpinfo.8; de um modem
- interno:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>pnpinfo</userinput>
-Checking for Plug-n-Play devices...
-
-Card assigned CSN #1
-Vendor ID PMC2430 (0x3024a341), Serial Number 0xffffffff
-PnP Version 1.0, Vendor Version 0
-Device Description: Pace 56 Voice Internal Plug &amp; Play Modem
-
-Logical Device ID: PMC2430 0x3024a341 #0
- Device supports I/O Range Check
-TAG Start DF
- I/O Range 0x3f8 .. 0x3f8, alignment 0x8, len 0x8
- [16-bit addr]
- IRQ: 4 - only one type (true/edge)</screen>
-
- <para>[algumas linhas com TAG foram eliminadas]</para>
-
- <screen>TAG End DF
-End Tag
-
-Successfully got 31 resources, 1 logical fdevs
--- card select # 0x0001
-
-CSN PMC2430 (0x3024a341), Serial Number 0xffffffff
-
-Logical device #0
-IO: 0x03e8 0x03e8 0x03e8 0x03e8 0x03e8 0x03e8 0x03e8 0x03e8
-IRQ 5 0
-DMA 4 0
-IO range check 0x00 activate 0x01</screen>
-
- <para>A informao que voc quer
- a linha <quote>Vendor ID</quote> no comeo
- da sada do comando. O valor hexadecimal entre
- parnteses (0x3024a341 esse caso) PnP id e
- o conjunto de caracteres que o antecede (PMC2430)
- a identificao ASCII nica.</para>
-
- <para>Alternativamente, se o &man.pnpinfo.8; no
- listou sua placa em questo, o &man.pciconf.8; pode
- ser usado preferivelmente. Esta a sada
- do comando <command>pciconf -vl</command> de uma placa de
- som onboard:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>pciconf -vl</userinput>
-chip1@pci0:31:5: class=0x040100 card=0x00931028 chip=0x24158086 rev=0x02 hdr=0x00
- vendor = 'Intel Corporation'
- device = '82801AA 8xx Chipset AC'97 Audio Controller'
- class = multimedia
- subclass = audio</screen>
-
- <para>Aqui deve-se usar o valor do <varname>chip</varname>,
- <quote>0x24158086</quote>.</para>
-
- <para>Tais informaes (Vendor ID ou valor do
- chip) precisam ser adicionadas ao arquivo
- <filename>/usr/src/sys/isa/sio.c</filename>.</para>
-
- <para>Primeiro faa uma cpia de
- segurana do <filename>sio.c</filename> no caso de
- algo dar errado e tambm para que voc possa
- fazer um patch para enviar junto com o seu
- Relatrio de Problemas (voc vai enviar um
- PR, no vai?) e depois edite o
- <filename>sio.c</filename> e procure a linha</para>
-
- <programlisting>static struct isa_pnp_id sio_ids[] = {</programlisting>
-
- <para>Depois analise as linhas logo abaixo para encontrar o
- lugar apropriado para sua placa. As entradas na tabela
- ficam todas parecidas com essa logo abaixo, e so
- ordenadas de acordo com a identificao
- ASCII do fabricante do produto a qual deve ser
- includa como comentrio na coluna do lado
- do cdigo em questo, e junto com a
- <emphasis>descrio da placa</emphasis> ou
- parte dela, conforme identificada na sada do
- &man.pnpinfo.8;:</para>
-
- <programlisting>{0x0f804f3f, NULL}, /* OZO800f - Zoom 2812 (56k Modem) */
-{0x39804f3f, NULL}, /* OZO8039 - Zoom 56k flex */
-{0x3024a341, NULL}, /* PMC2430 - Pace 56 Voice Internal Modem */
-{0x1000eb49, NULL}, /* ROK0010 - Rockwell ? */
-{0x5002734a, NULL}, /* RSS0250 - 5614Jx3(G) Internal Modem */</programlisting>
-
- <para>Adicione o ID hexadecimal do fabricante da placa no
- local apropriado, salve o arquivo e recompile o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, depois reinicie o
- sistema. Agora a sua placa deve ter sido encontrada como
- uma device <literal>sio</literal> exatamente como era
- encontrada no FreeBSD 3.X</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="nlist-failed">
- <para>Qual a causa do erro <errorname>nlist
- failed</errorname> quando eu executo, por exemplo, o
- <command>top</command> ou o
- <command>systat</command>?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>O problema que o programa que voc
- est tentando executar tenta ler alguma
- informao especfica do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, baseando-se no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> symbol em
- questo, mas por algum motivo, essa
- informao no pode ser encontrada;
- esse erro causado por um dos seguintes
- problemas:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>O <foreignphrase>kernel</foreignphrase> e o
- userland do sistema no esto em
- sincronia (por exemplo, voc compilou um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> novo e o
- instalou sem de dar um
- <buildtarget>installworld</buildtarget>, ou vice-versa),
- e por isso a tabela de informaes dos
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> symbols
- diferente do que o programa pensa que . Se
- esse for o caso basta completar os procedimentos de
- atualizao do sistema (veja o arquivo
- <filename>/usr/src/UPDATING</filename> para a correta
- seq&uuml;ncia de aes).</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>O <command>/boot/loader</command> no
- est sendo usado para carregar o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> dessa
- estao, ao invs dele, o boot2
- (veja &man.boot.8;) est sendo usado
- diretamente. Apesar de no ter problema algum
- deixar de usar o <command>/boot/loader</command>, ele
- costuma se comportar melhor na hora de tornar os
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> symbols
- disponveis para aplicaes em
- nvel de usurio.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="connection-delay">
- <para>Porque demora tanto para a conexo se
- estabelecer via <command>ssh</command> ou
- <command>telnet</command>?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>O sintoma: existe um atraso muito grande entre o
- estabelecimento da conexo TCP e o momento que o
- programa cliente pede a senha (ou no caso do
- &man.telnet.1;, quando a tela de login aparece).</para>
-
- <para>O problema: o programa servidor dessa
- transao leva muito tempo tentando resolver
- o nome da estao cliente que est se
- conectando. A maioria dos servidores, incluindo os
- servidores Telnet e SSH que vem junto com o FreeBSD tentam
- resolver o nmero IP do cliente no nome da
- estao, para, entre outras coisas, gravar
- essa informao em um arquivo de log para
- referncias futuras por parte do
- administrador.</para>
-
- <para>A soluo: Se o problema acontece apenas
- quando voc (o cliente) tenta se conectar no
- servidor, o problema com o lado cliente da
- transao; se o problema acontece com
- qualquer estao que tente se conectar ao
- computador (servidor) ento o problema do
- lado servidor.</para>
-
- <para>Se o problema com o cliente, a nica
- maneira de corrigir o problema configurar
- corretamente o servidor DNS que responde autoritativamente
- pelo endereo da estao. Se for uma
- rede local considere esse comportamento um problema do
- servidor, e continue lendo; se a conexo deve ser
- estabelecida na rede global (internet) , ento
- entre em contato com o seu Provedor de Servios
- Internet e solicite que eles corrijam o problema.</para>
-
- <para>Se o problema do lado servidor, e a rede em
- questo, se trata de uma rede local, ser
- necessrio configurar o servidor de forma que ele
- consiga resolver os endereos dos clientes em
- nomes. Veja as pginas de manual do &man.hosts.5;
- e &man.named.8; para obter mais informaes.
- Se a conexo na Internet, provavelmente o
- resolvedor (lado cliente do servio de nomes) do
- seu servidor no est funcionando
- corretamente. Pra fazer o teste, tente descobrir o
- endereo IP do site <systemitem>www.yahoo.com</systemitem>
- por exemplo. Se no funcionar, esta ai o
- problema.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="stray-irq">
- <para>O que a mensagem <errorname>stray IRQ</errorname> quer
- dizer?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Stray IRQs so sintomas de
- <foreignphrase>hardware</foreignphrase> que interrompe o
- pedido de interrupo no meio de um ciclo de
- autorizao de
- interrupo.</para>
-
- <para>Existem trs formas de tratar o problema:</para>
+ <para>Há várias causas possíveis para esse problema:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>Aprenda a conviver com as mensagens de
- advertncia. De qualquer forma, todas as
- mensagens exceto as 5 primeiras para cada IRQ
- so suprimidas pelo sistema mesmo.</para>
+ <para>A o código fonte de origem é diferente do usado para construir o sistema atualmente em execução. Ao tentar uma atualização, leia o arquivo <filename>/usr/src/UPDATING</filename>, prestando atenção especial à seção <quote>ITENS COMUNS</quote> no final.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Evite o inconveniente alterando de 5 para 0 na
- funo
- <function>isa_strayintr()</function> o nmero
- de mensagens antes de suprimir as
- advertncias.</para>
+ <para xml:lang="en">The <command>make buildkernel</command> did not
+ complete successfully. The <command>make
+ buildkernel</command> target relies on files
+ generated by the <command>make buildworld</command>
+ target to complete its job correctly.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Evite as advertncias instalando algum
- equipamento de porta paralela que use a IRQ 7 e o
- driver PPP ( o usual, na maioria dos sistemas)
- e instale algum driver IDE ou qualquer outro
- dispositivo que use a IRQ 15 e seu respectivo
- suporte.</para>
+ <para>Mesmo quando estiver compilando o <link linkend="stable">FreeBSD-STABLE</link>, é possível que o código fonte tenha sido obtido em um momento em que estava sendo modificado ou em que estava quebrado. Somente os releases possuem a garantia de que podem ser compilados, apesar do <link linkend="stable">FreeBSD-STABLE</link> compilar corretamente na maioria das vezes. Tente atualizar novamente o código fonte e veja se o problema desaparece. Tente usar um servidor de distribuição diferente, caso o anterior esteja com problemas.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="file-table-full">
- <para>Por que a mensagem <errorname>file: table is
- full</errorname> aparece repetidas vezes no
- dmesg?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>
- Esse erro indica que voc excedeu o nmero
- mximo de descrevedores (descriptors) de arquivos
- no sistema. Leia a seo <link xlink:href="../handbook/configtuning-kernel-limits.html#KERN-MAXFILES">
- kern.maxfiles </link>da<link xlink:href="../handbook/configtuning-kernel-limits.html">
- captulo de Ajuste de Limites do
- <foreignphrase>Kernel</foreignphrase></link> no
- &a.ptbr.p.handbook; do FreeBSD para obter mais
- informaes sobre o problema.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="laptop-clock-skew">
- <para>Por que o relgio do meu laptop mantem a hora
- incorreta?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Rode o comando &man.dmesg.8;, e procure algumas linhas
- com a expresso <literal>Timecounter</literal>. A
- ltima linha encontrada ser o
- relgio que o FreeBSD escolheu, e com certeza ele
- ser <literal>TSC</literal>.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>dmesg | grep Timecounter</userinput>
-Timecounter "i8254" frequency 1193182 Hz
-Timecounter "TSC" frequency 595573479 Hz</screen>
-
- <para>Essa informao pode ser confirmada ao
- verificar a varivel
- <varname>kern.timecounter.hardware</varname> do
- &man.sysctl.3;.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl kern.timecounter.hardware</userinput>
-kern.timecounter.hardware: TSC</screen>
-
- <para>A BIOS do laptop altera a frequncia do
- relgio TSC de forma a modificar a velocidade do
- processador quando o computador estiver sendo utilizado
- com baterias, ou se o mesmo entrar em modo de economia de
- energia. O FreeBSD no faz distino
- entre frequncia do clock e modos especiais de
- trabalho, e por isso pode atrasar ou adiantar a hora do
- sistema.</para>
-
- <para>Esse exemplo, o laptop em questo tem dois
- relgios; portanto o <literal>i8254</literal> pode
- ser definido como padro na varivel
- <varname>kern.timecounter.hardware</varname> do
- &man.sysctl.3;.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl -w kern.timecounter.hardware=i8254</userinput>
-kern.timecounter.hardware: TSC -&gt; i8254</screen>
-
- <para>Agora o seu laptop deve conseguir manter a data e hora
- de forma mais precisa.</para>
-
- <para>Pra tornar essa alterao
- automtica, adicione a seguinte linha no arquivo
- <filename>/etc/sysctl.conf</filename>.</para>
-
- <programlisting>kern.timecounter.hardware=i8254</programlisting>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="null-null">
- <para>Por que o meu laptop no funciona muito bem na
- hora de identificar cartes PCMCIA?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Esse problema comum em laptops que tem mais
- de um sistema operacional instalado. Alguns sistemas
- no-BSD fazem os cartes PCMCIA ficarem em
- um estado inconsistente, causando um reconhecimento
- problemtico dos dispositivos por parte do
- <command>pccardd</command>, como por exemplo, detectando
- os cartes como
- <errorname>"(null)""(null)"</errorname> ao invs da
- sua marca e modelo verdadeiros.</para>
-
- <para> necessrio desligar completamente a
- alimentao de energia do equipamento para
- garantir que o mesmo seja completamente resetado.
- Desligue completamente o laptop (no suspenda seu
- funcionamento, no o deixe entrar em modo de
- espera, conhecido como standby, a
- alimentao deve ser completamente
- interrompida), espere alguns - poucos - minutos e reinicie
- o laptop. Tudo deve correr bem.</para>
-
- <para>Alguns laptops so grandes mentirosos quando
- afirmam estar desligados. Se o procedimento acima
- no funcionar, tire a bateria do laptop, espere
- alguns minutos e ligue o sistema novamente.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="boot-read-error">
- <para>Por que o bootloader do FreeBSD mostra a mensagem
- <errorname>Read error</errorname> e pra
- completamente logo aps a tela da BIOS?</para>
+ <question xml:id="scheduler-in-use">
+ <para>Qual agendador está em uso em um sistema em execução?</para>
</question>
<answer>
- <para>O inicializador do FreeBSD reconheceu a geometria de
- disco de forma incorreta e por isso esse valor deve ser
- definido manualmente com o fdisk(8) ao criar ou modificar
- uma partio FreeBSD.</para>
-
- <para>A geometria correta do disco pode ser verificada na
- BIOS do computador. Procure pelo nmero de
- cilindros, cabeas e de setores do disco em
- questo.
- </para>
-
- <para>No fdisk do &man.sysinstall.8;, aperte a tecla
- <keycap>G</keycap> para definir a geometria do disco
- manualmente.
- </para>
-
- <para>Ir aparecer uma janela de dilogo
- perguntando o nmero de cilindros, cabeas e
- setores do disco. Defina esses valores, conforme anotados
- da BIOS do sistema e separados por barras.</para>
-
- <para>5000 cilindros, 250 cabeas e 60 setores, por
- exemplo, seria definido como
- <userinput>5000/250/60.</userinput>
- </para>
-
- <para>Aperte ENTER para confirmar os valores e depois aperte
- a tecla <keycap>W</keycap> para escrever as novas
- informaes na tabela de
- parties do disco.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="bootmanager-restore">
- <para>Outro sistema operacional destruiu o meu gerenciador
- de inicializao(Boot Manager). Como eu o
- recupero?
- </para>
- </question>
+ <para>O nome do agendador que atualmente sendo usado está diretamente disponível como o valor da variavel <varname>kern.sched.name</varname> do sysctl:</para>
- <answer>
- <para>Entre no &man.sysinstall.8; e escolha o menu
- Configure, seguido do Fdisk. Escolha o disco onde o
- gerenciador de boot costumava ficar e aperte a barra de
- <keycap>espaos(space)</keycap>. Depois aperte a
- tecla <keycap>W</keycap> para escrever as novas
- informaes no disco. Vai aparecer uma
- tela, perguntando o que deve ser instalado na MBR do
- disco. Escolha o Gerenciador de
- inicializao(Boot Manager), e ele
- ser reinstalado.</para>
+ <screen><prompt>%</prompt> sysctl <replaceable>kern.sched.name</replaceable>
+kern.sched.name: ULE</screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="indefinite-wait-buffer">
- <para>O que o erro <errorname>swap_pager: indefinite wait
- buffer:</errorname> quer dizer?</para>
+ <question xml:id="scheduler-kern-quantum">
+ <para>O que é o <varname>kern.sched.quantum</varname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Quer dizer que existe um processo tentando paginar uma
- rea da memria para o disco, e que esse
- processo demorou mais de 20 segundos; portanto falhou.
- provvel que a causa desse erro sejam
- blocos defeituosos no disco, falha nos cabos, ou
- at mesmo algum outro erro de I/O relacionado ao
- <foreignphrase>hardware</foreignphrase>. Se o disco
- estiver danificado, sero apresentadas mensagens de
- erro referentes ao mesmo em
- <filename>/var/log/messages</filename> e tambm na
- sada do <command>dmesg</command>. Do
- contrrio, verifique seus cabos e
- conectores.</para>
+ <para>A variável <varname>kern.sched.quantum</varname> define o número máximo de pulsos que um processo pode executar sem ser "preempted" no scheduler 4BSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
</qandaset>
</chapter>
- <chapter xml:id="commercial">
- <title>Aplicaes Comerciais</title>
-
- <note>
- <para>Esta seo se encontra ainda muito
- escassa, embora esperamos, naturalmente, que as empresas
- faam adies a ela! :) Os
- desenvolvedores do FreeBSD no tem interesses
- financeiros em nenhuma das empresas listadas aqui, mas apenas
- as listam como um servio pblico (e sente que o
- interesse comercial no FreeBSD pode ter muitos efeitos
- positivos na viabilidade do uso do sistema a longo prazo).
- Ns encorajamos que os vendedores de softwares
- comerciais mandem seus softwares para incluso.
- Consulte <link xlink:href="../../../../commercial/index.html"> a
- pgina de Fabricantes</link> para obter uma lista
- maior.</para>
- </note>
+ <chapter xml:id="disks">
+ <title>Discos, sistemas de arquivos e boot loaders</title>
<qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="officesuite">
- <para>Onde eu posso conseguir <foreignphrase>Office
- Suite</foreignphrase>) para o FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="adding-disks">
+ <para>Como posso adicionar o meu novo disco rígido ao meu sistema FreeBSD?</para>
</question>
- <answer>
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="http://www.freebsdmall.com/">A FreeBSD
- Mall</link> oferece uma verso nativa do
- <link xlink:href="http://www.vistasource.com/">VistaSource</link>
- ApplixWare 5 para o FreeBSD.</para>
-
- <para>O ApplixWare uma poderosa sute
- comercial de aplicaes para
- escritrio no FreeBSD. Ela contm um
- processador de texto, planilha de clculos, um
- programa de apresentao e um pacote
- para desenho vetorial e outros aplicativos.</para>
-
- <para>O ApplixWare vendido com parte integrante
- da edio de Desktops BSD da FreeBSD
- Mall.</para>
- </listitem>
- <listitem>
- <para>A verso para Linux do <link xlink:href="http://www.sun.com/staroffice/">StarOffice</link>
- funciona sem problemas no FreeBSD. A maneira mais
- fcil de instalar a verso para Linux do
- StarOffice pela <link xlink:href="../handbook/ports.html">Coleo
- de <literal>Ports</literal> do FreeBSD</link>.
- Verses futuras da sute Open-Source de
- escritrio,<link xlink:href="http://www.openoffice.org/">OpenOffice</link>
- devero funcionar tambm.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <answer>
+ <para>Veja a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/disks-adding.html">Adicionando Discos</link> no Handbook do FreeBSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="motif">
- <para>Onde posso conseguir o Motif para o FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="new-huge-disk">
+ <para>Como faço para mover meu sistema para o meu novo disco enorme?</para>
</question>
<answer>
- <para>O Open Group lanou o cdigo fonte do
- Motif 2.1.30, que pode ser instalado como o pacote
- <literal>open-motif</literal>, ou ento ser
- compilado pelo <literal>Ports</literal>. Consulte a
- <link xlink:href="../handbook/ports.html"> seo
- sobre o <literal>Ports</literal> no
- &a.ptbr.p.handbook;</link> para obter mais
- informaes sobre o assunto.
-
- <note>
- <para>O Open Motif pode ser redistribudo apenas
- se sua distribuio estiver sendo usada
- em sistemas operacionais <link xlink:href="http://www.opensource.org/">open
- source</link>.</para>
- </note>
- </para>
-
- <para>Em contrapartida, existem distribuies
- comerciais do Motif disponveis. Tais
- distribuies contudo no so
- gratuitas, mas suas licenas permitem que ele seja
- utilizando em softwares de cdigo fechado. Contate
- a <link linkend="apps2go">Apps2go</link> para obter
- informaes quanto a verso mais
- barata do ELF Motif 2.1.20 para FreeBSD (tanto para i386
- quanto para Alpha).<anchor xml:id="apps2go"/></para>
-
- <para>Existem duas distribuies, a
- <quote>development edition</quote> e a <quote>runtime
- edition</quote> (bem mais barata). Tais
- distribuies incluem:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>OSF/Motif manager, xmbind, panner, wsm.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Kit de Desenvolvimento com uil, mrm, xm, xmcxx,
- arquivos include e arquivos.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Bibliotecas ELF estticas e dinmicas
- (para serem usadas com FreeBSD 3.0 e
- superiores).</para>
- </listitem>
+ <para>A melhor maneira é reinstalar o sistema operacional no novo disco e depois passar os dados do usuário. Isto é altamente recomendado ao seguir o <emphasis>-STABLE</emphasis> por mais de uma release ou ao atualizar uma release ao invés de instalar uma nova. Instale o booteasy em ambos os discos com <citerefentry><refentrytitle>boot0cfg</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> e use a opção de dual boot até que esteja satisfeito com a nova configuração. Pule o próximo parágrafo para descobrir como mover os dados depois de fazer isso.</para>
- <listitem>
- <para>Applets de demonstrao.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <para>Alternativamente, particione e rotule o novo disco utilizando o <citerefentry><refentrytitle>sade</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> ou o <citerefentry><refentrytitle>gpart</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. Se os discos forem formatados com MBR, o booteasy pode ser instalado em ambos os discos utilizando-se o <citerefentry><refentrytitle>boot0cfg</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para que o computador possa inicializar dualmente com o antigo ou novo sistema após a conclusão da cópia.</para>
- <para>Lembre-se de especificar que voc quer a
- verso para FreeBSD do Motif quando encomendado
- (no esquea de mencionar a arquitetura que
- voc quer tambm)! Verses para
- NetBSD e OpenBSD tambm so vendidas pela
- <emphasis>Apps2go</emphasis>. Atualmente o produto
- apenas disponvel para download via
- FTP.</para>
+ <para>Depois que o novo disco estiver configurado, os dados não podem ser simplesmente copiados. Em vez disso, use ferramentas que entendam device files e system flags, tais como o <citerefentry><refentrytitle>dump</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. Embora seja recomendado que você mova os dados com o sistema em modo single user, isto não é necessário.</para>
- <variablelist>
- <varlistentry>
- <term>Mais informaes:</term>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="http://www.apps2go.com/">
- Pgina WWW da Apps2go</link></para>
- </listitem>
- </varlistentry>
+ <para>Quando os discos estiverem formatados com <acronym>UFS</acronym>, nunca use nada além do <citerefentry><refentrytitle>dump</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> e do <citerefentry><refentrytitle>restore</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para mover o sistema de arquivos raiz. Esses comandos também devem ser usados para mover uma única partição para uma outra partição vazia. A seqüência de etapas para usar o comando <command>dump</command> para mover os dados de uma partição <acronym>UFS</acronym> para uma nova partição é:</para>
- <varlistentry>
- <term>ou</term>
- <listitem>
- <para>
- <email>sales@apps2go.com</email> ou
- <email>support@apps2go.com</email>
- </para>
- </listitem>
- </varlistentry>
-
- <varlistentry>
- <term>ou</term>
- <listitem>
- <para>fone [EUA] (817) 431 8775 ou +1 817
- 431-8775</para>
- </listitem>
- </varlistentry>
- </variablelist>
+ <procedure>
+ <step>
+ <para>Execute o <command>newfs</command> na nova partição</para>
+ </step>
- <para>Contate <link linkend="metrox">Metro Link</link> para
- obter informaes quanto a verso ELF
- ou a verso a.out do Motif 2.1 para o
- FreeBSD.</para>
+ <step>
+ <para>Utilize o <command>mount</command> para disponibilizá-la em um ponto de montagem temporário.</para>
+ </step>
- <para>Tal distribuio inclui:</para>
+ <step>
+ <para>Vá para o diretório desejado utilizando o comando <command> cd </command>.</para>
+ </step>
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Gerenciador OSF/Motif, xmbind, panner, wsm.</para>
- </listitem>
+ <step>
+ <para>Faça o <command> dump </command> da partição antiga e redirecione a saída para a nova.</para>
+ </step>
+ </procedure>
- <listitem>
- <para>Kit de desenvolvimento com uil, mrm, xm, xmcxx,
- arquivos include e arquivos Imake.</para>
- </listitem>
+ <para>Por exemplo, para mover <filename>/dev/ada1s1a</filename> tendo <filename>/mnt</filename> como o ponto de montagem temporário, digite:</para>
- <listitem>
- <para>Bibliotecas estticas e dinmicas
- (no se esquea de especificar que
- voc quer o formato ELF, caso queira usar com o
- FreeBSD 3.0 e posteriores; ou o formato a.out para
- usar com FreeBSD 2.2.8 e anteriores).</para>
- </listitem>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>newfs /dev/ada1s1a</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>mount /dev/ada1s1a /mnt</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>cd /mnt</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>dump 0af - / | restore rf -</userinput></screen>
- <listitem>
- <para>Applets de Demonstrao.</para>
- </listitem>
+ <para>Reorganizar as partições com o comando <command>dump</command> requer um pouco mais de trabalho. Para mesclar uma partição como <filename>/var</filename> com a partição pai, crie uma nova partição grande o suficiente para conter ambas, mova a partição pai conforme descrito acima e mova a partição filha para o diretório vazio criado pela primeira movimentação:</para>
- <listitem>
- <para>Pginas de manual previamente
- formatadas.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>newfs /dev/ada1s1a</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>mount /dev/ada1s1a /mnt</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>cd /mnt</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>dump 0af - / | restore rf -</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>cd var</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>dump 0af - /var | restore rf -</userinput></screen>
- <para>Certifique-se de especificar que voc quer a
- verso para FreeBSD do Motif quando
- encomend-lo! Verses para Linux
- tambm so vendidas pela <emphasis>Metro
- Link</emphasis>. O produto est
- disponvel em CDROM ou download via FTP.</para>
+ <para>Para separar um diretório do seu pai, digamos colocar <filename>/var</filename> em sua própria partição quando não era antes, crie as duas partições, monte a partição filho no diretório apropriado no ponto de montagem temporário e mova a antiga partição única:</para>
- <para>Contate a <link linkend="xig">Xi Graphics</link> para
- obter informaes quanto a verso
- a.out do Motif 2.0 para o FreeBSD.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>newfs /dev/ada1s1a</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>newfs /dev/ada1s1d</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>mount /dev/ada1s1a /mnt</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>mkdir /mnt/var</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>mount /dev/ada1s1d /mnt/var</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>cd /mnt</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>dump 0af - / | restore rf -</userinput></screen>
- <para>A distribuio inclui:</para>
+ <para>Os utilitários <citerefentry><refentrytitle>cpio</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> e <citerefentry><refentrytitle>pax</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> também estão disponíveis para mover dados do usuário. Estes comandos são conhecidos por perder as flags com as informações dos arquivo, portanto, use-os com cuidado.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Gerenciador OSF/Motif, xmbind, panner, wsm.</para>
- </listitem>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="safe-softupdates">
+ <para>Quais partições podem usar com segurança o Soft Updates? Ouvi dizer que o uso de Soft Updates no <filename>/</filename> pode causar problemas. E quanto ao Journaled Soft Updates?</para>
+ </question>
- <listitem>
- <para>Kit de desenvolvimento com uil, mrm, xm, xmcxx,
- arquivos include e arquivos Imake.</para>
- </listitem>
+ <answer>
+ <para>Resposta curta: Soft Updates geralmente podem ser usados ​​com segurança em todas as partições.</para>
- <listitem>
- <para>Bibliotecas estticas e dinmicas
- (para o FreeBSD 2.2.8 e anteriores).</para>
- </listitem>
+ <para>Resposta longa: o Soft Updates possui duas características que podem ser indesejáveis ​​em determinadas partições. Primeiro, uma partição com Soft Updates tem uma pequena chance de perder dados durante uma falha do sistema. A partição não será corrompida, pois os dados serão simplesmente perdidos. Em segundo lugar, o uso de Soft Updates pode causar escassez temporária de espaço.</para>
- <listitem>
- <para>Applets de Demonstrao.</para>
- </listitem>
+ <para>Ao usar o Soft Updates, o kernel pode levar até trinta segundos para gravar alterações no disco físico. Quando um arquivo grande é excluído, o arquivo ainda reside no disco até que o kernel execute a exclusão. Isso pode causar uma "race condition" muito simples. Suponha que um arquivo grande seja excluído e outro arquivo grande seja criado imediatamente. O primeiro arquivo grande ainda não foi removido do disco físico, portanto, o disco pode não ter espaço suficiente para o segundo arquivo grande. Isso produzirá um erro de que a partição não tem espaço suficiente, mesmo que um grande espaço tenha acabado de ser liberado. Alguns segundos depois, a criação do arquivo funciona conforme o esperado.</para>
- <listitem>
- <para>Pginas de manual previamente
- formatadas.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <para>Se um sistema travar depois que o kernel tiver aceito um bloco de dados para gravar no disco, mas antes que os dados sejam realmente gravados, os dados poderão ser perdidos. Esse risco é extremamente pequeno, e geralmente gerenciável.</para>
- <para>certifique-se de especificar que voc quer a
- verso para FreeBSD do Motif quando
- encomend-lo! Verses para BSDI e para
- Linux tambm so vendidas pela <emphasis>Xi
- Graphics</emphasis>. Atualmente o produto se trata de
- um conjunto de 4 disquetes... futuramente se
- tornar uma distribuio nica
- em CD, como o CDE da mesma empresa.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Esses problemas afetam todas as partições usando as Soft Updates. Então, o que isso significa para a partição raiz?</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="cde">
- <para>Onde posso adquirir o CDE para o FreeBSD?</para>
- </question>
+ <para>Informações vitais sobre a partição raiz mudam muito raramente. Se o sistema travar dentro da janela de 30 segundos depois de uma alteração ter sido feita, é possível que os dados possam ser perdidos. Esse risco é insignificante para a maioria dos aplicativos, mas esteja ciente de que existe. Se o seu sistema não puder tolerar este risco, não use as Soft Updates no sistema de arquivos raiz!</para>
- <answer>
- <para><link linkend="xig">A Xi Graphics</link> costumava
- vender o CDE para o FreeBSD, mas no o faz
- mais.</para>
+ <para>O <filename>/</filename> é tradicionalmente uma das menores partições. Se o <filename>/tmp</filename> estiver localizado dentro do <filename>/</filename>, pode haver problemas intermitentes de falta de espaço. A criação de um link simbólico apontando o <filename>/tmp</filename> para <filename>/var/tmp</filename> resolverá esse problema.</para>
- <para><link xlink:href="http://www.kde.org/">O KDE</link>
- um Desktop de cdigo fonte aberto para X11
- similar ao CDE em muitos aspectos. Talvez voc
- tambm aprecie o visual e as caractersticas
- do <link xlink:href="http://www.xfce.org/">xfce</link>. KDE e
- xfce esto ambos disponveis no <link xlink:href="../../../../ports/index.html">sistema de
- <literal>ports</literal> do FreeBSD</link>.</para>
+ <para>Por fim, o <citerefentry><refentrytitle>dump</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> não funciona no modo live (-L) em um sistema de arquivos, com Journaled Soft Updates (<acronym>SU + J</acronym>).</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="commercial-xserver">
- <para>Existe algum servidor X comercial de
- alta-performance?</para>
+ <question xml:id="mount-foreign-fs">
+ <para>Posso acessar outros sistemas de arquivos não-nativos do FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Sim, a <link xlink:href="http://www.xig.com/">Xi
- Graphics</link> e a <link xlink:href="http://www.metrolink.com/">Metro Link</link>
- vendem produtos da Accelerated-X para o FreeBSD e para
- outros sistemas baseados em Intel.</para>
-
- <para>O que a Metro Link oferece um servidor X de
- alta-performance que possui um esquema de
- configurao extremamente fcil,
- fazendo uso da sute de ferramentas de
- gerenciamento de pacotes do FreeBSD, com suporte a
- mltiplas placas de vdeo simultneas
- e distribudo apenas em forma
- binria, por meio conveniente de um download via
- FTP. Sem esquecer que, o produto oferecido pela Metro
- Link est disponvel a um preo muito
- razovel, $39 dlares.<anchor xml:id="metrox"/></para>
-
- <para>A Metro Link vende tambm o Motif e formato ELF
- e a.out para o FreeBSD (veja pergunta anterior).</para>
+ <para>O FreeBSD suporta uma variedade de outros sistemas de arquivos.</para>
<variablelist>
<varlistentry>
- <term>informaes:</term>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="http://www.metrolink.com/">
- Pgina WWW da Metro Link</link></para>
- </listitem>
- </varlistentry>
+ <term>UFS</term>
- <varlistentry>
- <term>ou</term>
<listitem>
- <para><email>sales@metrolink.com</email> ou
- <email>tech@metrolink.com</email>
- </para>
+ <para>Os CD-ROMs UFS podem ser montados diretamente no FreeBSD. Montar partições de disco do Digital UNIX e de outros sistemas que suportam o UFS pode ser mais complexo, dependendo dos detalhes do particionamento do disco para o sistema operacional em questão.</para>
</listitem>
</varlistentry>
<varlistentry>
- <term>ou</term>
+ <term>ext2/ext3</term>
+
<listitem>
- <para>fone [EUA] (954) 938-0283 ou +1 954
- 938-0283</para>
+ <para>O FreeBSD suporta partições <literal>ext2fs</literal> e <literal>ext3fs</literal>. Veja <citerefentry><refentrytitle>ext2fs</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> para mais informações.</para>
</listitem>
</varlistentry>
- </variablelist>
- <para>O produto oferecido pela Xi Graphics um
- servidor X de alta performance, que oferece uma interface
- fcil de configurao e com suporte a
- mltiplas placas de vdeo simultneas,
- e distribudo apenas de forma
- binria em uma distribuio
- nica para FreeBSD e Linux. A Xi Graphics oferece
- ainda um servidor X de alta performance com suporte
- desenvolvido especificamente para laptops.<anchor xml:id="xig"/></para>
-
- <para>Existe uma verso
- de<quote>demonstrao de
- compatibilidade</quote> disponvel na
- verso 5.0 do servidor grfico.</para>
-
- <para>A Xi Graphics vende ainda o Motif e o CDE para o
- FreeBSD (veja acima).</para>
-
- <variablelist>
<varlistentry>
- <term>Mais informaes:</term>
+ <term>NTFS</term>
+
<listitem>
- <para><link xlink:href="http://www.xig.com/"> Pgina
- WWW da Xi Graphics</link></para>
+ <para>O suporte ao NTFS baseia-se no FUSE está disponível como um port (<package>sysutils/fusefs-ntfs</package>). Para mais informações, consulte <link xlink:href="http://www.tuxera.com/community/ntfs-3g-manual/"><application>ntfs-3g</application></link>.</para>
</listitem>
</varlistentry>
<varlistentry>
- <term>ou</term>
+ <term>FAT</term>
+
<listitem>
- <para><email>sales@xig.com</email> ou
- <email>support@xig.com</email>
- </para>
+ <para>O FreeBSD inclui um driver FAT de leitura-gravação. Para obter mais informações, consulte <citerefentry><refentrytitle>mount_msdosfs</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
</listitem>
</varlistentry>
<varlistentry>
- <term>ou</term>
+ <term>ZFS</term>
+
<listitem>
- <para>fone [EUA] (800) 946 7433 ou +1 303
- 298-7478.</para>
+ <para>O FreeBSD inclui um port do driver ZFS da <trademark>Sun</trademark>. A recomendação atual é usá-lo apenas em plataformas amd64 com memória suficiente. Para obter mais informações, consulte <citerefentry><refentrytitle>zfs</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
</listitem>
</varlistentry>
</variablelist>
+
+ <para>O FreeBSD inclui o sistema de arquivos de rede <acronym>NFS</acronym> e a Coleção de Ports do FreeBSD fornece vários aplicativos FUSE para suportar muitos outros sistemas de arquivos.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="database-systems">
- <para>Existe algum sistema de Banco de Dados para o
- FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="mount-dos">
+ <para>Como faço para montar uma partição secundária do DOS?</para>
</question>
<answer>
- <para>Sim! Veja a seo de <link xlink:href="../../../../commercial/software_bycat.html#CATEGORY_DATABASE">
- Fabricantes Comerciais</link> do Web site do
- FreeBSD.</para>
+ <para>As partições secundárias do DOS são encontradas depois de <emphasis>todas</emphasis> as partições primárias. Por exemplo, se <literal>E</literal> for a segunda partição DOS na segunda unidade SCSI, haverá um arquivo de dispositivo para a <quote>slice 5</quote> em <filename>/dev</filename>. Para montá-lo:</para>
- <para>D uma olhada tambm na
- seo de <link xlink:href="../../../../ports/databases.html">
- Databases</link> da Coleo de
- <literal>Ports</literal> do FreeBSD.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>mount -t msdosfs /dev/da1s5 /dos/e</userinput></screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="oracle-support">
- <para>Posso rodar o Oracle no FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="crypto-file-system">
+ <para>Existe um sistema de arquivos criptográficos para o FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Pode. As pginas a seguir descrevem exatamente
- como configurar o Oracle para Linux no FreeBSD:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="http://www.scc.nl/~marcel/howto-oracle.html">
- http://www.scc.nl/~marcel/howto-oracle.html</link></para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para><link xlink:href="http://www.lf.net/lf/pi/oracle/install-linux-oracle-on-freebsd">
- http://www.lf.net/lf/pi/oracle/install-linux-oracle-on-freebsd</link></para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <para>Sim, o <citerefentry><refentrytitle>gbde</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> e o <citerefentry><refentrytitle>geli</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. Consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/disks-encrypting.html">Partições de Disco com Criptografia</link> do Handbook do FreeBSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
- </qandaset>
- </chapter>
-
- <chapter xml:id="applications">
- <title>Aplicaes de Usurio</title>
- <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="user-apps">
- <para>Ento, onde esto todas as
- aplicaes de usurios?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Por gentileza, d uma olhada <link xlink:href="../../../../ports/index.html">na pgina do
- <literal>Ports</literal></link> para
- informaes sobre pacotes de programas
- disponveis na Coleo de
- <literal>Ports</literal> do FreeBSD. A lista atualmente
- ultrapassa &os.numports; aplicaes e
- est crescendo diariamente, ento retorne
- pgina e verifique freq&uuml;entemente as
- aplicaes, ou ent inscreva-se na
- lista de discusso
- <literal>freebsd-announce</literal> <link linkend="mailing">mailing list</link> para
- atualizaes peridicas ou novas
- adies.</para>
-
- <para>A maioria dos <literal>ports</literal> devem estar
- disponveis para as verses 2.2, 3.x e 4.x,
- e muitos deles devem funcionar tambm em sistemas
- 2.1.x. Cada vez que um lanamento do FreeBSD
- produzido, um
- <foreignphrase>snapshot</foreignphrase> da rvore
- do <literal>ports</literal> do momento da
- lanamento tambm includa
- no diretrio <filename>ports/</filename>.</para>
-
- <para>O FreeBSD tambm suporta o conceito de
- <quote>pacote</quote>, que essencialmente nada mais
- do que uma distribuio
- binria compactada com o gzip e com um pouco de
- inteligncia extra embutido nesse pacote, para fazer
- o trabalho que requerido para uma
- instalao customizada. Um pacote pode ser
- instalado e desinstalado repetidas vezes de forma
- fcil, sem ter que se conhecer os detalhes
- horrendos dos arquivos que ele inclui.</para>
-
- <para>Use o menu de instalao de pacotes em
- <filename>/stand/sysinstall</filename> (sobre a
- opo do pos-configuration menu) ou invoque
- o comando &man.pkg.add.1; nos arquivos de pacotes
- especficos que voc; quer instalar. Os
- pacotes podem ser identificados normalmente pelo sufixo
- <filename>.tgz</filename> e o pessoal da
- distribuio em CDROM tem um
- diretrio <filename>/packages/All </filename> no cd
- que cont esses arquivos. Eles podem tambm
- ser baixados pela rede para vrias verses
- do FreeBSD nos seguintes endereos: do (sobre a
- opo PostConfiguration do menu) ou invoque
- o comando &man.pkg.add.1;</para>
-
- <variablelist>
- <varlistentry>
- <term>para o 2.2.8-RELEASE/2.2.8-STABLE </term>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-2.2.8/">
- ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-2.2.8/</link></para>
- </listitem>
- </varlistentry>
-
- <varlistentry>
- <term>para o 3.X-RELEASE/3.X-STABLE</term>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-3-stable/">
- ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-3-stable/</link></para>
- </listitem>
- </varlistentry>
-
- <varlistentry>
- <term>para o 4.X-RELEASE/4-STABLE</term>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-4-stable/">
- ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-4-stable/</link></para>
-
- </listitem>
- </varlistentry>
+ <question xml:id="grub-loader">
+ <para>Como inicializo o FreeBSD e o <trademark class="registered"> Linux </trademark> utilizando o <application>GRUB</application>?</para>
+ </question>
- <varlistentry>
- <term>para o 5.X-CURRENT</term>
- <listitem>
- <para><link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-5-current/">
- ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/ports/i386/packages-5-current</link></para>
- </listitem>
- </varlistentry>
- </variablelist>
+ <answer>
+ <para>Para inicializar o FreeBSD usando o <application>GRUB</application>, adicione o seguinte ao <filename>/boot/grub/menu.lst</filename> ou ao <filename> /boot/grub/grub.conf</filename>, dependendo de qual é usado pela sua distribuição <trademark class="registered"> Linux </trademark>.</para>
- <para>ou em um stio espelho mais perto de
- voc.</para>
+ <programlisting>title FreeBSD 9.1
+ root <replaceable>(hd0,a)</replaceable>
+ kernel /boot/loader</programlisting>
- <para>Note que nem todos os <literal>Ports</literal> podem
- estar disponveis em formato de pacotes, visto que
- a atualizao da Coleo de
- <literal>Ports</literal> do FreeBSD muito
- freq&uuml;ente, e novos programas so
- constantemente adicionados, e outros so
- atualizados. sempre bom verificar periodicamente
- quais pacotes esto disponveis no servidor
- FTP mestre do projeto FreeBSD, o <link xlink:href="ftp://ftp.FreeBSD.org/pub/FreeBSD/">ftp.FreeBSD.org.</link>
- </para>
+ <para>No qual <replaceable>hd0,a</replaceable> aponta para a partição raiz no primeiro disco. Para especificar o número da slice, use algo como isto <replaceable>(hd0,2,a)</replaceable>. Por padrão, se o número da slice for omitido, o <application>GRUB</application> pesquisará a primeira slice que tiver a partição <literal>a</literal>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="missing-libcso30">
- <para>Onde eu encontro a libc.so.3.0?</para>
+ <question xml:id="booteasy-loader">
+ <para>Como inicializo o FreeBSD e o <trademark class="registered">Linux</trademark> usando o <application>BootEasy?</application></para>
</question>
<answer>
- <para>Voc est tentando usar um pacote
- construdo para o FreeBSD 2.2 ou para
- verses posteriores, em um sistema 2.1.X. Por
- gentileza, d uma olhada na seo
- anterior e pegue o <literal>port</literal>/pacote correto
- para o seu sistema.</para>
+ <para>Instale o LILO no início da partição de inicialização <trademark class="registered">Linux</trademark> em vez de no Master Boot Record. Você poderá então inicializar o LILO a partir do <application>BootEasy</application>.</para>
+
+ <para>Isto é recomendado ao executar o <trademark class="registered">Windows</trademark> e o <trademark class="registered">Linux</trademark>, pois torna mais fácil fazer o <trademark class="registered">Linux</trademark> inicializar novamente se o <trademark class="registered">Windows</trademark> for reinstalado.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="missing-libcso40">
- <para> Por que eu estou tendo problemas cuja mensagem de
- erro mostra <quote>Error: can't find
- libc.so.4.0</quote>?.</para>
+ <question xml:id="changing-bootprompt">
+ <para>Como faço para alterar o prompt de inicialização de <literal>???</literal> para algo mais significativo?</para>
</question>
<answer>
- <para>Acidentalmente voc pegou um pacote
- construdo para FreeBSD 4.X ou para o 5.X e
- est tentando instala-lo no seu FreeBSD 2.X ou 3.X.
- Por favor, pegue a verso correta dos
- pacotes.</para>
+ <para>Isso não pode ser feito com o gerenciador de inicialização padrão sem reescrevê-lo. Há vários outros gerenciadores de inicialização na categoria <filename>sysutils</filename> da coleção de ports.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="emul">
- <para> Por que o ghostscript gera um monte de erros no meu
- 386/486SX?</para>
+ <question xml:id="removable-drives">
+ <para>Como faço para usar uma nova unidade removível?</para>
</question>
<answer>
- <para>Deixe-me adivinhar. Voc no tem um
- co-processador matemtico, certo? Ser
- necessrio adicionar um co-processador
- matemtico alternativo ao seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>; voc pode
- fazer isso adicionando a seguinte linha no arquivo de
- configurao do seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, e depois
- recompil-lo:</para>
+ <para>Se a unidade já tiver um sistema de arquivos, use um comando como este:</para>
- <programlisting>options GPL_MATH_EMULATE</programlisting>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>mount -t msdosfs /dev/da0s1 /mnt</userinput></screen>
- <note>
- <para>Quando voc fizer isto, ser
- necessrio remover a opo
- <literal>MATH_EMULATE</literal></para>
- </note>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Se a unidade só for usada com sistemas FreeBSD, particione-a com <acronym>UFS</acronym> ou <acronym>ZFS</acronym>. Isso fornecerá suporte a nomes longos de arquivo, melhoria no desempenho e na estabilidade. Se a unidade for usada por outros sistemas operacionais, uma escolha mais portátil, como por exemplo o msdosfs, será mais apropriada.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="sco-socksys">
- <para>Por que aplicaes do SCO/iBCS2
- bombardeiam o ``socksys''? (FreeBSD 3.0 e anteriores,
- apenas).</para>
- </question>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>dd if=/dev/zero of=/dev/da0 count=2</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>gpart create -s GPT /dev/da0</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>gpart add -t freebsd-ufs /dev/da0</userinput></screen>
- <answer>
- <para>Primeiro, necessrio editar o arquivo
- <filename>/etc/sysconfig</filename> (ou
- <filename>/etc/rc.conf</filename>, veja o &man.rc.conf.5;)
- e modificar a ltima seo, alterando
- para <literal>YES</literal> a seguinte
- varivel:</para>
+ <para>Finalmente, crie um novo sistema de arquivos:</para>
- <programlisting># Set to YES if you want ibcs2 (SCO) emulation loaded at startup
-ibcs2=NO</programlisting>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>newfs /dev/da0p1</userinput></screen>
- <para>Essa alterao far o sistema
- carregar os mdulos de
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do ibcs2 na
- inicializao.</para>
+ <para>e monte-o:</para>
- <para>Depois, ser necessrio alterar o
- /compat/ibcs2/dev para parecer com:</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>mount /dev/da0s1 /mnt</userinput></screen>
- <screen>lrwxr-xr-x 1 root wheel 9 Oct 15 22:20 X0R@ -&gt; /dev/null
-lrwxr-xr-x 1 root wheel 7 Oct 15 22:20 nfsd@ -&gt; socksys
--rw-rw-r-- 1 root wheel 0 Oct 28 12:02 null
-lrwxr-xr-x 1 root wheel 9 Oct 15 22:20 socksys@ -&gt; /dev/null
-crw-rw-rw- 1 root wheel 41, 1 Oct 15 22:14 spx</screen>
+ <para>É uma boa ideia adicionar uma linha ao <filename>/etc/fstab</filename> (veja <citerefentry><refentrytitle>fstab</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>) para que você possa digitar apenas <command>mount /mnt</command>no futuro:</para>
- <para> necessrio que o socksys aponte para
- <filename>/dev/null</filename> (veja &man.null.4;) para
- fingir o processo de abertura e fechamento do device. O
- cdigo mais recente (<literal>-CURRENT</literal>)
- se encarregar dos outros detalhes. Essa maneira
- de trabalhar o socksys bem mais limpa do que a
- forma que era usada anteriormente. Se voc quer que
- o driver <filename>spx</filename> fique
- disponvel para um socket X local, defina a
- opo <literal>SPX_HACK</literal> no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD quando
- voc o recompilar.</para>
+ <programlisting>/dev/da0p1 /mnt ufs rw,noauto 0 0</programlisting>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="configure-inn">
- <para> Como eu configuro um sistema de INN (Internet News)
- na minha estao?
- </para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Depois de instalar o pacote <package>news/inn</package> ou o
- <literal>port</literal>, um excelente lugar para iniciar
- <link xlink:href="http://www.cis.ohio-state.edu/~barr/INN.html">Dave
- Barr's INN Page</link> onde voe
- encontrar o <literal>FAQ</literal> do INN.
- </para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="ms-frontpage">
- <para>Qual verso do Microsoft FrontPage eu devo
- usar?</para>
+ <question xml:id="mount-cd-superblock">
+ <para>Por que recebo o erro <errorname>Incorrect super block</errorname> ao montar um CD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Use os <literal>Ports</literal>, Luke! Uma
- verso previamente corrigida do Apache,<package>apache13-fp</package>, est
- disponvel na rvore do
- <literal>Ports</literal>.</para>
+ <para>O tipo de dispositivo a ser montado deve ser especificado. Isso está descrito no Handbook na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/creating-cds.html#mounting-cd"> Usando CDs de Dados</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="java">
- <para>O FreeBSD suporta Java?</para>
+ <question xml:id="cdrom-not-configured">
+ <para>Por que recebo o erro <errorname>Device not configured</errorname> ao montar um CD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Veja a pgina <link xlink:href="../../../../java/index.html">
- http://www.FreeBSD.org/java/</link>.</para>
+ <para>Isso geralmente significa que não há CD na unidade ou a unidade não está visível no barramento. Consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/creating-cds.html#mounting-cd"> Usando CDs de Dados</link> do Handbook para uma discussão detalhada desta questão.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ports-3x">
- <para>Por que eu no consigo compilar determinado
- <literal>port</literal> na minha estao
- 3.X-STABLE?</para>
+ <question xml:id="cdrom-unicode-filenames">
+ <para>Por que todos os caracteres não-ingleses em nomes de arquivos aparecem como <quote>?</quote> em meus CDs quando montados no FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Caso esteja usando uma verso do FreeBSD
- significativamente mais velha do que o -CURRENT ou o
- -STABLE, ser necessrio usar o kit de
- atualizao dos <literal>Ports</literal>,
- disponvel em <link xlink:href="../../../../ports/index.html">http://www.FreeBSD.org/ports/</link>.
- Caso esteja atualizado mas ainda assim voc tem
- dificuldades, provvel que algum
- disponibilizou uma verso do programa que funciona
- perfeitamente no -CURRENT mas que no compila
- corretamente no -STABLE. Por gentileza, envie um
- Relatrio de Problemas com o comando &man.send-pr.1;
- porque a coleo de <literal>Ports</literal>
- deve funcionar tanto no -STABLE quanto no -CURRENT.</para>
+ <para>O CD provavelmente usa a extensão <quote>Joliet</quote> para armazenar informações sobre arquivos e diretórios. Isso é discutido na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/creating-cds.html#mounting-cd">Usando CD-ROMs de Dados</link> do Handbook.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="find-ldso">
- <para>Onde posso encontrar o arquivo ld.so?</para>
+ <question xml:id="burncd-isofs">
+ <para>Um CD gravado no FreeBSD não pode ser lido sob nenhum outro sistema operacional. Por quê?</para>
</question>
<answer>
- <para>Algumas aplicaes cujo formato
- binrio o a.out, como o Netscape
- Navigator, necessitam das bibliotecas a.out. Uma
- verso do FreeBSD nativamente construdo com
- bibliotecas ELF no instala as bibliotecas a.out
- por padro. Voc ter problemas por
- no ter o <filename>/usr/libexec/ld.so</filename>,
- se esse for o caso do seu sistema. Estas bibliotecas
- esto disponveis embutidas na
- distribuio compat22. Utilize o
- &man.sysinstall.8; para instal-los. Pode-se
- instal-lo apartir do cdigo fonte do
- FreeBSD:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /usr/src/lib/compat/compat22</userinput>
-&prompt.root; <userinput>make install clean</userinput></screen>
-
- <para>Se quiser instalar as bibliotecas mais recentes do
- compat22 sempre que executar o <command>make
- world</command>, edite
- <filename>/etc/make.conf</filename> para incluir
- <varname>COMPAT22=YES</varname>. Bibliotecas de
- compatibilidade antigas raramente sofrem mudanas ,
- as vezes nunca, ento geralmente no
- necessrio.</para>
- <para> Tambm veja as pginas de ERRATAS para
- o 3.1-RELEASE e 3.2-RELEASE.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="ports-update">
- <para>Eu atualizei meus fontes. E agora, como eu atualizo
- meus <literal>Ports</literal> instalados?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>FreeBSD no inclui uma ferramenta de
- atualizao do <literal>ports</literal>, mas
- existem algumas ferramentas que tornam o processo de
- atualizao dos <literal>Ports</literal> uma
- tarefa, digamos, fcil. possvel
- ainda instalar algumas ferramentas adicionais que
- facilitam o gerenciamento dos <literal>Ports</literal>
- instalados</para>
-
- <para>O comando &man.pkg.version.1; pode gerar um script que
- atualizar os <literal>ports</literal> instalados
- para as ltimas verses da rvore de
- <literal>Ports</literal>.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>pkg_version -c &gt; /tmp/myscript</userinput></screen>
-
- <para>O script de sada <emphasis>deve</emphasis> ser
- editado manualmente antes de ser usado. As verses
- mais recentes do &man.pkg.version.1; foram a
- edio do arquivo, colocando um &man.exit.1;
- no comeo do script.</para>
-
- <para>A sada do script deve ser salva pois ela gera
- informaes sobre os pacotes que so
- dependncias dos que esto sendo atualizados.
- Tais dependncias podem precisar ser atualizadas ou
- no, dependendo de cada uma delas. Os casos comuns
- onde as dependncias precisam ser atualizadas
- quando a verso das bibliotecas
- compartilhadas foram alteradas, portanto o
- <literal>port</literal> que usava aquela biblioteca
- precisa ser atualizado para que a nova verso seja
- usada.</para>
-
- <para>Caso tenha espao o bastante em disco , pode
- ser interessante usar a ferramenta
- <command>portupgrade</command> para automatizar o processo
- de atualizao das aplicaes
- instalados por meio de <literal>ports</literal> ou
- pacotes. Posto que ele foi programado em Ruby, o
- <command>portupgrade</command> um candidato
- improvvel se tornar parte da
- rvore principal do FreeBSD. Mas isso no
- evita que qualquer pessoa use o programa. Alias, ele
- uma tima ferramenta. Ele est
- disponvel em <package>sysutils/portupgrade</package>.</para>
-
- <para>Se a estao fica constantemente
- conectada, interessante usar o sistema
- &man.periodic.8; para gerar um relatrio semanal
- sobre as verses do <literal>Ports</literal> que
- podem ser atualizadas. Pra configurar o sistema para
- isso, insira a linha
- <literal>weekly_status_pkg_enable="YES"</literal> no
- <filename>/etc/periodic.conf</filename>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="minimal-sh">
- <para>Por que o <command>/bin/sh</command>
- to pequeno? Por que o FreeBSD no usa o
- <command>bash</command> ou outro interpretador de comandos
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>)?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Porque o POSIX diz que assim que deve ser um
- interpretador de comandos
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>)?</para>
-
- <para>A reposta mais complicada: muitas pessoas precisam
- escrever scripts <foreignphrase>shell</foreignphrase> que
- sejam portveis atravs de muitos sistemas.
- por isso que o POSIX especifica o interpretador
- de comandos (<foreignphrase>shell</foreignphrase>) e
- comandos utilitrios com tanto detalhe. A maioria
- dos scripts so escritos para o interpretador de
- comandos Bourne (Bourne
- <foreignphrase>shell</foreignphrase>), e vrias
- interfaces importantes de programao
- (&man.make.1;, &man.system.3;, &man.popen.3; e
- anlogos em linguagens de alto-nvel como
- Perl e Tcl) o usam como interpretador de comandos
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>) padro. Por
- ser to amplamente utilizado importante
- que o interpretador de comandos
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>) Bourne seja
- rpido para carregar, seja determinstico em
- seu comportamento, e que tenha uma pequena
- alocao de memria.
- </para>
-
- <para>A implementao atual o nosso
- melhor esforo para encontrar a maior parte destes
- requerimentos simultaneamente. Como forma de manter o
- <command>/bin/sh</command> do menor tamanho
- possvel, no inclumos muitas das
- caractersticas convenientes que outros
- interpretadores de comando
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>) possuem.
- por isso que a Coleo de
- <literal>Ports</literal> disponibiliza outros
- interpretadores de comandos
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>) com
- caractersticas mais abrangentes, como o bash, o
- csh, o tcsh, e o zsh. (Voc pode comparar a
- utilizao de memria entre todos
- esses interpretadores de comandos
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>), analisando as
- colunas <quote>VSZ</quote> e <quote>RSS</quote> na
- sada do comando <command>ps -u</command>.)</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="netscape-slow-startup">
- <para>Por que o Netscape e o Opera demoram tanto para
- iniciar?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A resposta tradicional que o DNS no seu
- computador est mal configurado. O Netscape e o
- Opera fazem verificao de DNS ao iniciar, e
- por isso no se tornaro disponveis
- at que obtenham uma resposta do servidor DNS ou
- at que eles determinem que a estao
- no est conectada na rede.</para>
+ <para>Isso significa que um raw file foi gravado no CD, em vez de criar um sistema de arquivos ISO 9660. Dê uma olhada na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/creating-cds.html#mounting-cd">Usando <acronym> CD</acronym>s de Dados</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
- </qandaset>
- </chapter>
-
- <chapter xml:id="kernelconfig">
- <title>Configuraao do
- <foreignphrase>Kernel</foreignphrase></title>
- <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="make-kernel">
- <para>Eu gostaria de configurar meu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.
- difcil?</para>
+ <question xml:id="copy-cd">
+ <para>Como posso criar uma imagem de um CD de dados?</para>
</question>
<answer>
- <para>De modo algum! Veja a <link xlink:href="../handbook/kernelconfig.html">seo
- "kernel config" do &a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
-
- <note>
- <para>Recomenda-se que voc faa uma
- cpia datada do seu <filename>kernel</filename>
- na forma <filename>/kernel.AAMMDD</filename> e o
- diretrio <filename>/modules</filename> para
- <filename>/modules.AAMMDD</filename> depois que estiver
- tudo funcionando. Desta forma se voc fizer
- alguma bobagem quando mexer com a sua
- configurao, pode-se iniciar aquele
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> ao invs de
- ter que desfazer tudo novamente no
- <filename>kernel.GENERIC</filename>. Isso
- particularmente importante se voc estiver dando
- boot em um equipamento no suportado pelo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> genrico
- (<literal>GENERIC</literal>).</para>
- </note>
+ <para>Isso é discutido na seção Handbook sobre <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/creating-cds.html#mkisofs">como gravar dados em um sistema de arquivos <acronym>ISO</acronym> </link>. Para mais informações sobre como trabalhar com CD-ROMs, consulte a <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/creating-cds.html"> Seção Criando CDs </link> no capítulo sobre Armazenamento do Handbook.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="missing-hw-float">
- <para>A compilao do meu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> falha porque
- est faltando o <literal>_hw_float</literal>. Como
- eu resolvo o problema?</para>
+ <question xml:id="mount-audio-CD">
+ <para>Por que não consigo usar o comando <command>mount</command> com um CD de áudio?</para>
</question>
<answer>
- <para>Deixa eu adivinhar. Voc removeu o
- <filename>npx0</filename> (veja &man.npx.4;) do
- arquivo de configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> porque voc
- no possui um co-processador aritmtico,
- certo? Errado! :-) O <filename>npx0</filename>
- <emphasis>OBRIGATRIO</emphasis>. Mesmo
- que voc no tenha um co-processador
- aritmtico, o dispositivo
- <filename>npx0</filename> <emphasis>deve</emphasis>
- ser incluido.</para>
+ <para>Tentar montar um CD de áudio produzirá um erro do tipo <errorname>cd9660: /dev/cd0: Invalid argument</errorname>. Isso ocorre porque o comando <command>mount</command> só funciona em sistemas de arquivos. CDs de áudio não possuem sistemas de arquivos; eles têm apenas dados. Em vez disso, use um programa que leia CDs de áudio, como o pacote ou port <package>audio/xmcd</package>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="why-kernel-big">
- <para>Por que meu <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- to grande (cerca de 10MB)?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Provavelmente, seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> foi compilado em
- <emphasis>modo de depurao
- (<literal>debug</literal>)</emphasis>. Um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> construdo em
- modo de depurao (<literal>debug</literal>)
- contm muitos smbolos usados para
- depurao que aumentam muito o seu tamanho.
- Note que se voc est executando um FreeBSD
- 3.0 ou superior, ter pouca, ou nenhuma, perda de
- performance por usar um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> em modo de
- depurao (<literal>debug</literal>), sendo
- til ter um para o caso de pane no sistema.
- </para>
-
- <para>Entretanto, se voc possui pouco espao
- em disco, ou simplesmente no quer executar um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> para
- depurao, certifique-se que os dois itens
- abaixo sejam verdadeiros:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>No existe a seguinte linha no arquivo de
- configurao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase></para>
-
- <programlisting>makeoptions DEBUG=-g</programlisting>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Voc no est executando
- &man.config.8; com a opo
- <option>-g</option>.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
-
- <para>Ambas as situaes acima fazem com que o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> seja compilado no
- modo de depurao
- (<literal>debug</literal>). To logo voc
- tenha certeza que no se enquadra naqueles itens, o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> poder ser
- compilado normalmente e notadamente diminuir o
- tamanho; a maioria dos
- <foreignphrase>kernels</foreignphrase> tendem a ficar em
- torno de 1.5MB a 2MB.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="multiport-serial-interrupts">
- <para>Porque esto ocorrendo conflitos de
- interrupo com portas multi-seriais?</para>
+ <question xml:id="multi-session-CD">
+ <para>Como eu faço para usar o comando <command>mount</command> com um CD multi-sessão?</para>
</question>
<answer>
- <para>Quando se compila um
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> com suporte a porta
- multi-serial, ele avisa que somente a primeira porta
- testada e as demais so ignoradas devido a
- conflitos de interrupo. Como eu conserto
- isto?</para>
-
- <para>O problema, neste caso, que o FreeBSD possui
- cdigo para evitar que o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> fique com lixo
- (<foreignphrase>trashed kernel</foreignphrase>) por causa
- de conflitos de hardware ou software. A maneira de
- corrigir isto excluindo as
- definis de IRQ em todas as portas exceto
- uma. Veja o exemplo:</para>
-
- <programlisting>#
-# Multiport high-speed serial line - 16550 UARTS
-#
-device sio2 at isa? port 0x2a0 tty irq 5 flags 0x501 vector siointr
-device sio3 at isa? port 0x2a8 tty flags 0x501 vector siointr
-device sio4 at isa? port 0x2b0 tty flags 0x501 vector siointr
-device sio5 at isa? port 0x2b8 tty flags 0x501 vector siointr</programlisting>
+ <para>Por padrão, o <citerefentry><refentrytitle>mount</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> tentará montar a última trilha de dados (sessão) de um CD. Para carregar uma sessão anterior, use o argumento de linha de comando <option>-s</option>. Consulte <citerefentry><refentrytitle>mount_cd9660</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para exemplos específicos.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="generic-kernel-build-failure">
- <para>Porque todo <foreignphrase>kernel</foreignphrase> que
- eu tento construir falha na compilao,
- mesmo o GENERIC?</para>
+ <question xml:id="user-floppymount">
+ <para>Como posso permitir que usuários não privilegiados montem CD-ROMs, DVDs, unidades USB e outras mídias removíveis?</para>
</question>
<answer>
- <para>Existem vrias causas possveis para
- esse problema. Elas so, sem uma ordem particular:
- </para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Voc no est usando os
- comandos <command>make buildkernel</command> e
- <command>make installkernel</command>, e seus fontes
- esto estruturados de forma diferente daqueles
- usados para construir o sistema atual (por exemplo,
- est sendo um 4.3-RELEASE em um sistema
- 4.0-RELEASE). Se estiver sendo feita uma
- atualizao, leia o arquivo
- <filename>/usr/src/UPDATING</filename>, prestando
- ateno ao final da seo
- <quote>COMMON ITEMS</quote>.</para>
- </listitem>
+ <para>Como <systemitem class="username">root</systemitem>, defina a variável <varname>vfs.usermount</varname> do sysctl como <literal>1</literal>.</para>
- <listitem>
- <para>Voc est usando os comandos
- <command>make buildkernel</command> e <command>make
- installkernel</command>, mas no garantiu a
- correta finalizao do comando
- <command>make buildworld</command>. O <command>make
- buildkernel</command> depende de arquivos gerados
- pelo <command>make buildworld</command> para fazer seu
- trabalho corretamente.</para>
- </listitem>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl vfs.usermount=1</userinput></screen>
- <listitem>
- <para>Mesmo que voc esteja tentando construir um
- <link linkend="stable">FreeBSD-STABLE</link>,
- possvel que os fontes tenham sido pegos quando
- estavam sendo modificados, ou inconsistentes por
- alguma outra razo; somente os releases
- so absolutamente garantidos de serem
- compilados, embora o <link linkend="stable">FreeBSD-STABLE</link> possa ser
- compilado com sucesso na grande maioria das vezes.
- Caso j no tenha conseguido, tente
- buscar os fontes novamente e veja se o problema
- j no foi resolvido. Tente um servidor
- diferente, para o caso daquele que est sendo
- usado estar com problemas.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
- </answer>
- </qandaentry>
- </qandaset>
- </chapter>
+ <para>Para tornar o ajuste permanente, adicione a linha <literal>vfs.usermount=1</literal> ao arquivo <filename>/etc/sysctl.conf</filename> para que a variável seja redefinids no momento da inicialização do sistema.</para>
- <chapter xml:id="disks">
- <title>Discos, Sistemas de Arquivos e Carregadores de
- Inicializao (<foreignphrase>Boot
- Loaders</foreignphrase>)</title>
+ <para>Os usuários só podem montar dispositivos para os quais tenham permissões de leitura. Para permitir que os usuários montem um dispositivo, as permissões devem ser definidas em <filename>/etc/devfs.conf</filename>.</para>
- <qandaset>
- <qandaentry>
- <question xml:id="new-huge-disk">
- <para>Como eu mudo todo o meu sistema operacional para um
- disco novo?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A melhor maneira de migrar seu sistema de um disco
- para o outro reinstalar completamente o SO na
- nova unidade de armazenamento e depois migrar os dados dos
- usurios do disco antigo para nova
- instalao. Essa forma a mais
- recomendada, caso o sistema tenha sido -STABLE por mais de
- uma verso, ou caso tenha atualizado um Release ao
- invs de ter instalado um novo sistema. O booteasy
- pode ser facilmente instalado com o comando
- &man.boot0cfg.8;, de forma a permitir que o sistema possa
- iniciar dois sistemas distintos, at que voc
- esteja satisfeito com o novo sistema. Pule o
- prximo pargrafo para saber algumas formas
- seguras de migrar os dados dos usurios para o novo
- disco.</para>
-
- <para>Voc pode ter decidido por no refazer
- uma nova instalao; nesse caso ser
- necessrio reparticionar o novo disco com o
- <filename>/stand/sysinstall</filename>, ou &man.fdisk.8;
- ou &man.disklabel.8;. Tambm
- necessrio instalar o booteasy em ambas as unidades
- com o comando &man.boot0cfg.8;, de forma que voc
- possa alternar a inicializao entre o novo
- sistema e a configurao atual do mesmo,
- at que a cpia dos dados tenha sido
- efetuada.</para>
-
- <para>Agora, com um novo disco configurado, voc
- est pronto para comear a mover os dados da
- antiga para nova unidade de armazenamento. Infelizmente
- os dados no podem simplesmente ser copiados ao
- acaso. Existem alguns arquivos especiais (como os
- arquivos de dispositivos <filename>/dev</filename>),
- flags, e links que tendem a no funcionar no novo
- sistema, visto que esses arquivos ocupam inodes ou tem
- informaes especficas da unidade, e
- por isso no podem ser copiados como um arquivo
- comum. necessrio usar ferramentas que
- entendam esse comportamento. Isso significa que
- voc ter que usar o &man.dump.8;.
- sempre uma boa idia realizar esse processo de
- cpia de dados em modo mono-usurio, contudo
- tal precauo no
- obrigatria - apenas sinal de
- cuidado.</para>
-
- <para>No aconselhvel usar nenhuma
- outra ferramenta a no ser o &man.dump.8; e
- &man.restore.8; para copiar o sistema de arquivos da
- partio raiz (&quot;/&quot;). O
- &man.tar.1; pode funcionar de forma satisfatria,
- mas pode ser que no. Tambm
- tima idia usar o &man.dump.8; e
- &man.restore.8; para copiar (ou mover completamente) os
- dados em uma partio para uma outra
- partio vazia. Os passos
- necessrios para usar o dump para copiar os dados
- de uma partio existente para uma nova
- partio so:</para>
+ <para>Por exemplo, para permitir que os usuários montem a primeira unidade USB, adicione:</para>
- <procedure>
- <step>
- <para>Crie um novo sistema de arquivos com o
- &man.newfs.8; na nova partio.</para>
- </step>
+ <programlisting># Allow all users to mount a USB drive.
+ own /dev/da0 root:operator
+ perm /dev/da0 0666</programlisting>
- <step>
- <para>Monte a partio em um ponto de
- montagem temporrio.</para>
- </step>
+ <para>Todos os usuários agora podem montar dispositivos que eles podem ler em um diretório que eles possuem:</para>
- <step>
- <para>Entre (cd) no ponto de montagem em
- questo.</para>
- </step>
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>mkdir ~/my-mount-point</userinput>
+<prompt>%</prompt> <userinput>mount -t msdosfs /dev/da0 ~/my-mount-point</userinput></screen>
- <step>
- <para>Finalmente mova os dados da partio
- existente para a nova partio com o
- &man.dump.8;.</para>
- </step>
- </procedure>
+ <para>Desmontar o dispositivo é simples:</para>
- <para>Por exemplo, se a inteno
- copiar os dados da partio raiz para a
- partio
- <filename>/dev/ad1s1a</filename>, cujo ponto de
- montagem temporrio o
- <filename>/mnt</filename>, faa o seguinte:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>newfs /dev/ad1s1a</userinput>
-&prompt.root; <userinput>mount /dev/ad1s1a /mnt</userinput>
-&prompt.root; <userinput>cd /mnt</userinput>
-&prompt.root; <userinput>dump 0af - / | restore xf -</userinput></screen>
-
- <para>Redefinir a estrutura das parties com
- o &man.dump.8; um processo um pouco mais
- trabalhoso. Caso voc queira, por exemplo, unir o
- contedo da partio
- <filename>/var</filename> com as parties
- de nvel acima, crie uma partio que
- seja grande o bastante para alocar o contedo de
- ambas, copie a partio principal como no
- exemplo descrito acima e depois copie as
- sub-parties para os diretrios
- vazios que o primeiro comando deve ter criado:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>newfs /dev/ad1s1a</userinput>
-&prompt.root; <userinput>mount /dev/ad1s1a /mnt</userinput>
-&prompt.root; <userinput>cd /mnt</userinput>
-&prompt.root; <userinput>dump 0af - / | restore xf -</userinput>
-&prompt.root; <userinput>cd var</userinput>
-&prompt.root; <userinput>dump 0af - /var | restore xf -</userinput></screen>
-
- <para>Para separar um diretrio de sua estrutura
- atual, ou seja, no mesmo exemplo ainda, alocar os dados de
- <filename>/var</filename> em uma partio
- prpria quando na definio atual o
- /var apenas um diretrio comum,
- necessrio montar a sub partio no
- diretrio apropriado do ponto de montagem
- temporrio, simulando assim o sistema de arquivos a
- ser criado a partir da raiz (montada no diretrio
- temporrio), depois basta copiar os dados do
- diretrio antigo para nova
- partio:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>newfs /dev/ad1s1a</userinput>
-&prompt.root; <userinput>newfs /dev/ad1s1d</userinput>
-&prompt.root; <userinput>mount /dev/ad1s1a /mnt</userinput>
-&prompt.root; <userinput>mkdir /mnt/var</userinput>
-&prompt.root; <userinput>mount /dev/ad1s1d /mnt/var</userinput>
-&prompt.root; <userinput>cd /mnt</userinput>
-&prompt.root; <userinput>dump 0af - / | restore xf -</userinput></screen>
-
- <para>Talvez voc prefira usar &man.cpio.1;,
- &man.pax.1;, &man.tar.1; ao invs de &man.dump.8;
- na hora de copiar os dados de usurios. Quando
- este <literal>FAQ</literal> foi escrito, esses comandos
- costumavam perder atributos especiais dos arquivos ou
- mesmo alterar algumas permisses ou autoridade
- (dono dos arquivos), portanto use esses comandos com
- cuidado.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="dangerously-dedicated">
- <para>Um disco no modo <quote>dangerously dedicated</quote>
- pode ser prejudicial a minha sade?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para><anchor xml:id="dedicate"/>O processo de
- instalao permite a escolha entre dois
- modos distintos de particionar o(s) disco(s)
- rgido. A maneira tradicional permite que outros
- sistemas operacionais na mesma estao
- possam acessar essas parties, criando
- entradas na tabela do fdisk (entradas chamadas de
- <quote>slices</quote> no FreeBSD) sob uma
- partio FreeBSD prpria. Uma
- caracterstica desse particionamento
- permitir mltiplos sistemas operacionais e permitir
- a instalao de um gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) para alternar entre
- esses sistemas. A segunda maneira, a alternativa ao modo
- tradicional faz uso do disco todo para o FreeBSD e
- no faz esforos para se tornar
- compatvel com outros sistemas operacionais.</para>
-
- <para>Ento, por que esse modo chamado de
- <quote>modo perigosamente dedicado</quote>? Um disco
- particionado dessa forma no tem algumas
- caractersticas tradicionais que os PCs poderiam
- considerar entradas vlidas do fdisk. Dependendo
- das circunstncias o PC pode reclamar e gerar
- advertncias sobre o disco em questo, assim
- que o primeiro contato com essa unidade seja feito, ou
- pior, o PC pode ainda danificar o processo de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do BSD
- (<foreignphrase>bootstrap</foreignphrase>) sem pedir
- confirmao da alterao ou
- at mesmo sem avisar o usurio dessa
- mudana. O <quote>modo perigosamente
- dedicado</quote> ainda costuma confundir vrias
- BIOS, inclusive as BIOS AWARD (encontradas, por exemplo no
- HP Netserver e em sistemas Micronics assim como em muitos
- outros) e as BIOS Symbios/NCR (da popular srie
- 53C8xx de controladoras SCSI). No so
- apenas esses dois modelos que podem apresentar
- dificuldades com esse modo de particionamento de disco, a
- lista completa ainda maior. O principal sintoma
- desse tipo de confuso a presena
- de mensagens de <errorname>read error</errorname>
- apresentada pelo <foreignphrase>bootstrap</foreignphrase>
- do FreeBSD quando ele tem dificuldades de encontrar-se;
- outro sintoma a falta de sistema operacional no
- momento da inicializao do PC.</para>
-
- <para>Ento porque esse modo de particionamento de
- disco existe? Esse modo economiza o uso de alguns poucos
- kbytes de espao em disco, e pode, em contrapartida
- gerar grandes problemas em uma nova
- instalao do sistema. O modo
- <quote>perigosamente dedicado</quote> em sua origem
- um desejo antigo dos usurios do FreeBSD,
- especialmente durante a instalao, que
- simplesmente poder ignorar a
- <quote>geometria</quote> de disco reconhecida pela BIOS e
- usar o disco todo de forma independente, sem prestar
- satisfao ao sistema bsico de
- entrada/sada do PC.</para>
-
- <para>O conceito de <quote>Geometria</quote>
- ultrapassado, mas infelizmente ainda faz parte do
- corao da BIOS dos Computadores Pessoais,
- sendo extremamente necessrio para a
- interao do computador com seus discos.
- Quando o FreeBSD cria as parties, ele tem
- que gravar sua localizao de forma
- correspondente a maneira que a BIOS ir
- procur-la. Se essa informao
- no acessvel BIOS, pode
- ser que o sistema no consiga iniciar-se.</para>
-
- <para><quote>O modo Dangerously dedicated</quote> tenta
- evitar esse desconforto fazendo a operao
- se tornar mais simples. Em muitos casos essa forma de
- particionamento funciona, mas ela foi criada para ser
- usada como ltima alternativa necessidade
- de definir a geometria do disco - em 99% dos casos existem
- formas mais vantajosas de resolver problemas com
- geometria.</para>
-
- <para>Mas ento, como evitar a necessidade do modo
- <quote>DD</quote> na instalao do sistema?
- Comece anotando os valores pra geometria que a BIOS diz
- estar usando pros discos locais. Esses valores podem ser
- apresentados pelo kernel do FreeBSD, especificando a
- opo <option>-v</option> no prompt de
- <literal>boot:</literal> usando <command>boot
- -v</command> nas configuraes do loader
- do sistema operacional. Antes do programa de
- instalao ser carregado o kernel apresenta
- a listagem dos valores para a Geometria de discos
- reconhecida pela BIOS do computador; no se
- precipite nem se preocupe, essas informaes
- podem ser visualizadas paginando a tela para as
- notaes anteriores, sendo possvel
- assim verificar esses valores. Normalmente as unidades de
- disco da BIOS so apresentadas na mesma ordem que o
- FreeBSD as encontra, sendo primeiro as unidades IDE
- seguido das SCSI.</para>
-
- <para>No momento do particionamento do disco, verifique se a
- geometria apresentada pelo FDISK corresponde ao valor
- apresentado pela BIOS; caso no corresponda use a
- tecla <keycap>g</keycap> para redefinir esses valores.
- Tambm pode ser necessrio definir a
- geometria manualmente em casos onde o disco em
- questo est vazio e sem nenhum outro tipo
- de partio criada, ou se o disco foi
- instalado em um outro computador e foi colocado na
- estao atual recentemente. Note que esse
- tipo de complicao no
- comum, e quando acontece, acontece apenas com o disco onde
- o FreeBSD est iniciando; Qualquer outro disco
- existente no computador ser controlado
- perfeitamente pelo FreeBSD em qualquer
- situao.</para>
-
- <para>Uma vez existindo a concordncia de Geometria
- entre a BIOS e o FreeBSD, com certeza seus problemas
- tero acabado, e no existia a necessidade
- de usar o modo <quote>DD</quote>. Contudo, se em casos
- extremos ainda ocorrerem erros de <errorname>read
- error</errorname> ento pode cruzar os dedos e
- usar o modo dedicado (DD), afinal no h
- nada a perder, visto que das formas tradicionais sua BIOS
- insiste em no cooperar de forma correta.</para>
-
- <para>Para voltar um disco particionado em modo
- <quote>dangerously dedicated</quote> para uso normal em um
- PC existem duas alternativas. A primeira alocar
- dados nulos (NULL bytes) o bastante na MBR do disco, de
- forma que qualquer instalao posterior
- acredite que o disco est vazio. Isso pode ser
- feito, por exemplo, da seguinte maneira:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>dd if=/dev/zero of=/dev/rda0 count=15</userinput></screen>
-
- <para>E a segunda forma, a
- <quote>opo</quote> no documentada
- do DOS:</para>
-
- <screen><prompt>C:\&gt;</prompt> <userinput>fdisk /mbr</userinput></screen>
-
- <para>instalar um novo registro mestre de
- inicializao no disco em questo,
- sobrepondo inclusive o
- <foreignphrase>bootstrap</foreignphrase> do BSD.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>umount ~/my-mount-point</userinput></screen>
- <qandaentry>
- <question xml:id="safe-softupdates">
- <para>Em quais parties podemos seguramente
- usar o softupdates? Eu tenho ouvido falar de problemas em
- se usar o softupdates na partio
- <filename>/</filename>?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A resposta breve: o softupdates pode ser usado com
- segurana em todas as
- parties.</para>
-
- <para>A resposta mais completa: existiam algumas
- restries quanto ao uso do softupdates na
- partio raiz do sistema. Tais
- restries se deviam a duas
- caractersticas causadas pelo softupdates, que eram
- a pouqussima chance de perder alguns dados da
- partio raiz se acontecesse algum system
- crash; apesar das probabilidades de perda de dados serem
- mnimas, elas existem; no existe uma
- danificao ou corroso do sistema de
- arquivos, apenas alguns arquivos podem ser simplesmente
- perdidos. E a segunda caracterstica a
- diminuio temporria de
- espao em disco.</para>
-
- <para>Quando o softupdates est ativado o kernel pode
- levar at trinta segundos para realmente escrever
- alguns dados fisicamente em disco. Caso algum arquivo
- grande seja apagado, ela permanece temporariamente em
- disco at que o kernel realmente o apague, o que
- pode causar uma condio de corrida
- simples(simple race condition). Imagine, apenas para
- ilustrar, que voc apague um arquivo enorme do
- disco, e logo em seguida crie um outro arquivo to
- grande quanto o primeiro; a gravao de
- metadados no disco pode no ter sido realizada
- ainda quando o segundo arquivo criado, ou seja o
- primeiro no foi realmente definido como um arquivo
- apagado. Nesse caso provvel que
- voc receba uma mensagem dizendo que no
- existe espao o bastante em disco para o segundo
- arquivo, quando voc tem certeza absoluta que o
- espao que acabou de ser liberado ao apagar o
- primeiro arquivo o suficiente para alocar o
- segundo! A voc tenta gravar o segundo
- arquivo mais uma vez, alguns meros segundos depois, e o
- processo de criao do mesmo, simplesmente
- funciona como esperado. Esse tipo de comportamento
- j levou mais de um usurio a
- balanar sua cabea e duvidar de sua
- prpria sanidade, ou mesmo da sanidade do sistema
- de arquivos do FreeBSD; em caso extremos, de
- dvidas do bom estado de ambos, a sanidade do
- sistema de arquivos e do prprio usurio
- ;-)</para>
-
- <para>Se o sistema falhar antes do kernel aceitar um
- conjunto de dados que tem que ser escrito no disco antes
- do mesmo ser gravado, provvel que exista
- perda dos dados em questo. Esse risco
- extremamente baixo, e geralmente
- contornvel. O uso, por exemplo, das
- opes de cache de gravao
- das unidades de disco IDE um fator que causa a
- possibilidade desse tipo de desconforto, portanto
- altamente recomendvel que essa opo
- seja desativada nos discos IDE quando for usar o
- softupdates.</para>
-
- <para>Esse comportamento afeta todas as
- parties que estiverem com softupdates.
- Portanto, o que isso implica para a partio
- raiz?</para>
-
- <para>A maioria das informaes vitais da
- partio raiz mudam com pouqussima
- freq&uuml;ncia. Arquivos como o
- <filename>/kernel</filename> e o contedo do
- <filename>/etc</filename> so alterados apenas
- durante a manuteno do sistema operacional,
- ou quando os usurios alteram suas senhas. Caso o
- sistema falhe durante essa janela de trinta segundos,
- depois que uma dessas alteraes foi feita,
- possvel que alguns dados sejam perdidos.
- Esse risco baixssimo e praticamente
- indiferente para maioria das aplicaes, mas
- deve-se atentar que o risco existe. Caso seu sistema
- no tolere nem uma possibilidade to baixa
- de riscos, no use o softupdates na
- partio raiz!</para>
-
- <para>A <filename>/</filename> normalmente uma das
- menores parties do sistema. Por
- padro o FreeBSD coloca o diretrio
- <filename>/tmp</filename> na partio
- <filename>/</filename>, comportamento este que pode ser
- modificado por administradores de sistemas mais
- experientes. Caso seu <filename>/tmp</filename> costume
- ocupar muito espao, pode ser criado um link
- simblico para o <filename>/var/tmp</filename>, o
- comportamento inverso tambm vlido
- e bastante seguro, caso o /tmp seja uma
- partio grande o bastante para alocar os
- dados do /var/tmp tambm.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="inappropriate-ccd">
- <para>O que inapropriado no meu ccd?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Os sintomas desse tipo de dvida:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>ccdconfig -C</userinput>
-ccdconfig: ioctl (CCDIOCSET): /dev/ccd0c: Inappropriate file type or format</screen>
-
- <para>Esse problema normalmente ocorre quando se tenta
- concatenar as parties <literal>c</literal>
- cujo tipo padro
- <literal>unused</literal>. O ccd requer que a
- partio que ele esteja usando seja do tipo
- FS_BSDFFS. Edite o disklabel dos discos em questo
- e altere o tipo das parties para
- <literal>4.2BSD</literal>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="ccd-disklabel">
- <para>Porque eu no posso editar o disklabel do meu
- ccd?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Os sintomas desse tipo de dvida:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>disklabel ccd0</userinput>
-(it prints something sensible here, so let us try to edit it)
-&prompt.root; <userinput>disklabel -e ccd0</userinput>
-(edit, save, quit)
-disklabel: ioctl DIOCWDINFO: No disk label on disk;
-use "disklabel -r" to install initial label</screen>
-
- <para>Isso acontece por que o disklabel que o ccd retorna
- na verdade um valor <quote>falso</quote>, que
- no est realmente gravado no disco. Esse
- problema pode ser resolvido ao reescrever explicitamente
- esse dado, da seguinte forma:</para>
+ <para>Ativar a variável <varname>vfs.usermount</varname>, no entanto, tem implicações negativas de segurança. Uma maneira melhor de acessar uma mídia formatada para o <trademark class="registered">MS-DOS</trademark> é usar o pacote <package>emulators/mtools</package> da Coleção de Ports.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>disklabel ccd0 &gt; /tmp/disklabel.tmp</userinput>
-&prompt.root; <userinput>disklabel -Rr ccd0 /tmp/disklabel.tmp</userinput>
-&prompt.root; <userinput>disklabel -e ccd0</userinput>
-(agora ir funcionar)</screen>
+ <note>
+ <para>O nome do dispositivo usado nos exemplos anteriores deve ser alterado de acordo com a configuração.</para>
+ </note>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="mount-foreign-fs">
- <para>Posso montar outros tipos de parties
- externas sobre FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="du-vs-df">
+ <para>Os comandos <command>du</command> e <command>df</command> mostram informações diferentes sobre a quantia disponível de espaço em disco. O que está acontecendo?</para>
</question>
<answer>
- <variablelist>
- <varlistentry>
- <term>Digital UNIX</term>
-
- <listitem>
- <para>CDROMs do tipo UFS podem ser montados
- diretamente no FreeBSD, j a montagem de
- parties de disco do Digital UNIX que
- usam o UFS pode ser um pouco mais complexa,
- dependendo dos detalhes do particionamento de disco
- para o sistema operacional em questo.</para>
- </listitem>
- </varlistentry>
-
- <varlistentry>
- <term>Linux</term>
+ <para>Isso se deve ao modo como esses comandos realmente funcionam. O <command>du</command> passa pela árvore de diretórios, ele mede o tamanho de cada arquivo e apresenta os totais. O <command> df </command> apenas pergunta ao sistema de arquivos quanto espaço ainda resta. Eles parecem ser a mesma coisa, mas um arquivo sem uma entrada de diretório afetará <command>df</command> mas não <command>du</command>.</para>
- <listitem>
- <para>A partir do 2.2, o FreeBSD suporta
- parties do tipo
- <literal>ext2fs</literal>. Veja o
- &man.mount.ext2fs.8; para obter mais
- informaes.</para>
- </listitem>
- </varlistentry>
-
- <varlistentry>
- <term>NT</term>
+ <para>Quando um programa está usando um arquivo e o arquivo é excluído, o arquivo não é realmente removido do sistema de arquivos até que o programa pare de usá-lo. O arquivo é imediatamente excluído da listagem do diretório, no entanto. Como exemplo, considere um arquivo grande o suficiente para afetar a saída de <command>du</command> e <command>df</command>. Um arquivo sendo visualizado com <command> more </command> pode ser excluído sem causar um erro. A entrada é removida do diretório para que nenhum outro programa ou usuário possa acessá-la. No entanto, o <command>du</command> mostra que ele desapareceu, já que percorreu a árvore de diretórios e o arquivo não está mais listado. Já o <command>df</command> mostra que ele ainda está lá, pois o sistema de arquivos sabe que o comando <command>more</command> ainda está usando esse espaço. Quando a sessão do <command>more</command> terminar, o <command>du</command> e <command>df</command> apresentarão o mesmo resultado.</para>
- <listitem>
- <para>Existe suporte somente-leitura as
- parties NTFS no FreeBSD. Para obter
- mais informaes leia esse tutorial,
- escrito por Mark Ovens em <link xlink:href="http://ukug.uk.FreeBSD.org/~mark/ntfs_install.html">http://ukug.uk.FreeBSD.org/~mark/ntfs_install.html</link>.</para>
- </listitem>
- </varlistentry>
- </variablelist>
+ <para>Essa situação é comum em servidores web. Muitas pessoas configuram um servidor web no FreeBSD e esquecem de rotacionar os arquivos de log. O log de acesso enche o <filename>/var</filename>. O administrador novato exclui o arquivo, mas o sistema ainda reclama que a partição está cheia. Parar e reiniciar o programa do servidor Web liberaria o arquivo, permitindo que o sistema liberasse o espaço em disco. Para evitar que isso aconteça, configure o <citerefentry><refentrytitle>newsyslog</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <para>Mais informaes sobre esse assunto
- seriam bem vindas :-)</para>
+ <para>Observe que o Soft Updates pode atrasar a liberação de espaço em disco e pode levar até 30 segundos para que a alteração fique visível.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="mount-dos">
- <para>Como montar uma partio DOS
- secundria?</para>
+ <question xml:id="add-swap-space">
+ <para>Como posso adicionar mais espaço de swap?</para>
</question>
<answer>
- <para>As parties secundrias do DOS
- so encontradas depois que TODAS as
- parties primrias foram definidas.
- Por exemplo, se voc tem a partio
- <quote>E</quote> como a segunda partio
- DOS no segundo disco SCSI, ser necessrio
- criar um arquivo especial para essa <quote>quinta
- partio</quote> (slice 5) no /dev, depois
- montar /dev/da1s5:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>sh MAKEDEV da1s5</userinput>
-&prompt.root; <userinput>mount -t msdos /dev/da1s5 /dos/e</userinput></screen>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="crypto-filesystem">
- <para>Existe um sistema de arquivos criptografado para o
- FreeBSD?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Sim, veja o <literal>port</literal> <package>security/cfs</package>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="nt-bootloader">
- <para>Como posso usar o carregador do NT para iniciar o
- FreeBSD?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Esse procedimento um pouco diferente entre o
- FreeBSD 2.2.X e o 3.X (que tem um sistema de inico
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) de 3 fases).</para>
-
- <para>A idia geral se consiste em copiar os
- primeiros setores da partio raiz nativa do
- FreeBSD e transforma-los em um arquivo, para ser colocado
- dentro da partio DOS/NT. Se assumir-mos
- que voc vai chamar esse arquivo de
- <filename>c:\bootsect.bsd</filename> (inspirado por
- <filename>c:\bootsect.dos</filename>), pode-se
- ento editar o arquivo
- <filename>c:\boot.ini</filename> de forma a
- carreg, mais ou menos assim:</para>
-
- <programlisting>[boot loader]
-timeout=30
-default=multi(0)disk(0)rdisk(0)partition(1)\WINDOWS
-[operating systems]
-multi(0)disk(0)rdisk(0)partition(1)\WINDOWS="Windows NT"
-C:\BOOTSECT.BSD="FreeBSD"
-C:\="DOS"</programlisting>
-
- <para>No 2.2.X esse procedimento assume que o DOS, o NT, o
- FreeBSD, ou o que quer que seja, tenha sido instalado em
- suas parties respectivas do fdisk no
- <emphasis>mesmo</emphasis> disco. Esse exemplo foi
- testado em um sistema onde o DOS &amp; NT estavam
- instalados na primeira partio do fdisk, e
- o FreeBSD na segunda. O FreeBSD havia sido configurado
- para iniciar a partir de sua partio
- nativa, e no pela MBR do disco.</para>
-
- <para>Monte um disquete formatado em DOS (caso ele tenha
- sido convertido para NTFS) ou em FAT, por exemplo, sob o
- ponto de montagem <filename>/mnt</filename>.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>dd if=/dev/rda0a of=/mnt/bootsect.bsd bs=512 count=1</userinput></screen>
-
- <para>Reinicie o computador no DOS ou NT. Sobre o NTFS,
- copie o arquivo <filename>bootsect.bsd</filename> e/ou
- arquivo <filename>bootsect.lnx</filename> do disquete para
- <filename>C:\</filename>. Modifique os atributos
- originais(permisses) do
- <filename>boot.ini</filename> com:</para>
-
- <screen><prompt>C:\&gt;</prompt> <userinput>attrib -s -r c:\boot.ini</userinput></screen>
-
- <para>Edite e adicione as entradas apropriadas no
- <filename>boot.ini</filename> seguindo o exemplo anterior
- e volte os atributos originais:</para>
-
- <screen><prompt>C:\&gt;</prompt> <userinput>attrib +s +r c:\boot.ini</userinput></screen>
-
- <para>Se o FreeBSD estiver inicializando pela MBR,
- reconstrua-a com o comando <command>fdisk</command> do DOS
- depois de configurar os sistemas para iniciar a partir de
- suas parties nativas.</para>
-
- <para>No FreeBSD 3.X esse procedimento mais
- simples.</para>
-
- <para>Se o FreeBSD estiver instalado no mesmo disco que a
- partio de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do NT est
- instalada, copie o <filename>/boot/boot1</filename> para
- <filename>C:\BOOTSECT.BSD</filename>. Contundo, se o
- FreeBSD estiver em uma partio distinta, o
- <filename>/boot/boot1</filename> no ir
- funcionar, nesse caso, o <filename>/boot/boot0</filename>
- ser necessrio.
-
- <warning>
- <para>N&Atilde;O COPIE SIMPLESMENTE O
- <filename>/boot/boot0</filename> NO LUGAR DO
- <filename>/boot/boot1</filename>, POIS A TABELA DE
- PARTI&Ccedil;&Atilde;O SER REESCRITA, E O
- COMPUTADOR SE TORNAR N&Atilde;O
- INICIALIZVEL!!</para>
- </warning> O <filename>/boot/boot0</filename> precisa ser
- instalado com o sysinstall, selecionando o gerenciador de
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do FreeBSD na tela
- que o programa pergunta se voc deseja usar um
- gerenciador de inicializao(boot manager).
- Isso se deve ao fato que o
- <filename>/boot/boot0</filename> contm
- informaes sobre a rea da tabela de
- parties definidas como caracteres nulos,
- mas o sysinstall copia a tabela de parties
- antes de copiar o <filename>/boot/boot0</filename> para a
- MBR.</para>
-
- <para>Quando o gerenciador de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do FreeBSD
- executado, ele grava qual ltimo sistema
- operacional foi carregado, definindo uma flag de sistema
- ativo na tabela de partio referente aquele
- sistema, e depois ele escreve todos os 512 bytes do
- prprio gerenciador de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) de volta na MBR,
- portanto se o <filename>/boot/boot0</filename>
- simplesmente for copiado para
- <filename>C:\BOOTSECT.BSD</filename> ser definida
- uma tabela de partio vazia com a flag de
- partio ativa, na MBR.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="lilo-bootloader">
- <para>Como posso iniciar o FreeBSD e o Linux com o
- LILO?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Caso o FreeBSD e o Linux estejam no mesmo disco, basta
- seguir as instrues de
- instalao do LILO para carregar sistemas
- operacionais no-Linux. De forma breve, tais
- instrues so</para>
-
- <para>Carregue o Linux e adicione as seguintes linhas no
- <filename>/etc/lilo.conf</filename>:</para>
-
- <programlisting>other=/dev/hda2
- table=/dev/hda
- label=FreeBSD</programlisting>
-
- <para>(A definio acima assume que a sua
- partio FreeBSD conhecida pelo
- Linux como <filename>/dev/hda2</filename>; altere esse
- valor para sua necessidade). Depois basta executar o
- comando <command>lilo</command> como usurio
- <systemitem class="username">root</systemitem> e deve estar pronto.</para>
-
- <para>Caso o FreeBSD esteja em um outro disco, ser
- preciso criar uma entrada
- <literal>loader=/boot/chain.b</literal> no LILO. Por
- exemplo:</para>
-
- <programlisting>other=/dev/dab4
- table=/dev/dab
- loader=/boot/chain.b
- label=FreeBSD</programlisting>
-
- <para>Em alguns casos necessrio especificar
- o nmero da unidade da BIOS para que o loader do
- FreeBSD consiga carregar o sistema com sucesso, a partir
- do segundo disco. Por exemplo, caso o disco SCSI com o
- FreeBSD seja reconhecido pela BIOS como o disco 1, na tela
- do carregadir de inicializao
- (<foreignphrase>boot loader</foreignphrase>) do FreeBSD
- ser necessrio definir:</para>
-
- <screen>Boot: <userinput>1:da(0,a)/kernel</userinput></screen>
-
- <para>No FreeBSD 2.2.5 e posteriores, o &man.boot.8; pode
- ser configurado para que ele automaticamente defina essa
- informao na hora da
- inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>).</para>
-
- <para>The <link xlink:href="http://sunsite.unc.edu/LDP/HOWTO/mini/Linux+FreeBSD.html">
- Linux+FreeBSD mini-HOWTO</link> uma boa
- referncia sobre a utilizao do
- FreeBSD com o Linux.</para>
+ <para>Esta seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/adding-swap-space.html">do Handbook</link> descreve como fazer isso.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="booteasy-loader">
- <para>Como eu inicio o FreeBSD e o Linux usando o
- BootEasy?</para>
+ <question xml:id="manufacturer-disk-size">
+ <para>Por que o FreeBSD vê meu disco como sendo menor do que o fabricante diz que ele é?</para>
</question>
<answer>
- <para>Instale o LILO no comeo da sua
- partio de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) do Linux ao
- invs de instala-lo na MBR. Agora o LILO pode ser
- carregado a partir do BootEasy.</para>
+ <para>Os fabricantes de discos calculam gigabytes como um bilhão de bytes cada, enquanto o FreeBSD os calcula como 1.073.741.824 bytes cada. Isso explica por que, por exemplo, as mensagens de boot do FreeBSD reportarão um disco que supostamente tem 80 GB como contendo 76.319 MB.</para>
- <para>Com Windows 9x e Linux essa uma
- ao recomendada sempre, para garantir que o
- Linux possa ser iniciado de forma mais fcil caso
- seja necessrio reinstalar o Windows (que
- um sistema operacional que no espera nenhum outro
- sistema na MBR).</para>
+ <para>Observe também que o FreeBSD irá (por padrão) <link linkend="disk-more-than-full">reservar</link> cerca de 8% do espaço em disco.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="changing-bootprompt">
- <para>Como eu altero a tela de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) de
- <literal>???</literal> para algo mais
- significativo?</para>
+ <question xml:id="disk-more-than-full">
+ <para>Como é possível que uma partição esteja com mais de 100% de ocupação?</para>
</question>
<answer>
- <para>Voc no pode alterar esse comportamento
- no gerenciador de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) padro sem
- reescreve-lo. Existem inmeros outros
- gerenciadores de inicializao
- (<foreignphrase>boot</foreignphrase>) na categoria
- <filename>sysutils</filename> da da coleo
- de <literal>ports</literal>, que oferecem esse
- recurso.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Uma parte de cada partição UFS (8%, por padrão) é reservada para uso pelo sistema operacional e pelo usuário <systemitem class="username">root</systemitem>. O <citerefentry><refentrytitle>df</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> não contabiliza esse espaço ao calcular a coluna <literal>Capacity</literal>, portanto, ela pode exceder 100%. Observe que a coluna <literal>Blocks</literal> é sempre maior que a soma das colunas <literal>Used</literal> e <literal>Avail</literal>, geralmente por um fator de 8%.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="removable-drives">
- <para>Possuo uma nova unidade de disco removvel,
- como posso usa-la?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Ainda que seja uma unidade removvel como um
- ZIP Drive, um EZ Drive (ou at um disquete, caso
- queira usa-lo dessa maneira), ou um novo disco, uma vez
- instalado e reconhecido pelo sistema e assim que o
- cartucho/disquete/outra-coisa esteja ligado a unidade em
- questo, as coisas passam a funcionar da mesma
- forma para qualquer tipo de dispositivo.</para>
-
- <para><anchor xml:id="disklabel"/>(essa seo
- baseada no <link xlink:href="http://www.vmunix.com/mark/FreeBSD/ZIP-FAQ.html">ZIP
- <literal>FAQ</literal> de Mark Mayo</link>)</para>
-
- <para>Caso o dispositivo seja um ZIP Drive ou um disquete
- cujo sistema de arquivos j tenha sido criado como
- sendo do tipo DOS, o seguinte comando o bastante
- para mont-lo:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>mount -t msdos /dev/fd0c /floppy</userinput></screen>
-
- <para>caso seja um disquete, ou ento:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>mount -t msdos /dev/da2s4 /zip</userinput></screen>
-
- <para>caso seja um disco ZIP com as
- configuraes de fbrica.</para>
-
- <para>Para outros tipos de disco, veja como eles so
- tratados, usando o &man.fdisk.8; ou
- &man.sysinstall.8;.</para>
-
- <para>Os prximos exemplos sero para um ZIP
- Drive controlado pela device da2, ou seja, correspondente
- ao terceiro disco SCSI.</para>
-
- <para>A no ser que se trate de um disquete ou de um
- disco removvel que se planeje compartilhar com
- outras pessoas, provavelmente mais sensata a
- idia de colocar um sistema de arquivos do tipo BSD
- nesse disco. Um sistema de arquivos desse tipo
- possibilita usar o suporte a nomes longos de arquivos, ter
- uma performance de, pelo menos 2x, e oferece muito mais
- estabilidade e confiana. O primeiro passo
- redefinir a partio DOS da unidade
- removvel de forma que a mesma passe a ser do tipo
- BSD; o &man.fdisk.8; ou
- <filename>/stand/sysinstall</filename> podem ser usados
- para esse fim, em um disco pequeno onde no se
- queira preocupaes quanto a possibilidade
- de manter suporte a mltiplos sistemas
- operacionais. Nesse caso simplesmente elimine toda a
- partio FAT do disco e use o particionador
- do BSD:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>dd if=/dev/zero of=/dev/rda2 count=2</userinput>
-&prompt.root; <userinput>disklabel -Brw da2 auto</userinput></screen>
-
- <para>O disklabel ou <filename>/stand/sysinstall</filename>
- podem ser usados para criar mltiplas
- parties do tipo BSD. Certamente o
- usurio vai querer criar mais de uma
- partio BSD se a inteno for
- criar espao de Swap. De qualquer forma, esse tipo
- de ao irrelevante em um disco
- removvel do tipo ZIP.</para>
-
- <para>Finalmente, crie um novo sistema de arquivos como
- esse, que usa todo o disco em um ZIP Drive:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>newfs /dev/rda2c</userinput></screen>
-
- <para>e monte-o:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>mount /dev/da2c /zip</userinput></screen>
-
- <para>provavelmente uma boa idia adicionar
- uma entrada no <filename>/etc/fstab</filename> para
- facilitar o processo de montagem dessa unidade(veja
- &man.fstab.5;)de forma que seja apenas necessrio
- digitar o comando <command>mount /zip</command> no
- futuro:</para>
-
- <programlisting>/dev/da2c /zip ffs rw,noauto 0 0</programlisting>
+ <para>Para mais detalhes, procure prls opção <option>-m</option> em <citerefentry><refentrytitle>tunefs</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
</answer>
</qandaentry>
- <qandaentry>
- <question xml:id="mount-cd-superblock">
- <para>Por que eu tive o erro <errorname>Incorrect super
- block</errorname> na hora de montar um CDROM?</para>
- </question>
+ </qandaset>
+ </chapter>
- <answer>
- <para> necessrio avisar ao &man.mount.8; que
- tipo de unidade est sendo montada. Essa
- definio tratada com mais detalhes
- em <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html"> na
- seo de mdias pticas do
- &a.ptbr.p.handbook; </link>, mais precisamente na
- seo <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html#MOUNTING-CD">Usando
- CDs de Dados</link>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <chapter xml:id="all-about-zfs">
+ <title>ZFS</title>
+ <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="cdrom-not-configured">
- <para><errorname>Device not configured</errorname> ocorre na
- hora de montar o CDROM?</para>
+ <question xml:id="how-much-ram-for-zfs">
+ <para>Qual é a quantidade mínima de RAM que um usuário deve ter para utilizar o ZFS?</para>
</question>
<answer>
- <para>Geralmente esse tipo de comportamento indica que
- no existe nenhum CD na unidade de CDROM, ou
- ento, que o CD em questo no
- visvel ao barramento de dados do seu PC,
- comum quando um CD-RW no pode ser lido por um
- drive tradicional. Por gentileza, queira referir-se a
- <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html#MOUNTING-CD">Usando
- CDs de Dados </link> da seo do
- &a.ptbr.p.handbook; para uma discusso mais
- detalhada sobre esse assunto.</para>
+ <para>É necessário um mínimo de 4 GB de RAM para uso confortável, mas as cargas de trabalho individuais podem variar muito.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="cdrom-unicode-filenames">
- <para>Porque todos caracteres no-Ingls
- so apresentados como <quote>?</quote> no sistema
- de arquivos do CD que acabou de ser montado no
- FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="what-is-zil">
+ <para>O que é o ZIL e quando ele é usado?</para>
</question>
<answer>
- <para>Provavelmente seu CDROM usa extenses
- <quote>Joliet</quote> para armazenar
- informaes sobre tipos de arquivos e
- diretrios. Esse assunto discutido no
- captulo de <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html">
- Criao e Uso de CDROMs do
- &a.ptbr.p.handbook;</link>, mais precisamente na
- seo <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html#MOUNTING-CD">de Uso
- de CDs de Dados</link>.</para>
+ <para>O <acronym>ZIL</acronym> (log de intenção do <acronym> ZFS </acronym>) é um log de gravação usado para implementar semânticas de compromisso de escrita posix entre travamentos. Normalmente, as gravações são agrupadas em grupos de transações e gravadas no disco quando preenchidas (<quote>Transaction Group Commit </quote>). No entanto, syscalls como <citerefentry><refentrytitle>fsync</refentrytitle><manvolnum>2</manvolnum></citerefentry> requerem um compromisso de que os dados são gravados no armazenamento estável antes de retornar. O ZIL é necessário para gravações que foram reconhecidas como gravadas, mas que ainda não estão no disco como parte de uma transação. Os grupos de transações contam com registro de data e hora. No caso de uma falha, o último registro de data e hora válido é encontrado e os dados ausentes são mesclados a partir do ZIL.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="burncd-isofs">
- <para>Eu queimei um CD no FreeBSD e agora esse disco
- no pode ser lido em nenhum outro sistema
- operacional. Por que?</para>
+ <question xml:id="need-ssd-for-zil">
+ <para>Preciso de um SSD para o ZIL?</para>
</question>
<answer>
- <para>Provavelmente voc queimou um CD de forma crua
- (usando raw mode) no seu sistema, ao invs de criar
- um sistema de arquivos do tipo ISO 9660. D uma
- olhada no <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html">
- Captulo de Criao de CDROMs do
- &a.ptbr.p.handbook;</link>, em especfico na
- seo <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html#RAWDATA-CD">criando
- CDS de dados puros</link>.</para>
+ <para>Por padrão, o ZFS armazena o ZIL no pool com todos os demais dados. Se um aplicativo tiver uma carga de gravação pesada, o armazenamento do ZIL em um dispositivo separado e que tenha um desempenho de gravação sequencial síncrono muito rápido pode melhorar a performance do sistema de uma forma geral. Para outras cargas de trabalho, é improvável que um SSD consiga uma melhoria significativa.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="copy-cd">
- <para>Como posso criar uma imagem de um CD de dados?</para>
+ <question xml:id="what-is-l2arc">
+ <para>O que é o L2ARC?</para>
</question>
<answer>
- <para>A criao de imagens de CDs de dados
- discutida na seo <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html#IMAGING-CD">duplicando
- CDs de dados do &a.ptbr.p.handbook;</link>. Para mais
- informaes sobre unidades pticas,
- por gentileza, queira referir-se a seo
- <link xlink:href="../handbook/creating-cds.html">
- Criao de CDs</link> no captulo
- de Armazenamento do &a.ptbr.p.handbook;.</para>
+ <para>O <acronym>L2ARC</acronym> é um cache de leitura armazenado em um dispositivo rápido, como um <acronym>SSD</acronym>. Esse cache não é persistente nas reinicializações. Observe que a RAM é usada como a primeira camada de cache e o L2ARC só é necessário se a quantidade de memória RAM for insuficiente.</para>
+
+ <para>O L2ARC precisa de espaço no ARC para indexá-lo. Então, perversamente, um conjunto de trabalho que se encaixa perfeitamente no ARC não se encaixará mais perfeitamente se um L2ARC for usado porque parte do ARC estará mantendo o índice L2ARC, empurrando parte do conjunto de trabalho para o L2ARC que é mais lento que a RAM.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="mount-audio-CD">
- <para>Por que um CD de udio no pode ser
- montado com o comando <command>mount</command>?</para>
+ <question xml:id="should-enable-dedup">
+ <para>A ativação da funcionalidade de desduplicação é recomendável?</para>
</question>
<answer>
- <para>Ao tentar montar um CD de udio, o mais
- provvel que ocorra um erro do tipo
- <errorname>cd9660: /dev/acd0c: Invalid
- argument</errorname>. Isso se deve ao fato que o
- comando <command>mount</command> trabalha exclusivamente
- com sistema de arquivos, o que no o caso
- de CDs de udio. CDs de udio contm
- apenas dados, e por isso necessrio alguma
- aplicao capaz de ler tais CDs. Use algum
- programa como o <package>audio/xmcd</package>na
- coleo de <literal>Ports</literal> do
- FreeBSD para ler dados em CDs desse tipo.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>De um modo geral, não.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="multi-session-CD">
- <para>Como eu monto um CD com mltiplas
- sesses de gravao?</para>
- </question>
+ <para>A deduplicação ocupa uma quantidade significativa de RAM e pode tornar mais lento os tempos de acesso ao disco para leitura e gravação. A menos que um esteja armazenando dados muito duplicados, como imagens de máquinas virtuais ou backups de usuários, é possível que a deduplicação faça mais mal do que bem. Outra consideração é a incapacidade de reverter o status da deduplicação. Se os dados forem gravados quando a deduplicação estiver ativada, desabilitar a deduplicação não fará com que os blocos deduplicados sejam replicados até que sejam modificados em novamente.</para>
- <answer>
- <para>Por padro, o &man.mount.8; tenta montar a
- ltima trilha de dados (sesso) de um CD.
- Caso queira montar uma sesso anterior pode-se usar
- o argumento <option>-s</option> na linha de comando em
- questo. Por gentileza, refira-se a pgina
- de manual do comando &man.mount.cd9660.8; para obter
- exemplos especficos do uso dessa e de outras
- opes.</para>
+ <para>A deduplicação também pode levar há algumas situações inesperadas. Em particular, a exclusão de arquivos pode se tornar muito mais lenta.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="user-floppymount">
- <para>Como posso permitir que usurios comuns montem
- disquetes, CDROMs e outros tipos de mdia
- removvel?</para>
+ <question xml:id="zpool-fully-full">
+ <para>Não consigo excluir ou criar arquivos no meu pool do ZFS. Como posso consertar isso?</para>
</question>
<answer>
- <para>Usurios comuns podem ter a permisso de
- montar dispositivos. Veja como:</para>
-
- <procedure>
- <step>
- <para>Como <systemitem class="username">root</systemitem> defina a
- varivel <varname>vfs.usermount</varname> do
- sysctl para <literal>1</literal>.</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl -w vfs.usermount=1</userinput></screen>
- </step>
-
- <step>
- <para>Como <systemitem class="username">root</systemitem> defina as
- permisses apropriadas nos dispositivos
- associados ao controle da mdia
- removvel.</para>
-
- <para>Por exemplo, para permitir que os usurios
- possam montar a primeira unidade de disquete,
- use:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>chmod 666 /dev/fd0</userinput></screen>
-
- <para>Para permitir que os usurios do grupo
- <systemitem class="groupname">operator</systemitem> montem a unidade de
- CDROM, use:</para>
+ <para>Isso pode acontecer porque o pool está 100% cheio. O ZFS requer espaço no disco para gravar metadados de transação. Para restaurar o pool para um estado utilizável, primeiro faça o truncate do arquivo que irá excluir:</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>chgrp operator /dev/cd0c</userinput>
-&prompt.root; <userinput>chmod 640 /dev/cd0c</userinput></screen>
- </step>
-
- <step>
- <para>Finalmente, para tornar essa
- alterao permanente, adicione a linha
- <literal> vfs.usermount=1</literal>
- no arquivo
- <filename>/etc/sysctl.conf</filename>.</para>
- </step>
- </procedure>
-
- <para>Agora todos os usurios podem montar qualquer
- disquete no <filename>/dev/fd0</filename> em algum
- ponto de montagem que lhes pertena:</para>
-
- <screen>&prompt.user; <userinput>mkdir ~/my-mount-point</userinput>
-&prompt.user; <userinput>mount -t msdos /dev/fd0 ~/my-mount-point</userinput></screen>
-
- <para>Os usurios no grupo
- <systemitem class="groupname">operator</systemitem> agora tem permisso
- para montar os CDs no <filename>/dev/cd0c</filename>
- em qualquer ponto de montagem que lhes
- pertena:</para>
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>truncate -s 0 unimportant-file</userinput></screen>
- <screen>&prompt.user; <userinput>mkdir ~/my-mount-point</userinput>
-&prompt.user; <userinput>mount -t msdos /dev/cd0c ~/my-mount-point</userinput></screen>
+ <para>O truncamento de arquivo funciona porque uma nova transação não é iniciada, novos blocos de reserva são criados.</para>
- <para>Desmontar o dispositivo extremamente
- simples:</para>
-
- <screen>&prompt.user; <userinput>umount ~/my-mount-point</userinput></screen>
-
- <para>Contudo, habilitar a opo
- <varname>vfs.usermount</varname>, contudo, causa algumas
- implicncias quanto ao quesito segurana;. A
- forma mais racional de acessar mdia do tipo MSDOS
- no FreeBSD usando a aplicao
- <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/cgi/ports.cgi?query=%5Emtools-&amp;stype=name">mtools
- </link>, disponvel na Coleo de
- <literal>Ports</literal>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="du-vs-df">
- <para>Os comandos <command>du</command> e
- <command>df</command> apresentam quantias distintas de
- espao em disco disponvel. O que
- est havendo?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para> necessrio entender o que os comandos
- <command>du</command> e <command>df</command> realmente
- fazem. O <command>du</command> percorre a rvore
- de diretrios medindo o tamanho de cada arquivo e
- apresentando o total da soma de todos os arquivos
- encontrados em um dado diretrio, e posteriormente
- apresentando a soma de ambos subdiretrios no
- diretrio de nvel seguinte,
- <command>df</command> simplesmente pergunta ao sistema de
- arquivos quanto espao ainda lhe resta. Parece o
- mesmo comportamento, mas um arquivo alocado fora de um
- diretrio, por exemplo, afeta os dados apresentados
- pelo <command>df</command>, mas no afeta o
- <command>du</command>.</para>
-
- <para>Quando um programa est usando algum arquivo, e
- este apagado, o arquivo no
- retirado do sistema de arquivos at que o programa
- em questo pare de us-lo. Contudo, esse
- arquivo imediatamente deletado da listagem de
- diretrios; isso pode ser mais bem observado com
- algum paginador como o <command>more</command>. Por
- exemplo, assuma que existe um arquivo grande o bastante
- que sua presena seja perceptvel claramente
- na sada dos comandos <command>du</command> e
- <command>df</command>. (Considerando que hoje em dia os
- discos so bem grandes, o arquivo em questo
- deve ser um arquivo de tamanho <emphasis>extremamente
- considervel!</emphasis>) Caso o arquivo seja
- apagado em quanto ele esteja sendo paginado com o
- <command>more</command>, pode-se perceber que o
- <command>more</command> no passa a reclamar que o
- arquivo no pode mais ser visualizado no mesmo
- instante. Contudo, a listagem, do diretrio em
- questo no apresentar mais esse
- arquivo, de forma que nenhum usurio ou outro
- programa possa acess-lo. A entrada do arquivo no
- diretrio simplesmente removida. O
- <command>du</command> vai mostrar que esse arquivo
- no existe mais &mdash; -- afinal, o du percorreu
- todo o diretrio e no encontrou esse
- arquivo listado -- contudo o <command>df</command> mostra
- que o arquivo continua no disco, pois o sistema de
- arquivos sabe que o <command>more</command> continua
- usando aquele espao de dados que se encontram no
- disco. Uma vez terminada a sesso do
- <command>more</command>,<command>du</command> e
- <command>df</command> concordaro entre si.</para>
-
- <para>Note que em sistemas de arquivos com softupdates, a
- liberao de espao em disco
- tambm pode ser atrasada em at 30 segundos
- dependendo da situao; apenas depois desse
- tempo, a alterao em disco ser
- visvel!</para>
-
- <para>Esse comportamento comum e fcil de
- ser observado em Servidores Web. Muitos usurios
- configuram algum Servidor Web no FreeBSD e se esquecem de
- rotacionar os arquivos de log da aplicao,
- os quais entopem o <filename>/var</filename>. O novo
- administrador do sistema deleta os arquivos de log em
- questo, mas o sistema operacional continua
- reclamando que a partio est cheia,
- at que o Servidor Web seja desligado e religado,
- de forma que a aplicao libera o arquivo e
- permite que o sistema apague o arquivo, recuperando o
- espao em disco em questo. Para prevenir
- que isso ocorra, configure o &man.newsyslog.8;.</para>
+ <note>
+ <para>Em sistemas que utilizam o ZFS com um dataset customizado, por exemplo com a funcionalidade de deduplicação ativada, o espaço pode não ficar disponível imediatamente.</para>
+ </note>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="add-swap-space">
- <para>Como eu posso adicionar mais espao para
- <foreignphrase>swap</foreignphrase>?</para>
+ <question xml:id="zfs-ssd-trim">
+ <para>O ZFS suporta TRIM para unidades de estado sólido?</para>
</question>
<answer>
- <para>No captulo <link xlink:href="../handbook/config-tuning.html">Configurao
- e Ajuste Fino
- (<foreignphrase>Tuning</foreignphrase>)</link> do
- &a.ptbr.p.handbook;, pode ser encontrada uma <link xlink:href="../handbook/adding-swap-space.html">seo
- </link> descrevendo como fazer isto.</para>
+ <para>O suporte ao ZFS TRIM foi adicionado ao FreeBSD 10-CURRENT com revisão r<revnumber>240868</revnumber>. O suporte ao ZFS TRIM foi adicionado a todas as branchs do FreeBSD-STABLE na revisão r<revnumber>252162</revnumber> e r<revnumber>251419</revnumber>, respectivamente.</para>
+
+ <para>O ZFS TRIM é ativado por padrão e pode ser desativado adicionando-se esta linha ao arquivo <filename>/etc/sysctl.conf</filename>:</para>
+
+ <programlisting>vfs.zfs.trim_disable=1</programlisting>
+
+ <note>
+ <para>O ZFS TRIM pode não funcionar com todas as configurações, tal como um sistema de arquivos ZFS em um dispositivo com suporte a GELI.</para>
+ </note>
</answer>
</qandaentry>
</qandaset>
</chapter>
<chapter xml:id="admin">
- <title>Administrao do Sistema</title>
+ <title>Administração do Sistema</title>
<qandaset>
<qandaentry>
<question xml:id="startup-config-files">
- <para>Onde esto os arquivos que configuram a
- inicializao do sistema ?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Do FreeBSD 2.0.5R at o 2.2.1R, o arquivo de
- configuraes primrio o
- <filename>/etc/sysconfig</filename>. Todas as
- opes devem ser definidas nesse arquivo ou
- ento em outros, como o
- <filename>/etc/rc</filename> (veja o manual para o
- &man.rc.8;) e o <filename>/etc/netstart</filename></para>
-
- <para>D uma olhada no
- <filename>/etc/sysconfig</filename> e altere as
- variveis de acordo com o que voc quer
- configurar no seu sistema. O arquivo repleto de
- comentrios que auxiliam a correta
- definio dos valores a serem
- definidos.</para>
-
- <para>A partir do 2.2.1 at o 3.0, o
- <filename>/etc/sysconfig</filename> foi renomeado para
- &man.rc.conf.5;, que auto-descritivo, e cuja
- sintaxe foi melhorada no processo de
- substituio. O
- <filename>/etc/netstart</filename> agora se chama
- <filename>/etc/rc.network</filename>, de forma que todos
- os arquivos possam ser copiados com um simples comando
- como um <command>cp /usr/src/etc/rc* /etc</command></para>
-
- <para>E depois, a partir do FreeBSD 3.1, o
- <filename>/etc/rc.conf</filename> foi alterado para o
- <filename>/etc/defaults/rc.conf</filename>.
- <emphasis>No edite esse arquivo!</emphasis> Ao
- invs disso, para todas as entradas que voc
- queira alterar no
- <filename>/etc/defaults/rc.conf</filename>, basta apenas
- copiar a linha relativa essa entrada para o
- <filename>/etc/rc.conf</filename> e depois modificar seu
- valor.</para>
-
- <para>Por exemplo, caso deseje iniciar o named, o servidor
- DNS disponvel no FreeBSD, a partir do FreeBSD 3.1
- basta fazer isso:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>echo named_enable="YES" &gt;&gt; /etc/rc.conf</userinput></screen>
-
- <para>Para iniciar servios locais no FreeBSD 3.1 e
- posteriores, basta colocar os scripts shell de
- inicializao desses servios no
- diretrio <filename>/usr/local/etc/rc.d</filename>.
- Tais shell scripts devem ser executveis e
- terminarem com a extenso .sh. No FreeBSD 3.0 ou
- anteriores, o arquivo <filename>/etc/rc.local</filename>
- era a nica opo para iniciar
- servios/processos locais automaticamente.</para>
-
- <para>O arquivo <filename>/etc/rc.serial</filename>
- usado para a inicializao de portas seriais
- (por exemplo, para definir as caractersticas das
- portas, e assim por diante).</para>
-
- <para>O arquivo <filename>/etc/rc.i386</filename>
- usado para configuraes especficas
- de sistemas Intel e compatveis, como por exemplo,
- emulao iBCS2 ou definies
- do sistema de console dos PC.</para>
+ <para>Onde estão os arquivos de configuração de inicialização do sistema?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>O arquivo de configuração principal é o <filename>/etc/defaults/rc.conf</filename>, o qual está descrito em <citerefentry><refentrytitle>rc.conf</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>. Os scripts de inicialização do sistema, tais como <filename>/etc/rc</filename> e <filename>/etc/rc.d</filename>, que são descritos em <citerefentry><refentrytitle>rc</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, incluem este arquivo. <emphasis>Não edite este arquivo!</emphasis> Em vez disso, para editar uma entrada do <filename>/etc/default/rc.conf</filename>, copie a linha para o arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename> e altere-a lá.</para>
+
+ <para>Por exemplo, se para iniciar <citerefentry><refentrytitle>named</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, o servidor DNS incluído:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>echo 'named_enable="YES"' &gt;&gt; /etc/rc.conf</userinput></screen>
+
+ <para>Para iniciar serviços locais, coloque seus shell scripts no diretório <filename>/usr/local/etc/rc.d</filename>. Estes shell scripts devem estar definidos como executáveis, o modo de arquivo padrão é <literal>555</literal>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="adding-users">
- <para>Como posso adicionar um usurio de forma
- simples?</para>
+ <para>Como eu adiciono um usuário facilmente?</para>
</question>
<answer>
- <para>Use o comando &man.adduser.8;. Caso prefira uma forma
- mais complexa (e mais completa), use o comando
- &man.pw.8;.</para>
+ <para>Use o comando <citerefentry> <refentrytitle> adduser </refentrytitle> <manvolnum> 8 </manvolnum> </citerefentry>, para as situações mais complexas utilize o comando <citerefentry> <refentrytitle> pw </refentrytitle> <manvolnum> 8 </manvolnum> </citerefentry>.</para>
- <para>Para remover o usurio do sistema, use o
- comando &man.rmuser.8;. Mais uma vez, o &man.pw.8;
- tambm funciona muito bem nesse caso.</para>
+ <para>Para remover o usuário, use o comando <citerefentry><refentrytitle>rmuser</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> ou, se necessário, o comando <citerefentry><refentrytitle>pw</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="root-not-found-cron-errors">
- <para>Depois de editar o crontab, mensagens como
- <errorname>root: not found</errorname> ficam aparecendo
- sempre. Por que?</para>
+ <para>Por que eu continuo recebendo mensagens como <errorname>root: not found</errorname> depois de editar o arquivo <filename>/etc/crontab</filename>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Normalmente esse um problema causado ao se
- editar o crontab do sistema
- (<filename>/etc/crontab</filename>) e depois usar o
- &man.crontab.1; para instala-lo:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>crontab /etc/crontab</userinput></screen>
-
- <para>Essa no a forma correta de fazer as
- coisas. O crontab do sistema tem um formato distinto do
- crontab dos usurios, o qual o &man.crontab.1;
- atualiza (o manual do &man.crontab.5; explica tais
- diferenas de forma mais detalhada).</para>
-
- <para>Caso voc tenha cometido esse engano, o novo
- crontab uma simples cpia do
- <filename>/etc/crontab</filename>, ou seja, com um formato
- errado. Apague-o com o comando:</para>
+ <para>Isto normalmente é causado pela edição do crontab do sistema. Esta não é a maneira correta de fazer as coisas, pois o crontab do sistema tem um formato diferente dos crontabs por usuário. O crontab do sistema possui um campo extra, especificando qual usuário irá executar o comando. O <citerefentry><refentrytitle>cron</refentrytitle> <manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> assume que este usuário é a primeira palavra do comando a ser executado. Como esse comando não existe, essa mensagem de erro é exibida.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>crontab -r</userinput></screen>
+ <para>Para excluir o crontab extra incorreto:</para>
- <para>Da prxima vez que editar o
- <filename>/etc/crontab</filename>, nenhuma
- ao precisa ser tomada para avisar o
- &man.cron.8; das alteraes. Ele vai
- perceber as mudanas automaticamente.</para>
-
- <para>Caso queira executar alguma tarefa diria,
- semanal ou mensal, mais indicado adicionar alguns
- scripts de shell sob o
- <filename>/usr/local/etc/periodic</filename> e deixar o
- programa &man.periodic.8;, chamado a partir da tabela cron
- do sistema, cuidar das suas tarefas assim como ele faz com
- as outras tarefas pertinentes ao sistema.</para>
-
- <para>A nica razo para esse erro
- que a tabela de cron do sistema tem um campo a mais, que
- especifica o usurio que deve executar o comando.
- No crontab do sistema padro do FreeBSD, esse
- usurio o <systemitem class="username">root</systemitem>, em
- todas as entradas. Quando essa crontab usada
- como a tabela de cron do <systemitem class="username">root</systemitem> (que
- diferente da tabela de cron do sistema), o
- &man.cron.8; assume que a string <systemitem class="username">root</systemitem>
- fosse um primeiro comando, mas esse comando no
- existe, por isso ocorre o erro.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>crontab -r</userinput></screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="su-wheel-group">
- <para>Porque o erro <errorname>you are not in the correct
- group to su root</errorname> ocorre, quando eu tento
- virar <systemitem class="username">root</systemitem> com o su ?</para>
+ <para>Por que eu recebo o erro, <errorname>you are not in the correct group to su root</errorname> quando tento executar o comando <command>su</command> para o usuário <systemitem class="username">root</systemitem> ?</para>
</question>
<answer>
- <para>Essa uma caracterstica de
- segurana do FreeBSD. Para se tornar
- <systemitem class="username">root</systemitem> com o su (ou qualquer outro
- usurio com privilgios de super
- usurio), preciso fazer parte do grupo
- <systemitem class="groupname">wheel</systemitem>. Sem essa
- caracterstica, qualquer usurio com uma
- conta vlida no sistema que soubesse a senha de
- <systemitem class="username">root</systemitem> poderia obter privilgios
- de super usurio. Por causa do comportamento
- atual, essa afirmao no
- verdadeira, uma vez que o su no vai nem permitir
- que o usurio d a senha de
- <systemitem class="username">root</systemitem>, caso ele no esteja no
- grupo <systemitem class="groupname">wheel</systemitem>.</para>
+ <para>Este é um recurso de segurança. Para executar <command>su</command> para <systemitem class="username">root</systemitem>, ou qualquer outra conta com privilégios de superusuário, a conta do usuário deve ser um membro do grupo <systemitem class="groupname">wheel</systemitem>. Se este recurso não estivesse lá, qualquer pessoa com uma conta em um sistema e que também descobrisse a senha do <systemitem class="username">root</systemitem> seria capaz de obter acesso de nível de superusuário ao sistema.</para>
- <para>Para permitir que algum usurio se torne
- <systemitem class="username">root</systemitem>, basta que ele faa parte
- do grupo <systemitem class="groupname">wheel</systemitem>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Para permitir que alguém execute o comando <command>su</command> <systemitem class="username"> root </systemitem>, coloque-os no grupo <systemitem class="groupname">wheel</systemitem> usando o comando <command>pw</command>:</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="rcconf-readonly">
- <para>Cometi um erro no <filename>rc.conf</filename>, ou em
- algum outro arquivo de inicializao, e
- agora no posso corrigir essa
- alterao porque o sistema de arquivos
- apenas-leitura. O que devo fazer?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Nessa situao, o comportamento esperado
- que o sistema entre em modo monousurio e
- pea o caminho completo para o seu interpretador de
- comandos (sua shell). Basta confirmar a shell
- padro, que ele oferece, com um simples
- <literal>ENTER</literal>, e depois executar um
- <command>mount /</command> para remontar o sistema de
- arquivos raiz ( / ) em modo leitura/escrita (rw).
- Tambm pode ser necessrio executar um
- <command>mount -a -t ufs</command> para montar o sistema
- de arquivos onde o seu editor de texto preferido vai estar
- disponvel. Caso seu editor esteja em um sistema
- de arquivos da rede, ser necessrio
- configurar a rede manualmente, ou usar um editor
- disponvel localmente, como o &man.ed.1;.</para>
-
- <para>Caso queira usar um editor de tela inteira como o
- &man.vi.1; ou &man.emacs.1;, ser necessrio
- definir a varivel de ambiente TERM como do tipo
- cons25, bastando um simples export TERM=cons25, de forma
- que tais editores possam carregar as
- informaes corretas da base de dados do
- &man.termcap.5;.</para>
-
- <para>Depois disso, o <filename>/etc/rc.conf</filename> pode
- ser editado normalmente, e a sintaxe problemtica,
- corrigida. A mensagem de erro apresentada imediatamente
- aps o carregamento do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> indica o
- nmero da linha e o arquivo onde o erro
- aconteceu.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>pw groupmod wheel -m lisa</userinput></screen>
+
+ <para>O exemplo acima adicionará o usuário <systemitem class="username"> lisa </systemitem> ao grupo <systemitem class="groupname"> wheel </systemitem>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="printer-setup">
- <para>Porque estou tendo problemas ao configurar minha
- impressora?</para>
+ <question xml:id="rcconf-readonly">
+ <para>Cometi um erro no <filename>rc.conf</filename>, ou outro arquivo de inicialização, e agora não posso editá-lo porque o sistema de arquivos está montado somente leitura. O que devo fazer?</para>
</question>
<answer>
- <para>Por gentileza, d uma olhada nas pginas
- sobre impresso do &a.ptbr.p.handbook;. O
- documento deve responder a maioria de suas dvidas.
- Veja a entrada sobre <link xlink:href="../handbook/printing.html">Impresso no
- &a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para>Reinicie o sistema usando <userinput>boot -s</userinput> no prompt do loader para entrar no modo single user. Quando o sistema solicitar o caminho do shell, apenas pressione <keycap>Enter</keycap> e execute <command>mount -urw /</command> para remontar novamente o sistema de arquivos raiz no modo de leitura e gravação. Você também pode precisar executar o comando <command>mount -a -t ufs</command> para montar o sistema de arquivos no qual seu editor favorito é mantido. Se esse editor estiver em um sistema de arquivos de rede, configure a rede manualmente antes de montar os sistemas de arquivos de rede ou use um editor que resida em um sistema de arquivos local, tal como o <citerefentry><refentrytitle>ed</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>.</para>
+
+ <para>Para usar um editor de tela inteira, tal como o <citerefentry><refentrytitle>vi</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> ou <citerefentry vendor="ports"><refentrytitle>emacs</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>, execute <command>export TERM=xterm</command> para que esses editores possam carregar os dados corretos do banco de dados do <citerefentry><refentrytitle>termcap</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <para>Algumas impressoras precisam de um driver local,
- baseado em estaes, para prover qualquer
- tipo de impresso. Essas impressoras so
- chamadas de <quote>WinPrinters</quote> e no
- so suportadas nativamente pelo FreeBSD. Se sua
- impressora no funciona sob DOS ou com Windows NT
- 4.0, provavelmente ela uma WinPrinter. A
- nica esperana de se obter uma impressora
- desse tipo funcionando, verificar se o
- <literal>port</literal> <package>print/pnm2ppa</package> tem suporte para
- ela.</para>
+ <para>Depois de executar estas etapas, edite o arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename> para corrigir o erro de sintaxe. A mensagem de erro exibida imediatamente após as mensagens de inicialização do kernel deve indicar o número da linha no arquivo que está com erro.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="keyboard-mappings">
- <para>Como posso corrigir o mapeamento de teclados do meu
- sistema?</para>
+ <question xml:id="printer-setup">
+ <para>Por que estou tendo problemas para configurar minha impressora?</para>
</question>
<answer>
- <para>Por gentileza, refira-se seo
- usando <link xlink:href="../handbook/using-localization.html">localizao
- do &a.ptbr.p.handbook;</link>, mais precisamente na
- parte sobre a <link xlink:href="../handbook/using-localization.html#SETTING-CONSOLE">configurao
- do console</link>.</para>
+ <para>Consulte a seção sobre <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/printing.html">impressão</link> no Handbook do FreeBSD para dicas de soluções de problemas.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="pnp-resources">
- <para>O que causa mensagens como: <errorname>unknown:
- &lt;PNP0303&gt; can't assign resources</errorname> na
- inicializao do sistema?</para>
+ <question xml:id="keyboard-mappings">
+ <para>Como posso corrigir os mapeamentos de teclado para o meu sistema?</para>
</question>
<answer>
- <para>O trecho a seguir citao de
- uma mensagem enviada na lista freebsd-current.</para>
-
- <blockquote>
- <attribution>&a.wollman;, 24 Abril 2001</attribution>
-
- <para>A mensagem <quote>can't assign resources</quote>
- indica que os equipamentos em questo so
- do tipo ISA, e que no existem entradas indicando
- drivers no-PnP compiladas no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>. Esses
- equipamentos podem ser controladoras de teclados,
- controladora de interrupo
- programvel e vrias outras peas
- da infra-estrutura padro do sistema. Os
- recursos no podem ser atribudos por
- j existirem drivers usando tais
- endereos.</para>
- </blockquote>
+ <para>Consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/using-localization.html">usando localização</link> do Handbook, mais especificamente a seção sobre a <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/using-localization.html#setting-console"> configuração do console </link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="user-quotas">
- <para>Porque eu no consigo fazer as quotas de
- usurios funcionarem de forma correta?</para>
+ <para>Por que não consigo colocar as quotas de usuários para funcionar corretamente?</para>
</question>
<answer>
<orderedlist>
<listitem>
- <para>No habilite quotas na
- <filename>/</filename>,</para>
+ <para>É possível que o kernel não esteja configurado para usar quotas. Neste caso, adicione a seguinte linha ao arquivo de configuração do kernel e recompile o kernel:</para>
+
+ <programlisting>options QUOTA</programlisting>
+
+ <para>Consulte a <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/quotas.html"> seção do Handbook sobre quotas</link> para obter detalhes completos.</para>
+ </listitem>
+
+ <listitem>
+ <para>Não ative o uso de quotas na partição <filename>/</filename>.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Coloque o arquivo de quotas indicando o sistema de
- arquivos onde se deseja estabelecer as quotas, por
- exemplo:</para>
+ <para>Coloque o arquivo de quotas no sistema de arquivos para o qual quotas precisam ser aplicadas:</para>
- <informaltable frame="none">
+ <informaltable frame="none" pgwide="1">
<tgroup cols="2">
<thead>
<row>
- <entry>Sistemas de arquivos</entry>
+ <entry>Sistema de arquivo</entry>
- <entry>Arquivos de quotas</entry>
+ <entry>Arquivo de quota</entry>
</row>
</thead>
@@ -7955,9 +2274,9 @@ C:\="DOS"</programlisting>
</row>
<row>
- <entry>&hellip;</entry>
+ <entry>…</entry>
- <entry>&hellip;</entry>
+ <entry>…</entry>
</row>
</tbody>
</tgroup>
@@ -7969,3252 +2288,994 @@ C:\="DOS"</programlisting>
<qandaentry>
<question xml:id="sysv-ipc">
- <para>O FreeBSD suporta as primitivas de IPC do System
- V?</para>
+ <para>O FreeBSD suporta System V IPC primitives?</para>
</question>
<answer>
- <para>Sim, o FreeBSD suporta IPC ao estilo do System V.
- Esse suporte inclui compartilhamento de memria,
- mensagens e semforos. necessrio
- adicionar as seguintes linhas no arquivo de
- configuraes do seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, para ativar o
- suporte:</para>
-
- <programlisting>options SYSVSHM # habilita memria compartilhada
-options SYSVSEM # habilita semforos
-options SYSVMSG # habilita mensagens</programlisting>
-
- <note>
- <para>No FreeBSD 3.2 e posteriores, tais
- opes j fazem parte do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- <emphasis>GENERIC</emphasis>, o que significa que tal
- suporte j deve estar compilado no seu
- sistema.</para>
- </note>
+ <para>Sim, o FreeBSD suporta o IPC no estilo do System V, incluindo memória compartilhada, mensagens e semáforos, no kernel <filename>GENERIC</filename>. Em um kernel personalizado, o suporte pode ser por meio do carregamento dos módulos de kernel <filename>sysvshm.ko</filename>, <filename>sysvsem.ko</filename> e <filename>sysvmsg.ko</filename>, ou habilitado de forma estática no kernel personalizado adicionando as seguintes linhas ao arquivo de configuração do mesmo:</para>
- <para>Recompile e instale o novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="uucpmail">
- <para>Como posso usar o sendmail para entregar mensagens com
- UUCP?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A configurao do sendmail
- disponvel por padro no FreeBSD
- direcionada para sites que estejam conectados
- Internet. Servidores que pretendem entregar suas
- mensagens via UUCP devem instalar um novo arquivo de
- configuraes do sendmail.</para>
-
- <para>Alterar o <filename>/etc/mail/sendmail.cf</filename>
- manualmente considerado tarefa para os mais
- puristas. A verso 8 do sendmail tem uma nova
- abordagem de arquivos de configurao por
- meio de pr processamento com o &man.m4.1;, onde os
- modelos de configurao so
- manipulados em um nvel mais alto de
- abstrao. Use os arquivos de
- configurao disponveis sob
- /usr/src/usr.sbin/sendmail/cf.</para>
-
- <para>Caso seu sistema no tenha sido instalado com
- os fontes, os arquivos de configurao do
- sendmail foram divididos em pacotes separados. Assumindo
- que voc tenha o CDROM do FreeBSD montado,
- faa o seguinte:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /cdrom/src</userinput>
-&prompt.root; <userinput>cat scontrib.?? | tar xzf - -C /usr/src contrib/sendmail</userinput></screen>
-
- <para>No se desespere, so apenas algumas
- centenas de Kilobytes em tamanho. O arquivo README no
- diretrio cf serve de introduo
- bsica ao uso do m4.</para>
-
- <para>Para entregar mensagens via UUCP, o melhor conselho
- usar o <literal>mailtertable</literal>. Trata-se
- de uma base de dados que o sendmail usa para basear suas
- decises de roteamento de mensagens.</para>
-
- <para>Primeiro, necessrio criar seu arquivo
- <filename>.mc</filename>. O diretrio
- <filename>/usr/src/usr.sbin/sendmail/cf/cf</filename>
- o diretrio home para esse tipo de
- arquivo. D uma olhada, j existem alguns
- exemplos disponveis por l. Se assumirmos
- que voc chamou o arquivo de
- <filename>foo.mc</filename>, para converte-lo para um
- arquivo <filename>sendmail.cf</filename> vlido
- basta:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /usr/src/usr.sbin/sendmail/cf/cf</userinput>
-&prompt.root; <userinput>make foo.cf</userinput>
-&prompt.root; <userinput>cp foo.cf /etc/mail/sendmail.cf</userinput></screen>
-
- <para>Um arquivo <filename>.mc</filename> tpico, se
- parece com algo mais ou menos assim:</para>
-
- <programlisting>VERSIONID(`<replaceable>Nmero da sua verso</replaceable>')
-OSTYPE(bsd4.4)
-
-FEATURE(accept_unresolvable_domains)
-FEATURE(nocanonify)
-FEATURE(mailertable, `hash -o /etc/mail/mailertable')
-
-define(`UUCP_RELAY', <replaceable>your.uucp.relay</replaceable>)
-define(`UUCP_MAX_SIZE', 200000)
-define(`confDONT_PROBE_INTERFACES')
-
-MAILER(local)
-MAILER(smtp)
-MAILER(uucp)
-
-Cw <replaceable>your.alias.host.name</replaceable>
-Cw <replaceable>youruucpnodename.UUCP</replaceable></programlisting>
-
- <para>As linhas contendo as entradas
- <literal>accept_unresolvable_domains</literal>,
- <literal>nocanonify</literal>, e
- <literal>confDONT_PROBE_INTERFACES</literal> previnem o
- uso do DNS durante a entrega das mensagens. A
- clusula <literal>UUCP_RELAY</literal>
- necessria por razes bizarras, nem pergunte
- quais. Apenas coloque o nome de uma estao
- que possa manipular endereos com
- pseudo-domnio .UUCP; normalmente o
- endereo de relay de e-mail do seu Provedor de
- Servio Internet deve servir.</para>
-
- <para>Depois disso, necessrio usar o
- arquivo <filename>/etc/mail/mailertable</filename>. Caso
- exista apenas um link para fora, por onde todos os e-mails
- so roteados, as seguintes definies
- so o bastante:</para>
-
- <programlisting>#
-# makemap hash /etc/mail/mailertable.db &lt; /etc/mail/mailertable
-. uucp-dom:<replaceable>your.uucp.relay</replaceable></programlisting>
-
- <para>Um exemplo mais complexo, se pareceria com:</para>
-
- <programlisting>#
-# makemap hash /etc/mail/mailertable.db &lt; /etc/mail/mailertable
-#
-horus.interface-business.de uucp-dom:horus
-.interface-business.de uucp-dom:if-bus
-interface-business.de uucp-dom:if-bus
-.heep.sax.de smtp8:%1
-horus.UUCP uucp-dom:horus
-if-bus.UUCP uucp-dom:if-bus
-. uucp-dom:</programlisting>
-
- <para>Como pode-se perceber, se trata de um arquivo usado na
- vida real. As primeiras trs linhas tratam
- situaes especiais onde as mensagens
- endereadas aquele domnio no devem
- ser roteadas pela sada padro, mas ao
- invs disso, ser entregues para algum servidor UUCP
- vizinho, de forma a encurtar o caminho para entrega dos
- e-mails. A linha seguinte trata mensagens para rede
- Ethernet local, para domnios onde os mails possam
- ser entregues via SMTP. Finalmente, os vizinhos UUCP
- so mencionados na notao do
- pseudo-domnio .UUCP, que permite um
- <literal>uucp-neighbor!recipient</literal>
- sobrescrever as regras padro. A ltima
- linha sempre um ponto, que indica que todos os
- e-mails que no foram tratados pelas entradas
- anteriores cuja entrega seja do tipo UUCP, devem ser
- tratados por um dos vizinhos UUCP que sirva como gateway
- universal com o resto do mundo. Todas as
- estaes antecedendo a entrada
- <literal>uucp-dom:</literal> devem ser nomes de vizinhos
- UUCP vlidos, que podem ser checados com o comando
- <literal>uuname</literal>.</para>
-
- <para>Para lembrar que esse arquivo precisa ser convertido
- em base de dados do tipo DBM, o comando necessrio
- para tomar essa ao est comentado
- no incio do arquivo mailertable. Esse comando
- deve ser executado sempre que o mailertable for
- alterado.</para>
-
- <para>Dica final: caso tenha dvidas se uma rota de
- e-mail em particular ir funcionar, lembre-se que a
- opo <option>-bt</option> do sendmail
- permite que ele seja iniciado em modo de testes de
- endereo; simplesmente digite
- <literal>3,0</literal> seguido do endereo que
- voc quer testar o roteamento de mensagens. A
- ltima linha ir indicar o agente de
- transferncia interno que foi usado, a
- estao de destino com a qual esse agente de
- entrega ir se comunicar, e o seu endereo.
- Para sair desse modo, digite Control-D.</para>
-
- <screen>&prompt.user; <userinput>sendmail -bt</userinput>
-ADDRESS TEST MODE (ruleset 3 NOT automatically invoked)
-Enter &lt;ruleset&gt; &lt;address&gt;
-<prompt>&gt;</prompt> <userinput>3,0 foo@example.com</userinput>
-canonify input: foo @ example . com
-...
-parse returns: $# uucp-dom $@ <replaceable>your.uucp.relay</replaceable> $: foo &lt; @ example . com . &gt;
-<prompt>&gt;</prompt> <userinput>^D</userinput></screen>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="ispmail">
- <para>Como eu configuro e-mail em uma conexo dialup
- com a rede?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Se a sua conexo discada lhe atribui um
- endereo IP esttico, no
- necessrio configurar nenhuma opo
- extra. Ajuste o nome da sua estao para o
- nome que a identifica na Internet, e o sendmail
- far o resto.</para>
-
- <para>Mas se a conexo PPP lhe atribui
- endereos dinmicos, provavelmente o seu
- Provedor de Servio Internet oferece uma conta de
- correio eletrnico em seus servidores. Vamos
- assumir que o nome do domnio do seu provedor
- <systemitem class="fqdomainname">example.net</systemitem>, e
- que o nome do seu usurio
- <systemitem class="username">user</systemitem>. Vamos assumir tambm
- que o nome da sua estao seja <systemitem class="fqdomainname">bsd.home</systemitem> e que o Provedor de
- Servio Internet defina que o endereo
- <systemitem class="fqdomainname">relay.example.net</systemitem> deva ser
- usado para relay de mensagens eletrnicas.</para>
-
- <para>Para acessar as mensagens da sua caixa de correio,
- necessrio usar um agente de busca. O
- <application>Fetchmail</application> uma boa
- escolha, j que ele suporta vrios
- protocolos distintos. Normalmente o provedor em
- questo oferece servio de POP3. Caso sua
- conexo PPP seja estabelecida nvel
- de usurio (user-PPP), para acessar suas mensagens
- automaticamente ao estabelecer-se uma conexo com a
- rede, basta adicionar a seguinte entrada no arquivo
- <filename>/etc/ppp/ppp/linkup</filename>:</para>
+ <programlisting>options SYSVSHM # enable shared memory
+options SYSVSEM # enable for semaphores
+options SYSVMSG # enable for messaging</programlisting>
- <programlisting>MYADDR:
- !bg su user -c fetchmail</programlisting>
-
- <para>Caso esteja usando o
- <application>sendmail</application> (como foi descrito
- anteriormente) para entregar suas mensagens para
- endereos no-locais, insira o
- comando:</para>
-
- <programlisting> !bg su user -c "sendmail -q"</programlisting>
-
- <para>depois da entrada apresentada anteriormente. Esse
- comando ir forar o
- <application>sendmail</application> a processar sua fila
- de e-mail to logo uma conexo com a&nbsp;
- rede seja estabelecida.</para>
-
- <para>Assumindo que exista uma conta para o
- <systemitem class="username">user</systemitem> na mquina <systemitem class="fqdomainname">bsd.home</systemitem>. No diretrio home
- do <systemitem class="username">user</systemitem> na estao
- <systemitem class="fqdomainname">bsd.home</systemitem>, crie um arquivo
- <filename>.fetchmailrc</filename> com o seguinte
- contedo:</para>
-
- <programlisting>poll example.net protocol pop3 fetchall pass MySecret</programlisting>
-
- <para>Esse arquivo no deve ter permisso de
- leitura para nenhum outro usurio, a no ser
- o <systemitem class="username">user</systemitem> j que ele
- contm a <literal>sua senha</literal>.</para>
-
- <para>Para garantir que o cabealho
- <literal>from:</literal> esteja sempre correto,
- necessrio indicar ao
- <application>sendmail</application> que o endereo
- <literal>user@example.net</literal> deve ser usado ao
- invs de <literal>user@bsd.home</literal>.
- Tambm interessante configurar o
- <application>sendmail</application> para entregar suas
- mensagens via <systemitem class="fqdomainname">relay.example.net</systemitem>, permitindo
- transmisso de mensagens de forma mais
- rpida.</para>
-
- <para>O seguinte arquivo <filename>.mc</filename> deve ser o
- bastante:</para>
-
- <programlisting>VERSIONID(`bsd.home.mc version 1.0')
-OSTYPE(bsd4.4)dnl
-FEATURE(nouucp)dnl
-MAILER(local)dnl
-MAILER(smtp)dnl
-Cwlocalhost
-Cwbsd.home
-MASQUERADE_AS(`example.net')dnl
-FEATURE(allmasquerade)dnl
-FEATURE(masquerade_envelope)dnl
-FEATURE(nocanonify)dnl
-FEATURE(nodns)dnl
-define(`SMART_HOST', `relay.example.net')
-Dmbsd.home
-define(`confDOMAIN_NAME',`bsd.home')dnl
-define(`confDELIVERY_MODE',`deferred')dnl</programlisting>
-
- <para>Por gentileza, refira-se seo
- anterior para obter detalhes sobre como transformar esse
- arquivo <filename>.mc</filename> em um arquivo
- <filename>sendmail.cf</filename>. No se
- esquea tambm de reiniciar o
- <application>sendmail</application> depois de alterar o
- <filename>sendmail.cf</filename>.</para>
+ <para>Recompile e instale o kernel.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="sendmail-alternative">
- <para>Que outros servidores de correio eletrnico
- posso usar no lugar do Sendmail?</para>
+ <para>Qual outro software de servidor de correio posso usar em substituição ao <application>Sendmail</application>?</para>
</question>
<answer>
- <para>O <link xlink:href="http://www.sendmail.org/">Sendmail</link>
- o programa servidor de correio eletrnico
- padro no FreeBSD, mas ele pode ser facilmente
- substitudo por qualquer outro MTA (por
- instncia, um MTA instalado a partir do
- <literal>ports</literal>).</para>
-
- <para>Existem vrios MTA's que servem de alternativa
- ao Sendmail na Coleo de
- <literal>Ports</literal> do FreeBSD, sendo o <package>mail/exim</package>, <package>mail/postfix</package>, <package>mail/qmail</package>, <package>mail/zmailer</package>, os mais
- populares.</para>
-
- <para>A diversidade sempre uma boa
- indicao, e o fato de ter vrios
- servidores de e-mail disponveis
- timo. Contedo, evite perguntas como
- <quote>O Sendmail melhor que o Qmail?</quote> nas
- listas de discusso. Se voc realmente quer
- saber, procure no histrico das listas. As
- vantagens e desvantagens de cada MTA j foram
- discutidas inmeras vezes.</para>
+ <para>O servidor <link xlink:href="http://www.sendmail.org/"><application>Sendmail</application> </link> é o software de servidor de email padrão do FreeBSD, mas pode ser substituído por outro MTA instalado a partir da coleção de ports. Os ports disponíveis incluem o <package>mail/exim</package>, o <package>mail/postfix</package> e o <package>mail/qmail</package>. Procure informações nas listas de discussão sobre as vantagens e desvantagens dos MTAs disponíveis.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="forgot-root-pw">
- <para>Esqueci a senha de root! O que eu fao?</para>
+ <para>Esqueci a senha do <systemitem class="username">root</systemitem>! O que eu faço?</para>
</question>
<answer>
- <para>Em primeiro lugar, no entre em pnico!
- Reinicie o seu FreeBSD, digite <userinput>boot
- -s</userinput> na tela do Boot: (ou apenas
- <userinput>-s</userinput> para as verses
- anteriores 3.2 do FreeBSD) para entrar e modo
- monousurio. Quando o sistema perguntar sobre que
- shell usar, aperte ENTER. Voc estar em uma
- prompt de comandos; digite <command>mount -u /</command>
- para montar o sistema de arquivos raiz com
- leitura/escrita, e depois <command>mount -a</command> para
- remontar todos os seus sistemas de arquivos. Execute o
- comando <command>passwd root</command> para modificar a
- senha de root do sistema, e depois digite &man.exit.1;
- para continuar &nbsp;a inicializao em modo
- multiusurio.</para>
+ <para>Não entre em pânico! Reinicie o sistema, digite <userinput>boot -s</userinput> no prompt <literal>Boot:</literal> para entrar no modo single user. Na pergunta sobre o shell a ser usado, pressione <keycap>Enter</keycap>, que será exibido um prompt <prompt>#</prompt>. Insira o comando <command>mount -urw /</command> para remontar o sistema de arquivos raiz no modo de leitura e gravação e, em seguida, execute o comando <command>mount -a</command> para remontar todos os sistemas de arquivos. Execute o comando <command>passwd root</command> para alterar a senha do usuário <systemitem class="username">root</systemitem> e então execute o comando <citerefentry><refentrytitle>exit</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> para continuar a inicialização.</para>
+
+ <note>
+ <para>Se você ainda for solicitado a entrar com a senha do usuário <systemitem class="username">root</systemitem> ao entrar no modo single user único, isso significa que o console foi configurado como <literal>inseguro</literal> no arquivo <filename>/etc/ttys</filename>. Neste caso, será necessário inicializar a partir de um disco de instalação do FreeBSD, escolher o <guimenuitem>Live CD</guimenuitem> ou <guimenuitem>Shell</guimenuitem> no início do processo de instalação e executar os comandos mencionados acima. Monte a partição específica neste caso e, em seguida, execute o chroot para ela. Por exemplo, substitua <command>mount -urw /</command> por <command>mount /dev/ada0p1 /mnt; chroot /mnt</command> para um sistema em instalado em <replaceable>ada0p1</replaceable>.</para>
+ </note>
+
+ <note>
+ <para>Se a partição raiz não puder ser montada a partir do modo de usuário único, é possível que as partições estejam criptografadas e será impossível montá-las sem as chaves de acesso. Para obter mais informações, consulte a seção sobre discos criptografados no <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/disks-encrypting.html">Handbook</link> do FreeBSD.</para>
+ </note>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="CAD-reboot">
- <para>Como posso evitar que a seq&uuml;ncia de teclas
- <keycombo action="simul"><keycap>Control</keycap><keycap>Alt</keycap><keycap>Delete</keycap></keycombo>
- reinicie o sistema?</para>
- </question>
+ <para>Como evito que a combinação de teclas <keycombo action="simul"><keycap>Control</keycap><keycap>Alt</keycap><keycap>Delete</keycap></keycombo> reinicialize o sistema?</para>
+ </question>
<answer>
- <para>Caso esteja usando o syscons (o driver padro
- para o console) em um sistema FreeBSD 2.2.7 ou posterior,
- construa e instale um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> com a
- opo:</para>
+ <para>Se estiver utilizando o <citerefentry><refentrytitle>syscons</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> que é o driver padrão de console, compile e instale um novo kernel que contenha esta linha no arquivo de configuração:</para>
<programlisting>options SC_DISABLE_REBOOT</programlisting>
- <para>Caso use o driver de console PCVT em um FreeBSD 2.2.5
- ou posterior, use a seguinte linha:</para>
+ <para>Isto também pode ser feito definindo a variável abaixo do <citerefentry><refentrytitle>sysctl</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, este processo não requer uma reinicialização ou recompilação do kernel:</para>
- <programlisting>options PCVT_CTRL_ALT_DEL</programlisting>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl hw.syscons.kbd_reboot=0</userinput></screen>
- <para>Em verses anteriores s citadas, edite
- o mapeamento do seu teclado, usado para o console, e
- substitua a palavra <literal>boot</literal> por
- <literal>nop</literal>. O mapeamento de teclado
- padro est em
- <filename>/usr/share/syscons/keymaps/us.iso.kbd</filename>.
- O <filename>/etc/rc.conf</filename> deve ser
- instrudo de forma que esse arquivo seja lido. Se
- voc estiver usando um outro mapa especfico
- para o seu pas, edite esse mapa ao invs do
- padro.</para>
- </answer>
+ <note>
+ <para>Os dois métodos acima são exclusivos: Esta variável do <citerefentry><refentrytitle>sysctl</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> não existirá se o kernel tiver sido compilado com a opção <literal>SC_DISABLE_REBOOT</literal>.</para>
+ </note>
+ </answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="dos-to-unix-txt">
- <para>Como posso converter arquivos de texto do DOS para o
- formato do Unix?</para>
- </question>
+ <para>Como faço para converter arquivos de texto do DOS para <trademark class="registered">UNIX</trademark>?</para>
+ </question>
<answer>
- <para>Use esse comando do perl:</para>
+ <para>Use este comando <citerefentry><refentrytitle>perl</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>:</para>
+
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>perl -i.bak -npe 's/\r\n/\n/g' file(s)</userinput></screen>
- <screen>&prompt.user; <userinput>perl -i.bak -npe 's/\r\n/\n/g' file... </userinput></screen>
+ <para>no qual <replaceable>files(s)</replaceable> trata-se de um ou mais arquivos que desejamos processar. A modificação é feita in-place, o arquivo original é preservado com uma extensão <filename>.bak</filename>.</para>
- <para>onde <literal>file</literal> indica o arquivo ou
- arquivos a serem processados. As
- modificaes so feitas no
- prprio arquivo e o original salvo com a
- extenso .bak.</para>
+ <para>Alternativamente, use o <citerefentry><refentrytitle>tr</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>:</para>
- <para>O comando &man.tr.1; tambm pode ser
- usado:</para>
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>tr -d '\r' &lt; dos-text-file &gt; unix-file</userinput></screen>
- <screen>&prompt.user; <userinput>tr -d '\r' &lt; dos-text-file &gt; unix-file</userinput></screen>
+ <para>O <replaceable>dos-text-file</replaceable> é o arquivo que contém o texto no formato DOS, enquanto o <replaceable>unix-file</replaceable> contém a saída convertida. Esta opção pode ser um pouco mais rápida do que usar o <command>perl</command>.</para>
- <para>Onde <replaceable>dos-text-file</replaceable>
- o arquivo com o texto em formato DOS, enquanto o
- <replaceable>unix-file</replaceable> armazenar a
- sada convertida. Usar o &man.tr.1; um
- pouco mais rpido do que usar o perl.</para>
+ <para>Uma outra maneira de reformatar arquivos de texto do DOS é usar o port <package>converters/dosunix</package> da Coleção de Ports. Consulte a sua documentação para maiores detalhes.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="kill-by-name">
- <para>Como eu mato processos pelo seu nome?</para>
+ <question xml:id="reread-rc">
+ <para>Como faço para reler o arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename> e reiniciar o <filename>/etc/rc</filename> sem dar boot?</para>
</question>
<answer>
- <para>Use o comando &man.killall.1;.</para>
+ <para>Entre no modo single user e retorne ao modo multi usuário:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>shutdown now</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>return</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>exit</userinput></screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="root-acl">
- <para>Por que motivos o su est me atazanando pelo
- fato de no pertencer ACL do
- <systemitem class="username">root</systemitem>?</para>
+ <question xml:id="release-candidate">
+ <para>Tentei atualizar o meu sistema para a versão <emphasis>-STABLE</emphasis> mais recente, mas obtive a <emphasis>-BETA<replaceable>x</replaceable></emphasis>, <emphasis>-RC</emphasis> ou <emphasis>-PRERELEASE</emphasis>! O que está acontecendo?</para>
</question>
<answer>
- <para>Esse erro proveniente do sistema de
- autenticao da distrio do
- Kerberos. O problema no uma
- perturbao fatal. Basta executar o su com
- a opo -K ou ento desinstalar o
- Kerberos, como ser descrito na prxima
- questo.</para>
+ <para>Resposta curta: é apenas um nome. <emphasis>RC</emphasis> significa <quote>Release Candidate</quote>. Isso significa que uma nova release é iminente. No FreeBSD, <emphasis>-PRERELEASE</emphasis> é tipicamente sinônimo do congelamento de código antes de uma release. (Para algumas versões, o rótulo <emphasis>-BETA</emphasis> foi usado da mesma forma que o <emphasis>-PRERELEASE</emphasis>.)</para>
+
+ <para>Resposta longa: o FreeBSD deriva suas releases de um de dois lugares. Releases principais (major) ponto-zero, como a 9.0-RELEASE são derivadas a partir do branch principal de desenvolvimento, comumente referida como <link linkend="current">-CURRENT</link>. Releases secundárias (minor), como a 6.3-RELEASE ou a 5.2-RELEASE, foram snapshots da branch <link linkend="stable">-STABLE</link> ativa. A partir do 4.3-RELEASE, cada release também tem sua própria branch, a qual pode ser seguida por pessoas que exigem uma taxa extremamente conservadora de desenvolvimento (geralmente apenas avisos de segurança).</para>
+
+ <para>Quando um release está prestes a ser feito, o branch do qual ele será derivado tem que passar por um determinado processo. Parte desse processo é um congelamento de código. Quando um congelamento de código é iniciado, o nome da branch é alterado para refletir que está prestes a se tornar uma release. Por exemplo, se a ramificação costumava ser chamada de 6.2-STABLE, seu nome será alterado para 6.3-PRERELEASE para indicar o congelamento de código e indicar que testes extras de pré-release devem estar acontecendo. Correções de bugs ainda podem ser adicionadas ao repositório de código fonte para fazer parte da release. Quando o código-fonte estiver estabilizado para a release, o nome será alterado para 6.3-RC para indicar que uma release está prestes a ser feita a partir dele. Uma vez no estágio RC, somente os bugs mais críticos que forem encontrados podem ser corrigidos. Uma vez que o release (6.3-RELEASE neste exemplo) e o branch de release foram feitos, o branch será renomeado para 6.3-STABLE.</para>
+
+ <para>Para mais informações sobre números de versão e as várias branches do Subversion, consulte o artigo <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/articles/releng/article.html">Release Engineering</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="uninstall-kerberos">
- <para>Como eu desinstalo o Kerberos?</para>
+ <question xml:id="kernel-chflag-failure">
+ <para>Tentei instalar um novo kernel, e o <citerefentry><refentrytitle>chflags</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> falhou. Como faço para contornar isso?</para>
</question>
<answer>
- <para>Para remover o Kerberos do sistema, reinstale a
- distribuio <literal>bin</literal> da
- verso que est sendo usada. Caso tenha o
- CDROM do FreeBSD, monte-o (vamos assumir, em /cdrom) e
- execute os comandos:</para>
+ <para>Resposta curta: o nível de segurança é maior que 0. Reinicialize diretamente para o modo de single user para instalar o kernel.</para>
+
+ <para>Resposta longa: O FreeBSD não permite alterar os flags do sistema em níveis de segurança superiores a 0. Para verificar o nível de segurança atual:</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /cdrom/bin</userinput>
-&prompt.root; <userinput>./install.sh</userinput></screen>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl kern.securelevel</userinput></screen>
- <para>Ou ento, apague todas as opes
- <quote>MAKE_KERBEROS</quote> do
- <filename>/etc/make.conf</filename> e recompile todo o
- sistema com um build world.</para>
+ <para>O nível de segurança não pode ser diminuído no modo multiusuário, portanto, inicialize no modo single user para instalar o kernel ou altere o nível de segurança em <filename> /etc/rc.conf </filename> e reinicialize. Veja a página de manual <citerefentry><refentrytitle>init</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para detalhes sobre o <literal>securelevel</literal>, e veja <filename>/etc/defaults/rc .conf</filename> e a página de manual <citerefentry><refentrytitle>rc.conf</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> para mais informações sobre o <filename> rc.conf </filename>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="add-pty">
- <para>Como posso adicionar pseudo-terminais ao
- sistema?</para>
+ <question xml:id="kernel-securelevel-time">
+ <para>Não consigo alterar a hora no meu sistema em mais de um segundo! Como faço para contornar isso?</para>
</question>
<answer>
- <para>Caso tenha inmeras conexes telnet,
- ssh, X, ou tela de usurio,
- provvel que voc atingir o limite
- dos seus pseudo-terminais. Aqui esto as
- instrues de como adicionar mais
- pseudo-terminais:</para>
-
- <procedure>
- <step>
- <para>Construa e instale um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> com a
- linha</para>
- <programlisting>pseudo-device pty 256</programlisting>
- <para>em seu arquivo de
- configuraes.</para>
- </step>
+ <para>Resposta curta: o sistema está em um nível de segurança maior que 1. Reinicialize diretamente para o modo de single user para alterar a data.</para>
- <step>
- <para>Execute os comandos</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>sh MAKEDEV pty{1,2,3,4,5,6,7}</userinput></screen>
- <para>de forma a criar 256 novos devices para os novos
- terminais.</para>
- </step>
+ <para>Resposta longa: O FreeBSD proíbe a alteração do tempo em mais de um segundo em níveis de segurança superiores a 1. Para verificar o nível de segurança:</para>
- <step>
- <para>Edite o <filename>/etc/ttys</filename> e adicione
- uma linha para cada um dos 256 terminais. Tais
- entradas devem ter o formato correspondente s
- entradas j existentes, por exemplo:</para>
- <programlisting>ttyqc none network</programlisting>
- <para>A ordem de definio das letras
- expressa como
- <literal>tty[pqrsPQRS][0-9a-v]</literal>, ao
- ilustrarmos em expresses regulares.</para>
- </step>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl kern.securelevel</userinput></screen>
- <step>
- <para>Reinicie o sistema com o novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, e
- pronto.</para>
- </step>
- </procedure>
+ <para>O nível de segurança não pode ser diminuído no modo multiusuário. Inicialize no modo single user para alterar a data ou altere o nível de segurança no arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename> e reinicialize. Veja a página de manual <citerefentry><refentrytitle>init</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para detalhes sobre o <literal>securelevel</literal>, e veja <filename>/etc/defaults/rc .conf</filename> e a página de manual <citerefentry><refentrytitle>rc.conf</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> para mais informações sobre o <filename> rc.conf </filename>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="create-snd0">
- <para>Por que motivo no consigo criar a device
- snd0?</para>
+ <question xml:id="statd-mem-leak">
+ <para>Por que o <command>rpc.statd</command> está usando 256 MB de memória?</para>
</question>
<answer>
- <para>Simples, porque no existe a device
- <filename>snd</filename>. Esse nome usado
- para identificar o conjunto de devices que compem
- os drivers de som do FreeBSD, como as devices
- <filename>mixer</filename>,
- <filename>sequencer</filename>, e
- <filename>dsp</filename>.</para>
-
- <para>Para criar tais devices, basta executar:</para>
+ <para>Não, não há vazamento de memória e ele não está usando 256 MB de memória. Por conveniência, o <command>rpc.statd</command> mapeia uma quantidade obscena de memória em seu espaço de endereço. Não há nada terrivelmente errado com isso do ponto de vista técnico; mas isso confunde o <citerefentry><refentrytitle>top</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> e o <citerefentry><refentrytitle>ps</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>sh MAKEDEV snd0</userinput></screen>
+ <para>O <citerefentry><refentrytitle>rpc.statd</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum> </citerefentry> mapeia seu arquivo de status (residente no <filename>/var</filename>) em seu espaço de endereçamento; para evitar se preocupar com o remapeamento do arquivo de status mais tarde quando ele precisar crescer, ele mapeia o arquivo de status com um tamanho generoso. Isso é muito evidente no código-fonte, onde é possível ver que o argumento length para o <citerefentry><refentrytitle>mmap</refentrytitle><manvolnum>2</manvolnum></citerefentry> é <literal> 0x10000000 </literal> , ou décima sexta parte do espaço de endereço em um IA32, ou seja, exatamente 256 MB.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="reread-rc">
- <para>Como posso reler o <filename>/etc/rc.conf</filename> e
- reiniciar o <filename>/etc/rc</filename> sem rebootar o
- sistema?</para>
+ <question xml:id="unsetting-schg">
+ <para>Por que não posso dar unset na flag <literal>schg</literal> de um arquivo?</para>
</question>
<answer>
- <para>V para o modo monousurio e volte para
- o modo multiusurio.</para>
-
- <para> simples; no console, faa:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>shutdown now</userinput>
-(Note: without -r or -h)
-
-&prompt.root; <userinput>return</userinput>
-&prompt.root; <userinput>exit</userinput></screen>
+ <para>O sistema está sendo executado em um nível de segurança maior que 0. Reduza o nível de segurança e tente novamente. Para obter mais informações, consulte <link linkend="securelevel"> a entrada do <acronym>FAQ</acronym> referente ao securelevel</link> e a página de manual do <citerefentry><refentrytitle>init</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="sandbox">
- <para>O que uma sandbox?</para>
+ <question xml:id="vnlru">
+ <para>O que é <literal>vnlru</literal>?</para>
</question>
<answer>
- <para><quote>Sandbox</quote> um jargo usado
- em discusses pertinentes segurana
- de sistemas. Pode significar duas coisas:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Um processo enquadrado em um conjunto de paredes
- virtuais que so criadas para prevenir que
- algum usurio, ao explorar alguma
- inconformidade do processo, possa tambm
- explorar e obter privilgios no sistema
- operacional como um todo.</para>
-
- <para>O processo deve conseguir <quote>rodar</quote>
- dentro dessas paredes, ou seja, nada que o processo
- possa fazer ao executar seu cdigo, pode ser
- capaz de violar tais paredes. Dessa forma no
- necessria uma auditoria detalhada do
- cdigo e das aes do processo
- para que se possa realizar algumas
- afirmaes pertinentes
- segurana de tal sistema.</para>
-
- <para>Tais paredes podem ser a
- identificao de um usurio
- (userid), por exemplo. Essa a
- definio de sandbox usada nas
- pginas de manuais do named e de
- security.</para>
-
- <para>Observe o servio <literal>ntalk</literal>,
- como exemplo (veja o /etc/inetd.conf). Esse
- servio costumava ser executado com userid do
- <systemitem class="username">root</systemitem>. Hoje em dia o processo
- roda com o userid do <systemitem class="username">tty</systemitem>. O
- usurio <systemitem class="username">tty</systemitem>, portanto,
- uma sandbox criada para dificultar qualquer
- atividade de um usurio malicioso que por
- ventura consiga acesso ao sistema por meio do ntalk.
- Com essa sandbox, uma violao de
- segurana bem sucedida via
- <literal>ntalk</literal> dificultaria qualquer
- ao tomada alm das
- possveis com o userid do
- <systemitem class="username">tty</systemitem>.</para>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>Um processo criado dentro de um ambiente de
- simulao. Essa uma
- situao mais complexa. Basicamente
- implica que qualquer pessoa m intencionada que
- consiga explorar tal processo, acreditar que
- pode obter acesso todo o ambiente, nas na
- verdade, estar apenas acessando um sistema de
- simulao, no alterando nenhum
- dado real.</para>
-
- <para>A forma mais comum de conseguir criar um ambiente
- simulado como esse, criando um
- subdiretrio partir de onde o processo
- consiga acessar (uma cpia de) qualquer arquivo
- do sistema que por ventura ele precise, e executar
- esse processo simulando um diretrio raiz (ou
- seja, para o processo, o <filename>/</filename>
- ser o subdiretrio determinado, e
- no o verdadeiro <filename>/</filename> do
- sistema).</para>
-
- <para>Outra situao comum montar
- um sistema de arquivos base com apenas
- permisso de leitura, e depois criar um outro
- sistema de arquivos em uma camada superior, com acesso
- de escrita/leitura, dando ao processo a
- impresso de poder ler/escrever em todo o
- sistema de arquivos. Apenas o processo em
- questo percebe esse ambiente, enquanto os
- outros no so necessariamente
- ludibriados.</para>
-
- <para>A inteno que tais sandbox
- sejam to transparentes que qualquer
- usurio (ou hacker) no consiga perceber
- que est dentro de uma.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
-
- <para>Os sistemas Unix costumam implementar esses dois
- principais tipos de sandbox, um em nvel de
- processo e o outro, muito comum, em nvel de
- userid.</para>
-
- <para>Cada processo Unix completamente separado dos
- outros, por meio de algum tipo de parede de
- segurana. Um processo nunca modifica o
- espao de endereamento de outro, diferente
- do ambiente Windows onde cada processo pode facilmente
- sobrescrever endereos de outros processos, fazendo
- o sistema travar.</para>
-
- <para>Cada processo Unix de propriedade de um
- userid em particular. Caso o userid no seja do
- <systemitem class="username">root</systemitem>, ele serve de parede de
- segurana em relao aos processos
- pertencentes a outros usurios. Os userid
- tambm so usados para proteger dados
- armazenados em disco.</para>
+ <para>O <literal>vnlru</literal> descarrega e libera vnodes quando o sistema atinge o limite de <varname>kern.maxvnodes</varname>. Essa thread do kernel fica ociosa na maior parte do tempo e só é ativada quando existe uma quantidade enorme de RAM e os usuários estiverem acessando dezenas de milhares de arquivos minúsculos.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="securelevel">
- <para>O que <literal>securelevel</literal>
- (nvel de segurana do sistema)?</para>
+ <question xml:id="top-memory-states">
+ <para>O que os vários estados de memória exibidos pelo <command> top </command> significam?</para>
</question>
+ <!-- Provided by John Dyson via Usenet -->
<answer>
- <para><literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) um mecanismo de
- segurana implementado no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD.
- Basicamente, quando o <literal>securelevel</literal>
- positivo, o <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- restringe algumas tarefas do sistema; nem mesmo o
- superusurio (por exemplo, o
- <systemitem class="username">root</systemitem>) tem permisso de
- realizar tais tarefas. Na data que este
- <literal>FAQ</literal> foi escrito, o mecanismo de
- <literal>securelevel</literal> do FreeBSD era capaz de,
- entre outras coisas, limitar as habilidades de:</para>
-
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>retirar algumas flags de arquivos, como a
- <literal>schg</literal> (flag de imutabilidade do
- sistema),</para>
+ <para><literal>Active</literal>: são páginas usadas recentemente </para>
</listitem>
<listitem>
- <para>escrever na memria do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> por meio do
- <filename>/dev/mem</filename> e
- <filename>/dev/kmem</filename>,</para>
+ <para><literal>Inactive</literal>: são páginas que não foram utilizadas recentemente.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>carregar mdulos do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, e</para>
+ <para><literal>Cache</literal>: (na maioria das vezes) são páginas que foram filtradas de inativas para um status no qual elas mantêm seus dados, mas que podem ser reutilizadas imediatamente (com sua associação antiga ou reutilizadas com uma nova associação). Podem ocorrer certas transições imediatas do estado de <literal>ativa</literal> para o estado de <literal>cache</literal> se a página for conhecida por estar limpa (não modificada), mas essa transição é uma questão de política, dependendo da escolha do algoritmo do mantenedor do sistema de VM.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>alterar regras de Firewall do
- &man.ipfirewall.4;.</para>
+ <para><literal>Free</literal>: são páginas sem conteúdo de dados e que podem ser usadas imediatamente em determinadas circunstâncias, nas quais as páginas de cache podem estar inelegíveis. As páginas livres podem ser reutilizadas no estado de interrupção ou de processo.</para>
</listitem>
- </itemizedlist>
- <para>Para verificar o estado do
- <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) em um sistema em funcionando,
- simplesmente execute o seguinte comando:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl kern.securelevel</userinput></screen>
-
- <para>A sada apresentar o nome da
- varivel do &man.sysctl.8; (nesse caso,
- <varname>kern.securelevel</varname>) e um nmero.
- Esse ltimo ser o valor atual do
- nvel de segurana do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD. Caso
- esse valor seja positivo (maior que 0), ao menos algumas
- das caractersticas dos nveis de
- segurana estaro habilitadas.</para>
-
- <para>Os nveis de segurana no podem
- ser diminudos em um sistema que est
- funcionando se isso fosse possvel o
- <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) perderia sua funcionalidade.
- Caso seja necessrio executar alguma tarefa que
- necessite que o nvel de segurana seja
- no-positivo (por exemplo, um
- <buildtarget>installworld</buildtarget> ou alterar a data do
- sistema) ser preciso alterar as
- definies de <literal>securelevel</literal>
- (nvel de segurana do sistema) no
- <filename>/etc/rc.conf</filename> (mais precisamente, as
- variveis <varname>kern_securelevel</varname> e
- <varname>kern_securelevel_enable</varname>) e reiniciar o
- sistema.</para>
-
- <para>Para obter mais informaes quanto aos
- nveis de segurana e sobre as
- funes especficas de cada
- nvel, por gentileza, consulte a pgina de
- manual do &man.init.8;.</para>
+ <listitem>
+ <para><literal> Wired </literal>: são páginas que estão fixadas na memória, geralmente para propósitos do kernel, mas também para uso especial em processos.</para>
+ </listitem>
+ </itemizedlist>
- <warning>
- <para>O <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) no uma
- bala de prata; ele tem vrias deficincias
- bvias. A mais frequnte provocar
- uma falsa sensao de
- segurana.</para>
-
- <para>Um dos maiores problemas, e portanto que deve ser
- bem observada pelo administrador do sistema,
- que, para que o <literal>securelevel</literal>
- (nvel de segurana do sistema) se torne
- efetivo, todos os arquivos usados pelo processo de
- inicializao at que os
- nveis de segurana se tornem positivos,
- devem estar seguros. Se um usurio que deseja
- atacar o sistema, conseguir que seu cdigo seja
- executado antes que o nvel de segurana
- seja definido (o que ocorre pouco depois do processo de
- inicializao, visto que algumas
- funes que o sistema precisa realizar,
- no podem ser iniciadas com um nvel
- elevado de segurana), a proteo
- do <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) ser invalidada.
- Por outro lado, a tarefa de assegurar que todos os
- arquivos necessrios pelo processo de
- inicializao estejam em conformidade,
- no tecnicamente impossvel, mas,
- O processo de manuteno de um ambiente em
- tais condies se tornaria um pesadelo,
- visto que seria necessrio baixar o sistema, no
- mnimo para modo monousurio sempre que
- fosse necessrio modificar os arquivos de
- configurao do mesmo.</para>
-
- <para>Esse e outros pontos so freq&uuml;entemente
- discutidos nas listas do FreeBSD, em especial na
- freebsd-security. Por gentileza, queira fazer uma busca
- no histrico da lista, <link xlink:href="../../../../search/index.html">clicando
- aqui</link>, para uma discusso extensa sobre
- o assunto. Algumas pessoas esto
- esperanosas de que o securelevel logo
- ser afastado, em favor de um mecanismo de
- segurana mais refinado, mas as coisas ainda
- esto confusas a este respeito.</para>
-
- <para>Considere-se advertido.</para>
- </warning>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>As páginas geralmente são gravadas em disco (um tipo de sincronização de VM) quando elas estão no estado inativo, mas as páginas ativas também podem ser sincronizadas. Isso depende do rastreamento da CPU do bit modificado estar disponível e, em determinadas situações pode haver uma vantagem para um bloco de páginas da VM serem sincronizadas, estejam elas ativas ou inativas. Na maioria dos casos comuns, é melhor pensar na fila inativa como uma fila de páginas relativamente não usadas que podem ou não estar no processo de serem gravadas no disco. As páginas em cache já estão sincronizadas, não mapeadas, mas disponíveis para uso imediato do processo com sua associação antiga ou com uma nova associação. As páginas livres estão disponíveis no nível de interrupção, mas as páginas em cache ou livres podem ser usadas no estado do processo para reutilização. As páginas de cache não estão adequadamente bloqueadas para estarem disponíveis no nível de interrupção.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="release-candidate">
- <para>Tentei atualizar meu sistema para o ltimo
- -STABLE, mas ele se tornou -RC ou -PRERELEASE! O que
- est havendo?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A resposta mais curta: s um nome, RC
- um acrnimo para <quote>Release
- Candidate</quote>. Significa que uma nova verso
- est eminente. No FreeBSD, -PRERELEASE
- tipicamente um sinonimo de cdigo congelado antes
- de uma nova verso. (Em algumas verses, o
- ttulo -BETA foi usado sob as mesmas
- circunstncias em que o -PRERELEASE seria).</para>
-
- <para>A resposta longa: O FreeBSD normalmente deriva suas
- verses de duas fontes de origem. As
- verses principais, ponto-zero, como o 3.0-RELEASE
- e o 4.0-RELEASE que so marcadas inicialmente como
- o topo da cadeia de desenvolvimento, normalmente chamados
- de <link linkend="current">-CURRENT</link>. As
- verses menores (como 3.1-RELEASE ou 4.2-RELEASE),
- so criados a partir do
- <foreignphrase>snapshot</foreignphrase> mais recente da
- ramificao ativa marcada como <link linkend="stable">-STABLE</link>. A partir do
- 4.3-RELEASE, cada verso conta tambm com
- sua prpria ramificao, que pode ser
- acessada por usurios que queiram apenas um
- nvel extremamente conservador de desenvolvimento
- (tipicamente, apenas consultores de
- segurana).</para>
-
- <para>Quando uma verso est para ser criada,
- a ramificao de onde ela se derivar
- deve passar por um certo processo. Parte desse processo
- o congelamento do cdigo. Quando o
- processo de congelamento do cdigo se inicia, o
- nome desta ramificao alterado
- para indicar que ela est para se tornar uma
- verso. Por exemplo, se a
- ramificao usada chamava-se 4.5-STABLE, ela
- passa a se chamar 4.6-PRERELEASE para indicar que o
- cdigo est congelado, e indicar que testes
- extras, pr verso, esto
- acontecendo. Durante esse perodo
- alteraes pertinentes a
- correes de problemas so
- realizadas. Quando o novo cdigo est
- pronto para ser lanado, ele passa a ser chamado de
- -RC (nesse exemplo, 4.6-RC), indicando que provavelmente a
- nova verso ser criada a partir do
- cdigo atual. Nesse estgio, apenas os
- problemas mais srios so corrigidos.
- Depois que a verso finalmente
- lanado (4.6-RELEASE nesse exemplo) e a nova
- ramificao com o nome dessa verso
- foi criada, ela passa a se chamar -STABLE; 4.6-STABLE no
- nosso exemplo.</para>
-
- <para>Para obter mais informaes sobre a
- numerao das verses e sobre as
- vrias ramificaes CVS, por
- gentileza, refira-se ao artigo sobre a <link xlink:href="../../articles/releng/article.html">Engenharia de
- Releases</link>.</para>
+ <para>Existem alguns outros flags (por exemplo, flag de ocupado ou de contagem ocupada) que podem modificar algumas das regras descritas.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="kernel-chflag-failure">
- <para>Tentei instalar um novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, mas a rotina de
- chflags falhou. O que posso fazer?</para>
+ <question xml:id="free-memory-amount">
+ <para>Quanta memória livre está disponível?</para>
</question>
+ <!-- Provided by John Dyson via Usenet -->
<answer>
- <para>A resposta curta: provavelmente voc est
- com o <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) acima do 0. Reinicie o
- sistema em modo mono usurio e instale o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.</para>
-
- <para>A resposta mais completa: O FreeBSD no permite
- que as flags do sistema sejam alteradas caso o
- <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) seja maior que 0. O
- nvel atual do <literal>securelevel</literal>
- (nvel de segurana do sistema) pode ser
- verificado com o comando:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl kern.securelevel</userinput></screen>
-
- <para>O <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) no pode ser
- diminudo; necessrio iniciar o
- sistema em modo mono usurio, ou alterar o
- nvel de segurana em
- <filename>/etc/rc.conf</filename>, depois reiniciar. Veja
- a pgina de manual do &man.init.8; para obter
- informaes mais detalhadas sobre o
- <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema), e veja tambm o
- <filename>/etc/defaults/rc.conf</filename> e a
- pgina de manual do &man.rc.conf.5; para obter mais
- informaes quanto ao rc.conf.</para>
+ <para>Existem alguns tipos de <quote>memória livre</quote>. Um tipo é a quantidade de memória imediatamente disponível sem fazer a paginação de mais nada para a VM. Isso é aproximadamente o tamanho da fila de cache + tamanho da fila livre (com um fator de redução de capacidade, dependendo do ajuste do sistema). Outro tipo de <quote>memória livre</quote> é a quantidade total de espaço <acronym>VM</acronym>. Isto pode ser complexo, mas depende da quantidade de espaço de swap e memória. Outros tipos de descrições de <quote>memória livre</quote> também são possíveis, mas é relativamente inútil defini-los, mas por outro lado é importante certificar-se de que a taxa de paginação está mantida baixa para evitar a falta de espaço de swap.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="kernel-securelevel-time">
- <para>No consigo alterar mais de um segundo na hora
- no meu sistema. O que posso fazer?</para>
+ <question xml:id="var-empty">
+ <para>O que é o <filename>/var/empty</filename>?</para>
</question>
<answer>
- <para>A resposta curta: provavelmente o sistema est
- com <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) acima do 1. Reinicie o
- sistema em modo mono usurio e altere a
- data.</para>
-
- <para>A resposta mais completa: O FreeBSD no permite
- que a hora do sistema seja alterada por mais de um segundo
- quando o <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> maior que
- 1. O nvel atual do <literal>securelevel</literal>
- (nvel de segurana do sistema) pode ser
- verificado com o comando:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl kern.securelevel</userinput></screen>
-
- <para>O <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) no pode ser
- diminudo; necessrio iniciar o
- sistema em modo mono usurio, ou alterar o
- nvel de segurana em
- <filename>/etc/rc.conf</filename>, depois reiniciar. Veja
- a pgina de manual do &man.init.8; para obter
- informaes mais detalhadas sobre o
- <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema), e veja tambm o
- <filename>/etc/defaults/rc.conf</filename> e a
- pgina de manual do &man.rc.conf.5; para obter mais
- informaes quanto ao rc.conf.</para>
+ <para>O <filename>/var/empty</filename> é um diretório que o programa <citerefentry><refentrytitle>sshd</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> utiliza ao executar a separação de privilégios. O diretório <filename>/var/empty</filename> está vazio, pertence ao usuário <systemitem class="username">root</systemitem> e possui as flags <literal>schg</literal> definidas. Este diretório não deve ser excluído.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="statd-mem-leak">
- <para>Por que motivo o <command>rpc.statd</command>
- est usando 256 megabytes de memria?</para>
+ <question xml:id="newsyslog-expectations">
+ <para>Acabei de alterar o <filename>/etc/newsyslog.conf </filename>. Como posso verificar se ele faz o que eu espero?</para>
</question>
<answer>
- <para>No, mo existe nenhuma falha no uso da
- memria, e ele n usando 256MB de
- RAM. Ele simplesmente gosta de (ele sempre faz isso)
- mapear uma quantia obscena de memria em seu
- endereamento, simplesmente por convenincia.
- No existe nada terrivelmente errado com esse
- comportamento, de um ponto de vista tcnico; a
- nica questo que assim o
- &man.top.1; e o &man.ps.1; ficam completamente
- perdidos.</para>
+ <para>Para ver o que <citerefentry><refentrytitle>newsyslog</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> vai fazer, use o seguinte:</para>
- <para>O &man.rpc.statd.8; mapeia seu arquivo de status
- (localizado sob o <filename>/var</filename>) no seu
- endereamento para economiza
- preocupaes sobre esse remapeamento em um
- segundo momento, quando o arquivo precisa crescer. O
- mapeamento feito a um valor enorme. Analisando o
- cdigo fonte, podemos evidenciar que o tamanho do
- argumento do &man.mmap.2;
- <literal>0x10000000</literal>, ou exatos 256MB em sistemas
- de arquitetura IA32.</para>
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>newsyslog -nrvv</userinput></screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="unsetting-schg">
- <para>Por que eu no posso retirar a flag
- <literal>schg</literal> dos arquivos?</para>
+ <question xml:id="timezone">
+ <para>Minha hora está errada, como posso mudar o fuso horário?</para>
</question>
<answer>
- <para>O sistema est sendo executado em um
- nvel de segurana elevado (maior que 0).
- Diminua o nvel de segurana e tente
- novamente. Para obter mais informaes, por
- gentileza, refira-se seo sobre
- <link linkend="securelevel"><literal>securelevel</literal>
- (nvel de segurana do sistema)</link> do
- <literal>FAQ</literal>, e pgina de manual
- do &man.init.8;</para>
+ <para>Use o <citerefentry><refentrytitle>tzsetup</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
</answer>
</qandaentry>
+ </qandaset>
+ </chapter>
+ <chapter xml:id="x">
+ <title>O sistema X Window e consoles virtuais</title>
+
+ <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="ssh-shosts">
- <para>Por que a autenticao do SSH via
- <filename>.shosts</filename> no funciona por
- padro nas verses recentes do
- FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="whatis-X">
+ <para>O que é o sistema X Window?</para>
</question>
<answer>
- <para>O motivo simples. A
- autenticao via
- <filename>.shosts</filename> no funciona mais por
- padro porque o &man.ssh.1; no est
- instalado com suid de root por padro.
- Razes bvias de segurana. Para
- <quote>corrigir</quote> isto, pode-se fazer o
- seguinte:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>Para uma alterao permanente,
- defina <varname>ENABLE_SUID_SSH</varname> como
- <literal>true</literal> no arquivo
- <filename>/etc/make.conf</filename> e recompile o ssh
- (ou execute um make world).</para>
- </listitem>
+ <para>O sistema de janelas X (comumente chamado de <literal>X11</literal>) é o sistema de janelas mais amplamente disponível capaz de executar em Sistemas <trademark class="registered">UNIX</trademark> e sistemas <trademark class="registered">UNIX</trademark>-Like, incluindo o FreeBSD. A <link xlink:href="http://www.x.org/wiki/">Fundação X.Org</link> administra os <link xlink:href="http://en.wikipedia.org/wiki/X_Window_System_core_protocol"> padrões de protocolo X</link>, sendo que a implementação de referência atual é a versão 11 release 7.7, então as referências são frequentemente encurtadas para <literal>X11</literal>.</para>
- <listitem>
- <para>Uma correo temporria pode
- ser mudar os modos de permisso do&nbsp;
- <filename>/usr/bin/ssh</filename> para
- <literal>4555</literal> simplesmente executando o
- comando <command>chmod 4555 /usr/bin/ssh</command>
- logado como <systemitem class="username">root</systemitem>. Depois, defina
- <varname>ENABLE_SUID_SSH= true</varname> no
- <filename>/etc/make.conf</filename> para que as
- alteraes tenham efeito todas as vezes
- que um make world for feito.</para>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <para>Muitas implementações estão disponíveis para diferentes arquiteturas e sistemas operacionais. Uma implementação do código do lado do servidor é conhecida como um <literal>Servidor X</literal>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="vnlru">
- <para>O que o <literal>vnlru</literal>?</para>
+ <question xml:id="running-X">
+ <para>Eu quero rodar o Xorg, como faço para isso?</para>
</question>
<answer>
- <para>O <literal>vnlru</literal> limpa e libera os vnodes
- quando o sistema atinge o limite do
- <varname>kern.maxvnodes</varname>. Essa thread do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> se mantm
- inativa a maior parte do tempo, e s se inicia caso
- exista uma grande quantidade de memria RAM, e o
- sistema esteja acessando dezenas de milhares de arquivos
- pequenos.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
- </qandaset>
- </chapter>
+ <para>Para instalar o Xorg, siga um destes procedimentos:</para>
- <chapter xml:id="x">
- <title>O sistema X, sistema de interface grfica e os
- Consoles Virtuais</title>
+ <para>Use o meta-port <package>x11/xorg</package>, que constrói e instala todos os componentes do Xorg.</para>
- <qandaset>
- <qandaentry>
- <question xml:id="running-X">
- <para>Quero rodar a interface grfica X, como
- procedo?</para>
- </question>
+ <para>Use <package>x11/xorg-minimal</package>, que constrói e instala apenas os componentes Xorg necessários.</para>
- <answer>
- <para>A maneira mais fcil simplesmente
- especificar o desejo de usar o X durante o processo de
- instalao do FreeBSD.</para>
+ <para>Instale o Xorg a partir de pacotes do FreeBSD:</para>
- <para>Depois disso, leia e siga as instrues
- documentadas na ferramenta <command>xf86config</command>,
- que auxilia o usurio a configurar o XFree86 para
- os diversos monitores, placas de vdeo, mouse e
- etc, suportados pelo X, sistema de interface
- grfica.</para>
+ <screen><userinput><prompt>#</prompt> pkg install xorg</userinput></screen>
- <para>Tambm pode ser interessante dar uma olhada no
- servidor Xaccel. Confira a seo do
- <literal>FAQ</literal> pertinente <link linkend="xig">Xi Graphics</link> ou <link linkend="metrox">Metro Link</link> para obter mais
- detalhes.</para>
+ <para>Após a instalação do Xorg, siga as instruções da seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/x-config.html">Configuração X11</link> do Handbook do FreeBSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="running-X-securelevels">
- <para><emphasis>Tentei</emphasis> rodar o X, mas o erro
- <errorname>KDENABIO failed (Operation not
- permitted)</errorname> sempre aparece, quando eu digito
- o comando <command>startx</command>. O que posso
- fazer?</para>
+ <para>Eu <emphasis>tentei</emphasis> executar o X, mas eu recebo um erro <errorname>No devices detected.</errorname> quando eu digito <command>startx</command>. O que eu faço agora?</para>
</question>
<answer>
- <para>Seu sistema est rodando com um
- <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) elevado, no
- est? impossvel iniciar o X com um
- secureleve elevado. Para saber exatamente os motivos
- dessa inviabilidade, por gentileza, de uma olhada na
- pgina de manual do &man.init.8;.</para>
+ <para>O sistema provavelmente está sendo executado em um <literal>securelevel</literal> alto. Não é possível iniciar o X em <literal>securelevel</literal> alto porque o X requer acesso de ao <citerefentry> <refentrytitle>io</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>. Para obter mais informações, consulte a página de manual do <citerefentry><refentrytitle>init</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <para>Ento, a pergunta pode ser sobre o que
- voc deve fazer nesse caso; basicamente, existem
- duas escolhas: diminua seu <literal>securelevel</literal>
- (nvel de segurana do sistema), colocando-o
- de volta para zero (normalente via
- <filename>/etc/rc.conf</filename>), ou ento inicie
- o &man.xdm.1; durante o processo de
- inicializao do sistema (antes que o
- <literal>securelevel</literal> (nvel de
- segurana do sistema) seja elevado).</para>
+ <para>Existem duas soluções para o problema: definir o <literal>securelevel</literal> novamente a zero ou executar <citerefentry vendor="xfree86"><refentrytitle>xdm</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> (ou um gerenciador de exibição alternativo) no momento da inicialização antes que o <literal>securelevel</literal> seja elevado.</para>
- <para>Veja a pergunta <xref linkend="xdm-boot"/>, para obter
- mais informaes sobre como iniciar o
- &man.xdm.1; durante o boot.</para>
+ <para>Veja <xref linkend="xdm-boot"/> para mais informações sobre como executar o <citerefentry vendor="xfree86"><refentrytitle>xdm</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> no momento da inicialização.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="x-and-moused">
- <para>Por que meu mouse no funciona com o X?</para>
+ <para>Por que meu mouse não funciona com o X?</para>
</question>
<answer>
- <para>Caso esteja usando o syscons (o driver padro
- do console), o FreeBSD pode ser configurado para suportar
- um cursor de mouse em cada tela virtual. Com o
- intito de evitar conflitos com o X, o syscons
- suporta um dispositivo virtual, chamado
- <filename>/dev/sysmouse</filename>. Todos os eventos
- relacionados ao mouse, que o sistema recebe, so
- antes enviados para o device sysmouse, por meio do moused.
- Se a inteno usar o mouse em um ou
- mais consoles virtuais, e tambm usar o X, leia
- <xref linkend="moused" remap="another section"/> e
- configure o moused.</para>
+ <para>Ao usar <citerefentry><refentrytitle>syscons</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>, o driver de console padrão, o FreeBSD pode ser configurado para suportar um ponteiro de mouse em cada tela virtual. Para evitar conflito com o X, o <citerefentry><refentrytitle>syscons</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> suporta um dispositivo virtual chamado <filename>/dev/sysmouse</filename>. Todos os eventos de mouse recebidos do dispositivo de mouse real são gravados no dispositivo via <citerefentry><refentrytitle>sysmouse</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry><citerefentry><refentrytitle> moused </refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. Para usar o mouse em um ou mais consoles virtuais, <emphasis> e </emphasis> usar X, veja <xref linkend="moused" remap="outra seção"/> e configure o <citerefentry> <refentrytitle>moused</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <para>Depois, edite o <filename>/etc/XF86Config</filename> e
- garanta que existam as seguintes linhas no arquivo:</para>
+ <para>Em seguida, edite o arquivo <filename>/etc/X11/xorg.conf</filename> e verifique se as seguintes linhas existem:</para>
- <programlisting>Section Pointer
-Protocol "SysMouse"
-Device "/dev/sysmouse"
+ <programlisting>Section "InputDevice"
+ Option "Protocol" "SysMouse"
+ Option "Device" "/dev/sysmouse"
.....</programlisting>
- <para>O exemplo acima refere-se ao XFree86 3.3.2 e
- posteriores. Para verses anteriores, a
- clusula <emphasis>Protocol</emphasis> deve ser
- substituda por
- <emphasis>MouseSystems</emphasis>.</para>
+ <para>Começando com a versão 7.4 do Xorg, as seções <literal>InputDevice</literal> no <filename>xorg.conf</filename> são ignoradas em favor dos dispositivos autodetectados. Para restaurar o comportamento antigo, adicione a seguinte linha à seção <literal>ServerLayout</literal> ou <literal>ServerFlags</literal>:</para>
+
+ <programlisting>Option "AutoAddDevices" "false"</programlisting>
+
+ <para>Algumas pessoas preferem usar o <filename>/dev/mouse </filename> com o X. Para fazer esse trabalho, <filename>/dev/mouse</filename> deve estar vinculado a <filename>/dev/sysmouse</filename> (veja <citerefentry> <refentrytitle>sysmouse</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>) adicionando a seguinte linha ao <filename>/etc/devfs.conf</filename> (veja <citerefentry><refentrytitle>devfs.conf</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>):</para>
- <para>Alguns preferem usar a device
- <filename>/dev/mouse</filename> sob o X. Para que
- isso funcione, faa um link de
- <filename>/dev/mouse</filename> para
- <filename>/dev/sysmouse</filename> (veja a
- pgina de manual do &man.sysmouse.4;).</para>
+ <programlisting>link sysmouse mouse</programlisting>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>rm -f mouse</userinput>
-&prompt.root; <userinput>ln -s sysmouse mouse</userinput></screen>
+ <para>Este link pode ser criado reiniciando o <citerefentry vendor="current"><refentrytitle>devfs</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> com o seguinte comando (executado como <systemitem class="username"> root </systemitem>):</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>service devfs restart</userinput></screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="x-and-wheel">
- <para>Meu mouse possui aquela bolinha (esfera)
- simptica de scroll. Posso usa-lo no X?</para>
+ <para>Meu mouse tem uma fancy wheel. Posso usá-lo no X?</para>
</question>
<answer>
- <para>Pode, mas necessrio customizar os
- programas do X. Veja a pgina do Colas Nahaboo
- sobre o assunto (<link xlink:href="http://www.inria.fr/koala/colas/mouse-wheel-scroll/">
- http://www.inria.fr/koala/colas/mouse-wheel-scroll/</link>.</para>
-
- <para>Caso queira usar o programa
- <application>imwheel</application>, simplesmente siga os
- seguintes passos:</para>
-
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>Traduza os eventos da esfera de scroll:</para>
- <para>O programa <application>imwheel</application>
- funciona assim: ele traduz os botes 4 e 5 do
- mouse em eventos do teclado do computador. Dessa
- forma necessrio assegurar que o
- driver do mouse esteja traduzindo os eventos da esfera
- de scroll para os eventos dos botes 4 e 5, ou
- seja assimilar suas funes. Existem
- duas formas de fazer isso, a primeira usando
- o &man.moused.8; para fazer essas
- assimilaes, e a segunda, usar
- o prprio X para traduzir os eventos.</para>
+ <para>Sim, se o X estiver configurado para um mouse de 5 botões. Para fazer isso, adicione as linhas <literal>Buttons 5</literal> e <literal>ZAxisMapping 4 5</literal> na seção <quote>InputDevice</quote> do arquivo <filename>/etc/X11/xorg.conf</filename>, como visto neste exemplo:</para>
- <orderedlist>
- <listitem>
- <para>Usando o &man.moused.8; para traduzir os
- eventos da bolinha de scroll.</para>
-
- <para>Para que o &man.moused.8; faa as
- assimilaes de eventos, basta
- adicionar as opes <option>-z
- 4</option> nas opes de linhas de
- comando, usadas para iniciar o &man.moused.8;.
- Por exemplo, se normalmente voc inicia o
- &man.moused.8; via <command>moused -p
- /dev/psm0</command> basta substituir o comando
- por <command>moused -p /dev/psm0 -z 4</command>.
- Se o &man.moused.8; executado
- automaticamente durante o processo de
- inicializao do FreeBSD, por meio
- das entradas definidas no
- <filename>/etc/rc.conf</filename>, basta adicionar
- <option>-z 4</option> na varivel
- <varname>moused_flags</varname> do
- <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
-
- <para>Voc precisa agora dizer para o X que
- voc tem o boto 5 no mouse. Para
- fazer isto, simplesmente adicione a linha
- <literal>Buttons 5</literal> para a
- seo <quote>Pointer</quote> do
- <filename>/etc/XF86Config</filename>. Por
- exemplo, voc pode seguir a
- seo <quote>Pointer</quote> em
- <filename>/etc/XF86Config</filename>.</para>
-
- <example>
- <title>Seo <quote>Pointer</quote>
- no XF86Config para o mouse com bolinha de
- scroll, da srie 3.3.x do XFree86, usando
- a traduo se;rie 3.3.x do
- XFree86, usando a traduo por
- meio do moused</title>
-
- <programlisting>Section "Pointer"
-Protocol "SysMouse"
-Device "/dev/sysmouse"
-Buttons 5
-EndSection</programlisting>
- </example>
-
- <example>
- <title>Seo
- <quote>InputDevice</quote> do XF86Config para
- usar a traduo do X Server na
- srie 4.X do XFree86.</title>
-
- <programlisting>Section "InputDevice"
-Identifier "Mouse1"
-Driver "mouse"
-Option "Protocol" "auto"
-Option "Device" "/dev/sysmouse"
-Option "Buttons" "5"
+ <programlisting>Section "InputDevice"
+ Identifier "Mouse1"
+ Driver "mouse"
+ Option "Protocol" "auto"
+ Option "Device" "/dev/sysmouse"
+ Option "Buttons" "5"
+ Option "ZAxisMapping" "4 5"
EndSection</programlisting>
- </example>
- <example>
- <title>Exemplo de <quote>.emacs</quote> para usar
- paginamento em mouse com bolinha de
- scroll.</title>
+ <para>O mouse pode ser habilitado no <application>Emacs</application> adicionando estas linhas ao <filename> ~/.emacs</filename>:</para>
- <programlisting>;; wheel mouse
+ <programlisting>;; wheel mouse
(global-set-key [mouse-4] 'scroll-down)
(global-set-key [mouse-5] 'scroll-up)</programlisting>
- </example>
- </listitem>
+ </answer>
+ </qandaentry>
- <listitem>
- <para>Usando o X Server para traduzir os eventos da
- esfera de scroll.</para>
-
- <para>Se voc no usa o &man.moused.8;
- ou simplesmente no quer que ele
- faa a traduo de eventos,
- possvel que o servidor X
- faa o trabalho, no lugar do
- &man.moused.8;. Essa ao requer
- algumas alteraes no seu arquivo
- <filename>/etc/XF86Config</filename>. Primeiro,
- necessrio definir o protocolo
- apropriado para o mouse. A maioria dos mouses com
- esferas de scroll usam o protocolo
- <quote>IntelliMouse</quote>. De qualquer forma, o
- XFree86 no suporta outros protocolos como
- o <quote>MouseManPlusPS/2</quote> dos MouseMan+
- Logitechfor. Uma vez definido o protocolo,
- necessrio criar uma entrada
- apropriada na seo
- <quote>Pointer</quote>.</para>
-
- <para>Depois, preciso definir que o
- servidor X deve remapear os eventos 4 e 5 do
- mouse. A opo
- <varname>ZAxisMapping</varname> usada
- para essa finalidade.</para>
-
- <para>Por exemplo, caso no estejas usando o
- &man.moused.8; e exista um IntelliMouse ligado na
- PS/2 do seu computador, use o seguinte, no
- <filename>/etc/XF86Config</filename>.</para>
-
- <example>
- <title>Seo <quote>Pointer</quote>
- do <filename>XF86Config</filename> com um mouse
- com scroll na srie 3.3.x do
- XFree86.</title>
-
- <programlisting>Section "Pointer"
-Protocol "IntelliMouse"
-Device "/dev/psm0"
-ZAxisMapping 4 5
-EndSection</programlisting>
- </example>
-
- <example>
- <title>Seo
- <quote>InputDevice</quote> do
- <filename>XF86Config</filename> com um mouse com
- scroll na srie 4.x do XFree86.</title>
-
- <programlisting>Section "InputDevice"
-Identifier "Mouse1"
-Driver "mouse"
-Option "Protocol" "auto"
-Option "Device" "/dev/psm0"
-Option "ZAxisMapping" "4 5"
-EndSection</programlisting>
- </example>
+ <qandaentry>
+ <question xml:id="x-and-synaptic">
+ <para>Meu laptop tem um touchpad Synaptics. Posso usá-lo no X?</para>
+ </question>
- <example>
- <title>Arquivo <quote>.emacs</quote> para usar
- paginamento em mouse com bolinha de
- scroll.</title>
+ <answer>
+ <para>Sim, depois de configurar algumas coisas para que funcione.</para>
- <programlisting>;; wheel mouse
-(global-set-key [mouse-4] 'scroll-down)
-(global-set-key [mouse-5] 'scroll-up)</programlisting>
- </example>
- </listitem>
- </orderedlist>
- </listitem>
+ <para>Para usar o driver synaptics do Xorg, primeiro remova <literal> moused_enable </literal> do <filename> rc.conf </filename>.</para>
- <listitem>
- <para>Instale o
- <application>imwheel</application></para>
-
- <para>Depois, instale o
- <application>imwheel</application> partir da
- coleo de <literal>ports</literal> do
- FreeBSD; ele pode ser encontrado sob a categoria
- <filename>x11</filename>. A finalidade desse programa
- assimilar os eventos dos botes 4 e 5
- do mouse, com os eventos de alguma tecla do teclado.
- Por exemplo, o programa deve enviar o evento da tecla
- <keycap>Page Up</keycap> quando a esfera for deslocada
- para frente. O <application>imwheel</application> usa
- um arquivo de configuraes para
- assimilar esses eventos uma tecla, de forma
- que possam ser configuradas aes
- diferentes (teclas diferentes) para
- aplicaes diferentes. O arquivo de
- configurao padro do
- <application>imwheel</application> instalado
- em <filename>/usr/X11R6/etc/imwheelrc</filename>. Ele
- pode ser copiado para
- <filename>~/.imwheelrc</filename> e editado, caso se
- deseja customizar o arquivo de
- configurao. O formato esperado para o
- arquivo documentado na pgina de
- manual do &man.imwheel.1;.</para>
- </listitem>
+ <para>Para habilitar a synaptics, adicione a seguinte linha ao <filename> /boot/loader.conf </filename>:</para>
- <listitem>
- <para>Configure o <application>Emacs</application> para
- trabalhar em conjunto com o
- <application>Imwheel</application>
- (<emphasis>optional</emphasis>)</para>
-
- <para>Se voc usa o
- <application>emacs</application> ou o
- <application>Xemacs</application>, ser
- necessrio adicionar uma breve
- seo ao arquivo
- <filename>~/.emacs</filename>. No
- <application>emacs</application>, adicione o
- seguinte:</para>
-
- <example>
- <title>Configurao do
- <application>Emacs</application> para
- <application>Imwheel</application></title>
-
- <programlisting>;;; For imwheel
-(setq imwheel-scroll-interval 3)
-(defun imwheel-scroll-down-some-lines ()
- (interactive)
- (scroll-down imwheel-scroll-interval))
-(defun imwheel-scroll-up-some-lines ()
- (interactive)
- (scroll-up imwheel-scroll-interval))
-(global-set-key [?\M-\C-\)] 'imwheel-scroll-up-some-lines)
-(global-set-key [?\M-\C-\(] 'imwheel-scroll-down-some-lines)
-;;; end imwheel section</programlisting>
- </example>
-
- <para>Pro <application>Xemacs</application>, adicione o
- seguinte, no seu arquivo
- <filename>~/.emacs</filename>:</para>
-
- <example>
- <title>Configurao do
- <application>Xemacs</application> para
- <application>Imwheel</application></title>
-
- <programlisting>;;; For imwheel
-(setq imwheel-scroll-interval 3)
-(defun imwheel-scroll-down-some-lines ()
- (interactive)
- (scroll-down imwheel-scroll-interval))
-(defun imwheel-scroll-up-some-lines ()
- (interactive)
- (scroll-up imwheel-scroll-interval))
-(define-key global-map [(control meta \))] 'imwheel-scroll-up-some-lines)
-(define-key global-map [(control meta \()] 'imwheel-scroll-down-some-lines)
-;;; end imwheel section</programlisting>
- </example>
- </listitem>
+ <programlisting>hw.psm.synaptics_support="1"</programlisting>
- <listitem>
- <para>Execute o
- <application>Imwheel</application></para>
-
- <para>Basta digitar <command>imwheel</command> em algum
- terminal X (xterm) para inicia-lo, uma vez que tudo
- esteja pronto. Imediatamente o programa vai estar
- efetivo e vai se tornar um processo em segundo plano.
- Caso queira sempre iniciar o
- <application>imwheel</application>, basta adicionar o
- comando no seu arquivo <filename>.xinitrc</filename>
- ou no <filename>.xsession</filename>.
- possvel que o
- <application>imwheel</application> mostre algumas
- mensagens de advertncia sobre arquivos PID;
- elas podem ser seguramente ignoradas, visto que
- so mensagens que se aplicam
- verso para Linux.</para>
- </listitem>
- </orderedlist>
+ <para>Adicione o seguinte ao <filename> /etc/X11/xorg.conf </filename>:</para>
+
+ <programlisting>Section "InputDevice"
+Identifier "Touchpad0"
+Driver "synaptics"
+Option "Protocol" "psm"
+Option "Device" "/dev/psm0"
+EndSection</programlisting>
+
+ <para>E não se esqueça de adicionar o seguinte na seção <quote> ServerLayout </quote>:</para>
+
+ <programlisting>InputDevice "Touchpad0" "SendCoreEvents"</programlisting>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="window-menu-weird">
- <para>Por qu os menus e caixas de dilogo do
- X, sistema de interface grfica no
- funcionam direito?</para>
+ <question xml:id="no-remote-x11">
+ <para>Como eu uso displays X remotos?</para>
</question>
<answer>
- <para>Tente desativar a tecla <keycap>Num
- Lock</keycap>.</para>
+ <para>Por motivos de segurança, a configuração padrão é não permitir que uma máquina abra remotamente uma janela.</para>
- <para>Se por padro seu <keycap>Num Lock</keycap>
- ativo na hora do processo de
- inicializao, adicione a seguinte linha a
- seo <literal>Keyboard</literal> do seu
- arquivo <filename>XF86Config</filename>.</para>
+ <para>Para ativar esse recurso, inicie o <application> X </application> com o argumento opcional <option> -listen_tcp </option>:</para>
- <programlisting># Deixar o servidor fazer o trabalho do NumLock. Deve ser usado apenas em versoes anteriores a R6
- ServerNumLock</programlisting>
+ <screen><prompt>%</prompt> <userinput>startx -listen_tcp</userinput></screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="virtual-console">
- <para>O que um console virtual, e como eu crio mais
- consoles?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Consoles virtuais simplesmente permitem que se tenha
- vrias sesses simultneas em uma
- mesma mquina, sem a necessidade de fazer nada
- complicado como configurar uma rede ou usar um servidor
- X.</para>
-
- <para>Quando o sistema iniciado, a primeira
- ao apresentar um prompt de login
- na tela do usurio, to logo todas as
- mensagens do processo de inicializao sejam
- apresentadas. Nesse momento possvel
- entrar com seu nome de usurio e senha para
- comear trabalhar (ou brincar!) no primeiro console
- virtual.</para>
-
- <para>Em algum momento, provvel que se
- deseje iniciar uma outra sesso, talvez para ler a
- documentao de alguma
- aplicao que est sendo usada, ou
- para ler e-mail enquanto a transferncia FTP se
- concli, enfim, qualquer ao
- (a)tpica de um sistema multitarefa. Nesse caso,
- basta pressionar <keycombo action="simul"><keycap>Alt</keycap><keycap>F2</keycap></keycombo>
- (segure a tecla <keycap>Alt</keycap> e depois aperte a
- tecla <keycap>F2</keycap>), e outro prompt de login
- estar esperando voc no segundo
- <quote>console virtual</quote>! Quando quizer alternar de
- volta sesso original, digite <keycombo action="simul"><keycap>Alt</keycap><keycap>F1</keycap></keycombo>.</para>
-
- <para>A instalao padro do FreeBSD
- oferece trs consoles virtuais j habilitados
- (8 a partir do 3.3-RELEASE), e as teclas <keycombo action="simul"><keycap>Alt</keycap><keycap>F1</keycap></keycombo>,
-
- <keycombo action="simul"><keycap>Alt</keycap><keycap>F2</keycap></keycombo>,
- e <keycombo action="simul"><keycap>Alt</keycap><keycap>F3</keycap></keycombo>
- ir alternar entre esses consoles.</para>
-
- <para>Para habilitar mais consoles, edite o
- <filename>/etc/ttys</filename> (veja a pgina de
- manual do &man.ttys.5;) e adicione as entradas da
- <filename>ttyv4</filename>
- <filename>ttyvc</filename> depois do comentrio
- sobre <quote>Virtual terminals</quote>:</para>
-
- <programlisting># Edite as entradas existentes para ttyv3 e mude de "off" para "on"
-ttyv3 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyv4 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyv5 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyv6 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyv7 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyv8 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyv9 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyva "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure
-ttyvb "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure</programlisting>
-
- <para>Use quantos consoles desejar. Quanto mais, maior o
- uso de recursos; essa uma
- considerao relevante quando se tem 8MB de
- RAM ou menos. Tambm pode ser interessante mudar o
- terminal de <literal>secure</literal> para
- <literal>insecure</literal>.</para>
-
- <important>
- <para>Caso se deseje usar um servidor X,
- necessrio garantir que exista ao menos um
- terminal virtual fora de uso (ou desligado). Com isso,
- entenda que, se sua inteo for usar
- consoles virtuais nas suas doze teclas de
- funes, nada feito; apenas onze
- podero ser usadas caso deseje-se usar o X na
- mesma mquina.</para>
- </important>
-
- <para>A maneira mais simples de desabilitar um console,
- desligando-o. Por exemplo, caso existam 12
- terminais definidos, como mencionado na
- situao acima, e se queira usar o servidor
- X, o mais interessante mudar as
- configuraes do terminal 12 de:</para>
+ <para>O que é um console virtual e como faço outros?</para>
+ </question>
- <programlisting>ttyvb "/usr/libexec/getty Pc" cons25 on secure</programlisting>
+ <answer>
+ <para>Os consoles virtuais fornecem várias sessões simultâneas na mesma máquina sem fazer nada complicado, como configurar uma rede ou executar o X.</para>
- <para>para:</para>
+ <para>Quando o sistema iniciar, ele exibirá um prompt de login no monitor depois de exibir todas as mensagens de inicialização. Digite seu nome de login e senha para começar a trabalhar no primeiro console virtual.</para>
- <programlisting>ttyvb "/usr/libexec/getty Pc" cons25 off secure</programlisting>
+ <para>Para iniciar outra sessão, talvez para examinar a documentação de um programa ou para ler mensagens enquanto aguarda a conclusão de uma transferência por FTP, pressione <keycap>Alt</keycap> e pressione <keycap>F2</keycap>. Isso exibirá o prompt de login do segundo console virtual. Para voltar à sessão original, pressione <keycombo action="simul"> <keycap>Alt</keycap><keycap>F1</keycap></keycombo>.</para>
- <para>Caso seu teclado tenha apenas dez teclas de
- funes, basta encerrar as
- definies com:</para>
+ <para>A instalação padrão do FreeBSD possui oito consoles virtuais habilitados. A combinação de teclas <keycombo action="simul"> <keycap> Alt </keycap> <keycap> F1 </keycap> </keycombo>, <keycombo action="simul"> <keycap> Alt </keycap> <keycap> F2 </keycap> </keycombo>, <keycombo action="simul"> <keycap> Alt </keycap> <keycap> F3 </keycap> </keycombo>, e assim por diante alternará entre esses consoles virtuais.</para>
-<programlisting>ttyv9 "/usr/libexec/getty Pc" cons25 off secure
-ttyva "/usr/libexec/getty Pc" cons25 off secure
-ttyvb "/usr/libexec/getty Pc" cons25 off secure</programlisting>
+ <para>Para habilitar mais consoles virtuais, edite <filename>/etc/ttys</filename> (veja <citerefentry><refentrytitle>ttys</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>) e adicione entradas do <filename> ttyv8 </filename> até o <filename> ttyvc </filename>, após os comentários na seção <quote>Virtual terminals</quote>:</para>
- <para>(Claro que as linhas poderiam simplesmente ser
- apagadas.)</para>
+ <programlisting># Edit the existing entry for ttyv8 in /etc/ttys and change
+# "off" to "on".
+ttyv8 "/usr/libexec/getty Pc" xterm on secure
+ttyv9 "/usr/libexec/getty Pc" xterm on secure
+ttyva "/usr/libexec/getty Pc" xterm on secure
+ttyvb "/usr/libexec/getty Pc" xterm on secure</programlisting>
- <para>Uma vez editado o <filename>/etc/ttys</filename>, o
- passo seguinte garantir que existam devices o
- bastante pros terminais virtuais. A forma mais
- fcil de fazer isso :</para>
+ <para>Quanto mais terminais virtuais estiverem ativos, mais recursos serão usados. Isso pode ser um problema em sistemas com 8 MB de RAM ou menos. Considere mudar a opção <literal>secure</literal> para <literal>insecure</literal>.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>cd /dev</userinput>
-&prompt.root; <userinput>sh MAKEDEV vty12</userinput></screen>
+ <important>
+ <para>Para executar um servidor X, pelo menos um terminal virtual deverá ser deixado como <literal>off</literal> para ele usar. Isso significa que apenas onze das teclas de função Alt podem ser usadas como consoles virtuais, de modo que uma deverá ser deixada livre para uso do servidor X.</para>
+ </important>
- <para>Em seguida, a maneira mais fcil (e mais limpa)
- de ativar cada um dos consoles virtuais reiniciar
- o sistema. Mas se reiniciar o FreeBSD no
- a inteno, basta desligar o servidor X,
- sistema de interface grfica e executar (logado
- como <systemitem class="username">root</systemitem>):</para>
+ <para>Por exemplo, para executar o X e onze consoles virtuais, a configuração para o terminal virtual 12 deve ser:</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>kill -HUP 1</userinput></screen>
+ <programlisting>ttyvb "/usr/libexec/getty Pc" xterm off secure</programlisting>
- <para> obrigatrio tirar por completo o X,
- sistema de interface grfica do ar antes de dar
- esse comando, caso o X esteja sendo usado. Se isso
- no for feito, o sistema vai parecer que
- travou.</para>
+ <para>A maneira mais fácil de ativar os consoles virtuais é reinicializar.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="vty-from-x">
- <para>Como posso acessar os consoles virtuais quando eu
- estiver no X?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Use <keycombo action="simul">
- <keycap>Ctrl</keycap>
- <keycap>Alt</keycap>
- <keycap>F<replaceable>n</replaceable></keycap>
- </keycombo> para alternar de volta para algum console
- virtual. Por exemplo,
- <keycombo action="simul">
- <keycap>Ctrl</keycap>
- <keycap>Alt</keycap>
- <keycap>F1</keycap>
- </keycombo> retornaria ao primeiro console virtual.</para>
-
- <para>Uma vez de volta ao console textual, pode-se usar
- <keycombo action="simul">
- <keycap>Alt</keycap>
- <keycap>F<replaceable>n</replaceable></keycap>
- </keycombo> normalmente, para alternar entre os consoles
- virtuais.</para>
-
- <para>Pra voltar para sesso X basta alternar para o
- console virtual onde o X est sendo executado.
- Caso o X tenha sido iniciado por linha de comando (por
- exemplo, com o comando <command>startx</command>) a
- sesso ter sido assimilada ao
- prximo console virtual fora de uso, e no
- ao console onde o comando foi digitado. Caso existam oito
- terminais virtuais ativos, o X estar sendo
- executado no nono. Nesse caso as teclas
- <keycombo action="simul">
- <keycap>Alt</keycap>
- <keycap>F9</keycap>
- </keycombo> retornaro ao sistema
- grfico.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="xdm-boot">
- <para>Como eu inicio o XDM no processo de
- inicializao?</para>
- </question><answer>
-
- <para>Existem duas formas clssicas de iniciar o
- <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/cgi/man.cgi?manpath=xfree86&amp;query=xdm">xdm</link>.
- A primeira consiste em inci-lo a partir do
- <filename>/etc/ttys</filename> (veja a pgina de
- manual do &man.ttys.5;) usando o exemplo disponvel
- no arquivo; a segunda forma simplesmente executar
- o xdm a partir do <filename>rc.local</filename> (veja a
- pgina de manual do &man.rc.8;) ou ento por
- um script <filename>X.sh</filename> em
- <filename>/usr/local/etc/rc.d</filename>. As duas
- maneiras so igualmente vlidas, mas algumas
- podem ser mais eficientes em algumas
- situaes, onde a outra forma no
- seria ideal. Nos dois casos, o resultado ser o
- mesmo: o X iniciar o mostrando uma tela de login:
- grfica.</para>
-
- <para>O mtodo de inicializao via
- ttys oferece a vantagem de definir explicitamente em qual
- vtyX o servidor grfico vai ser carregado, passando
- a responsabilidade da reinicializao do X
- para o init, no momento do logout. O mtodo via
- rc.local oferece facilidades caso seja necessrio
- encerrar o processo xdm, no caso, por exemplo, de
- ocorrerem problemas ao carregar o servidor
- grfico.</para>
-
- <para>Ao usar o rc.local para carregar o
- <command>xdm</command>, ele no deve ser
- acompanhado de nenhum argumento (deve ser iniciado como um
- daemon e deve ser iniciado DEPOIS que o getty j
- estiver em execusso, seno
- provvel que ocorram conflitos entre ambos, podendo
- travar o console. A melhor forma de assegurar o correto
- funcionamento desse mtodo fazer com que o
- script espere 10 segundos (por exemplo, com um sleep 10;)
- antes de iniciar o xdm.</para>
-
- <para>Se a inteo iniciar o
- <command>xdm</command> a partir do
- <filename>/etc/ttys</filename>, ainda existe a
- probabilidade de conflitos entre o <command>xdm</command>
- e o &man.getty.8;. Uma forma interessante de evitar esse
- tipo de desconforto, definir, no arquivo
- <filename>/usr/X11R6/lib/X11/xdm/Xservers</filename>, o
- nmero do <literal>vt</literal> onde o X deve ser
- iniciado, da seguinte forma:</para>
-
- <programlisting>:0 local /usr/X11R6/bin/X vt4</programlisting>
-
- <para>O exemplo acima indica que o servidor X ser
- ativado no <filename>/dev/ttyv3</filename>. Note que
- existe um offset de um vt, j que o X comea
- a contar os terminais (vty) a partir do um, enquando o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do FreeBSD os conta
- a partir do zero.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="xconsole-failure">
- <para>Por que eu enfrento um <errorname>Couldn't open
- console</errorname> ao executar o xconsole? </para>
+ <para>Como eu acesso os consoles virtuais a partir do X?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se o <application>X</application> for iniciado com um
- <command>startx</command>, as permisses do
- <filename>/dev/console</filename> no
- sero redefinidas, resultando em
- situaes onde um <command>xterm
- -C</command> ou mesmo o <command>xconsole</command>
- no funcionaro corretamente.</para>
-
- <para>O motivo disso a forma como as
- permisses so definidas por padro.
- Em sistemas multiusurio, normalmente no se
- espera que qualquer pessoa possa escrever no console do
- sistema. Para os usurios que esto se
- logando diretamente na mquina, em algum VTY,
- existe o arquivo &man.fbtab.5; que resolve esse tipo de
- problema.</para>
+ <para>Utilize <keycombo action="simul"><keycap>Ctrl</keycap><keycap>Alt</keycap><keycap>F<replaceable>n</replaceable></keycap></keycombo> para voltar a um console virtual. Pressione <keycombo action="simul"> <keycap> Ctrl </keycap> <keycap> Alt </keycap> <keycap> F1 </keycap> </keycombo> para retornar ao primeiro console virtual.</para>
- <para>Se for apropriado, garanta que exista uma linha
- assim</para>
+ <para>Uma vez em um console de texto, use <keycombo action="simul"> <keycap> Alt </keycap> <keycap> F <replaceable> n </replaceable> </keycap> </keycombo> para mover-se entre eles.</para>
- <programlisting>/dev/ttyv0 0600 /dev/console</programlisting>
-
- <para>No arquivo <filename>/etc/fbtab</filename> (veja a
- pgina de manual do &man.fbtab.5;). Essa linha
- garantir que qualquer usurio que se logar
- no <filename>/dev/ttyv0</filename> ser
- tambm proprietrio do console.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="xfree86-root">
- <para>Antes eu conseguia usar o XFree86 com um
- usurio sem privilgios. Porque agora o
- servidor diz que eu tenho que ser
- <systemitem class="username">root</systemitem>?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Todo servidor grfico precisa ser executado
- como <systemitem class="username">root</systemitem> para que o sistema permita
- acesso direto aos equipamentos de vdeo. Acontece
- que nas verses mais antigas, o XFree86
- (verses &lt;= 3.3.6) instalava o servidor de forma
- que ele era automaticamente executado como
- <systemitem class="username">root</systemitem> (setuid de
- <systemitem class="username">root</systemitem>). bviamente esse
- comportamente implica em riscos de segurana em
- qualquer caso onde o programa em questo seja
- complexo e grande; esse o caso dos servidores X.
- As verses mais atuais do XFree86 no
- instalam os servidores grficos com todo esse
- poder, exatamente por esse motivo.</para>
-
- <para> claro que rodar o X como usurio
- <systemitem class="username">root</systemitem> no uma
- idia muito aceitvel, especialmente em
- relao segurana. Existem
- duas formas de usar o X como usurio comum. A
- primeira usar o <command>xdm</command> ou
- qualquer outro gerenciador de display (como o
- <command>kdm</command>); a segunda usar o
- <command>Xwrapper</command>.</para>
-
- <para>O <command>xdm</command> um daemon que
- controla logins grficos. Normalmente ele
- iniciado no processo de inicializao e
- responsvel pela
- autenticao dos usurios, e por
- inciar suas sesses; essencialmente a
- unio grfica do &man.getty.8; como o
- &man.login.1;. Para mais informaes sobre
- o <command>xdm</command>, por gentileza, refira-se
- <link xlink:href="http://www.xfree86.org/support.html">documentao
- do XFree86</link> e questo do <link linkend="xdm-boot"><literal>FAQ</literal> sobre
- xdm</link>.</para>
-
- <para>O <command>Xwrapper</command> um
- intermediador do servidor grfico; um
- programa bem pequeno que possibilita a
- inicializao manual do servidor
- grfico por qualquer usurio, garantindo
- razovel segurana
- operao. O programa ainda faz algumas
- verificaes na linha de comando definida
- pelo usurio, para garantir a sanidade das
- intenes do mesmo. Se todas as
- intenes forem aprovadas, ele executa o X.
- Se por qualquer razo, a idia de usar um
- gerenciador de displays no te agrada, o
- <command>Xwrapper</command> feito para
- voc. Caso a coleo de
- <literal>Ports</literal> esteja instalada, o programa pode
- ser encontrado em
- <filename>/usr/ports/x11/wrapper</filename>.</para>
+ <para>Para retornar à sessão X, mude para o console virtual que está executando o X. Se o X foi iniciado a partir da linha de comando usando <command> startx </command>, a sessão X será anexada ao próximo console virtual não utilizado, e não ao console de texto no qual foi invocado. Para oito terminais virtuais ativos, o X será executado no nono, portanto use <keycombo action="simul"> <keycap> Alt </keycap> <keycap> F9 </keycap> </keycombo>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ps2-x">
- <para>Por que meu mouse PS/2 no se comporta
- corretamente no X?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>O seu mouse e a device que o controla devem ter
- desincronizado.</para>
-
- <para>Nas verses 2.2.5 e anteriores, a simples
- alternncia entre o X e o terminal, e voltar para o
- X, fora a resincronizao do mouse.
- Se o problema se tornar frequnte, adicione a
- seguinte opo ao arquivo de
- configurao do seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, e o
- recompile:</para>
-
- <programlisting>options PSM_CHECKSYNC</programlisting>
-
- <para>Veja a seo sobre a <link linkend="make-kernel">compilao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase></link>, caso
- voc no tenha experincia com
- isso.</para>
-
- <para>Com essa opo as chances de ter
- problemas com a sincronia do mouse so bem
- pequenas. Contudo, se ainda assim o problema persistir,
- clique em qualquer boto durante o movimento do
- mouse. o bastante para resincroniza-lo.</para>
-
- <para>Infelizmente essa opo pode no
- funcionar em alguns sistemas, dependendo de qual driver
- controle o seu mouse PS/2; especialmente se a device de
- controle for do tipo ALPS GlidePoint.</para>
-
- <para>Na verso 2.2.6 e posteriores, a
- verificao de sincronia se tornou
- razovelmente melhor, e padro nos
- mouses PS/2. Deve funcionar corretamente com GlidePoint,
- inclusive (como o cdigo de
- verificao de sincronia ter se tornado
- padro, a opo PSM_CHECKSYNC
- no existe mais). Contudo, em
- situaes muito raras, o driver de controle
- do mouse pode, errneamente reportar problemas de
- sincronizao, mostrando a seguinte mensagem
- do <foreignphrase>kernel</foreignphrase>:</para>
+ <question xml:id="xdm-boot">
+ <para>Como faço para carregar o <application> XDM </application> na inicialização?</para>
+ </question>
- <programlisting>psmintr: out of sync (xxxx != yyyy)</programlisting>
+ <answer>
+ <para>Existem duas escolas de pensamento sobre como iniciar o <citerefentry vendor="xfree86"><refentrytitle>xdm</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry>. Uma escola inicia o <command>xdm</command> a partir do <filename>/etc/ttys</filename> (veja <citerefentry><refentrytitle>ttys</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>) usando o exemplo fornecido, enquanto o outro executa o <command>xdm</command> a partir do <filename>rc.local</filename> (veja <citerefentry><refentrytitle>rc</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>) ou de um script <filename>X</filename> localizado em <filename>/usr/local/etc/rc.d</filename>. Ambos são igualmente válidos, e um pode funcionar em situações em que o outro não funciona. Em ambos os casos, o resultado é o mesmo: O X mostrará um prompt de login gráfico.</para>
- <para>Pensando que seu mouse no est
- funcionando corretamente.</para>
+ <para>O método <citerefentry><refentrytitle>ttys</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> tem a vantagem de documentar qual vty X iniciará e passando a responsabilidade de reiniciar o servidor X no logout para o <citerefentry><refentrytitle>init</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. O método <citerefentry><refentrytitle>rc</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> facilita o <command>kill</command> <command>xdm</command> se houver um problema ao iniciar o servidor X.</para>
- <para>Se for o caso, desligue o cdigo de
- verificao de sincronia do mouse PS/2,
- definindo a flag 0x100 na device de controle do mesmo.
- Entre no modo <emphasis>UserConfig</emphasis> definindo a
- opo <option>-c</option> na tela do
- processo de inicializao:</para>
+ <para>Se carregado pelo <citerefentry><refentrytitle>rc</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, o <command>xdm</command> deve ser iniciado sem nenhum argumento. <command>xdm</command> deve iniciar <emphasis>após</emphasis> o <citerefentry><refentrytitle>getty</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> ser executado, ou então <command>getty</command> e <command>xdm</command> entrarão em conflito, bloqueando o console. A melhor maneira de contornar isso é fazer com que o script espere 10 segundos ou mais e, em seguida, iniciar o <command>xdm</command>.</para>
- <screen>boot: <userinput>-c</userinput></screen>
+ <para>Ao iniciar o <command>xdm</command> pelo <filename>/etc/ttys</filename>, ainda há uma chance de conflito entre <command>xdm</command> e <citerefentry><refentrytitle>getty</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. Uma maneira de evitar isso é adicionar o número <literal> vt </literal> no arquivo <filename>/usr/local/lib/X11/xdm/Xservers</filename>:</para>
- <para>Depois, na linha de comando do
- <emphasis>UserConfig</emphasis>, digite:</para>
+ <programlisting>:0 local /usr/local/bin/X vt4</programlisting>
- <screen>UserConfig&gt; <userinput>flags psm0 0x100</userinput>
-UserConfig&gt; <userinput>quit</userinput></screen>
+ <para>O exemplo acima irá direcionar o servidor X para ser executado em <filename>/dev/ttyv3</filename>. Observe que o número é compensado por um. O servidor X conta a vty a partir de 1, enquanto o kernel do FreeBSD numera a vty a partir de zero.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ps2-mousesystems">
- <para>Por que meu mouse PS/2 da MouseSystems no
- funciona?</para>
+ <question xml:id="xconsole-failure">
+ <para>Por que eu obtenho o erro <errorname>Couldn't open console</errorname> quando executo o <command>xconsole</command>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Existem notcias que alguns modelos de mouse
- PS/2 da MouseSystems funcionam corretamente apenas em modo
- de alta resoluo. Do contrrio, o
- cursor do mouse costuma pular para diagonal superior
- esquerda da tela com certa frequncia.</para>
+ <para>Quando o <application>X</application> é iniciado com o comando <command>startx</command>, as permissões em <filename>/dev/console</filename> <emphasis>não</emphasis> serão alteradas, o que resultará um comportamento errático de algumas coisas tais como o não funcionamento do <command>xterm -C</command> e do <command>xconsole</command>.</para>
- <para>Infelizmente no existe soluo
- esse problema, nas verses 2.0.X e 2.1.X.
- Contudo, das verses 2.2 2.2.5, basta
- aplicar o seguinte patch, no
- <filename>/sys/i386/isa/psm.c</filename> e recompilar o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>. Veja a
- seo sobre <link linkend="make-kernel">
- compilao do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase></link> caso
- no tenha experincia com o assunto.</para>
+ <para>Isso ocorre devido à maneira como as permissões do console são definidas por padrão. Em um sistema multiusuário, não é necessário que qualquer usuário possa escrever no console do sistema. Para os usuários que estão logando diretamente em uma máquina com um VTY, existe o arquivo <citerefentry><refentrytitle>fbtab</refentrytitle><manvolnum/></citerefentry> para resolver tais problemas.</para>
- <programlisting>@@ -766,6 +766,8 @@
- if (verbose &gt;= 2)
- log(LOG_DEBUG, "psm%d: SET_DEFAULTS return code:%04x\n",
- unit, i);
-+ set_mouse_resolution(sc-&gt;kbdc, PSMD_RES_HIGH);
-+
- #if 0
- set_mouse_scaling(sc-&gt;kbdc); /* 1:1 scaling */
- set_mouse_mode(sc-&gt;kbdc); /* stream mode */</programlisting>
+ <para>Em poucas palavras, certifique-se de que uma linha não comentada do formulário esteja no <filename>/etc/fbtab</filename> (veja <citerefentry><refentrytitle>fbtab</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry>):</para>
- <para>Na verso 2.2.6 e verses posteriores,
- basta especificar a flag 0x04 para device de controle do
- mouse PS/2, colocando-o em modo de alta
- resoluo. Entre no modo
- <emphasis>UserConfig</emphasis> com a opp
- <option>-c</option> na tela do processo de
- inicializao:</para>
-
- <screen>boot: <userinput>-c</userinput></screen>
-
- <para>Depois, na linha de comando do
- <emphasis>UserConfig</emphasis> digite:</para>
-
- <screen>UserConfig&gt; <userinput>flags psm0 0x04</userinput>
-UserConfig&gt; <userinput>quit</userinput></screen>
+ <programlisting>/dev/ttyv0 0600 /dev/console</programlisting>
- <para>Veja a pergunta anterior, sobre outra causa
- possvel de problemas com o mouse.</para>
+ <para>Ele irá garantir que quem fizer o login em <filename>/dev/ttyv0</filename> será o dono do console.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="imake-tmpl">
- <para>Ao compilar uma aplicao X, o
- <command>imake</command> no consegue encontrar o
- <filename>Imake.tmpl</filename>. Onde ele
- est?</para>
+ <question xml:id="ps2-x">
+ <para>Por que meu mouse PS/2 não funciona direito no X?</para>
</question>
<answer>
- <para>O <filename>Imake.tmpl</filename> parte do
- pacote Imake, uma aplicao padro
- para construo de aplicaes
- grficas. O <filename>Imake.tmpl</filename>, assim
- como vrios outros arquivos de cabealhos
- necessrios para compilar aplicaes
- grficas, parte da
- distribuio do X. Eles podem ser
- instalados pelo sysinstall ou manualmente a partir dos
- arquivos da distribuio.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="xfree86-version">
- <para>Estou construindo uma aplicao
- grfica que depende do XFree86 3.3.X, mas eu estou
- com o XFree86 4.X instalado. O que fazer?</para>
- </question>
+ <para>O mouse e o driver do mouse podem estar fora de sincronização. Em casos raros, o driver também pode relatar erroneamente erros de sincronização:</para>
- <answer>
- <para>Pra definir que a construo do
- <literal>Port</literal> deve ser linkada s
- bibliotecas do XFree86 4.X, adicione o seguinte, no seu
- <filename>/etc/make.conf</filename>, (se o arquivo
- no existir, crie-o):</para>
+ <programlisting>psmintr: out of sync (xxxx != yyyy)</programlisting>
- <programlisting>XFREE86_VERSION= 4</programlisting>
+ <para>Se isso acontecer, desative o código de verificação de sincronização definindo as flags de driver para o driver de mouse PS/2 como <literal>0x100</literal>. Isto pode ser mais facilmente alcançado adicionando <literal>hint.psm.0.flags="0x100"</literal> ao arquivo <filename>/boot/loader.conf</filename> e reiniciando.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="mouse-button-reverse">
- <para>Como posso inverter as funes dos
- botes do mouse?</para>
+ <para>Como eu inverto os botões do mouse?</para>
</question>
+
<answer>
- <para>Execute o comando <command>xmodmap -e "pointer = 3 2
- 1"</command> partir do
- <filename>.xinitrc</filename> ou do
- <filename>.xsession</filename>.</para>
+ <para>Digite <command>xmodmap -e "pointer = 3 2 1"</command>. Adicione este comando ao <filename>~/.xinitrc</filename> ou <filename>~/.xsession</filename> para que isso aconteça automaticamente.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="install-splash">
- <para>Como instalar uma Splash Screen e onde posso
- encontra-las?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A partir da lanamento do FreeBSD 3.1, uma nova
- caracterstica foi adicionada ao sistema,
- permitindo que alguns arquivos de imagens sejam usados
- como <quote>Splash Screens</quote> durante as mensagens do
- processo de inicializao. Tais imagens
- devem ser arquivos do tipo bitmap com 256 cores
- (<filename>*.BMP</filename>) ou ento ZSoft PCX
- (<filename>*.PCX</filename>). Devem ainda ter
- resoluo de 320x200 pixels (ou menos), para
- funcionarem corretamente em adaptadores de vdeo
- VGA tradicionais. Caso o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> tenha sido compilado
- com suporte VESA, ento podem ser usados
- bitmaps maiores, at 1024.768 px. O suporte
- VESA pode ser diretamente compilado no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, com a
- opo VESA no arquivo de
- configurao, ou carregado como
- mdulo, com o kld, durante o processo de
- inicializao do sistema.</para>
-
- <para>Para definir a <quote>Splash Screens</quote>, basta
- modificar alguns arquivos de inicializao
- que controlam o processo de inicializao do
- FreeBSD. Tais arquivos foram alterados na verso
- 3.2 do FreeBSD, existindo portanto duas formas de carregar
- uma <quote>Splash Screens</quote>:</para>
-
- <itemizedlist>
- <listitem>
- <para>No FreeBSD 3.1</para>
-
- <para>O primeiro passo escolher o seu bitmap, e
- sua verso. At o FreeBSD 3.1, apenas
- os bitmaps do tipo Windows eram suportados. Assim que
- escolher (ou criar) sua <quote>Splash Screens</quote>,
- copie-a para <filename>/boot/splash.bmp</filename>.
- Depois, basta editar (ou criar, caso no
- exista) o arquivo <filename>/boot/loader.rc</filename>
- e adicionar as seguintes linhas:</para>
-
- <programlisting>load kernel
-load -t splash_image_data /boot/splash.bmp
-load splash_bmp
-autoboot</programlisting>
- </listitem>
-
- <listitem>
- <para>No FreeBSD 3.2 e posteriores</para>
-
- <para>Alm de adicionar suporte a <quote>Splash
- Screens</quote> de formato PCX, o FreeBSD 3.2 passou
- a oferecer uma maneira mais interessante de configurar
- o processo de inicializao. Caso
- prefira, o mtodo descrito acima, para o
- FreeBSD 3.1 tambm funciona. Nesse caso, se a
- imagem for do tipo PCX basta substituir a entrada
- <literal>splash_bmp</literal> por
- <literal>splash_pcx</literal>. Caso queira usar a
- nova configurao do processo de
- inicializao, basta criar um arquivo
- <filename>/boot/loader.rc</filename> com o seguinte
- contedo:</para>
-
- <programlisting>include /boot/loader.4th
-start</programlisting>
-
- <para>e depois, um
- <filename>/boot/loader.conf</filename> com o
- seguinte:</para>
-
- <programlisting>splash_bmp_load="YES"
-bitmap_load="YES"</programlisting>
-
- <para>Essa configurao assume que o
- <filename>/boot/splash.bmp</filename> deve ser usado
- como sua <quote>Splash Screens</quote>. Caso prefira
- usar um arquivo PCX, copie para o
- <filename>/boot/splash.pcx</filename>, e crie um
- <filename>/boot/loader.rc</filename>, da forma como
- foi indicado anteriormente; depois crie um
- <filename>/boot/loader.conf</filename> com o
- seguinte:</para>
-
- <programlisting>splash_pcx_load="YES"
-bitmap_load="YES"
-bitmap_name="/boot/splash.pcx"</programlisting>
- </listitem>
- </itemizedlist>
+ <para>Como faço para instalar uma splash screen e onde posso encontrá-las?</para>
+ </question>
- <para>Agora voc s precisa de uma imagem, para
- servir de <quote>Splash Screens</quote>. Pra isso,
- d uma navegada na galeria disponvel em
- <link xlink:href="http://www.baldwin.cx/splash/">http://www.baldwin.cx/splash/</link>.</para>
+ <answer>
+ <para>A resposta detalhada para essa pergunta pode ser encontrada na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/boot-splash.html">Telas de inicialização do tempo de inicialização</link> do FreeBSD Handbook.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="windows-keys">
- <para>Posso usar as teclas do Windows&reg; que meu teclado
- possui, sob o X?</para>
+ <para>Posso usar as teclas do <keycap>Windows</keycap> do meu teclado no X?</para>
</question>
<answer>
- <para>Pode. Basta usar o &man.xmodmap.1; para redefinir a
- funo das teclas.</para>
+ <para>Sim. Use o <citerefentry vendor="xfree86"><refentrytitle>xmodmap</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> para definir quais funções as teclas devem executar.</para>
- <para>Assumindo que todos os teclados <quote><trademark class="registered">Windows</trademark></quote> sejam
- padro, os cdigos de mapeamento pras 3
- teclas so:</para>
+ <para>Supondo que todos os teclados Windows sigam um padrão, os códigos de teclas para essas três teclas são os seguintes:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>115 - <trademark class="registered">Windows</trademark>, entre a
- tecla Ctr e a Alt do lado esquerdo.</para>
+ <para><keycode> 115 </keycode> - tecla <keycap> Windows </keycap>, entre as teclas <keycap> Ctrl </keycap> e <keycap> Alt </keycap> do lado esquerdo</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>116 - <trademark class="registered">Windows</trademark>,
- direita a tecla AltGr.</para>
+ <para><keycode> 116 </keycode> - tecla <keycap> Windows </keycap>, à direita de <keycap> AltGr </keycap></para>
</listitem>
<listitem>
- <para>117 - <keycap>Menu</keycap>, do lado esquerdo da
- tecla Ctrl esquerda</para>
+ <para><keycode> 117 </keycode> - <keycap> Menu </keycap>, à esquerda da tecla <keycap>Ctrl</keycap> da direita</para>
</listitem>
</itemizedlist>
- <para>Por exemplo, para fazer com que a tecla Windows&reg;
- esquerda imprima uma vrgula, faa o
- seguinte:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>xmodmap -e "keycode 115 = comma"</userinput></screen>
+ <para>Para que a tecla <keycap> Windows </keycap> da esquerda imprima uma vírgula, tente isto.</para>
- <para> provvel que seu gerenciador de
- janelas tenha que ser reiniciado, para visualizar o
- resultado.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>xmodmap -e "keycode 115 = comma"</userinput></screen>
- <para>Pra forar o carregamento automtico do
- mapeamento das teclas <trademark class="registered">Windows</trademark>, coloque os
- comandos do <command>xmodmap</command> no arquivo
- <filename>~/.xinitrc</filename> ou de preferncia,
- crie um arquivo <filename>~/.xmodmaprc</filename> e inclua
- as opes do <command>xmodmap</command> uma
- por linha, nesse arquivo. Depois adicione:</para>
+ <para>Para que os mapeamentos de teclas <keycap>Windows</keycap> sejam ativados automaticamente toda vez que X for iniciado, coloque os comandos <command>xmodmap</command> em <filename>~/.xinitrc</filename> ou, preferencialmente, crie um <filename>~/.xmodmaprc</filename> e inclua as opções <command>xmodmap</command>, uma por linha, e adicione a seguinte linha ao <filename>~/.xinitrc</filename>:</para>
<programlisting>xmodmap $HOME/.xmodmaprc</programlisting>
- <para>No seu <filename>~/.xinitrc</filename>.</para>
+ <para>Por exemplo, para mapear as 3 chaves para serem <keycap>F13</keycap>, <keycap>F14</keycap> e <keycap>F15</keycap>, respectivamente. Isso facilitaria mapeá-los para funções úteis em aplicativos ou no gerenciador de janelas.</para>
- <para>Por exemplo, pode-se mapear as 3 teclas em
- questo para fazer o papel das teclas
- <keycap>F13</keycap>, <keycap>F14</keycap>, e
- <keycap>F15</keycap>, respectivamente. Dessa forma, seria
- fcil mapear as aplicaes de forma
- que as teclas tivessem aes no seu sistema,
- como veremos agora.</para>
-
- <para>Adicione o seguinte contedo, no arquivo
- <filename>~/.xmodmaprc</filename>.</para>
+ <para>Para fazer isto, coloque o seguinte em <filename> ~/.xmodmaprc</filename>.</para>
<programlisting>keycode 115 = F13
keycode 116 = F14
keycode 117 = F15</programlisting>
- <para>Se o gerenciador de janelas em questo for o
- <command>fvwm2</command>, por exemplo, pode-se mapear as
- teclas de forma que o <keycap>F13</keycap> minimize (ou
- maximize) a janela que o cursor est apontando, a
- tecla <keycap>F14</keycap> de forma que ela traga a janela
- marcada pelo cursor para frente (ou volte para
- trs, caso j esteja frente), e o
- <keycap>F15</keycap> pode alternar o menu da rea
- detrabalho principal, o que bem til
- quando a tela no visvel.</para>
-
- <para>As seguintes definies no
- <filename>~/.fvwmrc</filename> implementam a
- configurao acima descrita:</para>
-
- <programlisting>Key F13 FTIWS A Iconify
+ <para>Para o gerenciador da área de trabalho <package>x11-wm/fvwm2</package>, pode-se mapear as chaves para que <keycap>F13</keycap> seja minimizada a janela em que o cursor está ou a maximize, <keycap>F14</keycap> traz a janela em que o cursor está para a frente ou, se já estiver na frente, a coloca em background <keycap>F15</keycap> aparece no menu principal do Workplace mesmo que o cursor não esteja a área de trabalho, o que é útil quando nenhuma parte da área de trabalho está visível.</para>
+
+ <para>As seguintes entradas em <filename> ~/.fvwmrc </filename> implementam a configuração acima mencionada:</para>
+
+ <programlisting>Key F13 FTIWS A Iconify
Key F14 FTIWS A RaiseLower
Key F15 A A Menu Workplace Nop</programlisting>
- </answer>
+ </answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="x-3d-acceleration">
- <para>Como posso obter a acelerao de
- equipamentos 3D para o OpenGL?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>A disponibilidade da acelerao 3D
- depende da verso do XFree86 e da placa de
- vdeo. Caso a placa seja NVIDIA, verifique a
- pgina da <link xlink:href="http://nvidia.netexplorer.org/">Iniciativa de
- Driver NVIDIA para o FreeBSD</link>, que discute a
- acelerao 3D em chips NVIDIA com XFree86-4.
- Pra outras placas em conjunto com o XFree86-4, incluindo a
- Matrox G200/G400, a ATI Rage 128/Radeon, as 3dfx Voodoo 3,
- 4, 5, e Banshee, refira-se pgina sobre
- <link xlink:href="http://gladstone.uoregon.edu/~eanholt/dri/">Renderizao
- Direta do XFree86-4 no FreeBSD</link>. Usurios
- do XFree86 na verso 3.3 podem usar o
- <literal>port</literal> do Utah-GLX que pode ser
- encontrado em <package>graphics/utah-glx</package> para
- conseguir alguma (limitada) acelerao 3D
- para o OpenGL em placas Matrox Gx00, ATI Rage Pro, SiS
- 6326, i810, Savage, e algumas NVIDIA antigas.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Como posso obter aceleração de hardware 3D para o <trademark class="registered"> OpenGL </trademark>?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>A disponibilidade da aceleração 3D depende da versão do Xorg e do tipo de chip de vídeo. Para um chip da nVidia, use os drivers binários fornecidos para o FreeBSD instalando um dos seguintes ports:</para>
+
+ <para>As versões mais recentes das placas nVidia são suportadas pelo port <package> x11/nvidia-driver </package>.</para>
+
+ <para>Drivers mais antigos estão disponíveis como <package>x11/nvidia-driver-<replaceable> ###</replaceable> </package></para>
+
+ <para>A nVidia fornece informações detalhadas sobre qual placa é suportada por qual driver em seu site: <uri xlink:href="http://www.nvidia.com/object/IO_32667.html">http://www.nvidia.com /object/IO_32667.html</uri>.</para>
+
+ <para>Para a Matrox G200/G400, verifique o port <package> x11-drivers/xf86-video-mga</package>.</para>
+
+ <para>Para a ATI Rage 128 e Radeon, consulte <citerefentry vendor="xorg"><refentrytitle>ati</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>, <citerefentry vendor="xorg"><refentrytitle>r128</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> and <citerefentry vendor="xorg"><refentrytitle>radeon</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>.</para>
+ </answer>
+ </qandaentry>
</qandaset>
</chapter>
<chapter xml:id="networking">
- <title>Redes</title>
+ <title>Networking</title>
<qandaset>
<qandaentry>
<question xml:id="diskless-booting">
- <para>Onde obter informaes a respeito do
- processo de processo de inicializao sem
- disco rgido (<foreignphrase>diskless
- booting</foreignphrase>)?</para>
+ <para>Onde posso obter informações sobre a <quote>inicialização sem disco</quote>?</para>
</question>
<answer>
- <para>O processo de processo de inicializao
- sem disco implica na possibilidade de uma mquina
- FreeBSD ser inicializada atravs da rede, lendo os
- arquivos necessrios partir de um
- servidor, ao invs de um disco rgido. Para
- maiores detalhes, por favor, consulte o tem <link xlink:href="../handbook/diskless.html"><foreignphrase>diskless
- booting</foreignphrase> no
- &a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para><quote>Inicialização sem disco</quote> significa que o sistema FreeBSD é inicializado através de uma rede e lê os arquivos necessários de um servidor ao invés de seu disco rígido. Para maiores detalhes, consulte a entrada do Handbook <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/network-diskless.html">Inicialização sem disco</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="router">
- <para>Um sistema FreeBSD pode ser utilizado como roteador
- dedicado para uma rede?</para>
+ <para>Uma maquina FreeBSD pode ser usada como um roteador de rede dedicado?</para>
</question>
<answer>
- <para>Pode. Por gentileza, refira-se <link xlink:href="../handbook/routing.html">documentao
- do &a.ptbr.p.handbook; sobre configuraes
- avanadas de rede</link>, mais especificamente,
- a seo sobre <link xlink:href="../handbook/routing.html#DEDICATED-ROUTER">roteamento
- e gateways</link>.</para>
+ <para>Sim. Consulte a entrada do Manual em <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/advanced-networking.html">rede avançada</link>, especificamente a seção sobre <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/pt_BR.ISO8859-1/books/handbook/network-routing.html">roteamento e gateways</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="win95-connection">
- <para>Posso conectar minha mquina com Win95
- Internet, atravs do meu FreeBSD?</para>
+ <para>Posso conectar minha maquina <trademark class="registered">Windows</trademark> à Internet via FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Normalmente, as pessoas que propem esse tipo
- de questo possuem dois computadores em casa, um
- com FreeBSD e outro com Win95. A idia
- utilizar a maquina com FreeBSD para se conectar
- Internet, e ento oferecer acesso Internet a
- mquina Win95 atravs do FreeBSD. Essa
- apenas uma extenso especial da
- questo anterior.</para>
+ <para>Normalmente, as pessoas que fazem essa pergunta têm dois PCs em casa, um com o FreeBSD e outro com alguma versão do <trademark class="registered">Windows</trademark>, a idéia é usar o sistema FreeBSD para conectar-se à Internet e depois ser capaz de acessar a Internet a partir do sistema <trademark class="registered">Windows</trademark> através do sistema FreeBSD. Este é realmente apenas um caso especial da pergunta anterior e funciona perfeitamente bem.</para>
- <para>... e a resposta sim! No FreeBSD 3.x, o
- &man.ppp.8; em modo usurio oferece a
- opo <option>-nat</option>. Se o
- &man.ppp.8; for executado com essa opo,
- basta definir a varivel
- <literal>gateway_enable</literal> para
- <emphasis>YES</emphasis> no arquivo
- <filename>/etc/rc.conf</filename>, e configurar
- corretamente a mquina Windows. Isso o
- bastante.</para>
+ <para>Usuários de rede discada devem usar <option>-nat</option> e definir <literal>gateway_enable</literal> para <emphasis>YES</emphasis> no arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename>. Para obter mais informações, consulte <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> ou o <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/userppp.html ">manual no usuário PPP</link>.</para>
- <para>Para obter mais informaes, por
- gentileza, refira-se a pgina de manual do
- &man.ppp.8;</para>
-
- <para>Se o &man.ppp.8; estiver sendo usado em modo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>
- (<foreignphrase>kernel-mode</foreignphrase>) ou a
- conexo com a Internet for via Ethernet, a
- opo mais vivel ser
- utilizar o &man.natd.8;. Por favor, consulte a
- seo <link linkend="natd">natd</link> dessa
- documentao.</para>
+ <para>Se a conexão com a Internet for pela Ethernet, use <citerefentry><refentrytitle>natd</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum> </citerefentry>. Um tutorial pode ser encontrado na seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/pt_BR.ISO8859-1/books/handbook/firewalls-ipfw.html#network-natd">natd</link> do manual.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="slip-ppp-support">
- <para>O FreeBSD suporta SLIP e PPP?</para>
+ <para>O FreeBSD suporta PPP?</para>
</question>
<answer>
- <para>Claro. Veja as pginas de manual do
- &man.slattach.8;, &man.sliplogin.8;, &man.ppp.8;, e
- &man.pppd.8;. O &man.ppp.8; e o &man.pppd.8; oferecem
- suporte conexes entrantes e de
- sada (conexes incoming/outgoing), enquanto
- o &man.slattach.8; conexes de
- sada (outgoing).</para>
-
- <para>Para obter mais informaes sobre a
- correta utilizao desses recursos, por
- gentileza, refira-se ao Captulo sobre <link xlink:href="../handbook/ppp-and-slip.html">PPP e SLIP do
- &a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para>Sim. O <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> fornece suporte para conexões de entrada e saída.</para>
- <para>Se o seu acesso Internet for apenas por meio
- de uma conta Shell, pode ser interessante dar uma olhada
- no <literal>port</literal> da aplicao
- <package>net/slirp</package>. Esse
- <literal>port</literal> oferece acesso (limitado)
- servios como FTP e HTTP direto da mquina
- local.</para>
+ <para>Para obter mais informações sobre como usar isso, consulte o <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/ppp-and-slip.html">capítulo sobre o PPP</link> no Handbook.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="natd">
- <para>O FreeBSD suporta NAT ou Masquerading?</para>
+ <para>O FreeBSD suporta NAT ou Mascaramento de IPs?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se no seu caso, existe uma subrede (uma ou mais
- mquinas locais interconectadas em rede), mas o seu
- Provedor de Internet disponibiliza apenas um IP (ou se o
- endereo IP em questo
- dinmico), com certeza interessante dar uma
- olhada no &man.natd.8;. O &man.natd.8; possibilita que
- uma subrede inteira acesse a Internet atravs de um
- nico endereo IP.</para>
-
- <para>O &man.ppp.8; oferece suporte interno essa
- mesma funcionalidade, atravs da
- opo <option>-nat</option> do programa. A
- biblioteca &man.libalias.3; usada tanto pelo
- &man.ppp.8; quanto pelo &man.natd.8;.</para>
+ <para>Sim. Para obter instruções sobre como usar o NAT em uma conexão PPP, consulte a seção do <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/pt_BR.ISO8859-1/books/handbook/userppp.html">PPP</link> no manual. Para usar o NAT em algum outro tipo de conexão de rede, consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/pt_BR.ISO8859-1/books/handbook/firewalls-ipfw.html#network-natd">natd</link> do manual.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="parallel-connect">
- <para>Como posso conectar duas estaes
- FreeBSD por linha paralela, usando o PLIP?</para>
+ <question xml:id="ethernet-aliases">
+ <para>Como posso configurar aliases de Ethernet?</para>
</question>
<answer>
- <para>Por gentileza, refira-se seo
- sobre <link xlink:href="../handbook/plip.html">PLIP do
- &a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para>Se o alias estiver na mesma sub-rede que um endereço já configurado na interface, adicione <literal>netmask 0xffffffff </literal>a este comando:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>ifconfig <replaceable>ed0</replaceable> alias <replaceable>192.0.2.2 </replaceable>netmask 0xffffffff</userinput></screen>
+
+ <para>Caso contrário, especifique o endereço de rede e a máscara de rede como de costume:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>ifconfig <replaceable>ed0</replaceable> alias <replaceable>172.16.141.5</replaceable> netmask 0xffffff00</userinput></screen>
+
+ <para>Mais informações podem ser encontradas <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/configtuning-virtual-hosts.html">Handbook</link> do FreeBSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="create-dev-net">
- <para>Por que eu no posso criar um dispositivo
- /dev/ed0?</para>
+ <question xml:id="nfs-linux">
+ <para>Por que não posso montar o NFS de uma máquina <trademark class="registered">Linux</trademark>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Porque no preciso! Na estrutura de
- redes de Berkeley, as interfaces de rede so
- acessadas somente (e diretamente) pelo cdigo do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>. Por favor
- verifique o arquivo <filename>/etc/rc.network</filename> e
- as pginas do manual para os diversos programas de
- rede ali mencionados, para maiores
- informaes. Se isto deix-lo
- completamente confuso, consulte um livro que descreva a
- administrao de rede em um outro sistema
- operacional baseado no modelo BSD. Com poucas
- excees significativas, a
- administrao de rede em sistemas FreeBSD
- basicamente a mesma da utilizada em sistemas como
- o SunOS 4.0 ou o Ultrix.</para>
+ <para>Algumas versões do código NFS do <trademark class="registered">Linux</trademark> aceitam somente solicitações de montagem vindas de uma porta privilegiada; tente executar o seguinte comando:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>mount -o -P linuxbox:/blah /mnt</userinput></screen>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ethernet-aliases">
- <para>Como eu configuro aliases (apelidos) de
- Ethernet?</para>
+ <question xml:id="exports-errors">
+ <para>Por que o comando <command>mountd</command> continua me dizendo que ele <errorname>can't change attributes</errorname> (não pode alterar os atributos) e que eu tenho uma <errorname>bad exports list</errorname> (lista de exports ruins) no meu servidor NFS do FreeBSD?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se a inteno definir um
- apelido IP para uma subrede previamente configurada, basta
- adicionar a mscara <literal>0xffffffff</literal>
- junto sintaxe usual para definio
- de alias no &man.ifconfig.8;:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>ifconfig ed0 alias 192.0.2.2 netmask 0xffffffff</userinput></screen>
-
- <para>Do contrrio, basta definir o endereo
- de rede e a netmask em questo, da forma
- tradicional:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>ifconfig ed0 alias 172.16.141.5 netmask 0xffffff00</userinput></screen>
+ <para>O problema mais freqüente é não entender o formato correto de <filename>/etc/exports</filename>. Revise <citerefentry> <refentrytitle>exports</refentrytitle><manvolnum>5</manvolnum></citerefentry> e o <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/pt_BR.ISO8859-1/books/handbook/network-nfs.html ">NFS</link> no manual, especialmente na seção <link xlink:href=" @@URL_RELPREFIX@@/doc/pt_BR.ISO8859-1/books/handbook/network-nfs html#configuring-nfs ">configurando o NFS</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="port-3c503">
- <para>Como eu configuro minha placa 3Com 3C503 para utilizar
- outra interface de conexo ?</para>
+ <question xml:id="ip-multicast">
+ <para>Como faço para ativar o suporte a multicast IP?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se voc deseja utilizar uma outra interface de
- conexo, dever especificar alguns
- parmetros adicionais na linha de comando do
- &man.ifconfig.8;. A porta padro a
- <literal>link0</literal>. Para usar a porta AUI ao
- invs da porta BNC utilize a flag
- <literal>link2</literal>. Tais flags devem ser definidas
- atravs das variveis ifconfig_* no arquivo
- <filename>/etc/rc.conf</filename>. (consulte o
- &man.rc.conf.5;).</para>
+ <para>Instale o pacote ou port <package>net/mrouted</package> e adicione <literal>mrouted_enable="YES"</literal> ao <filename>/etc/rc.conf</filename> para que o FreeBSD inicie este serviço no momento da inicialização.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="nfs">
- <para>Por que eu tenho problemas com NFS no FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="fqdn-hosts">
+ <para>Por que preciso usar o FQDN para hosts na minha rede?</para>
</question>
<answer>
- <para>Certas interfaces de rede para PC so melhores
- do que outras (para adotarmos um eufemismo) e as vezes
- podem causar problemas em aplicaes que
- utilizam a rede de modo intensivo, como o NFS.</para>
-
- <para>Consulte o item <link xlink:href="../handbook/nfs.html">NFS</link> do
- &a.ptbr.p.handbook; para obter mais
- informaes sobre o assunto.</para>
+ <para>Veja a resposta no <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/mail-trouble.html">Handbook</link> do FreeBSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="nfs-linux">
- <para>Por que no possvel montar
- sistemas de arquivos NFS de mquinas Linux?</para>
+ <question xml:id="network-permission-denied">
+ <para>Por que recebo oerro, <errorname>Permission denied</errorname>, para todas as operações de rede?</para>
</question>
<answer>
- <para>Algumas verses do cdigo NFS do Linux
- aceitam requisies de montagem provenientes
- apenas de portas privilegiadas, experimente o
- comando:</para>
+ <para>Se o kernel é compilado com a opção <literal>IPFIREWALL</literal>, esteja ciente de que a política padrão é negar todos os pacotes que não são explicitamente permitidos.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>mount -o -P linuxbox:/blah /mnt</userinput></screen>
+ <para>Se o firewall foi inadvertidamente configurado de forma errada, restaure a operacionalidade da rede digitando o seguinte comando como <systemitem class="username">root</systemitem>:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>ipfw add 65534 allow all from any to any</userinput></screen>
+
+ <para>Considere configurar a opção <literal>firewall_type="open"</literal> no <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
+
+ <para>Para obter mais informações sobre como configurar seu firewall, consulte o <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/firewalls-ipfw.html">Handbook</link>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="nfs-sun">
- <para>Por que no possvel montar
- sistemas de arquivos NFS de mquinas Sun?</para>
+ <question xml:id="ipfw-fwd">
+ <para>Por que minha regra <command>ipfw</command> <quote>fwd</quote> para redirecionar um serviço para outra máquina que não está funcionando?</para>
</question>
<answer>
- <para>Estaes de trabalho Sun rodando SunOS
- 4.X aceitam requisies de montagem
- provenientes apenas de portas privilegiadas, experimente o
- comando:</para>
+ <para>Possivelmente porque você precisa utilizar a conversão de endereços de rede (NAT) em vez de apenas encaminhar os pacotes. Uma regra <quote>fwd</quote> apenas encaminha os pacotes, ela não altera os dados dentro do pacote. Considere esta regra:</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>mount -o -P sunbox:/blah /mnt</userinput></screen>
+ <screen>01000 fwd <replaceable>10.0.0.1</replaceable> from any to <replaceable>foo 21</replaceable></screen>
+
+ <para>Quando um pacote com um endereço de destino <replaceable>foo</replaceable> chega à máquina com esta regra, o pacote é encaminhado para <replaceable>10.0.0.1</replaceable>, mas ainda tem o endereço de destino <replaceable>foo</replaceable>. O endereço de destino do pacote não é alterado para <replaceable>10.0.0.1</replaceable>. A maioria das máquinas provavelmente descartaria um pacote que recebesse com um endereço de destino que não fosse o seu. Portanto, usar uma regra <quote>fwd</quote> geralmente não funciona da maneira esperada pelo usuário. Esse comportamento é um recurso e não um bug.</para>
+
+ <para>Veja o <link linkend="service-redirect"><acronym>FAQ</acronym> sobre redirecionamento de serviços</link>, o manual do <citerefentry><refentrytitle>natd</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>, ou um dos vários utilitários de redirecionamento de porta na <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/ports/index.html">Coleção de Portas</link> para uma maneira correta de fazer isso.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="exports-errors">
- <para>Por que o <command>mountd</command> informa
- repetidamente que <errorname>can't change
- attributes</errorname> e <errorname>bad exports
- list</errorname> utilizando o servidor de NFS do
- FreeBSD?</para>
+ <question xml:id="service-redirect">
+ <para>Como posso redirecionar as solicitações de serviço de uma máquina para outra?</para>
</question>
<answer>
- <para>O problema mais freq&uuml;ente o no
- entendimento correto do formato do arquivo
- <filename>/etc/exports</filename>. Por gentileza, leia
- com ateno a pgina de manual do
- &man.exports.5; e a documentao sobre
- <link xlink:href="../handbook/nfs.html">NFS</link> no
- &a.ptbr.p.handbook;, especialmente a seo
- sobre a <link xlink:href="../handbook/nfs.html#CONFIGURING-NFS">configurao
- do NFS</link>.</para>
+ <para>FTP e outras solicitações de serviço podem ser redirecionadas com o pacote ou port <package>sysutils/socket</package>. Substitua a entrada para o serviço em <filename>/etc/inetd.conf</filename> para chamar <command>socket</command>, conforme visto neste exemplo para <application>ftpd</application>:</para>
+
+ <programlisting>ftp stream tcp nowait nobody /usr/local/bin/socket socket <replaceable>ftp.example.com</replaceable> <replaceable>ftp</replaceable></programlisting>
+
+ <para>na qual <replaceable>ftp.example.com</replaceable> e <replaceable>ftp</replaceable> são o host e a porta de destino do redirecionamento, respectivamente.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ppp-nextstep">
- <para>Por que existem problemas na comunicao
- (via protocolo PPP) com mquinas NeXTStep?</para>
+ <question xml:id="bandwidth-mgr-tool">
+ <para>Onde posso obter uma ferramenta de gerenciamento de largura de banda?</para>
</question>
- <answer>
- <para>Experimente desabilitar a varivel TCP
- extensions no arquivo <filename>/etc/rc.conf</filename>
- (consulte &man.rc.conf.5;) alterando a varivel
- abaixo para NO:</para>
- <programlisting>tcp_extensions=NO</programlisting>
-
- <para>Mquinas Annex da Xylogic tambm
- apresentam um problema similar neste aspecto, e voc
- deve adotar a mesma soluo para conectar-se
- a estes sistemas.</para>
+ <answer>
+ <para>Existem três ferramentas de gerenciamento de largura de banda disponíveis para o FreeBSD. <citerefentry><refentrytitle>dummynet</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry> é integrado ao FreeBSD como parte do <citerefentry><refentrytitle>ipfw</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>. <link xlink:href="http://www.sonycsl.co.jp/person/kjc/programs.html">ALTQ</link> foi integrado ao FreeBSD como parte do <citerefentry><refentrytitle>pf</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>. O Bandwidth Manager das <link xlink:href="http://www.etinc.com/"> Tecnologias Emergentes </link> é um produto comercial.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ip-multicast">
- <para>Como habilitar o suporte a IP multicast?</para>
+ <question xml:id="bpf-not-configured">
+ <para>Por que estou recebendo o erro <errorname>/dev/bpf0: device not configured</errorname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Desde o FreeBSD 2.0 que operaes
- Multicast so completamente suportadas por
- padro. Se a iteno fazer
- o sistema FreeBSD atuar como um roteador multicast,
- ser necessrio que o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do sistema seja
- recompilado com a opo
- <literal>MROUTING</literal> e que o &man.mrouted.8; seja
- executado. O FreeBSD, partir da verso
- 2.2, pode iniciar o &man.mrouted.8; durante o processo de
- inicializao se a varivel
- <literal>mrouted_enable</literal> estiver configurada com
- o parmetro <literal>"YES"</literal> no arquivo
- <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
+ <para>O aplicativo em execução requer o Packet Filter da Berkeley (<citerefentry><refentrytitle>bpf</refentrytitle><manvolnum>4</manvolnum></citerefentry>), mas ele foi removido de um kernel personalizado. Adicione isto ao arquivo de configuração do kernel e construa um novo kernel:</para>
- <para>As ferramentas MBONE esto disponveis
- em sua prpria categoria na coleo
- de <literal>ports</literal>, <link xlink:href="http://www.FreeBSD.org/ports/mbone.html">mbone</link>.
- Se voc est procurando as ferramentas de
- conferncia <command>vic</command> e
- <command>vat</command>, procure neste
- diretrio!</para>
+ <programlisting>device bpf # Berkeley Packet Filter</programlisting>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="dec-pci-chipset">
- <para>Quais interfaces de rede so baseadas no
- chipset DEC PCI?</para>
+ <question xml:id="mount-smb-share">
+ <para>Como faço para montar um disco de uma máquina <trademark class="registered">Windows</trademark> que esteja na minha rede, tal como o smbmount no <trademark class="registered">Linux</trademark>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Esta uma lista compilada por Glen Foster
- <email>gfoster@driver.nsta.org</email>, com algumas
- adies recentes:</para>
-
- <table>
- <title>Interfaces de rede baseadas no chipset DEC
- PCI</title>
- <tgroup cols="2">
- <thead>
- <row>
- <entry>Vendedor</entry>
-
- <entry>Modelo</entry>
- </row>
- </thead>
-
- <tbody>
- <row>
- <entry>ASUS</entry>
-
- <entry>PCI-L101-TB</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Accton</entry>
-
- <entry>ENI1203</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Cogent</entry>
-
- <entry>EM960PCI</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Compex</entry>
-
- <entry>ENET32-PCI</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>D-Link</entry>
-
- <entry>DE-530</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Dayna</entry>
-
- <entry>DP1203, DP2100</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>DEC</entry>
-
- <entry>DE435, DE450</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Danpex</entry>
-
- <entry>EN-9400P3</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>JCIS</entry>
-
- <entry>Condor JC1260</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Linksys</entry>
-
- <entry>EtherPCI</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Mylex</entry>
-
- <entry>LNP101</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>SMC</entry>
-
- <entry>EtherPower 10/100 (Model 9332)</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>SMC</entry>
-
- <entry>EtherPower (Model 8432)</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>TopWare</entry>
-
- <entry>TE-3500P</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Znyx (2.2.x)</entry>
-
- <entry>ZX312, ZX314, ZX342, ZX345, ZX346,
- ZX348</entry>
- </row>
-
- <row>
- <entry>Znyx (3.x)</entry>
-
- <entry>ZX345Q, ZX346Q, ZX348Q, ZX412Q, ZX414, ZX442,
- ZX444, ZX474, ZX478, ZX212, ZX214
- (10mbps/hd)</entry>
- </row>
- </tbody>
- </tgroup>
- </table>
+ <para>Use o conjunto de ferramentas <application>SMBFS</application>. Ele inclui um conjunto de modificações do kernel e um conjunto de programas da área de usuário. Os programas e as informações necessárias estão disponíveis como <citerefentry><refentrytitle>mount_smbfs</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> no sistema base.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="fqdn-hosts">
- <para>Por que preciso utilizar um FQDN (Nomes de
- domnio completamente qualificados) pras
- estaes da minha rede?</para>
+ <question xml:id="icmp-response-bw-limit">
+ <para>O que são essas mensagens sobre: ​​<errorname>Limiting icmp/open port/closed port response</errorname> em meus arquivos de log?</para>
</question>
<answer>
- <para>Provavelmente voc vai estar trabalhando com
- estaes em domnios diferentes. Por
- exemplo, se voc esta em foo.bar.edu e deseja
- alcanar uma estao chamada
- <systemitem>mumble</systemitem> no domnio <systemitem class="fqdomainname">foo.bar.edu</systemitem>, dever
- referir-se essa esse host atravs do seu
- nome de domnio qualificado, <systemitem class="fqdomainname">mumble.foo.bar.edu</systemitem>, ao invs
- de apenas <systemitem>mumble</systemitem>.</para>
+ <para>Esta mensagem do kernel indica que alguma atividade está provocando o envio de uma grande quantidade de respostas de reset de ICMP ou TCP (RST). As respostas ICMP são frequentemente geradas como resultado de tentativas de conexão a portas UDP não utilizadas. Os resets TCP são geradas como resultado de tentativas de conexão a portas TCP não abertas. Entre outros, esses são os tipos de atividades que podem causar essas mensagens:</para>
- <para>Normalmente era possvel alcanar a
- estao apenas por seu nome. Essa
- funo era realizada pelos resolvedores BIND
- do ISC. Contudo, as verses atuais do
- <application>BIND</application> (veja o &man.named.8;) que
- acompanham o FreeBSD no oferecem mais
- abreviaes padro para
- domnios que no sejam FQDN, com a
- nica exceo do domnio que
- sua prpria estao faz parte. Dessa
- forma, o host <systemitem>mumble</systemitem>, se no for
- localizado como <systemitem class="fqdomainname">mumble.foo.bar.edu</systemitem>, ser
- localizado atravs de uma busca direta
- partir da raiz dos servidores de
- resoluo.</para>
+ <itemizedlist>
+ <listitem>
+ <para>Ataques de negação de serviço (DoS) de força bruta (em oposição a ataques de pacote único que exploram uma vulnerabilidade específica).</para>
+ </listitem>
- <para>Este comportamento diferente do verificado
- anteriormente onde a pesquisa continuaria atravs
- de <systemitem class="fqdomainname">mumble.bar.edu</systemitem> e
- <systemitem class="fqdomainname">mumble.edu</systemitem>. Consulte a
- RFC 1535 para descobrir porque isso considerado
- uma prtica rum, e at mesmo uma
- brecha de segurana.</para>
+ <listitem>
+ <para>Varreduras de porta que tentam se conectar a um grande número de portas (em oposição a apenas tentar algumas portas conhecidas).</para>
+ </listitem>
+ </itemizedlist>
- <para>Uma alternativa adicionar a linha
- abaixo:</para>
+ <para>O primeiro número na mensagem indica quantos pacotes o kernel teria enviado se o limite não estivesse no lugar e o segundo indica o limite. Este limite é controlado usando <varname>net.inet.icmp.icmplim</varname>. Este exemplo define o limite para <literal>300</literal> pacotes por segundo:</para>
- <programlisting>search foo.bar.edu bar.edu</programlisting>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl net.inet.icmp.icmplim=300</userinput></screen>
- <para>ao invs da linha previamente existente</para>
+ <para>Para desativar essas mensagens sem desativar a limitação de resposta, use o <varname>net.inet.icmp.icmplim_output</varname> para desativar a saída:</para>
- <programlisting>domain foo.bar.edu</programlisting>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl net.inet.icmp.icmplim_output=0</userinput></screen>
- <para>em seu arquivo <filename>/etc/resolv.conf</filename>
- (consulte &man.resolv.conf.5;). Contudo verifique se a
- ordem de pesquisa no vai alm da fronteira
- entre a administrao pblica e a
- local, conforme definido na RFC 1535.</para>
+ <para>Finalmente, para desabilitar completamente a limitação de resposta, configure <varname>net.inet.icmp.icmplim</varname> para <literal>0</literal>. Desabilitar a limitação de resposta é desencorajado pelos motivos listados acima.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="network-permission-denied">
- <para>Por que obtenho o erro, <errorname>Permission
- denied</errorname>, para todas as
- operaes de rede?</para>
+ <question xml:id="unknown-hw-addr-format">
+ <para>O que são essas mensagens de erro <errorname>arp: unknown hardware address format</errorname>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se o <foreignphrase>kernel</foreignphrase> do seu
- FreeBSD foi compilado com a opo
- <literal>IPFIREWALL</literal>, voc deve compreender
- que a poltica padro, partir da
- verso 2.1.7 (atualmente alterada durante o
- desenvolvimento da verso 2.1-STABLE)
- negar todos os pacotes que no forem explicitamente
- permitidos.</para>
-
- <para>A seu firewall foi erroneamente configurado, de forma
- no intencional, a operacionalidade do sistema pode
- ser restaurada, simplesmente digitando o seguinte
- (conectado como <systemitem class="username">root</systemitem>):</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>ipfw add 65534 allow all from any to any</userinput></screen>
-
- <para>A varivel
- <literal>firewall_type="open"</literal> tambm pode
- ser definida, no arquivo
- <filename>/etc/rc.conf</filename>.</para>
-
- <para>Para maiores informaes sobre a
- configurao de firewall, por gentileza,
- consulte a seo correspondente no <link xlink:href="../handbook/firewalls.html">&a.ptbr.p.handbook;</link>.</para>
+ <para>Isso significa que algum dispositivo na Ethernet local está usando um endereço MAC em um formato que o FreeBSD não reconhece. Isso provavelmente é causado por alguém que está experimentando uma placa Ethernet em algum outro lugar da rede. Isso é mais comumente visto em redes de modem a cabo. É inofensivo e não deve afetar o desempenho do sistema FreeBSD.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ipfw-overhead">
- <para>Qual o acrscimo de sobrecarga ocasionado pelo
- IPFW?</para>
+ <question xml:id="arp-wrong-iface">
+ <para>Por que eu continuo vendo mensagens como: <errorname>192.168.0.10 is on fxp1 but got reply from 00:15:17:67:cf:82 on rl0</errorname>, e como desabilitá-lo?</para>
</question>
<answer>
- <para>Por gentileza, refira-se ao captulo sobre
- <link xlink:href="../handbook/firewalls.html">Firewalls</link>
- do &a.ptbr.p.handbook; mais especficamente, a
- seo sobre <link xlink:href="../handbook/firewalls.html#IPFW-OVERHEAD">Overhead
- &amp; Otimizao do IPFW</link>.</para>
+ <para>Porque um pacote está vindo de fora da rede inesperadamente. Para desativá-los, defina <varname>net.link.ether.inet.log_arp_wrong_iface</varname> como <literal>0</literal>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ipfw-fwd">
- <para>Minha regra de fwd do IPFW, que deveria redirecionar
- um servio para outra estao,
- no est funcionando. Por que?</para>
+ <question xml:id="ipv6-only">
+ <para>Como faço para compilar um kernel com suporte somente ao IPv6?</para>
</question>
<answer>
- <para>Provavelmente porque a verdadeira
- inteno traduzir os pacotes que
- chegam na sua estao, e rescrev-los
- para renviar para a outra mquina, e no
- simplesmente redirecionar o pacote. Normalmente o ideal
- fazer NAT (traduo de
- endereos de rede). Uma regra de reenvio de
- pacotes, faz exatamente o que ela deve fazer: reenviar
- pacotes. As regras no alteram (rescrevem) o
- contedo ou cabealhos dos dados presentes
- no pacote. Por exemplo, digamos que a questo seja
- a seguinte regra:</para>
-
- <screen>01000 fwd <replaceable>10.0.0.1</replaceable> from any to <replaceable>foo 21</replaceable></screen>
-
- <para>Quando um pacote destinado
- estao <replaceable>foo</replaceable>
- chegar no FreeBSD que filtra essa regra, ele ser
- encaminhado para a mquina cujo endereo IP
- <replaceable>10.0.0.1</replaceable>, mas o
- endereo de destino original do pacote ser
- mantido, ou seja, os pacotes chegando em
- <replaceable>10.0.0.1</replaceable> ainda tero a
- estao <replaceable>foo</replaceable> como
- destino final, marcado em seu cabealho TCP. O
- endereo de destino no alterado
- (reescrito) para a mquina
- <replaceable>10.0.0.1</replaceable>, o que propicia um
- comportamento de verificao de checksum do
- cabealho IP. O comportamento normal que
- a mquina <replaceable>10.0.0.1</replaceable>
- descarte o pacote, j que o endereo de
- destino do mesmo no o endereo da
- estao em questo. Esse
- comportamento costuma confundir alguns usurios
- menos experientes, no correspondendo a
- ao com suas expectativas. Essa
- uma caracterstica do IPFW, e no um
- problema.</para>
-
- <para>Consulte o <literal>FAQ</literal> sobre <link linkend="service-redirect">Redirecionamento de
- Servios</link>, a pgina de manual do
- &man.natd.8;, ou uma das diversas ferramentas de
- redirecionamento disponveis na
- Coleo de <literal>Ports</literal>, para
- verificar a forma correta de obter o comportamento
- desejado.</para>
+ <para>Configure seu kernel com estas configurações: <screen>include GENERIC
+ident GENERIC-IPV6ONLY
+makeoptions MKMODULESENV+="WITHOUT_INET_SUPPORT="
+nooptions INET
+nodevice gre</screen></para>
</answer>
</qandaentry>
+ </qandaset>
+ </chapter>
+
+ <chapter xml:id="security">
+ <title>Segurança</title>
+ <qandaset>
<qandaentry>
- <question xml:id="service-redirect">
- <para>Como redirecionar requisies de
- servio de uma mquina para outra?</para>
+ <question xml:id="sandbox">
+ <para>O que é uma caixa de areia (sandbox)?</para>
</question>
-
<answer>
- <para>Servios como FTP (e outros) podem ser
- redirecionados com o pacote <literal>socket</literal>,
- disponvel na rvore de
- Coleo do <literal>Ports</literal>, sob a
- categoria <quote>sysutils</quote>. Simplesmente substitua
- a linha de comando do servio a ser redirecionado
- para executar a ferramenta <literal>socket</literal>, como
- no exemplo abaixo:</para>
+ <para><quote>Sandbox</quote> é um termo de segurança. Isso pode significar duas coisas:</para>
- <programlisting>ftp stream tcp nowait nobody /usr/local/bin/socket socket <replaceable>ftp.example.com</replaceable> <replaceable>ftp</replaceable></programlisting>
+ <itemizedlist>
+ <listitem>
+ <para>Um processo que é colocado dentro de um conjunto de paredes virtuais que são projetadas para impedir que alguém que interrompa o processo seja capaz de invadir o sistema mais amplo.</para>
- <para>Onde ftp.foo.com e ftp so a mquina
- (host) e a porta de conexo que ser
- utilizada para o redirecionamento, respectivamente.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>O processo só é capaz de correr dentro das barreiras. Desde que nada que o processo faça em relação à execução de código seja capaz de violar as barreiras, uma auditoria detalhada de seu código não é necessária para poder dizer certas coisas sobre sua segurança.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="bandwidth-mgr-tool">
- <para>Onde obtenho uma ferramenta de gerenciamento de
- banda?</para>
- </question>
+ <para>As barreiras podem ser um ID do usuário, por exemplo. Esta é a definição usada nas páginas de manual de <citerefentry><refentrytitle>security</refentrytitle><manvolnum>7</manvolnum></citerefentry> e <citerefentry> <refentrytitle>named</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <answer>
- <para>Existem trs ferramentas de gerenciamento de
- banda disponveis para o FreeBSD. O
- &man.dummynet.4;, integrada ao FreeBSD (ou mais
- especificamente ao &man.ipfw.4;);, o <link xlink:href="http://www.csl.sony.co.jp/person/kjc/programs.html">ALTQ</link>,
- disponvel gratuitamente, e o <link xlink:href="http://www.etinc.com/">Bandwidth Manager da
- Emerging Technologies</link>, um produto
- comercial.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Veja o serviço <literal>ntalk</literal>, por exemplo (veja <citerefentry><refentrytitle>inetd</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>). Este serviço costumava rodar como ID de usuário <systemitem class="username">root</systemitem>. Agora ele é executado como ID do usuário <systemitem class="username">tty</systemitem>. O usuário <systemitem class="username">tty</systemitem> é um sandbox projetado para tornar mais difícil para alguém que invadiu o sistema com sucesso através do <literal>ntalk</literal> ser capaz de hackear além do seu ID de usuário.</para>
+ </listitem>
- <qandaentry>
- <question xml:id="bpf-not-configured">
- <para>O que causa o erro <errorname>/dev/bpf0: device not
- configured</errorname>?</para>
- </question>
+ <listitem>
+ <para>Um processo que é colocado dentro de uma simulação da máquina. Isso significa que alguém que é capaz de entrar no processo pode acreditar que ele pode invadir a máquina mais ampla, mas está, na verdade, apenas invadindo uma simulação dessa máquina e não modificando nenhum dado real.</para>
- <answer>
- <para>Voc est tentando usar um programa que
- precisa do Berkeley Packet Filter (veja a pgina de
- manual do &man.bpf.4; para obter maiores
- informaes), mas ele no est
- compilado no <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.
- Adicione a seguinte linha no arquivo de
- configurao do seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> e
- recompile-o:</para>
+ <para>A maneira mais comum de fazer isso é construir um ambiente simulado em um subdiretório e então executar os processos nesse diretório chrooted para que o diretório <filename> / </filename> para esse processo seja este, não o diretório <filename>/</filename> real do sistema).</para>
+
+ <para>Outro uso comum é montar um sistema de arquivos subjacente somente leitura e, em seguida, criar uma camada do sistema de arquivos sobre ele, o que dá a um processo uma visualização aparentemente gravável nesse sistema de arquivos. O processo pode acreditar que é capaz de escrever nesses arquivos, mas o processo apenas vê os efeitos - outros processos no sistema não, necessariamente.</para>
- <programlisting>pseudo-device bpf # Berkeley Packet Filter</programlisting>
+ <para>Foi feita uma tentativa de tornar esse tipo de sandbox tão transparente que o usuário (ou hacker) não percebe que está dentro dele.</para>
+ </listitem>
+ </itemizedlist>
- <para>Depois que reiniciar o sistema com o novo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, basta criar a
- interface do dispositivo, o que pode ser feito ao executar
- o seguinte comando, no diretrio
- <filename>/dev</filename>:</para>
+ <para>O <trademark class="registered">UNIX</trademark> implementa dois sandboxes principais. Um está no nível do processo e o outro está no nível do usuário.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>sh MAKEDEV bpf0</userinput></screen>
+ <para>Todo processo <trademark class="registered">UNIX</trademark> é completamente protegido contra qualquer outro processo <trademark class="registered">UNIX</trademark>. Um processo não pode modificar o espaço de endereço de outro.</para>
- <para>Por gentileza, refira-se seo
- sobre <link xlink:href="../handbook/kernelconfig-nodes.html">Criao
- de interface de Dispositivos</link> do
- &a.ptbr.p.handbook;, para obter mais
- informaes sobre o assunto.</para>
+ <para>Um processo <trademark class="registered">UNIX</trademark> é de propriedade de um determinado ID de usuário. Se o ID de usuário não for o usuário <systemitem class="username">root</systemitem>, ele servirá para proteger o processo contra processos pertencentes a outros usuários. O ID do usuário também é usado para proteger os dados no disco.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="mount-smb-share">
- <para>Como montar o disco de uma estao
- Windows na minha rede, de forma semelhante ao smbmount em
- sistemas Linux?</para>
+ <question xml:id="securelevel">
+ <para>O que é securelevel?</para>
</question>
<answer>
- <para>Use o conjunto de ferramentas
- <application>SMBFS</application>. Se trata de um conjunto
- de modificaes no
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase>, e uma srie
- de aplicaes especficas. O
- programa e outras informaes podem ser
- obtidos na Coleo de
- <literal>Ports</literal> do FreeBSD, em <package>net/smbfs</package>, ou no sistema base
- do FreeBSD a partir da verso 4.5-RELEASE.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="icmp-response-bw-limit">
- <para>O que so as mensagens sobre
- <quote>icmp-response bandwidth limit 300/200 pps</quote>
- em meus registros de logs?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para> o resultado de seu
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> informando-o que
- alguma atividade esta provocando o envio de um
- nmero de respostas ICMP ou TCP reset (RST)
- superior ao nmero que o
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> julga adequado.
- Respostas ICMP so, geralmente, comportamento
- ocasionado pela tentativa de conexo em portas UDP
- no utilizadas. As respostas TCP reset so
- o resultado gerado pelas tentativas de conexo em
- portas TCP no ponveis. Entre outras
- causas, algumas das atividades que podem ocasionar esse
- tipo de mensage, so:</para>
+ <para><literal>securelevel</literal> é um mecanismo de segurança implementado no kernel. Quando o nível de segurança é positivo, o kernel restringe certas tarefas; nem mesmo o superusuário (<systemitem class="username">root</systemitem>) pode executá-los. O mecanismo de securelevel limita a capacidade de:</para>
<itemizedlist>
<listitem>
- <para>Ataques de negao de servio
- (DoS) por fora bruta (em
- oposio a ataques baseados em um
- nico pacote que visa explorar uma
- vulnerabilidade especfica).</para>
+ <para>Desativar determinados flags de arquivo, tais como <literal>schg</literal> (o flag de sistema imutável).</para>
+ </listitem>
+
+ <listitem>
+ <para>Escrever na memória do kernel através de <filename>/dev/mem</filename> e <filename>/dev/kmem</filename>.</para>
+ </listitem>
+
+ <listitem>
+ <para>Carregar módulos do kernel.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Varreduras de porta (<foreignphrase>port
- scans</foreignphrase>) que visam rastrear um elevado
- nmero de portas (em oposio a
- ataques que tentam varrer apenas um pequeno
- nmero de portas conhecidas).</para>
+ <para>Alterar as regras do firewall.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
- <para>O primeiro nmero (valor) na mensagem indica
- quantos pacotes foram enviados pelo
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> antes do limite
- passar a vigorar e o segundo valor indica o limite
- estabelecido no <foreignphrase>kernel</foreignphrase>.
- Voc pode controlar este limite atravs da
- varivel <varname>net.inet.icmp.icmplim</varname>
- do sysctl com instrues como esta abaixo,
- onde estabelecemos um limite de 300 pacotes por
- segundo:</para>
+ <para>Para verificar o status do securelevel em um sistema em execução:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>sysctl -n kern.securelevel</userinput></screen>
+
+ <para>A saída contém o valor atual do nível de segurança. Se for maior que 0, pelo menos algumas das proteções do securelevel são ativadas.</para>
+
+ <para>O securelevel de um sistema em execução não pode ser reduzido, pois isso invalidaria seu propósito. Se uma tarefa exigir que o securelevel seja não-positivo, altere as variáveis ​​<varname>kern_securelevel</varname> e <varname>kern_securelevel_enable</varname> em <filename>/etc/rc.conf</filename> e reinicialize.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl -w net.inet.icmp.icmplim=300</userinput></screen>
+ <para>Para obter mais informações sobre o securelevel e as coisas específicas que todos os níveis fazem, consulte <citerefentry><refentrytitle>init</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>.</para>
- <para>Se a inteno no
- registrar essas mensagens nos arquivos de registros, mas
- ainda assim manter a capacidade do
- <foreignphrase>kernel</foreignphrase> limitar as
- respostas, a varivel
- <varname>net.inet.icmp.icmplim_output</varname> do sysctl
- pode ser usada para desabilitar o registro:</para>
+ <warning>
+ <para>O securelevel não é uma bala de prata; tem muitas deficiências conhecidas. Mais frequentemente do que não, fornece uma falsa sensação de segurança.</para>
- <screen>&prompt.root; <userinput>sysctl -w net.inet.icmp.icmplim_output=0</userinput></screen>
+ <para>Um dos seus maiores problemas é que, para que seja eficaz, todos os arquivos usados ​​no processo de inicialização até que o nível de segurança seja definido devem ser protegidos. Se um invasor puder fazer o sistema executar seu código antes do nível de segurança que está sendo definido (o que acontece muito tarde no processo de inicialização, pois algumas coisas que o sistema deve fazer na inicialização não podem ser feitas em um nível elevado), suas proteções são invalidadas . Embora essa tarefa de proteger todos os arquivos usados ​​no processo de inicialização não seja tecnicamente impossível, se for obtida, a manutenção do sistema se tornará um pesadelo, já que seria necessário desativar o sistema, pelo menos no modo de usuário único, para modificar um arquivo de configuração.</para>
- <para>Finalmente se a inteo
- desabilitar esse comportamento por completo, basta definir
- a varivel <varname>net.inet.icmp.icmplim</varname>
- do sysctl (conforme o exemplo acima) como 0. Desabilitar
- o recurso de limite de resposta desencorajado
- pelas razes acima expostas.</para>
+ <para>Este ponto e outros são frequentemente discutidos nas listas de discussão, particularmente na <link xlink:href="http://lists.FreeBSD.org/mailman/listinfo/freebsd-security">lista de discussão de segurança do FreeBSD</link>. Pesquise nos arquivos <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/search/index.html">aqui</link> para uma discussão extensa. Um mecanismo mais refinado é o preferido.</para>
+ </warning>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="unknown-hw-addr-format">
- <para>Do que se trata estas mensagens de erro
- <errorname>arp: unknown hardware address
- format</errorname>?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Significa que alguma interface de rede no mesmo
- barramento Ethernet que voc, est usando um
- endereo de MAC cujo formato no
- reconhecido pelo FreeBSD. Provavelmente isso deve estar
- sendo causado por algum outro usurio, fazendo
- experincias com placas Ethernet em algum lugar na
- sua mesma rede. Em redes com Cable Modens esse
- comportamento ainda mais comum; no
- prejudicial e no atrapalha a performance
- do seu FreeBSD.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="cvsup-missing-libs">
- <para>Acabei de instalar o CVSup, mas ao tentar us-lo,
- aparecem erros. O que est havendo?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Primeiro, verifique se as mensagens de erro em
- questo so como essas:</para>
-
- <programlisting>/usr/libexec/ld-elf.so.1: Shared object "libXaw.so.6" not found</programlisting>
-
- <para>Esse tipo de erro se deve
- instalao do <literal>port</literal>
- <package>net/cvsup</package> em
- estaes sem o XFree86. Se a
- inteo usar a interface
- grfica oferecida pelo
- <application>CVSup</application>, ento instale o
- <application>XFree86</application> imediatamente. Do
- contrrio, se a inteno
- usar o <application>CVSup</application> apenas por linha
- de comando, basta desinstalar a aplicao
- anterior e instalar o <literal>port</literal> <package>net/cvsup-without-gui</package>. A
- seo sobre <link xlink:href="http://www.freebsd.org/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/cvsup.html">CVSup</link>
- do &a.ptbr.p.handbook; cobre essas questes de
- forma mais detalhada.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
- </qandaset>
- </chapter>
-
- <chapter xml:id="security">
- <title>Segurana</title>
- <qandaset>
- <qandaentry>
<question xml:id="extra-named-port">
- <para>O BIND (<command>named</command>) est
- escutando na porta 53 e em outras portas elevadas. O que
- est havendo?</para>
+ <para>O <application>BIND9</application> (<command>named</command>) está escutando em algumas portas de numeração alta. O que está acontecendo?</para>
</question>
<answer>
- <para>O FreeBSD, a partir da verso 3.0, utiliza
- portas no privilegiadas e elevadas,
- aleatoriamente, para responder
- requisies de DNS. Se a
- inteno usar a porta 53 para
- responder a estas requisies, para adequar
- o comportamento do BIND um
- <foreignphrase>firewall</foreignphrase> ou apenas para
- sentir-se melhor, experimente acrescentar a
- instruo abaixo no arquivo
- <filename>/etc/namedb/named.conf</filename>:</para>
-
- <programlisting>options {
- query-source address * port 53;
- };</programlisting>
+ <para>O BIND usa uma porta aleatória de numeração alta para consultas de saída. Versões recentes dele escolhem uma nova porta UDP aleatória para cada consulta. Isso pode causar problemas para algumas configurações de rede, especialmente se um firewall bloquear pacotes UDP de entrada em portas específicas. Para passar por esse firewall, tente as opções <literal>avoid-v4-udp-ports</literal> e <literal>avoid-v6-udp-ports</literal> para evitar a seleção de números de porta aleatórios dentro de um intervalo bloqueado.</para>
- <para>O <literal>*</literal> deve ser substitudo por
- um endereo IP nico, caso se deseje
- restringir ainda mais este comportamento.</para>
+ <warning>
+ <para>Se um número de porta (como 53) for especificado através das opções <literal>query-source</literal> ou <literal>query-source-v6</literal> em <filename>/usr/local/etc/namedb/named .conf</filename>, a seleção de portas aleatórias não será usada. É altamente recomendável que essas opções não sejam usadas para especificar números de porta fixos.</para>
+ </warning>
- <para>De qualquer forma, parabns. uma
- pratica saudvel verificar registros no
- usuais no contedo de sada do
- &man.sockstat.1; </para>
+ <para>Parabéns, a propósito. É uma boa prática ler a saída <citerefentry><refentrytitle>sockstat</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> e observar coisas estranhas!</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="sendmail-port-587">
- <para>O Sendmail est ouvindo na porta 587
- alm da tradicional porta 25! O que est
- havendo?</para>
+ <para>O daemon <application>Sendmail</application> está escutando na porta 587, assim como na porta padrão 25! O que está acontecendo?</para>
</question>
<answer>
- <para>As verses mais novas do Sendmail tem suporte
- uma caracterstica que se chama
- <foreignphrase>Mail Submission</foreignphrase>, que ouve
- na porta 587. Esse servio no
- completamente suportado ainda, mas sua popularidade vem
- crescendo.</para>
+ <para>Versões recentes do <application>Sendmail</application> suportam um recurso de envio de mensagens que é executado pela porta 587. Isso ainda não é amplamente suportado, mas está crescendo em popularidade.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="toor-account">
- <para>O que a conta do usurio
- <systemitem class="username">toor</systemitem> que tem UID 0? Meu sistema foi
- comprometido?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>No se preocupe. O usurio
- <systemitem class="username">toor</systemitem> uma conta
- <quote>alternativa</quote> com poderes de super
- usurio (toor root escrito ao
- contrrio). Normalmente esse usurio era
- criado quando o interpretador de comandos &man.bash.1; era
- instalado, mas agora o usurio existe por
- padro no sistema. A inteno
- que o usurio seja usado com um
- interpretador de comandos fora do padro, de forma
- que o ambiente de linha de comando do usurio
- <systemitem class="username">root</systemitem> no tenha que ser
- alterada. Essa uma situao
- importante quando nos referimos interpretadores
- de comandos que no fazem parte da base do sistema
- operacional (por exemplo, que foram instaladas do
- <literal>Ports</literal> ou como pacotes, j que
- normalmente, elas so instaladas sob o
- <filename>/usr/local/bin</filename> que por padro
- est em um sistema de arquivos diferente da raiz do
- sistema. Em uma situao onde o
- interpretador de comandos do usurio estiver sob
- <filename>/usr/local/bin</filename> ou sob
- <filename>/usr</filename> (ou onde quer que seja) e esse
- sistema de arquivos no puder ser montado por
- alguma razo, o usurio
- <systemitem class="username">root</systemitem> estar impossibilitado de
- se logar no sistema para corrigir o problema (contudo, ao
- entrar em modo mono tarefa, o sistema pede o caminho
- completo para algum interpretador de comandos.
- </para>
-
- <para>Alguns administradores costumam usar o
- <systemitem class="username">toor</systemitem> para tarefas do dia-a-dia, com
- um interpretador de comandos
- (<foreignphrase>shell</foreignphrase>) no comum, e
- deixando o <systemitem class="username">root</systemitem> com seu interpretador
- de comandos (<foreignphrase>shell</foreignphrase>)
- padro para realizar tarefas de emergncia ou
- de modo mono usurio. Por padro, o
- usurio <systemitem class="username">toor</systemitem> no pode
- ser usado, j que ele no tem uma senha
- definida. Para habilitar a conta, logue-se como
- <systemitem class="username">root</systemitem> no sistema e defina uma senha
- para o <systemitem class="username">toor</systemitem>.
- </para>
- </answer>
- </qandaentry>
-
- <qandaentry>
- <question xml:id="suidperl">
- <para>Por que o <command>suidperl</command> no
- est funcionando corretamente?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Por motivos de segurana, a
- instalao padro do
- <command>suidperl</command> no tem o bit suid
- definido. Os administradores de sistemas podem reaver o
- comportamento esperado com o seguinte comando:</para>
-
- <screen>&prompt.root; <userinput>chmod u+s /usr/bin/suidperl</userinput></screen>
-
- <para>Se a inteno que o
- <command>suidperl</command> seja compilado com suid
- durante as atualizaes do sistema, edite o
- <filename>/etc/make.conf</filename> e adicione a linha
- <varname>ENABLE_SUIDPERL=true</varname> no arquivo, antes
- de comear um <command>make
- buildworld</command>.</para>
+ <para>O que é essa conta UID 0 <systemitem class="username">toor</systemitem>? Eu fui comprometido?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>Não se preocupe. <systemitem class="username">toor</systemitem> é uma conta de superusuário <quote>alternativa</quote>, onde toor é root soletrada para ao contrário. Ele deve ser usado com um shell não padrão, portanto, o shell padrão para <systemitem class="username">root</systemitem> não precisa ser alterado. Isto é importante porque os shells que não fazem parte da distribuição base, mas que são instalados a partir de ports ou packages, são instalados em <filename>/usr/local/bin</filename> que, por padrão, reside em um sistema de arquivos diferente . Se o shell do <systemitem class="username">root</systemitem> estiver localizado em <filename>/usr/local/bin</filename> e o sistema de arquivos contendo <filename>/usr/local/bin</filename>) não está montado, <systemitem class="username">root</systemitem> não poderá efetuar login para corrigir um problema e terá que reinicializar no modo de usuário único para inserir o caminho para um shell.</para>
+
+ <para>Algumas pessoas usam <systemitem class="username">toor</systemitem> para tarefas do dia-a-dia do <systemitem class="username">root</systemitem> com um shell não padrão, deixando o <systemitem class="username">root</systemitem>, com um shell padrão, para o modo de usuário único ou emergências. Por padrão, um usuário não pode logar usando <systemitem class="username">toor</systemitem> porque ele não tem uma senha, então efetue login como <systemitem class="username">root</systemitem> e defina um senha para <systemitem class="username">toor</systemitem> antes de usá-lo para efetuar login.</para>
</answer>
</qandaentry>
</qandaset>
@@ -11226,281 +3287,139 @@ Key F15 A A Menu Workplace Nop</programlisting>
<qandaset>
<qandaentry>
<question xml:id="userppp">
- <para>No consigo fazer meu &man.ppp.8; funcionar. O
- que estou fazendo de errado?</para>
+ <para>Não consigo fazer o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> funcionar. O que estou fazendo de errado?</para>
</question>
<answer>
- <para>Deve-se primeiro ler a man page do &man.ppp.8; e <link xlink:href="../handbook/ppp-and-slip.html#USERPPP">
- seo PPP do &a.ptbr.p.handbook;</link>.
- Habilite os logs com o comando</para>
+ <para>Primeiro, leia o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> e o <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/ppp-and-slip.html#userppp">seção sobre PPP do Handbook</link>. Para ajudar na solução de problemas, ative os logs com o seguinte comando:</para>
<programlisting>set log Phase Chat Connect Carrier lcp ipcp ccp command</programlisting>
- <para>Este comando pode ser digitado no prompt do &man.ppp.8;
- ou pode ser colocado no
- <filename>/etc/ppp/ppp.conf</filename> (A
- seo <literal>default</literal> no
- incio do arquivo o melhor lugar para
- colocar isso). Tenha certeza de que
- seu<filename>/etc/syslog.conf</filename> (veja
- &man.syslog.conf.5;) tenha as linhas</para>
+ <para>Este comando pode ser digitado no prompt de comando <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> ou pode ser inserido no início da seção <literal>default</literal> do arquivo <filename>/etc/ppp/ppp.conf</filename>. Certifique-se de que o arquivo <filename>/etc/syslog.conf</filename> contenha as linhas abaixo e de que o arquivo <filename>/var/log/ppp.log</filename> exista:</para>
- <programlisting>!ppp *.*/var/log/ppp.log</programlisting>
+ <programlisting>!ppp
+*.* /var/log/ppp.log</programlisting>
- <para>e que o arquivo <filename>/var/log/ppp.log</filename>
- exista. Agora pode-se ver o que est acontecendo
- analisando seu arquivo de log. No se preocupe se
- isso no faz sentido mas se precisar de ajuda, esta
- informao far sentido a
- eles.</para>
-
- <para>Se a sua verso do &man.ppp.8; no
- suporta o comando set log ,deve-se fazer o download da
- <link xlink:href="http://people.FreeBSD.org/~brian/">
- verso mais recente</link>. O FreeBSD 2.1.5 (e
- posteriores) suporta a compilao do
- cdigo mais recente.</para>
+ <para>Muito sobre o que está acontecendo pode ser aprendido no arquivo de log. Não se preocupe se isso não faz sentido, pois pode fazer sentido para outra pessoa.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-hangs">
- <para>Por que o &man.ppp.8; fica pendurado quando eu o
- inicializo?</para>
+ <para>Por que o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> é interrompido quando eu o executo?</para>
</question>
<answer>
- <para>Isso normalmente acontece porque seu hostname
- no esta sendo resolvido. A melhor maneira de
- corrigir isso certificar-se de que o
- <filename>/etc/hosts</filename> est sendo
- consultado pelo resolvedor; editando primeiro o
- <filename>/etc/host.conf</filename> e colocando
- <literal>hosts</literal> na primeira linha. Para isso,
- simplesmente adicione no <filename>/etc/hosts/</filename>
- uma entrada para sua mquina local. Se no
- tem nenhuma rede local, mude a linha do
- <systemitem>localhost</systemitem>:</para>
+ <para>Geralmente, isso ocorre porque o nome do host não será resolvido. A melhor maneira de corrigir isso é certificar-se de que <filename>/etc/hosts</filename> seja lido primeiro, garantindo que a linha <literal>hosts</literal> seja listada primeiro em <filename>/etc/host.conf</filename>. Em seguida, insira uma entrada em <filename>/etc/hosts</filename> para a máquina local. Se não houver nenhuma rede local, altere a linha <systemitem>localhost</systemitem>:</para>
<programlisting>127.0.0.1 foo.example.com foo localhost</programlisting>
- <para>Seno, adicione uma outra entrada para seu
- host. Consulte as man pages relevantes para maiores
- detalhes.</para>
+ <para>Caso contrário, adicione outra entrada para o host. Consulte as páginas de manual relevantes para mais detalhes.</para>
- <para>Ao terminar, deve ser possvel dar um
- <command>ping -c1 `nomedohost`</command> com sucesso.
- </para>
+ <para>Quando terminar, verifique se este comando foi bem sucedido: <command> ping -c1 `hostname`</command>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-nodial-auto">
- <para>Porque o &man.ppp.8; no disca em
- modo<literal>-auto</literal>
- </para>
+ <para>Por que o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> não disca no modo <literal>-auto</literal>?</para>
</question>
<answer>
- <para>Primeiro verifique se h uma rota
- padro. Ao executar um <command>netstat
- -rn</command> (veja &man.netstat.1;), devem aparecer duas
- entradas como essas:</para>
+ <para>Primeiro, verifique se existe uma rota padrão. Este comando deve exibir duas entradas:</para>
<programlisting>Destination Gateway Flags Refs Use Netif Expire
default 10.0.0.2 UGSc 0 0 tun0
10.0.0.2 10.0.0.1 UH 0 0 tun0</programlisting>
- <para>Assume-se o uso do endereo recomendado pelo
- &a.ptbr.p.handbook;, pginas de manual ou no
- arquivo ppp.conf.sample. Se a rota padro
- no foi definida, possvel que a
- verso do &man.ppp.8; seja antiga, uma vez que
- no entendem a palavra <literal>HISADDR</literal>
- no arquivo ppp.conf. Se a verso do seu FreeBSD
- for anterior a 2.2.5, mude a linha</para>
-
- <programlisting>add 0 0 HISADDR</programlisting>
-
- <para>para</para>
-
- <programlisting>add 0 0 10.0.0.2</programlisting>
+ <para>Se uma rota padrão não estiver listada, certifique-se de que a linha <literal>HISADDR</literal> foi adicionada ao <filename>/etc/ppp/ppp.conf</filename>.</para>
- <para>Outra razo para a rota padro estar
- ausente, pode ser porqu voc equivocadamente
- definiu uma rota default em seu arquivo
- <filename>/etc/rc.conf</filename> (veja &man.rc.conf.5;)
- (este arquivo era chamado
- <filename>/etc/sysconfig</filename> nas verses
- anteriores a 2.2.2) e omitiu a linha</para>
+ <para>Outro motivo para a falta da linha de rota padrão é que uma rota padrão foi adicionada ao <filename>/etc/rc.conf</filename> e esta linha está faltando no arquivo <filename>/etc/ppp/ppp.conf</filename>:</para>
<programlisting>delete ALL</programlisting>
- <para>no <filename>ppp.conf</filename>. Se este for o
- problema, volte para <link xlink:href="../handbook/ppp-and-slip.html#USERPPP-FINAL">
- seo de configuraes
- Finais do &a.ptbr.p.handbook;.</link></para>
+ <para>Se esse for o caso, volte para seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/userppp.html#userppp-final">Configuração final do sistema</link> no Handbook.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="no-route-to-host">
- <para>O que <errorname>No route to host</errorname>
- significa?</para>
+ <para>O que o erro <errorname>No route to host</errorname> significa?</para>
</question>
<answer>
- <para>Este erro causado pela falta das linhas</para>
+ <para>Este erro geralmente ocorre porque a seguinte seção está faltando no arquivo <filename>/etc/ppp/ppp.linkup</filename>:</para>
<programlisting>MYADDR:
delete ALL
add 0 0 HISADDR</programlisting>
- <para>no seu arquivo
- <filename>/etc/ppp/ppp.linkup</filename>. Isso somente
- necessrio se voc tem um IP
- dinmico ou no sabe o endereo do seu
- gateway. Se voc esta usando o modo interativo,
- pode-se digitar o seguinte, depois de ter entrado no
- <literal>modo packet</literal> (O modo packet
- indicado pelo <acronym>PPP</acronym> maisculo no
- prompt):
- </para>
+ <para>Isso é necessário apenas para um endereço IP dinâmico ou quando o endereço do gateway padrão é desconhecido. Ao usar o modo interativo, o seguinte pode ser digitado depois de entrar no modo de pacote. O modo de pacote é indicado pelo <acronym>PPP</acronym> em letras maiúsculas no prompt:</para>
<programlisting>delete ALL
add 0 0 HISADDR</programlisting>
- <para>Consulte a <link xlink:href="../handbook/ppp-and-slip.html#USERPPP-DYNAMICIP">
- seo PPP e Endereos IPs
- dinmicos</link> do &a.ptbr.p.handbook; para
- maiores detalhes
- </para>
+ <para>Consulte a seção <link xlink:href="@@URL_RELPREFIX@@/doc/pt_BR.ISO8859-1/books/handbook/userppp.html#userppp-dynamicip">Endereços IP dinâmicos e PPP</link> do manual para mais detalhes.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="connection-threeminutedrop">
- <para>Porque minha conexo cai depois de (em mdia)
- 3 minutos?</para>
+ <para>Por que minha conexão cai depois de 3 minutos?</para>
</question>
<answer>
- <para>O default timeout do PPP de 3 minutos. Isso pode
- ser ajustado com a linha</para>
+ <para>O tempo limite padrão do PPP é de 3 minutos. Isso pode ser ajustado com a seguinte linha:</para>
<programlisting>set timeout <replaceable>NNN</replaceable></programlisting>
- <para>Onde NNN o nmero em
- segundos de inatividade antes da conexo ser
- fechada. Se <replaceable>NNN</replaceable> zero a conexo
- nunca ser fechada devido a um timeout.
- possvel colocar esse comando no
- <filename>ppp.conf</filename> ou digit-lo no modo
- interativo. Tambm
- possvel que isso seja ajustado enquanto sua
- conexo esta ativa conectando
- pelo socket do servidor <application>ppp</application> usando
- &man.telnet.1; ou &man.pppctl.8;. Consulte a man
- page do &man.ppp.8; para maiores detalhes.
- </para>
+ <para>onde <replaceable>NNN</replaceable> é o número de segundos de inatividade antes que a conexão seja fechada. Se <replaceable>NNN</replaceable> for zero, a conexão nunca será fechada devido a um tempo limite. É possível colocar este comando em <filename>ppp.conf</filename>, ou digitá-lo no prompt no modo interativo. Também é possível ajustá-lo rapidamente enquanto a linha está ativa conectando-se ao socket de servidor do <application>ppp</application> usando <citerefentry><refentrytitle>telnet</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> ou <citerefentry><refentrytitle>pppctl</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. Consulte a página do manual <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para obter mais detalhes.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-drop-heavy-load">
- <para>Por que minha conexo cai quando est
- sobrecarregada?</para>
+ <para>Por que minha conexão cai sob carga pesada?</para>
</question>
<answer>
- <para>Se voc tem o relatrio da qualidade da
- ligao (opo LPR)
- configurado possvel que muitos pacotes
- LQR entre sua mquina e a origem estejam sendo
- perdidos. O ppp deduz que sua linha deve ser ruim e
- desconecta. Antes da verso 2.2.5 do FreeBSD, o
- LQR era habilitado por default. Agora ele
- desabilitado por default. O LQR pode ser desabilitado com
- a linha</para>
+ <para>Se o relatório de qualidade de link (<acronym>LQR</acronym>) estiver configurado, é possível que muitos pacotes <acronym>LQR</acronym> sejam perdidos entre o sistema FreeBSD e o peer. <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> deduz que a linha deve ser ruim e desconectada. O <acronym>LQR</acronym> vem desativado por padrão e pode ser ativado com a seguinte linha:</para>
- <programlisting>disable lqr</programlisting>
+ <programlisting>enable lqr</programlisting>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-drop-random">
- <para>Por que minha conexo cai aps um
- perodo aleatrio de tempo?</para>
+ <para>Por que minha conexão cai depois de um período de tempo aleatório?</para>
</question>
<answer>
- <para>s vezes, em uma linha telefnica com
- rudos, ou quando a linha tem espera de
- ligaes, seu modem pode desligar, pensando
- (incorretamente) que perdeu o sinal de linha.</para>
-
- <para>Existem ajustes em grande parte dos modems
- determinando o quo tolerante ele deve ser a
- respeito de perdas de sinal de linha. No USR Sportster,
- por exemplo, isso medido pelo registrador S10 em
- dcimos de segundo. Para fazer com que seu modem
- no caia, poderia-se adicionar a seguinte string
- dial up para envio/espera:</para>
+ <para>Às vezes, em uma linha telefônica barulhenta ou mesmo em uma linha com a chamada em espera ativada, o modem pode desligar porque acha incorretamente que perdeu conexão com a operadora.</para>
- <programlisting>set dial "...... ATS10=10OK......"
- </programlisting>
-
- <para>Consulte o manual do seu modem para detalhes.</para>
+ <para>Há uma configuração na maioria dos modems para determinar quão tolerante deve ser a perda temporária de conexão com portadora. Consulte o manual do modem para detalhes.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-hangs-random">
- <para>Por que minha conexo fica pendurada depois de
- um perodo aleatrio de tempo?</para>
- </question><answer>
-
- <para>Muitas pessoas experimentam conexes presas sem
- aparentemente nenhuma explicao.</para>
-
- <para>Se voc usa um modem externo, voc
- simplesmente pode tentar um &man.ping.8; para ver se a luz
- <acronym>TD</acronym> fica piscando quando voc
- transmite dados. Se piscar (e a luz do
- <acronym>RD</acronym> no), o problema com
- a extremidade remota. Se o <acronym>TD</acronym>
- no piscar, o problema local. Com um
- modem interno voc precisar usar o comando
- <literal>set server</literal> no seu arquivo ppp.conf.
- Quando ocorrer de cair, conecte com o &man.ppp.8; usando o
- &man.pppctl.8;. Se a conexo de sua rede voltar de
- repente (o ppp voltou devido a atividade no
- diagnstico do socket) ou se voc no
- consegue conectar (assumindo que o comando <literal>set
- socket</literal> foi iniciado com sucesso) o problema
- local. Se voc puder conectar e ainda as
- coisas estiverem "penduradas" habilite os logs do async
- local com o comando <literal>set log local async</literal>
- e use o &man.ping.8; de outra janela ou terminal para
- forar a atividade da conexo. Os logs
- async iro mostrar os dados que esto sendo
- transmitidos e recebidos durante a ligao.
- Se os dados esto indo e no esto
- voltando, o problema remoto.</para>
-
- <para>Tendo estabelecido que o problema local ou
- remoto, voc tem agora duas possibilidades:</para>
-
- <itemizedlist>
+ <para>Por que minha conexão cai após um período aleatório de tempo?</para>
+ </question>
+
+ <answer>
+ <para>Muitas pessoas experimentam conexões pendentes sem explicação aparente. A primeira coisa a estabelecer é de que lado do link está pendurado.</para>
+
+ <para>Ao usar um modem externo, tente usar <citerefentry><refentrytitle>ping</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para ver se a luz de <acronym>TD</acronym> está piscando quando os dados são transmitidos . Se piscar, mas a luz de <acronym>RD</acronym> não, o problema é com a extremidade remota. Se <acronym>TD</acronym> não piscar, o problema é local. Com um modem interno, use o comando <literal>set server</literal> em <filename>ppp.conf</filename>. Quando o problema ocorrer, conecte-se ao <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> usando <citerefentry> <refentrytitle>pppctl</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry>. Se a conexão de rede reviver repentinamente devido à atividade no socket de diagnóstico ou se não se conectar, mas o comando <literal>set socket</literal> for bem-sucedido na inicialização, o problema é local. Se ele puder se conectar, mas as coisas ainda estiverem travadas, ative o log local com <literal>set log local async</literal> e use <citerefentry><refentrytitle>ping</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> de outra janela ou terminal para fazer uso do link. O registro assíncrono mostrará os dados sendo transmitidos e recebidos no link. Se os dados estão saindo e não voltando, o problema é remoto.</para>
+
+ <para>Tendo estabelecido se o problema é local ou remoto, existem agora duas possibilidades:</para>
+
+ <itemizedlist>
<listitem>
- <para>Se o problema remoto, leia a
- seco <xref linkend="ppp-remote-not-responding"/>.</para>
+ <para>Se o problema for remoto, leia a entrada <xref linkend="ppp-remote-not-responding"/>.</para>
</listitem>
<listitem>
- <para>Se o problema for remoto, leia a
- seco <xref linkend="ppp-hung"/>.</para>
+ <para>Se o problema é local, leia a entrada <xref linkend="ppp-hung"/>.</para>
</listitem>
</itemizedlist>
</answer>
@@ -11508,538 +3427,218 @@ add 0 0 HISADDR</programlisting>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-remote-not-responding">
- <para>A extremidade remota no est
- respondendo. O que eu posso fazer?</para>
+ <para>A ponta remota não está respondendo. O que eu posso fazer?</para>
</question>
<answer>
- <para>H muito pouco que pode ser feito em
- relao a isso. A maioria dos provedores
- iro recusar ajuda-lo se voc no usar
- o Windows. Voc pode habilitar a
- <literal>lqr</literal> no seu arquivo
- <filename>ppp.conf</filename>, permitindo ao &man.ppp.8;
- detectar a falha remota e desligar-se, mas essa
- deteco relativamente lenta e
- consequentemente intil. Pode-se querer evitar
- dizer ao seu provedor que voc est rodando o
- user-ppp....</para>
+ <para>Há muito pouco que pode ser feito sobre isso. Muitos ISPs recusam-se a ajudar usuários que não estejam executando um SO da <trademark class="registered">Microsoft</trademark>. Adicione <literal>enable lqr</literal> ao <filename>/etc/ppp/ppp.conf</filename>, permitindo <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para detectar a falha remota e desligar. Essa detecção é relativamente lenta e, portanto, não é tão útil.</para>
- <para>Primeiro tente desabilitar toda compresso
- local adicionando o seguinte em sua
- configurao:</para>
+ <para>Primeiro, tente desativar toda a compactação local adicionando o seguinte à configuração:</para>
<programlisting>disable pred1 deflate deflate24 protocomp acfcomp shortseq vj
deny pred1 deflate deflate24 protocomp acfcomp shortseq vj</programlisting>
- <para>Ento reconecte para assegurar de que isso
- no fez diferena. Se as coisas melhoraram
- ou se o problema foi resolvido completamente, determine
- quais ajustes fizeram a diferena atravs de
- tentativas e erros. Isto fornecer uma boa cartada
- quando voc contactar seu provedor (embora possa
- parecer que voc no esteja rodando um
- produto Microsoft).</para>
+ <para>Em seguida, reconecte para garantir que isso não faz diferença. Se as coisas melhorarem ou se o problema for resolvido completamente, determine qual configuração faz a diferença através de tentativa e erro. Esta é uma boa informação para o ISP, embora possa tornar aparente que não é um sistema <trademark class="registered">Microsoft</trademark>.</para>
- <para>Antes de contactar seu provedor, habilite o log async
- localmente e aguarde at que sua conexo
- caia novamente. Isto pode usar um bocado de espao
- em disco. A ltima leitura de dados da porta pode
- ser de seu interesse. So geramente dados em
- ascii, e podem mesmo descrever o problema (<quote>Memory
- fault, core dumped</quote>?).</para>
+ <para>Antes de entrar em contato com o ISP, ative o registro assíncrono localmente e aguarde até que a conexão seja interrompida novamente. Isso pode usar um pouco de espaço em disco. Os últimos dados lidos da porta podem ser de interesse. Geralmente são dados ASCII e podem até descrever o problema (<errorname>Memory fault</errorname>, <errorname>Core dumped</errorname>).</para>
- <para>Se seu provedor for prestativo, ele deve ser capaz de
- habilitar o log da extremidade da conexo dele,
- ento quando a proxima queda de link ocorrer, eles
- podem ser capazes de dizer porque o seu lado esta tendo
- problemas. Sinta-se livre para enviar os detalhes para
- &a.brian; ou pea para seu provedor
- contact-lo diretamente.</para>
+ <para>Se o ISP for útil, eles devem ser capazes de habilitar o log em sua finalização, então quando o próximo link falhar, eles poderão dizer por que seu lado está tendo um problema.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-hung">
- <para>O &man.ppp.8; est travado. O que eu posso
- fazer?</para>
+ <para><citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> foi desativado. O que eu posso fazer?</para>
</question>
<answer>
- <para>A melhor coisa a fazer aqui recompilar o
- &man.ppp.8; adicionando <literal>CFLAGS+=-g </literal>e
- <literal>STRIP=</literal> no final do Makefile, depois
- faa <command>make clean &amp;&amp; make &amp;&amp;
- make install</command>. Quando o &man.ppp.8; ficar
- travado, procure o id do processo com um <command>ps ajxww
- | fgrep ppp</command> e execute <command>gdb ppp
- </command>PID. No prompt do gdb voc pode
- ento usar o <command>bt</command> para obter um
- rastreamento da pilha.</para>
+ <para>Nesse caso, reconstrua o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> com informações de depuração e, em seguida, use <citerefentry><refentrytitle>gdb</refentrytitle><manvolnum>1</manvolnum></citerefentry> para pegar um rastrear uma pilha do processo <application>ppp</application> que está travado. Para reconstruir o utilitário <application>ppp</application> com informações de depuração, digite:</para>
+
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>cd /usr/src/usr.sbin/ppp</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>env DEBUG_FLAGS='-g' make clean</userinput>
+<prompt>#</prompt> <userinput>env DEBUG_FLAGS='-g' make install</userinput></screen>
+
+ <para>Em seguida, reinicie o <application>ppp</application> e espere até que ele seja interrompido novamente. Quando a compilação de depuração do <application>ppp</application> é interrompida, inicie o <application>gdb</application> no processo travado digitando:</para>
- <para>Envie os resultados para:
- <email>brian@Awfulhak.org</email>.</para>
+ <screen><prompt>#</prompt> <userinput>gdb ppp `pgrep ppp`</userinput></screen>
+
+ <para>No prompt <application>gdb</application>, use os comandos <command> bt </command> ou <command> where </command> para obter um rastreamento de pilha. Salve a saída da sessão <application> gdb </application> e <quote> desconecte </quote> do processo em execução, digitando <command> quit </command>.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
- <question xml:id="ppp-loginok-thennothing">
- <para>Por que no acontece nada depois da mensagem
- <quote>Login OK!</quote>?</para>
+ <question xml:id="ppp-same-magic">
+ <para>Eu continuo vendo erros sobre a magia sendo a mesma. O que isso significa?</para>
</question>
<answer>
- <para>Antes da verso 2.2.5 do FreeBSD, uma vez que a
- conexo foi estabelecida, o &man.ppp.8; espera que o
- modem remoto inicie o protocolo do controle de linha
- (LCP), Muitos provedores no iniciaro a
- negociao e esperaro que o
- cliente a faa. Para forar o &man.ppp.8;
- para iniciar o LCP, use a seguinte linha:</para>
+ <para>Ocasionalmente, logo após a conexão, pode haver mensagens no log que digam que <errorname>Magic é o mesmo</errorname>. Às vezes, essas mensagens são inofensivas e, às vezes, um lado ou outro termina. A maioria das implementações do PPP não pode sobreviver a esse problema, e mesmo se o link aparecer, haverá solicitações de configuração repetidas e configuração de reconhecimentos no arquivo de log até que o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> eventualmente desiste e fecha a conexão.</para>
- <programlisting>set openmode active</programlisting>
+ <para>Isso normalmente acontece em máquinas servidor com discos lentos que estão gerando um <citerefentry><refentrytitle>getty</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> na porta e executando <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> a partir de um script de login ou programa após o login. Houve relatos de que isso acontecia de forma consistente ao usar slirp. A razão é que no tempo entre <citerefentry><refentrytitle>getty</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> terminar e o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> iniciar, o cliente <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> inicia o envio de pacotes do protocolo de controle de linha (LCP). Como o ECHO ainda está ligado à porta do servidor, o cliente <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> vê esses pacotes sendo <quote> refletidos </quote> de volta.</para>
- <note>
- <para>Nota: isto geralmente no prejudica em nada
- se a negociao for iniciada por ambos os
- lados, assim, a opo openmode
- agora ativada por padro. Entretanto, na
- prxima seo ser explicado
- quando isso realmente <emphasis>proporciona</emphasis>
- algum problema.</para>
- </note>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <para>Uma parte da negociação do LCP é estabelecer um número mágico para cada lado do link para que as <quote>reflexões</quote> possam ser detectadas. O protocolo diz que quando o parceiro tenta negociar o mesmo número mágico, um NAK deve ser enviado e um novo número mágico deve ser escolhido. Durante o período em que a porta do servidor tem o ECHO ligado, o cliente <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> envia pacotes LCP, vê o mesmo numero mágica no pacote refletido e reflete o NAK. Ele também vê a reflexão NAK (que também significa que o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> deve mudar seu numero magico). Isso produz um número potencialmente enorme de mudanças no número mágico, todas as quais estão se acumulando alegremente no buffer tty do servidor. Assim que <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> é iniciado no servidor, ele é inundado com alterações de numeros mágicos e quase imediatamente decide que tentou o suficiente para negociar LCP e desiste. Enquanto isso, o cliente, que não vê mais as reflexões, fica feliz a tempo de ver um desligamento do servidor.</para>
- <qandaentry>
- <question xml:id="ppp-same-magic">
- <para>Eu vejo os mesmos erros sobre <literal>magic is the
- same</literal>. O que significa?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>Ocasionalmente, depois da conexo, voc
- pode ver mensagens no log dizendo <quote>"magic is the
- same"</quote>. s vezes essas mensagens
- so sem importncia e as vezes um lado ou o
- outro sai. A maioria das implementaes do
- ppp no consegue continuar com esse problema, e
- mesmo se a conexo estiver para ser estabelecida,
- voc ver repetidas requisies
- de configurao e reconhecimentos de
- configurao no arquivo de log at
- que o &man.ppp.8; eventualmente desista e feche a
- conexo.</para>
-
- <para>Isto normalmente acontece em mquinas com
- discos lentos que esto dando spawning getty na
- porta e executam o &man.ppp.8; atravs de um login
- script ou programa depois do login. Eu tambm ouvi
- relatrios disso estar acontecendo consistentemente
- ao usar slirp. A razo que no tempo entre
- sada do &man.getty.8; e a
- inicializao do &man.ppp.8;, o &man.ppp.8; do
- lado cliente comea a emitir pacotes do protocolo
- do controle da linha LCP). Porque o ECHO ainda esta
- ligado na porta do servidor, o cliente ento
- v esses pacotes serem <quote>refletidos</quote> de
- volta.</para>
-
- <para>Uma parte da negociao LCP deve
- estabelecer um nmero mgico para cada lado
- da ligao de modo que as
- <quote>reflexes</quote> possam ser detectadas. O
- protocolo diz que quando um ponto tenta negociar o mesmo
- nmero mgico, um NAK deve ser emitido e um
- novo nmero mgico deve ser escolhido.
- Durante o perodo que a porta do server tem o ECHO
- ligado, o &man.ppp.8; cliente manda pacotes LCP, v o
- mesmo nmero mgico nos pacotes refletidos e
- manda NAKs a ele. Ve-se tambm o NAK que foi
- refletido (que significa que o &man.ppp.8; deve mudar o seu
- nmero mgico). Isto produz um
- nmero potencialmente enorme de mudanas de
- nmeros mgicos que esto sendo
- empilhados no buffer do tty do servidor. To logo
- o &man.ppp.8; se inicia no servidor, ele inundado
- com mudanas de nmeros mgicos
- imediatamente ao negociar o LCP, e desiste. Enquanto
- isso, o cliente no v por muito tempo as
- reflexes e fica feliz apenas por algum tempo,
- at receber a desconexo do servidor.</para>
-
- <para>Isto pode ser evitado permitindo que a
- negociao seja iniciada pelo servidor
- (peer), adicionando a seguinte linha no seu arquivo
- ppp.conf:</para>
+ <para>Isto pode ser evitado permitindo que o par comece a negociar com a seguinte linha em <filename>ppp.conf</filename>:</para>
<programlisting>set openmode passive</programlisting>
- <para>Isso diz ao &man.ppp.8; para esperar que o servidor
- inicie as negociaes LCP. Alguns
- servidores, entretanto, podem nunca iniciar as
- negociaes. Se este for o caso, voc
- deve fazer algo como:</para>
+ <para>Isto diz ao <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para esperar que o servidor inicie as negociações do LCP. Alguns servidores, no entanto, nunca podem iniciar negociações. Nesse caso, tente algo como:</para>
<programlisting>set openmode active 3</programlisting>
- <para>Isto diz ao &man.ppp.8; para ser passivo durante 3
- segundos, e ento comear a enviar
- requisies LCP. Se o servidor (peer)
- comear a enviar requisies durante
- esse perodo, o &man.ppp.8; ir responder
- imediatamente, ao invs de aguardar pelo
- perodo completo de 3 segundos.</para>
+ <para>Isso informa ao <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> para ser passivo por 3 segundos e, em seguida, para iniciar o envio de solicitações de LCP. Se o peer começar a enviar pedidos durante este período, <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> responderá imediatamente, em vez de esperar pelo período completo de 3 segundos.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-lcp-constant">
- <para>As negociaes LCP continuam at
- que a conexo seja fechada. O que est
- errado?</para>
- </question>
-
- <answer>
- <para>H atualmente uma caracterstica
- faltando no ppp onde ele no associa respostas LCP
- , CCP &amp; IPCP com suas requisies
- originais. Como consequncia, se uma
- implementao ppp 6 segundos mais
- lenta do que o outro lado, esse lado emitir duas
- requises adicionais de configurao
- LCP. Isto fatal.</para>
-
- <para>Considere duas implementaes,
- <systemitem>A</systemitem> e <systemitem>B</systemitem>.
- <systemitem>A</systemitem> emite requisies LCP
- imediatamente aps a conexo e
- <systemitem>B</systemitem> leva 7 segundos para iniciar. Quando
- <systemitem>B</systemitem> inicia, <systemitem>A</systemitem> emitiu 3 LCP
- REQs. Ns estamos supondo que a linha ECHO esteja
- desabilitada, seno ns veramos
- problemas com nmero mgico como descritos
- na seo anterior. <systemitem>B</systemitem> emite
- um REQ, entao um ACK para o primeiro dos REQs de
- <systemitem>A</systemitem>. Isto resulta em <systemitem>A</systemitem>
- entrando no estado <acronym>OPENED</acronym> e enviando um
- ACK (o primeiro) de volta a <systemitem>B</systemitem>. Enquanto
- isso, <systemitem>B</systemitem> envia de volta mais dois ACKs em
- resposta aos dois REQs adicionais enviados por
- <systemitem>A</systemitem> antes de <systemitem>B</systemitem> ter
- iniciado. <systemitem>B</systemitem> ento recebe o
- primeiro ACK de <systemitem>A</systemitem> e tambm entra
- no estado de <acronym>OPENED</acronym>.
- <systemitem>A</systemitem> recebe o segundo ACK de
- <systemitem>B</systemitem> e retorna ao estado de
- <acronym>REQ-SENT</acronym>, enviando um outro (seguinte)
- REQ conforme a RFC ordena. Ento, recebe o
- terceiro ACK e entra no estado OPENED. Enquanto isso,
- <systemitem>B</systemitem> recebe REQ (posterior) de
- <systemitem>A</systemitem>, tendo como resultado uma
- reverso para o estado <acronym>ACK-SENT</acronym>
- e enviando um outro (segundo) REQ e (depois) ACK conforme
- a RFC. Conseguindo o REQ, <systemitem>A</systemitem> entra em
- <acronym>REQ-SENT</acronym> e envia outro REQ.
- Imediatamente recebe o ACK seguinte e entra em
- <acronym>OPENED</acronym>.</para>
-
- <para>Isto continuar at que um dos lados
- descubra que eles no esto indo a lugar
- algum e desista.</para>
-
- <para>A melhor maneira de evitar isso configurar um
- lado para ser <literal>passivo</literal> - isso faz com
- que um lado espere pelo outro para iniciar uma
- negociao. Isto pode ser feito com o
- comando</para>
+ <para>As negociações LCP continuam até que a conexão seja encerrada. O que está errado?</para>
+ </question>
- <programlisting>set openmode passive</programlisting>
+ <answer>
+ <para>Há atualmente uma implementação incorreta no <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> onde ele não associa LCP, CCP &amp; Respostas IPCP com seus pedidos originais. Como resultado, se uma implementação de PPP for mais de 6 segundos mais lenta do que o outro lado, o outro lado enviará duas solicitações adicionais de configuração de LCP. Isso é fatal.</para>
+
+ <para>Considere duas implementações, <systemitem>A</systemitem> e <systemitem>B</systemitem>. <systemitem>A</systemitem> começa a enviar solicitações LCP imediatamente após a conexão e <systemitem>B</systemitem> leva 7 segundos para iniciar. Quando <systemitem>B</systemitem> é iniciado, <systemitem>A</systemitem> enviou 3 LCP REQs. Estamos supondo que a linha esteja com ECHO desligado, caso contrário, veríamos problemas com números mágicos conforme descrito na seção anterior. <systemitem>B</systemitem> envia um REQ e, em seguida, um ACK para o primeiro dos REQs de <systemitem>A</systemitem>. Isso resulta em <systemitem>A</systemitem> inserindo o estado <acronym>OPENED</acronym> e enviando e ACK (o primeiro) de volta para <systemitem>B</systemitem>. Enquanto isso, <systemitem>B</systemitem> envia de volta mais dois ACKs em resposta aos dois REQs adicionais enviados por <systemitem>A</systemitem> antes de <systemitem>B</systemitem> ser iniciado. <systemitem>B</systemitem> recebe o primeiro ACK de <systemitem>A</systemitem> e entra no estado <acronym>OPENED</acronym>. <systemitem>A</systemitem> recebe o segundo ACK de <systemitem>B</systemitem> e retorna ao estado de <acronym>REQ-SENT</acronym>, enviando outro (adiante) REQ de acordo com o RFC. Em seguida, recebe o terceiro ACK e entra no estado <acronym>OPENED</acronym>. Enquanto isso, <systemitem>B</systemitem> recebe o quarto REQ de <systemitem>A</systemitem>, resultando na sua reversão para o estado <acronym>ACK-SENT</acronym> e enviando outro (segundo) REQ e (adiante) ACK de acordo com o RFC. <systemitem>A</systemitem> obtém o REQ, entra em <acronym>REQ-SENT</acronym> e envia outro REQ. Ele recebe imediatamente o seguinte ACK e insere <acronym>OPENED</acronym>.</para>
- <para>Deve-se ter cuidado com esta opo.
- Voc tambm deve usar o comando</para>
+ <para>Isso continua até que um lado conclui que eles estão chegando a lugar nenhum e desiste.</para>
- <programlisting>set stopped N</programlisting>
+ <para>A melhor maneira de evitar isso é configurar um lado para ser <literal>passivo</literal> - isto é, fazer um lado esperar que o outro comece a negociar. Isso pode ser feito com o seguinte comando:</para>
- <para>para limitar a quantidade de tempo que o &man.ppp.8;
- esperar pelo outro lado iniciar a
- negociao. Alternativamente o
- comando</para>
+ <programlisting>set openmode passive</programlisting>
- <programlisting>set openmode active N</programlisting>
+ <para>Deve ser tomado cuidado com esta opção. Este comando também pode ser usado para limitar a quantidade de tempo que o <citerefentry><refentrytitle>ppp</refentrytitle><manvolnum>8</manvolnum></citerefentry> aguarda que o par inicie as negociações:</para>
- <para>(onde <replaceable>N</replaceable> o
- nmero de segundos para esperar antes de iniciar as
- negociaes) pode ser usado. Consulte as
- pginas de manual para detalhes.</para>
- </answer>
- </qandaentry>
+ <programlisting>set stopped <replaceable>N</replaceable></programlisting>
- <qandaentry>
- <question xml:id="ppp-lockups">
- <para>Por que o &man.ppp.8; trava logo ap a
- conexo?</para>
- </question>
+ <para>Alternativamente, o seguinte comando (onde <replaceable>N</replaceable> é o número de segundos a aguardar antes de iniciar as negociações) pode ser usado:</para>
- <answer>
- <para>Antes da verso 2.2.5 do FreeBSD, era
- possvel que sua ligao fosse
- desabilitada logo aps a conexo, devido a
- incapacidade de negociao da
- compresso Predictor1 do &man.ppp.8;. Isto
- aconteceria somente se ambos os lados tentassem negociar
- protocolos diferentes do controle da compresso
- (CCP). Este problema atualmente esta corrigido, mas se
- voc ainda roda uma verso antiga do
- &man.ppp.8;, o problema pode ser resolvido com a
- linha:</para>
+ <programlisting>set openmode active <replaceable>N</replaceable></programlisting>
- <programlisting>disable pred1</programlisting>
+ <para>Verifique a página de manual para detalhes.</para>
</answer>
</qandaentry>
<qandaentry>
<question xml:id="ppp-shell-test-lockup">
- <para>Por que o &man.ppp.8; trava quando executo
- comandos shell pelo &man.ppp.8;?</para>
+ <para>Por que